15º

Perillo dobrou patrimônio ao assumir governo

Governador de Goiás omitiu transações realizadas em 2011 no depoimento à CPI

30/06/12 às 09:44 - Atualizado às 09:44   |  Redação Bem Paraná com Estadao.com
Perillo: investigações complicam situação de governador tucano (foto: Wilson Dias/ABr/Divulgação)

No ano passado, em que assumiu o governo de Goiás, o governador Marconi Perillo (PSDB) dobrou seu patrimônio com a compra de imóveis e cotas de participação numa empresa. Suspeito de negociar uma mansão diretamente com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, segundo investigações da Polícia Federal, e por valor maior que o declarado, o tucano omitiu as transações realizadas em 2011 em depoimento à CPI do Cachoeira.Segundo dados das declarações de Imposto de Renda (IR) de Perillo remetidas à comissão, às quais o Estado teve acesso, o governador tinha em 31 de dezembro de 2010 R$ 1.548.227 em bens e direitos, valor que salta para R$ 3.182.549 em 31 de dezembro de 2011, após a venda da casa, no Condomínio Alphaville. Nota técnica enviada pela Receita à CPI pondera que não há indícios, pelas declarações, de variação "patrimonial a descoberto", o que será aprofundado nas apurações solicitadas pelo Ministério Público Federal (MPF) e da comissão parlamentar.

Concluída a operação de venda investigada pela PF, o governador obteve R$ 800 mil em ações da empresa SCP Boa Esperança. Também comprou um apartamento de R$ 1,16 milhão para a filha, Isabella Jaime Perillo, no bairro Cerqueira César, área nobre de São Paulo. O governador usou um recurso comum para ocultar negócios: registrou o imóvel num cartório de Trindade, nos arredores de Goiânia, em vez de fazê-lo na capital do Estado, onde mora, ou na cidade onde ocorreu a compra.

Em 2011, Perillo aumentou as dívidas em R$ 839,7 mil. O grosso do valor (R$ 580 mil) refere-se a pendência com o proprietário do apartamento comprado na capital paulista, André Luiz de Oliveira. Ontem, o Estado não conseguiu contatá-lo.As escutas da Operação Monte Carlo indicam que Perillo recebeu, em vez de R$ 1,4 milhão, como foi declarado à Receita, R$ 2,2 milhões pela venda da casa a Cachoeira. Além dos cheques emitidos por uma cunhada de Cachoeira, ele teria recebido R$ 500 mil em bois. Perillo nega. Em 2011, o governador declarou um rebanho de 1.488 cabeças. Segundo a Receita, ele vendeu 377.

Os dados da Receita mostram que o patrimônio do governador praticamente quintuplicou desde 2001, saltando de R$ 684 mil para R$ 3,1 milhões. Em nota, o governador afirmou que sua evolução patrimonial é compatível com os rendimentos. O tucano negou que tenha omitido informações à CPI. "Ele afirmou que seu patrimônio está declarado à Receita Federal", diz a nota do governo. Embora tenha adquirido vários bens no último ano, Perillo disse que não quitou os débitos porque não tinha como pagá-los. "É um assunto pessoal, que não diz respeito a suas atividades como governador", alegou o tucano, por meio da assessoria de imprensa do governo de Goiás.Perillo também se negou a informar as atividades da empresa SCP Boa Esperança e quem são seus sócios alegando questões pessoais. 

Publicidade
1 Comentário
  • delço figueiredo lopes 30/06/12 às 10:27
    sou psdb desde sua fundaçao,tem que prender este cara em uma jaula em praça publica no sol e chuva para servir de exemplo para os outros,e nao passar a mão na cabeça como faz os outros partidos com a exeçao do dem