Publicidade
Trânsito

Veículos com mais de R$ 261,3 mil em débitos são guinchados em Curitiba

(Foto: Divulgação)

Com mais de R$ 22,3 mil em débitos acumulados, um veículo Pajero ano 2008, na cor cinza, foi flagrado e guinchado em fiscalização realizada por equipes da Secretaria de Defesa Social e Trânsito, na manhã desta terça-feira (30/6), na Rua Monsenhor Celso. Do total devido, R$ 14 mil eram de IPVA em atraso.

Outros dois “grandes devedores” foram encontrados por agentes de trânsito e guardas municipais na segunda-feira (29/6) e passaram pelos mesmos procedimentos. Foram um veículo Kombi ano 1994, na cor branca, que acumulava R$ 225,6 mil em débitos, e um modelo Saveiro ano 2007/2008, com quase R$ 14 mil em débitos.

Esses dois casos foram registrados na Avenida Sete de Setembro, bairro Batel, onde os veículos foram parados para fiscalização. No caso da kombi, R$ 224 mil eram de multas por infrações de trânsito diversas, acumuladas desde o ano de 2010.

“Entre as imprudências que eram cometidas com certa regularidade está a negligência com regras de estacionamento necessárias para a boa utilização do espaço por todos”, aponta o secretário de Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel. 

Um registro das infrações mostra que o condutor ignorava regras para utilização em vaga de Estacionamento Rotativo (EstaR), vaga de curta duração, insistia em estacionar em local e horário proibidos pela sinalização de trânsito, em guia de calçada rebaixada destinada à entrada e saída de veículos e, ainda, em vaga exclusiva para pessoa idosa, sem credencial.

A lista de irregularidades continua: condutor sem cinto de segurança, avanço do sinal vermelho, trafegar em velocidade superior à máxima estipulada para a via deixar de conservar o veículo na faixa a ele destinada pela sinalização, executar operação de conversão a esquerda em local proibido pela sinalização e até atirar do veículo objetos ou substâncias. 

Situação recorrente

O motivo que elevou o valor total devido por multas foi uma situação recorrente registrada na cidade, por veículos registrados em nome de pessoa jurídica. Nessas situações, é obrigatório fazer a identificação do condutor infrator, procedimento que deve ser feito no prazo que consta na notificação de autuação, que é o mesmo para apresentar defesa de autuação.

Caso isso não aconteça, novas cobranças são geradas, em conformidade o artigo 257, parágrafo 8º do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), as chamadas multas de não identificação de condutor (NIC). Para seguir os trâmites necessários, o motorista deve acessar o site do Setran.

Direção perigosa

As multas acumuladas pelo veículo Saveiro, também removido durante o trabalho de fiscalização, demonstram duas práticas corriqueiras: dirigir sem usar o cinto de segurança e utilizando o telefone celular. São diversas também as infrações por exceder o limite de velocidade estabelecido para a via. 

O condutor também tem registro de recusar fazer teste com etilômetro (bafômetro) e continuava dirigindo mesmo estando com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) cassada.

“O trabalho de fiscalização é importante para coibir esse tipo de conduta de motoristas que insistem em praticar a direção perigosa, o que amplia o risco de acidentes e do perigo no trânsito nas nossas ruas”, afirma o secretário Rangel. 

Ele lembra que a fiscalização integra o tripé composto também por ações de educação e de engenharia de trânsito, de ações que o poder público pode desenvolver para tentar reduzir o número de acidentes, inclusive os fatais.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES