Humanista

30/08/17 às 00:00 Ivan Santos com colaboração dos editores do Bem Paraná
(foto: Franklin de Freitas)

Pré-candidato ao governo do Estado para 2018, o ex-senador Osmar Dias (PDT) recebeu hoje mais um convite para mudar de partido. Desta vez, a proposta veio do PHS (Partido Humanista da Solidariedade), através do deputado federal Diego Garcia, presidente estadual da legenda. A conversa foi divulgada pelo pedetista em um vídeo no Facebook.

Reforma
Osmar agradeceu, mas reafirmou que só vai tomar uma decisão após a aprovação da reforma política e das regras para a disputa do ano que vem, o que deve acontecer até o início de outubro. “Nós vamos analisar com muito carinho. Estou aguardando a reforma política para tomar uma decisão”, disse ele.

Assédio
O pedetista vem sendo assediado por diversas siglas. A lista inclui o “Podemos”, nova legenda de seu irmão e pré-candidato à Presidência da República, senador Alvaro Dias. Também está na disputa pelo “passe” do ex-senador o PSB – partido ligado ao grupo do governador Beto Richa (PSDB). Antes disso, Osmar já havia sido sondado pelo PMDB do presidente Michel Temer. E já recebeu também convites do DEM, PRB e PV.

Pacote
Os deputados estaduais aprovaram ontem mais um projeto do novo pacote de ajuste fiscal do governo Beto Richa (PSDB). A proposta prevê a concessão de diárias especiais para policiais militares que trabalharem em horário de folga. E também o pagamento de bônus para PMs da reserva que aceitarem voltar ao serviço. O projeto estabelece ainda a suspensão de realização de concursos para a contratação de policiais e bombeiros.

Gratificações
Outra medida polêmica do pacote é o que congela as gratificações de servidores, estabelecendo que futuros reajustes salariais incidirão apenas sobre o vencimento básico do funcionalismo. O governo alega que o novo ajuste permitirá uma economia de R$ 100 milhões ao ano para os cofres do Estado.

Supersalários
O deputado federal paranaense Rubens Bueno (PPS) vai integrar a comissão especial da Câmara que analisará o projeto que impõe limite aos salários acima do teto constitucional nos três Poderes, os chamados “supersalários”. O chamado “Projeto Extrateto” pretende impedir que adicionais incorporados ao salário elevem a remuneração acima do valor que é pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). “Trata-se de uma iniciativa para barrar os privilégios e os supersalários no serviço público”, diz Bueno.

Obras
O Tribunal de Contas do Estado vai investigar a responsabilidade pela má qualidade de obras realizadas em Paranaguá com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Programa Integrado de Desenvolvimento Social e Urbano (Procidades) de Paranaguá. As obras incluem pavimentação de ruas, calçamento e drenagem de canais, além da construção de unidades de saúde, reforma e ampliação de escolas. O contrato foi assinado em 2011 com custo total US$ 37 milhões (aproximadamente R$ 116,55 milhões).

Erosão
A auditoria detectou pontos de erosão, drenagem ineficiente e pavimentação inadequada em parte das obras viárias. Segundo o TCE, as falhas detectadas comprometem a segurança dos usuários, por prejudicarem as condições de trafegabilidade e exigirem manutenções a curto e médio prazos.

Últimas de Política em debate
Blogs
Ver na versão Desktop