Publicidade
Celebridades

Wagner Moura protagonizará filme da Netflix sobre diplomata Sérgio Vieira de Mello

LOS ANGELES, EUA - A vida do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto em um ataque terrorista em Bagdá, em 2003, vai virar filme com o ator Wagner Moura no papel principal. A produção, ainda sem título oficial, será exibida mundialmente pela Netflix em 2019, mas ainda não há uma data exata para o lançamento.

O projeto é o primeiro longa de ficção do cineasta Greg Barker, ganhador do Emmy pelo documentário "Manhunt: The Inside Story of the Hunt for Bin Laden". Mas o tema não é novidade para Barker. Em 2009, ele dirigiu "Sergio" (2009), documentário sobre a vida de Vieira de Mello para o canal HBO.

O roteiro de Craig Borten, indicado ao Oscar por "Clube de Compras Dallas" (2013), será baseado no livro "O Homem Que Queria Salvar o Mundo" (Companhia das Letras, 2008), de Samantha Power, ganhadora do Pulitzer e ex-embaixadora dos Estados Unidos para as Nações Unidas. 

Wagner Moura, além de interpretar o diplomata que era descrito como "um encontro de James Bond com Bobby Kennedy", produzirá o filme ao lado de Brent Travers e Daniel Dreifuss, produtor do chileno "No", indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2013.

A cubana Ana De Armas ("Blade Runner 2049") fará o papel de Carolina Larriera, economista argentina, mulher de Vieira de Mello e última pessoa a vê-lo com vida. Garret Dillahunt ("Fear the Walking Dead"), Will Dalton (Loving), Clemens Schick ("Praia do Futuro") e Brían F. O'Byrne ("Menina de Ouro") também vão compor o elenco.

As filmagens começam em agosto e devem durar cerca de seis semanas, divididas entre locações no Brasil e na Jordânia —que normalmente serve de "dublê" para o Iraque.

O filme focará nas missões de Sérgio Vieira de Mello durante seu período no Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, quando fez importantes avanços sócio-políticos no Timor Leste, Bangladesh, Camboja e outros países com problemas humanitários. 

Visto como o futuro da ONU por causa de sua capacidade de negociação, coragem e disposição de visitar o campo de ação, o carioca foi escolhido para representar o secretário-geral das Nações Unidas no Iraque, em maio de 2003. Meses depois, foi vítima de um ataque à bomba ordenado por Osama Bin Laden contra a sede das Nações Unidas em Bagdá. O longa também mostrará a luta de Vieira de Mello pela sobrevivência nas mais de três horas em que permaneceu preso nos escombros do Hotel Canal, onde trabalhava.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES