Publicidade
Impunidade

Veteranos fazem trote com simulação de sexo em Santa Catarina

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Alunos do curso de Odontologia da Unoesc (Universidade do Oeste de Santa Catarina) em Joaçaba (SC) simularam cenas de sexo durante trote nesta quarta-feira (13).

Calouros foram filmados e fotografados na rua, cercados por dezenas de veteranos, e suas fotos foram postadas nas redes sociais.

Depois da reação de estudantes e da comunidade, a universidade informou, em nota, que "não compactua com trotes violentos e/ou humilhantes" e disse que tomaria providências administrativas em relação aos organizadores do episódio. 

Alunos se queixaram de que a situação se repete ano a ano, e que os responsáveis nunca são punidos.

A Unoesc informou que uma portaria da instituição incentiva a prática de trotes educativos e solidários, e orientou que os calouros que se sentiram ofendidos ou intimidados contatem a coordenação do curso.

O DCE (Diretório Central dos Estudantes) lamentou o trote, e disse que, caso o episódio se repita, irá penalizar os alunos envolvidos com a exclusão de eventos organizados pelo diretório. "Somos contra o trote coercitivo, humilhante, abusivo e, principalmente, com teores machistas", informou.

INVESTIGAÇÃO

O Ministério Público de São Paulo instaurou um inquérito no início do mês para investigar o trote aplicado por veteranos do curso de medicina da Unifran (Universidade de Franca), no qual calouras tiveram que jurar "nunca recusar uma tentativa de coito de um veterano".

O caso é investigado pela Promotoria de Justiça de Franca, cidade a cerca de 400 km de São Paulo.

Durante o trote, as universitárias, ajoelhadas e com o corpo pintado, também foram coagidas a dizer que nunca entregariam o corpo "a nenhum invejoso, burro, brocha, filho da puta da odonto ou da Facef" e se submeteriam "totalmente à vontade dos meus veteranos".

O episódio foi criticado por grupos como o Conselho Municipal da Condição Feminina de Franca e a própria atlética da medicina da Unifran.

A subseção de Franca da Ordem dos Advogados do Brasil também se manifestou sobre o caso. Afirmou, em nota, que repudia "qualquer ato de violência física, moral ou psicológica" contra novos alunos e que pedirá às autoridades locais que investiguem "eventuais responsabilidades" relacionadas ao trote.

Após a repercussão do caso nas redes sociais, a associação atlética acadêmica do curso de medicina da Unifran afirmou que condena as atitudes discriminatórias e que medidas serão tomadas. "Reconhecemos o cunho ofensivo do discurso feito, o qual não possui autoria das entidades estudantis."

Disse ainda que se propõe a "reformular o juramento" e pediu desculpas a "todos que se sentiram ofendidos".

Já a universidade informou que "os responsáveis pelos atos estão sendo identificados e serão penalizados". As penalidades, previstas no regimento geral da instituição, vão de advertência até expulsão.

Casos semelhantes foram registrados nos últimos anos. Em 2014, calouras da Faculdade Cásper Líbero tiveram que simular sexo oral com bananas e pepinos na avenida Paulista, região central de São Paulo. Três anos antes, estudantes do curso de agronomia da Universidade de Brasília tiveram que lamber linguiças com leite condensado durante o juramento.

DESTAQUES DOS EDITORES