Publicidade
Tragédia

Viatura da PM que matou quatro pessoas na Linha Verde não atendia nenhuma ocorrência

Viatura da PM que matou quatro pessoas na Linha Verde não atendia nenhuma ocorrência
(Foto: Frabklin de Freitas/Arquivo Bem Paraná)

O carro da Polícia Militar, que causou um acidente com quatro mortos na Linha Verde, em Curitiba, não estava em atendimento a nenhuma ocorrência. A afirmação foi feita pelo delegado Vinicius Carvalho, da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), durante uma coletiva realizada na manhã desta segunda-feira, 13.Ainda segundo o delegado, testemunhas disseram que a sirene e o giroflex do veículo não estavam ligados.

O motorista e o cabo, segundo o delegado, mentiram em depoimento sobre estarem atendendo a uma ocorrência de emergência e com a sirene ligada. A velocidade em que o automóvel andava ainda não foi informada. O carro também irá passar por perícia.

A pessoa que estaria atravessando a Linha Verde que teria obrigado o  carro da PM a desviar e perder o controle, não foi identificada.

O caso
No dia 31 de julho, na Linha Verde, o carro da polícia seguia pela canaleta sentido Atuba, próximo ao viaduto da Avenida Comendador Franco, no bairro Jardim Botânico, quando o motorista perdeu o controle da direção e acertou quatro vítimas, que estavam em um ponto de ônibus. Após atropelar as pessoas, a viatura cruzou a pista e acertou dois carros que trafegavam no sentido contrário. Para a polícia, o motorista do veículo policial disse que perdeu o controle da direção ao tentar desviar de um pedestre.

Quatro mulheres morreram: as operadoras de telemarketing Fabiana Maria da Silva, de 29 anos, e Franciele Aparecida dos Santos, de 33 anos; a comerciante Vergínia Gouvea Enes, de 67 anos, e a atendente Elizandra Maltezo Araújo Lustoza, de 32 anos.

PM
O 20º Batalhão da PM esclarece que ainda não recebeu oficialmente as informações dos autos (citadas pela reportagem) e só poderá tomar medidas técnicas, jurídicas e administrativas cabíveis, bem como se pronunciar, após o recebimento deste processo e da conclusão do Inquérito Policial Militar (IPM) que ocorre internamente (paralelo ao criminal).

A PM lembra que não compactua com desvios de conduta de seus integrantes e, se ficar comprovada alguma irregularidade ou desvio de conduta dos policiais, respeitados os princípios da ampla defesa e do contraditório, os policiais militares serão responsabilizados dentro do rigor da lei.

 

 

DESTAQUES DOS EDITORES