Obras

Velho presídio do Ahu vai tomando nova forma

Após mais de 10 anos de espera, a nova sede da Justiça do Paraná finalmente começa a ser encaminhada. É que no final do ano passado teve início as obras para construção do Fórum Criminal e do Fórum dos Juizados Especiais do Centro Judiciário de Curitiba, que ficarão no terreno do antigo Presídio do Ahú, na Avenida Anita Garibaldi. De acordo com o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), as obras seguem em ritmo acelerado, cumprindo rigorosamente o cronograma físico programado.

O empreendimento custará R$ 94,5 milhões. A previsão é de que as obras, que fazem parte da segunda fase de construção do Centro Judiciário de Curitiba — a primeira fase, que é o Centro de Audiências de Custódia, já está concluída e em funcionamento. A previsão é de que os dois blocos estejam em funcionamento até julho do ano que vem.

Ainda segundo o TJ-PR, as obras tiveram início em novembro de 2016, quase 10 anos e meio depois do encerramento das atividades do Presídio do Ahú, que funcionou por quase 100 anos no local. Atualmente, o Fórum Criminal está com as atividades de execução da concretagem da 1° laje estrutural e o bloco dos Juizados Especiais está na fase final de demolição e início da fundação.

O projeto de arquitetura da 2ª fase do Centro Judiciário de Curitiba foi elaborado pelo Departamento de Engenharia e Arquitetura do TJPR. O Fórum Criminal, com previsão de entrega para janeiro de 2018, terá uma área construída de 15.994,72m². Já o Fórum dos Juizados Especiais, com área construída de 10.298,59m², deverá ser entregue em julho do mesmo ano.

A pedra fundamental que marcou o inícios das obras foi lançada em 8 de dezembro do ano passado.

Projetos mudaram ao longo dos anos

Desde o esvaziamento do antigo presídio havia a intenção de construir no local novas instalações para o judiciário paranaense. O primeiro projeto, por exemplo, aproveitava as instalações já existentes. A ideia era criar lojas no térreo e, no segundo andar, construir 16 unidades da Justiça Estadual. O terceiro piso seria mantido como estava, abrigando um museu para contar a história do presídio. Falava-se que as obras começariam no início de 2007.

Já entre 2011 e 2012, o projeto voltou a ganhar fôlego, ao menos no discurso. O então presidente do TJ-PR, Miguel Kfouri Neto, chegou a prometer a construção do Centro Judiciári para outubro de 2012, reunindo as Varas Cíveis que atualmente funcionam no Fórum Cível de Curitiba. Problemas envolvendo a licitação, contudo, travaram o andamento do projeto, que finalmente saiu do papel em novembro do ano passado.