Opinião: Paranistas... sonhem

24/02/16 às 00:00 - Atualizado às 12:01 Mauro Mueller | falecomomauro@yahoo.com.br

A seleção do Telê, do time do Santos de 2010, do elenco da seleção Brasileira de Vôlei Medalha de Ouro, o elenco do Atlético de 2001, o Flamengo de 1982, e o Coritiba de 1985. Se estudarmos o time, vai aparecer sempre aquele jogador que não era muito bem um grande craque como Zico, que não jogava tanto para merecer um título, mas fazia parte de um time que foi o campeão daquele ano, daquela temporada. É uma combinação de fatores, aliados ao trabalho e as histórias contam vários episódios que podem decifrar o motivo, mas nunca serão a receita de como poderemos fazer um time vencedor a partir do zero e pensar antes de começar uma temporada, cravando que este time vai conquistar o título.

Eu duvido que qualquer especialista poderia prever que o Coritiba seria Campeão Brasileiro em 1985. E eu estou escrevendo que ninguém poderia prever nada antes de começar uma temporada. Você não poderia prever que o Atlético seria Campeão Brasileiro, mesmo quando ele venceu o Grêmio e quebrou uma série invicta do time gaúcho. A própria diretoria trocou de técnico no meio da temporada, colocando o Geninho com o ano em curso. Vamos lembrar que o time foi Campeão Brasileiro sem vencer Paraná e Coritiba no Brasileirão.

O que eu quero dizer aqui, é que um time que tem um elenco vencedor, nem sempre é possível ver a olhos nus, no início de uma temporada. É quase impossível você cravar quem será o Campeão Brasileiro, tamanho é o nível, seja por cima ou por baixo, dos times brasileiros, ainda mais em épocas de crise financeira, quando o meio do ano chegar, muitos clubes vão se livrar de muitos bons jogadores para fazer caixa na metade do ano.

O Paraná Clube está criando uma expectativa no seu torcedor como há muito tempo eu não via na Vila. Se você perguntar para os jogadores do time o que seria principal para este início de ano positivo, todos estão respondendo alguns fatores, como o pagamento em dia dos salários, as boas contratações da diretoria, mas a maioria está colocando o nome do técnico Claudinei Oliveira como um destaque na montagem do elenco e na permanência de um clima amigável, tranquilo, profissional e importante para a sequência de um trabalho.

O próprio Claudinei fala que a passagem dele em 2014 não é nem sombra do que está sendo o momento atual. E como eu gostaria de cravar o Paraná na primeira divisão do Campeonato Brasileiro mesmo antes de começar a temporada nacional, mas logicamente ainda é muito cedo. Mas toda a atmosfera está sendo criada dentro da Vila para que isto seja possível. Até um homem gol, aliado a outros jogadores que também marcam gols está aparecendo no time. Um jogador elogiando o outro em coletivas, criando um clima favorável, a organização sem alardes dentro do clube, a diretoria que não aparece mais que os astros atletas, uma gerência de futebol que quase não se vê “apagando incêndios”, refletindo em campo os primeiros resultados.

Se você achou exagero a comparação do atual momento do Paraná Clube a times como o Flamengo de 82, ao Vôlei medalha de Ouro, ou aos nossos locais Campeões Brasileiros, você pode criticar e achar que exagerei e foi de propósito. Mas, não esqueça que ninguém poderia prever o que pode acontecer, mas eu posso sonhar, pois como dizia o samba enredo da minha Mocidade Independente de Padre Miguel de 1992, “sonhar não custa nada ou quase nada”. E o samba enredo não foi campeão, ficou apenas no sonho!

Mauro Mueller é apresentador do Show de Bola da Rede Massa, radialista e ator

Blogs
Ver na versão Desktop