Publicidade
Pandemia

Vizinhos de bar no Água Verde reclamam de aglomeração e pedem fiscalização

(Foto: Colaboração )

Os moradores do bairro Água Verde, vizinhos ao Bar do Açougueiro -- Avenida dos Estados 450 reclamam da falta de fiscalização no local. Segundo uma vizinha do bar, o local está sempre cheio de clientes que não observam as regras sanitárias para evitar a proliferação da Covid-19. Ainda conforme esta moradora, nesta tarde de sábado, 23 o bar estava cheio, sem que as pessoas respeitassem  distanciamento social e tampouco o uso de máscaras. 

Ela informa que recentemente foi feita uma matéria sobre a movimentação do bar durante a pandemia, mas de nada adianto e neste fim de semana, o ponto de ônibus foi usado como estacionamento de motos.

Há quase um mês, bares e lanchonetes foram fiscalizados em nova Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu). Nove estabelecimentos vistoriados localizados nos bairros Centro, Mercês, Juvevê e São Francisco foram fechados por não atender as determinações da resolução municipal nº 1/2020 que trata das medidas complementares de prevenção à covid-19.

Pela determinação da Prefeitura, os estabelecimentos abertos ao público devem controlar a lotação, manter o distanciamento de 1,5 metro das pessoas, incluindo clientes e funcionários, inclusive com a organização de filas do lado de fora do estabelecimento, se necessário, além de adotar medidas de higiene e proteção. 

As normas

No dia 16 de abril, a Prefeitura de Curitiba estabeleceu medidas adicionais de postura sanitária para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus na cidade, como o uso  obrigatório de máscaras, determinação de critérios de ocupação de espaços de uso comuns e responsabilização pelo descumprimento das orientações. As medidas vieram logo depois da pressão da Associação Comercial do Paraná (ACP), para reabertura das lojas com regras claras. 

A normativa estabelece a obrigatoriedade de uso de máscaras pela população em espaços públicos, comerciais e de uso coletivo, incluindo o transporte coletivo, os táxis e os veículos de aplicativos, o que não aconteceu nas Lojas Aliança neste domingo (26). Além disso, define também critérios para presença das pessoas nos estabelecimentos e serviços. O critério básico é que a capacidade máxima nos locais seja de uma pessoa a cada 9 metros quadrados. Isso significa que uma área de 270 metros quadrados, por exemplo, não poderá abrigar mais de 30 pessoas ao mesmo tempo, incluindo funcionários e usuários, o que também não aconteceu na loja.  Os locais devem definir acesso de entrada e saída, assegurando o devido controle da circulação. O distanciamento mínimo deve ser de 1,5 metro entre as pessoas e deve ser obedecido também nas filas do lado de fora, que deve ser organizada pelos estabelecimentos.

Áreas menores, cuja ocupação seja incompatível com o espaçamento de 9 m2, deverão providenciar o atendimento externo (da porta para fora). O local de entrada e também em pontos internos deve ter álcool em gel à disposição dos usuários. Prédios comerciais que disponham de elevadores devem diminuir a capacidade máxima nesses equipamentos e fazer a identificação dessa limitação para os usuários.

Punição
Segundo a prefeitura de Curitiba, os estabelecimentos que não cumprirem as medidas estabelecidas na resolução ficam passíveis de responsabilização administrativa, civil e penal, sujeitando-se, por exemplo, à cassação de alvará, entre outras medidas. A resolução leva em conta a situação atual do coronavírus na capital e poderá ser revista a qualquer tempo, se assim o cenário da pandemia exigir. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 156. 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES