Publicidade
Campeonato Paranaense

Toledo vence o Athletico no 1º jogo da final e leva vantagem para a Arena

O Toledo largou com vantagem na final do Campeonato Paranaense. No primeiro jogo da decisão, nesse domingo (dia 14) à tarde, no Estádio 14 de Dezembro, o time do Interior venceu por 1 a 0 o Athletico Paranaense. Na partida de volta, dia 21 de abril (domingo), na Arena da Baixada, o Toledo fica com o título se empatar. Se a equipe da capital vencer por um gol de diferença, a definição do título será nos pênaltis. O Furacão precisa vencer por dois gols ou mais de diferença para conquistar o troféu.

O gol como visitante não é critério de desempate na competição.

A final é disputada entre o campeão da Taça Sicupira, o Toledo, e o campeão da Taça Krüger, o Athletico. A ordem dos mandos de campo foi definida com base na classificação geral.

HISTÓRIA
Em toda história, o Athletico já venceu o Paranaense 24 vezes. O maior campeão do Estado é o Coritiba, com 38 títulos estaduais. O Toledo nunca conquistou o Paranaense. O título ficou com o Interior em 13 edições, contra 94 vezes da capital.

CAMPANHAS
O Athletico tem a segunda maior pontuação do Campeonato Paranaense, com 24 pontos (7 vitórias, 3 empates e 4 derrotas). O Coritiba é o time com mais pontos no torneio, com 26 (6 vitórias, 8 empates e 1 derrota). Considerando apenas as fases classificatórias, o Toledo teve a segunda pior campanha, com duas vitórias, seis empates e três derrotas.

RETROSPECTO
Athletico e Toledo já se enfrentaram 15 vezes na história, com seis vitórias do time da capital, quatro do Interior e cinco empates. No único confronto anterior entre os dois em 2019, o Furacão venceu por 8 a 2, na Arena.

PÚBLICO
O estádio em Toledo tem capacidade para 10 mil pessoas, mas vários espaços ficaram vazios nas arquibancadas. O público foi de apenas 4.500 pagantes.

ESCALAÇÃO
O Athletico usou o elenco de aspirantes, do técnico Rafael Guanaes, em todos os jogos do Paranaense. Nessa final, o treinador não recebeu reforços do elenco principal, como vinha ocorrendo nas partidas anteriores. As novidades na escalação foram os zagueiros Robson Bambu e Zé Ivaldo, que entraram nos lugares de Paulo André e Éder. O esquema tático foi a variação do 3-4-3 (com a bola) para o 5-4-1 (sem a bola), usado em todo segundo turno do Paranaense. O time do Interior usou o 5-4-1.

PRIMEIRO TEMPO
O Toledo ficou recuado e, nos raros momentos em que teve a bola, não se arriscou no ataque. No máximo, jogou a bola para Pacato tentar algumas arrancadas. A estratégia de retranca total do time do Interior usou marcação individual nos três atacantes do Athletico e nos quatro meias. Só ficaram livres os três zagueiros do Furacão, que acabaram virando os 'armadores' da equipe da capital. O trio fracassou nesssa missão. O único com alguma eficiência nos passes foi Robson Bambu, que acertou dois lançamentos para Bergson. Foram os únicos momentos com algum perigo do primeiro tempo – e Bergson não foi bem ao definir essas duas jogadas.

SEGUNDO TEMPO
O segundo tempo começou a mesma retranca do Toledo e com o Athletico igualmente preso na marcação. Aos 17, duas substituições na equipe da capital. Saíram o volante Christian e o ponta Jaderson. E entraram o atacante Poveda e o meia Demethryus. O Toledo também trocou aos 17, com a saída do atacante Wainy para a entrada do volante Guilherme Rendt. Com as mudanças, o time do Interior demorou para encaixar a marcação e passou a levar sufoco. O Athletico começou a criar com passes de Demethryus e levou perigo em dois lances, aos 22 e aos 23. No entanto, Erick e Bergson desperdiçaram as finalizações. O Toledo se arriscou no ataque nos minutos finais e conseguiu o gol. Aos 47, Léo Telles cruzou da direita e Fandinho subiu de cabeça para marcar 1 a 0.

ESTATÍSTICAS
O Athletico teve 69% de posse de bola, 11 finalizações (3 certas) e 5 escanteios. O Toledo somou 7 arremates (3 certos) e 2 escanteios. Os dados são do site oficial do Athletico.

TOLEDO 1 X 0 ATHLETICO
Toledo: André Luiz; Everton, Eduardo Luiz, Jonathan, Fandinho e Matheus Duarte; Khevin (Léo Telles), Revson, Pacato e Eduardinho (Marcelinho); Wainy (Guilherme Rendt). Técnico: Agenor Piccnin
Athletico: Léo; Lucas Halter, Robson Bambu e Zé Ivaldo; Khellven, Erick, Christian (Demethryus) e Vitinho; Marquinho, Jáderson (Poveda) e Bergson. Técnico: Rafael Guanaes
Gols: Fandinho (47-2º)
Cartões amarelos: Everton (T). Zé Ivaldo, Marquinho (A).
Árbitro: Leonardo Sígari Zanon
Público: 4.500
Local: Estádio 14 de Dezembro (Toledo)

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo
4 – Pacato avança, invade a área e chuta cruzado. A bola passa perto.
12 – Christian dá um chapéu e tenta o passe em profundidade na área. Marquinho não alcança e o goleiro segura.
20 – Erick chuta forte, de longe. O goleiro espalma no canto.
27 – Bambu lança. Bergson recebe na área e cruza com perigo. Ninguém aproveita.
38 – Jaderson chuta de fora da área. A bola vai sobre o gol.
46 – Bambu lança para a área. Bergson tenta o chute de primeira, mas o goleiro abafa.

Segundo tempo
22 – Bergson toca para Erick, que fica na cara do gol. Ele chuta e o goleiro André Luiz faz grande defesa.
23 – Escanteio. Demethryus cruza no meio da área. Bergson cabeceia para fora, sobre o gol.
36 – Vitinho cruza para a pequena área. Poveda tenta o voleio, mas manda para fora, ao lado do gol.
40 – Marcelinho puxa contra-ataque e chuta de fora da área. A bola quase encobre Léo, que se recupera e dá um tapinha para escanteio.
47 – Gol do Toledo. Léo Telles cruza da direita. Fandinho sobe no meio da área e cabeceia no canto.

DESTAQUES DOS EDITORES