Publicidade
Mais que ligações

Tem de ferro, metálica, pênsil, molhada. Conheça dez pontes históricas e lindas do Paraná

Ponte Ayrton Senna liga Paraná a Mato Grosso do Sul
Ponte Ayrton Senna liga Paraná a Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação)

Elas surgem nas redes sociais como cartões postais, mas têm muita história para contar e papel essencial na economia


Ponte dos Arcos, bela, mas perigosa

A Ponta dos Arcos é uma das mais belas do Paraná. Fica entre Balsa Nova e Palmeira. Mas para chegar nela é preciso ter um espírito aventureiro. Recomenda-se sair de carro de Curitiba, sentido Ponta Grossa. Ao chegar ao pedágio, pega-se 5km de estrada de chao sentido Fazenda Thalia e Aeroclube de Balsa Nova. Os carros podem ficar estacionados exatamente na frente do portão da Thalia. Pedalando ou a pé, é preciso seguir pela estrada, acompanhando a trilha do GPS. O rio encontrado adiante sobre pedras pode ser atravessado tranquilamente. Na ponte dos arcos, recomenda-se cautela. Aguardem a passagem de um trem para iniciar a travessia, já que as áreas de escape são poucas e várias estão sem as proteções. Os trem passam aproximadamente a cada 20-30 minutos. Então, passado um, faça a travessia de forma rápida e não pare sobre ela para ver o visual.


Ponte Ayrton Senna liga Paraná a Mato Grosso do Sul

Homenageando o inesquecível campeão brasileiro e mundial de Fórmula 1, a ponte liga a cidade de Guaíra, no Paraná, com o município de Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul. Construída sobre o Rio Paraná, em seu único trecho não represado, a obra tem 3.600 metros de extensão, sendo também caminho para o turismo de compras em Salto Del Guaíra, no Paraguai. Foi inaugurada em 24 de janeiro de 1998, custando R$ 32 milhões. É a continuação da BR-163, sendo a única ponte no mundo em curva na parte central com tobogã. Guaíra, aliás, tem muito mais a oferecer ao turista. A Lagoa Saraiva, por exemplo, com água escura e espelhada, está localizada na Ilha Grande, com cerca de 20 km de comprimento e 10 a 12 metros de profundidade. O local é considerado um santuário ecológico, propício à reprodução de espécies.


Ponte histórica no Recanto dos Papagaios, em Balsa Nova
Localizado às margens da BR-277, entre os municípios de Balsa Nova e Palmeira, o Recanto dos Papagaios conta com áreas arborizadas, estruturas de lazer, além das piscinas naturais formadas pelo represamento das águas do Rio dos Papagaios.
O local abriga ainda a ponte centenária, considerada monumento de engenharia nacional com seus dois arcos no vão central, sendo totalmente construída em alvenaria de pedra. Tombada em 1973 como Patrimônio Histórico e Artístico, também é conhecida por Ponte de Dom Pedro, por ter sua construção autorizada pelo então Imperador Dom Pedro II. Além de visitar as belezas do local, tomar um belo banho de rio é uma ótima pedida!


Ponte Machado de Assis divide Paraná e Santa Catarina
A ponte ferroviária Machado da Costa, sobre o rio Iguaçu, está situada na divisa dos Estados do Paraná e de Santa Catarina, na linha Itararé-Uruguai da antiga RVPSC, pouco antes da estação de Porto União da Vitória. A ponte foi aberta em 1906, provisória, em madeira, logo em seguida substituída por uma metálica. Ela era, no entanto, diferente da atual, que mantém suas fundações, mas não tem a “cobertura”, ou seja, a estrutura mais alta que “cobre” a ponte em metal. A modificação veio nos anos 1950 por motivos ignorados. Em 1996, perdeu os trilhos. O trecho que ligava a ponte a Engenheiro Gutierrez, em Irati, foi retirado; sobrou o trecho entre a ponte e o sul do País; com isso, a estação de Porto União da Vitória, fusão dos nomes das duas cidades, uma em cada Estado (União da Vitória, PR e Porto União, SC) ainda mantém seus trilhos dividindo as cidades e os Estados no meio de sua gare coberta. União da Vitória, aliás, guarda muito bem detalhes da Guerra do Contestado e tem muitos atrativos para o turista.


A Ponte Velha de Morretes
Construída em 1912 na administração do Dr. Francisco Xavier da Silva, sendo o secretário de obras públicas o Dr. Claudino Francisco dos Santos, a Ponte Velha de Morretes, cidade histórica do Litoral paranaense é valiosa pela beleza e pela história. Encarregado da construção desta magnífica obra foi Ângelo Botteccha, engenheiro de obras públicas do estado. Liga as margens do Rio Nhundiaquara, no Porto de Cima, de onde se pode contemplar uma imponente visão do Pico do Marumbi. A ponte é um plus para um passeio que ainda pode contar com um almoço saboroso de barreado e um passeio pela cidade histórica.


Ponte Molhada é atração na pequena Missal
A Ponte Molhada, na pequena cidade paranaense Missal, recebe nos fins de semana muitas famílias que desejam passar momentos próximos à natureza. O espaço, no entanto, não tem infraestrutura de bares, lanchonetes, banheiros e nem lixeiras. Portanto, quem for visitar a Ponte Molhada, deve levar o lixo junto, para que não sejam despejados no rio ou na mata. Distante 75 quilômetros de Foz do Iguaçu e 600 quilômetros de Curitiba, Missal é o local ideal para quem procura tranquilidade e alimentos coloniais diretamente do produtor rural. Um verdadeiro pedacinho da Alemanha, que pode ser percebido em construções e pelo sotaque da população.


Ribeirão Claro tem uma das três pontes pênseis do País
A Ponte Alves Lima, que liga Ribeirão Claro (PR) a Chavantes (SP), é uma das três pontes pênseis do Brasil e a única do país com o piso e as laterais revestidos em madeira. Foi tombada pelo patrimônio histórico, em âmbito estadual, duas vezes. Também foi destruída duas vezes: primeiro, queimada por revoltosos paulistas durante a Revolução de 1924; depois, dinamitada pelas tropas getulistas na Revolução Constitucionalista de 1932. Por fim, foi levada pelas águas do Rio Paranapanema, numa enchente, em 1983, sendo reconstruída dois anos depois. Pela história e beleza arquitetônica, vale a pena conhecer. O acesso a Ribeirão Claro,, é exclusivamente rodoviário. Quem está no Paraná pode pegar as rodovias PR-431, PR-151 e PR-092. Já quem vem de São Paulo deve viajar pela SP-270 ou SP-280. A cidade dispõe de linhas regulares de ônibus. Para viagens de avião comercial, é preciso aterrissar no Aeroporto de Londrina, a 180 km. Até Curitiba são 400 km.


Ponte Metálica Doutor Diniz Assis Hening, de erro a atração turística
Erguida sobre o rio Negro, a Ponte Metálica Doutor Diniz Assis Hening é rodeada de lendas. Os 110 metros da estrutura, que acompanham o rio de margem a margem, teriam sido resultado de um erro de cálculo. Segundo especialistas, a medida precisaria ser maior para facilitar a navegação e diminuir o risco na ocorrência de enchentes. Outra versão afirma que a falha aconteceu no despacho da fábrica, que teria enviado à cidade outra ponte, não aquela encomendada. A obra foi tombada como Patrimônio Estadual do Paraná e Santa Catarina e hoje é uma das atrações turísticas de Rio Negro. Localizado no sudeste do Paraná, o município está no limite com a cidade catarinense de Mafra, demarcando a divisa entre os dois estados.


A Ponte de Ferro Estreita de Campo do Tenente
A PR-427 é uma rodovia repleta de lindas paisagens e para incrementar as emoções do caminho está a curiosa ponte de ferro que um dia foi caminho do trem. Tão estreia que tem passagem para veículos em apenas um sentido por vez. Passa sobre o Rio da Várzea, que serpenteia a regiã de Campo do Tenente. Com belas paisagens e diversas espécies de peixes, o Rio da Várzea é um local muito procurado pelos turistas. Melhor ainda é apreciar a vista navegando pelas suas águas, de barco ou caiaque.


Ponte da Amizade, 40 mil pessoas por dia
A principal ligação entre Brasil e Paraguai é através da Ponte Internacional da Amizade, inaugurada em 1965, em Foz do Iguaçu e, através da qual, acredita-se, cruzam aproximadamente 40 mil pessoas por dia. A Ponte da Amizade possui 550 metros, e o trajeto pode ser feito à pé, de carro ou moto, de transporte turístico ou ônibus de transporte público urbano.


Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES