Em recuperação

Tiago Nunes admite que Furacão já começa a sonhar com objetivos maiores no Brasileirão

(Foto: Geraldo Bubniak)

É verdade que o Atlético ainda está apenas quatro pontos a frente da zona de rebaixamento. Mas o rendimento da equipe, que levou o time das últimas colocações da tabela ao nono lugar em menos de um mês, anima. E anima ao ponto de o sempre comedido Tiago Nunes já admitir que a equipe começa a sonhar com objetivos maiores dentro do Campeonato Brasileiro.

Treinador sente mais alívio do que alegria pela vitória. Mas os atletas estão merecendo e isso (subir na tabela). Quando você se preocupa com rebaixamento, é uma questão de humildade. Mas o Atlético é também um clube ambicioso, então estamos olhando para os clubes que estão na nossa frente e temos de aproveitar esse bom momento para buscar pontos fora (de casa) e sonhar com algo maior dentro da competição”, disse o treinador em entrevista coletiva, lembrando que o clube fará três jogos seguidos fora de casa, contra Palmeiras, Atlético-MG e Chapecoense.

Na conversa com a imprensa, o treinador ainda tratou de elogiar o equilíbrio de sua equipe, destacando as atuações de dois jogadores, especialmente: Renan Lodi e Pablo, ambos pratas da casa.

O Pablo merece jogar bem. O nível de treino é muito parecido com como ele joga, ele se doa demais e se entrega tanto que acaba constrangendo alguém que não queira correr. Ele se tornou uma peça importante, tem uma história bonita no Atlético, já foi lateral, volante, extremo e se precisar jogar de zagueiro, ele joga. É um cara extraordinário”, disse o treinador.

Sobre o jovem lateral-esquerdo, o técnico destacou a jovialidade, a agressividade e o fôlego do atleta para subir ao ataque e ajudar na recomposição, na marcação. “
Só não vou elogiar muito o Renan que senão daqui a pouco vem alguém e leva ele embora”, brincou.

Outro ponto destacado pelo treinador foi o equilíbrio do elenco. Hoje, o meia-atacante Rony estreou marcando gol pela equipe, com o treinador ganhando mais uma boa opção para montar o time. “Essa disputa (por posição) é boa, porque quem entra, entra com muita gana para se mostrar e quem é titular tem que trabalhar para se manter. E aí quem ganha é o grupo. Mas o importante é que os caras estão tendo um respeito muito grande um com o outro e conseguindo manter essa regularidade”, finalizou.