• Turfe

    Turfe mundial perde Arrogate

    Turfe mundial perde Arrogate

    O dia de hoje começou com uma triste notícia. Um dos melhores cavalos dos últimos anos nos deixou aos sete anos. Estamos falando do tordilho Arrogate, vencedor de sete carreiras, entre elas a Pegasus World Cup (G1), Breeder's Cup Classic (G1), Dubai World Cup (G1) e Travers Stakes (G1). 

    Ele estava alojado na Juddmonte Farm terminando a temporada de coberturas, quando na semana passada apresentou um problema neurológico no pescoço. No fim de semana passada ele caiu em seu estábulo e não se levantou mais. 

    Levado à Clínica Hagyard sob os cuidados do Dr. Bob Hunt e do Dr. Nathan Slovis, com o Dr. Steve Reed representando a seguradora. Lá foram feitos todos os exames possíveis para descobrir o enfermo de Arrogate, porém devido a outros problemas secundários foi tomada a difícil decisão de sacrificar o tordilho. 

    A campanha de Arrogate foi surpreendente. Ele estreou fazendo terceiro, vencendo em seguida três corridas. Dali ele foi direto para o Travers Stakes (G1), onde surpreendentemente venceu os atuais vencedores do Preakness e Belmont Stakes, Exagerator e Creator em tempo recorde. 

    Dali foi direto para o Breeder's Cup Classic, onde travou uma batalha linda com California Chrome, vencendo seu segundo Grupo 1. Foi eleito no fim da temporada o "Melhor Animal de 3 Anos" no Eclipse Awards. 

    Foram mais duas vitórias de Grupo 1 no ano seguinte, culminando na escolha como "Cavalo do Ano" no Eclipse Awards. A primeira foi na Pegasus World Cup (G1), corrida em Gulfstream Park. Depois foi a Meydan para vencer o Dubai World Cup. Nesta prova o cavalo se atrasou e em uma recuperação espetacular derrotou Gun Runner. Ele bateu o recorde de premiações para um cavalo norte-americano ao chegar ao montante de US$ 17.084.600. 

    "Nunca esqueceremos o caminho que Arrogate nos levou", disse Garrett O'Rourke, gerente geral da Juddmonte Farm. "Essas quatro corridas incríveis o estabeleceram como um dos grandes cavalos de corrida de nosso tempo, quebrando dois recordes e derrotando o campeão da California Chrome e, em seguida, derrotando Gun Runner em outra performance incrível em Dubai."

    "Esperamos que o desgosto de perdê-lo tão jovem possa ser acalmado, observando com orgulho a conquista de seus corredores", completou Garrett O'Rourke. 

    Depois de correr mais três vezes nso Esatdos Unidos sem vencer, ele foi aposentado. Sua primeira geração estreia em 2021. Era um filho de Unbridled's Song e Bubbler (Distorted Humor).

    ASSISTA O RESUMÃO DO TURFE DESTA SEMANA:

  • Cancha Reta

    Caminho do Mar vence a final do GP Nova Geração do Turfe Nacional

    Caminho do Mar vence a final do GP Nova Geração do Turfe Nacional

    Em uma prova espetacular que contava com quatro dos cinco finalistas sendo filhos de Desejado Thunder e netos maternos de Blade Prospector, um neto de Romarin acabou levando a melhor no GP Nova Geração do Turfe Nacional. 

    Disputada na tarde de hoje (1°) em 500 metros, a prova distribuiu R$ 600 mil reais em prêmios. Também tivemos uma prova para animais adultos, que foi vencida por Certo Mig. 

    Os cinco finalistas chamaram a atenção por serem todos filhos de Desejado Thunder e de criação do Haras Ponta Porã. Foram 29 inscritos que disputaram cinco ternos no último domingo.

    Alinharam hoje para a final Crazy Wins, Centro Oeste, Caminho do Mar, Caçadora de Record e Caminho da Glória. Pelo centro da pista, Caminho do Mar venceu com muita autoridade. Na segunda colocação disputaram o fotochart Caçadora de Record e Centro Oeste. A seguir chegaram Caminho da Glória e Crazy Wins. 

    Filho de Desejado Thunder e Quevem e Quepassa (Romarin), como dito acima ele é de criação do Haras Ponta Porã e propriedade de Carlos Augusto Flores. Foi apresentado por A. Dorneles e pilotado por T. Salina. 

    ASSISTA O RESUMÃO DO TURFE DESTA SEMANA:

  • Cancha Reta

    Cinco filhos de Desejado Thunder na final da penca de maior dotação do Brasil

    Cinco filhos de Desejado Thunder na final da penca de maior dotação do Brasil

    Neste domingo aconteceram as eliminatórias do Grande Prêmio Nova Geração do Turfe Nacional, que acontece em Carazinho com a maior dotação para animais puro-sangue inglês na modalidade cancha reta: R$ 600 mil. 

    Em 500 metros, cinco ternos foram disputados e, para a surpresa de todos, mesmo contando com filhos de Wired Bryan, Taludo, Billion Dollar, Tiger Heart, Wild Event, Inexplicable e Mensageiro Alado, todos os finalistas são filhos do recém desaparecido Desejado Thunder. 

    Na primeira eliminatória alinharam Candiru, Centro Oeste, For In The Five, Aruana Prospector, Hás de Trunfo e Raio da Lua. A vitória ficou com Centro Oeste, um filho de Desejado Thunder West Bay (Blade Prospector), de criação do Haras Ponta Porã e de propriedade de Evandro Zanetti. 

    No segundo terno foi a vez de Caminho da Glória vencer e se classificar para a grande final. O filho de Desejado Thunder Wildfeuer (Blade Prospector) derrotou Caro Mensageiro, Cavalheiro de Roma, Amuleto Bryan e Old School. É de criação do Haras Ponta Porã e de propriedade de Ederaldo Antonio Joran. 

    Veio a terceira eliminatória e mais uma vitória de um crioulo do Haras Ponta Porã. Desta vez Caminho do Mar foi o vencedor, derrotando Cobra Insana, Ai Tinindo Bryan, Certíssima, Ojo Blanco e Chefe da Esquadra. Trata-se de um filho de Desejado Thunder e  Quevem e Quepassa (Romarin) de propriedade de Carlos Augusto Flores. 

    Na penúltima eliminatória do dia mais uma cruza Desejado Thunder x Blade Prospector. Vitória de Crazy Wins, de criação do Haras Ponta Porã e propriedade do Stud La Lucce. Filha de Desejado Thunder e Wish For Wings (Blade Prospector) derrotou Camelia Negra, Coração de Estrela, Atomic Tiger, Inevitable e Che Morena. 

    Por fim, no último terno do dia, vitória de Cassadora de Record, mais uma filha de Desejado Thunder de criação do Haras Ponta Porã. Ela derrotou Ablack Bryan, Ligeira de Birigui, Magical Side e Tonton Mig. Filha de Desejado Thunder Safra Record (Blade Prospector), ela é de propriedade de Claudio C. R. Dalla Santa (Stud DS). 

    Alguns dados importanes são que dos 29 potros inscritos, doze eram de criação do Haras Ponta Porã. Destes, nove eram ofilhos de Desejado Thunder. Dos nove, cinco estão na final, quatro deles com Blade Prospector como avô materno. A final acontece amanhã (1°) às 16 horas. 

    ASSISTA O PROGRAMA TURFE NA CIDADE DESTE DOMINGO: 

  • Cidade Jardim

    Dasching Court SIMPLESMENTE ESPETACULAR

    Dasching Court SIMPLESMENTE ESPETACULAR

    Se há pouco falamos que Fast Jet Court, vencedora do Grande Prêmio João Cecílio Ferraz (G1) é uma égua "tipo exportação", o que dizer do potro Dasching Court, que acaba de vencer o Grande Prêmio Juliano Martins (G1) "aos esbarros"? 

    No campo da prova dois ótimos animais que já haviam comprovado a categoria em distâncias maiores, Izzi Bizzi e Zabar's.

    Ainda na carreira a promissora parelha do Stud Galope (que acabou tendo atraso na partida), um filho da Madour - Chez Eux - que vinha muito bem preparado do Paraná, o primeiro líder da geração Full do Jaguaretê, o bom Duck Dancer entre outros nomes de relevância. 

    Pois bem, nenhum deles sequer viu a parte dianteira de Dasching Court durante a prova, apenas seu lombo. Deixando todos os turfistas boquiabertos, tomou a ponta, mantendo-a pela prova inteira e, quando recebeu uma partida de Vicente Paiva nos 400 metros finais, foi abrindo vantagem e só teve a diferença descontada por Izzi Bizzi porque já havia sido desarmado por seu jóquei. Nada que ameaçasse sua incrível vitória. 

    Não é exagero logo em sua quarta carreira dizermos que ele é um craque! E os motivos são vários. Ele estreou depois de viajar 740 quilômetros de Curitiba para Porto Alegre, vencendo uma eliminatória do Grande Prêmio Turfe Gaúcho "a trote". 

    Na final, que aconteceu no dia seguinte, também em 700 metros, ele arranhou o recorde da distância no Cristal, derrotando os líderes gaúchos Bianca Light e Colt Magno. Sofreu com dor de canelas e ficou parado por alguns meses. 

    Reapareceu só no início de maio, em uma prova em 1.000 metros na grama. Não tomou conhecimento dos adversários e novamente se aproximou do recorde. Hoje, depois de se mostrar um excepcional velocista, chegou aos 1.500 metros mostrando muita qualidade. Realmente impressionante. 

    A única torcida que Dasching Court deu durante a prova foi na seta dos 300 finais, quando todos torciam para que ele tirasse mais e mais na ponta. Vitória emocionante e que faz os apaixonados pelos cavalos reverenciarem este esporte tão incrível chamado turfe. 

    Vale ressaltar o trabalho da equipe do Haras Cima, liderado pelo senhor Gelso Cima. Foram duas vitórias de Grupo 1 no mesmo dia, nas provas de seleção dos potros e potrancas. E tem mais, ambos filhos do mesmo pai, Courtier, que em sua geração estreante vence as duas primeiras provas de Grupo 1 possíveis. 

    Equipe essa do Haras Cima que conta com os treinamentos de Olívio Zélio Zantedeschi, com o atendimento do Dr. Fernando Bastos, além de uma ótima equipe de escovadores e cortejadores, lógico, acompanhada pelos dois melhores jóqueis do Tarumã: Valmir Rocha e Vicente Paiva. 

    Daschng Court é um filho de Courtier e Alta Floresta (Teton Forest). Foi secundado por Izzi Bizzi (2 3/4), tendo Zabar's (6 1/2), Jobster (7 1/4) e Duck Dancer (8 3/4) completando o placar remunerado. O tempo foi de '27"350 para os 1.500 metros na pista de grama leve.

    Buscar adjetivos para esta vitória de Dasching Court é difícil, tamanha magnitude. Então vamos ficar com o título desta matéria: "SIMPLESMENTE ESPETACULAR"!

  • Cidade Jardim

    Tipo exportação: Fast Jet Court domina e reassume a liderança vencendo Grupo 1

    Tipo exportação: Fast Jet Court domina e reassume a liderança vencendo Grupo 1

    Há pouco aconteceu no Hipódromo de Cidade Jardim o grande criterium das éguas de dois anos em São Paulo, o Grande Prêmio João Cecílio Ferraz (G1), em 1.500 metros na pista de grama. 

    E novamente o Haras Cima dominou a prova, vencendo com Fast Jet Court e perdendo a dobradinha com Got Court no último pulo. Porém a carreira foi mais emocionante que o imaginado. 

    Diferente da última corrida, quando correu mais perto e perdeu para sua faixa Got Court, Fast Jet Court ficou mais atrás do pelotão. Quem fez questão da ponta foi Flory do Jaguaretê, que livrou três corpos de vantagem. 

    Na segunda colocação vinha Got Court, sempre acompanhada de perto pela argentina Tatuada Soy, que vinha da Gávea representar o Haras Santa Maria de Araras. 

    Na segunda metade da grande curva Got Court e Tatuada Soy partiram para cima da ponteira, porém até os 500 finais Flory do Jaguaretê endurecia para as rivais. 

    Quando Got Court conseguiu assumir a ponta, como um bólido surgiu pelo externo da pista Fast Jet Court. E a partir dali foi esperar a hora de chegar o disco. No último pulo, com boa ação, In Society conseguiu tomar a dupla de Got Court. 

    A seguir chegaram Che Bella Martini e Flory do Jaguaretê, com Tatuada Soy na sexta colocaçã a apenas 4 1/2. Filha de Courtier e Trefiori (Flatter), Fast Jet Court é de criação e propriedade do Haras Cima. Foi apresentada pelo ótimo Olívio Zélio Zantedeschi e pilotada com muita categoria por Valmir Rocha. Com o tempo de 1'27"431 ela baixou em 1 segundo o recorde da prova, que pertencia a Tweet.

    Agora resta saber se veremos Fast Jet Court no Grande Prêmio Margarida Polak Lara - Taça de Prata (G1), que acontece no dia 27 de junho ou se ela buscará novas conquistas dora do Brasil. Qualidade para isso, tanto ela quanto sua faixa Got ourt, já demonstraram que possuem.  

  • Cidade Jardim

    Adega Zip surpreende e derrota favoritas na melhor prova de hoje

    Adega Zip surpreende e derrota favoritas na melhor prova de hoje

    A reunião de hoje (29) em Cidade Jardim começou com duas paranaenses dominando a Prova Especial Antonio Luiz Ferraz, disputada em 1.400 metros na pista de areia. 

    Mesmo com o favoritismo de Cara Hermana, que até então estava invicta na pista de areia, You Bet e Adega Zip foram as protagonistas da reta final, após assistirem Cara Hermana pontear a prova na primeira metade do percurso. 

    A égua do Haras Free Way foi a primeira a dominar a carreira pelo centro do pista, dando a imprssão que, após bater Cara Hermana, seria a vencedora. Porém, em grande direção de Marcos Ribeiro, a crioula do Stud Don Juan dominou a adversário pelo interno da raia. 

    Na segunda colocação terminou You Bet, também treinada no Paraná. Após chegaram Cara Hermana, Gigi e Informática. Filha de Oliver Zip e Adega de Luxo (Wild Event), ela é de propriedade do Haras Cambay. 

    Adega Zip foi apresentada por Antenor Menegolo Neto e assinalou o tempo 1'2"91 para os 1.400 metros na pista de areia macia. Até o terceiro páreo de Cidade Jardim, todos os vencedores foram enviados do Tarumã para correr em trânsito (Barry More Court, Adega Zip e Band Ship).

    ASSISTA O ESPECIAL DO TURFE NA CIDADE SOBRE AS CARREIRAS DESTE FIM DE SEMANA:

  • Turfe

    Confira a programação turfística brasileira deste fim de semana

    Confira a programação turfística brasileira deste fim de semana
    (Foto: Site JCSP por Porfirio Menezes)

    O fim de semana de turfe começa hoje e a partir de agora traremos a programação completa deste fim de semana nos prados brasileiros. 

    As corridas em Cidade Jardim começam a partir das 13h30 de hoje (29), com nove provas na programação. A principal carreira é a Prova Especial Luiz Antonio Ferraz, em 1.400 metros para potrancas de 2 anos. 

    Destaque para Cara Hermana, do Stud Indian Joe, que vem de bela vitória na areia. Olho em You Bet, do Haras Free Way, que vai muito bem preparada do Paraná por Marcos Decki. 

    O sábado (30) em Cidade Jardim está imperdível, uma vez que teremos duas provas de Grupo 1 para a geração 2017, os GGPPs Juliano Martins e João Cecílio Ferraz, ambos em 1.500 metros na pista de grama. 

    Entre as fêmea se dastacam as duas representantes do Haras Cima, Got Cour e Fast Jet Court. Nos últimos dois clássicos da geração elas fizeram dobradinha, então as outras adversárias terão que correr muito para derrotar estas duas. 

    Na prova dos machos um campo muito aberto, já que Izzi Bizzi e Zabar's chegaram colados na última. Porém temos Dasching Court e Chez Eux, que depois de estrearem muito bem no quilômetro tentam distância maior. Olho em Duck Dancer e também em Nordland. 

    Na manhã de domingo teremos corridas no Hipódromo da Madalena, em Pernambuco. Vale a pena prestigiar e apostar lá também, uma vez que o sistema www.apostaturfe.com.br estará vendendo jogo destas carreiras. Serão quatro páreos com início às 9h30. 

    Domingo é dia de Gávea, com nove provas. O mesmo e repete na segunda-feira, com início às 13h30. Lembrando que a partir da próxima semana volta o calendário clássico carioca. 

    Não podemos deixar de citar a penca do Haras Ponta Porã, que acontece neste fim de semana em Carazinho, juntamente com o leilão da coudelaria que um dia teve a craque Immensity defendendo suas sedas. Vale a pena ficar atento para as máquinas que correrão lá. 

    ASSISTA O BOLETIM DE OCORRÊNCIAS E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA NESTE FIM DE SEMANA NO TURFE BRASILEIRO:

     

  • Santa Anita

    Jolie Olímpica vence Grupo 2 e arranha próprio recorde

    Jolie Olímpica vence Grupo 2 e arranha próprio recorde
    (Foto: Divulgação Santa Anita Park)

    Quem é craque é craque, independente de mudança de planos e distância. Depois de ter cancelada - devido ao Covid-19 - sua apresentação no Royal Heroine Stakes (G2), na milha gramada, a brasileira Jolie Olímpica voltou hoje em 1.100 metros também na grama, onde é a recordista em Santa Anita Park.

    E na distância curta ela deu um verdadeiro show. Se a diferença pareceu pouca no disco em um primeiro momento, quando a prova foi repriseda com a câmera frontal ficou claro que Mike Smith só "espanou" Jolie Olímpica para vencer o Monrovia Stakes (G2), ficando a um décimo de seu próprio recorde. 

    Largando por fora, a brasileira correu na terceira colocação até a entrada da curva, quando melhorou para a dupla. Na entrada da reta cercou a adversária e ficou muito bem posicionada para dar sua tradicional partida final, dominando como quis a ponteira e rumando para a vitória.

    Agora Jolie Olímpica fica com uma campanha de duas vitórias em três saídas nos Estados Unidos, que somadas as três que correu no Brasil fica com cinco vitórias em seis atuações. A única derrota veio no Buena Vista Stakes (G2), quando ponteou até o fim e foi dominada no último pulo. Inclusive Mike Smith disse após a prova que "a égua correu o mesmo que na última, porém desta vez o jóquei fez o seu trabalho melhor". 

    Jolie Olímpica é uma filha do destaque Drosselmeyer em Jolie Celina (Trempolino). Foi criada pelo Stud TNT e é de propriedade da Fox Hill Farms, Inc. Com certeza o melhor animal brasileiro em atuação no mundo no momento. Ela é treinada por Richard Mandella. Na dupla chegou a australiana Oleksandra e na terceira colocação a norte-americana Stealthediamonds.

    ASSISTA O RESUMO DO FIM DE SEMANA DE TURFE NO BRASIL:

  • Cidade Jardim

    Vareio de Head Office na Prova Especial Clackson

    Vareio de Head Office na Prova Especial Clackson

    Em uma prova que homenageou um dos maiores cavalos brasileiros de todos os tempos, o craque Clackson, treze animais alinharam para uma espécie de "Grande Prêmio São Paulo". 

    Com o adiamento da prova para outubro, os dois vencedores da preparatórias, Avião Sureño e Rasgado de Birigui, além de bons nomes como Mañana Poderosa, Hassan e Modigliani correram hoje para manter a forma para a Copa ABCPCC Clássica (G1), que acontece no fim de junho. 

    Porém, um animal que vinha de vitória em provas de turma acabou surpreendendo os mais cotados. Estamos falando de Head Office, que depois de iniciar campanha com boas atuações, inclusive um terceiro no Grande Prêmio Ipiranga (G1), fez uma carreira simplesmente fantástica hoje vencendo de ponta a ponta. 

    Na largada a parelha de Athayde Lopes visava a ponta. No entanto, Nhoquin buscou pontear para seu faixa, Noblesse You. Head Office também fazia questão da ponta, ultrapassando todos e assumindo a ponta antes da primeira curva. 

    Sempre com dois corpos para Nhoquin, Head Ofiice "braceava" na ponta, cada vez abrindo mais vantagem. Depois vinham Nhoquin, Modigliani, Energy Secret e os demais. Na grande curva, para tentar alcançar o ponteiro, Marcos Ribeiro já chicoteava Nhoquin. 

    Veio a reta final e o ponteiro abriu cada vez mais. Os animais mais cotados, como Avião Sureño e Rasgado de Birigui, só perceberam que o real adversário estava na frente e não atrás, quando faltavam 400 metros para o disco.

    E em uma pilotagem muito tranquila de Rudinick Viana, Head Office venceu de vareio com diferença de 8 1/2 corpos para Noblesse You, que depois de reaparecer no início de abril, voltou a mostrar sua categoria. 

    Na terceira colocação finalizou Rasgado de Birigui, com Avião Sureño e Master Tiko a seguir. Filho de Wild Event e Corticeira (Giant´s Causeway), ele é de criação do Haras Santa Maria de Araras e de propriedade do Stud Aessio & Naela. Foi apresentado por Emerson Garcia e assinalou 2'24"465 para os 2.400 metros na grama leve, apenas 4 décimos do recorde de Quick Road. 

  • Cristal

    Billion Lover e It's Alive brilham na segunda etapa da Coroa Juvenil

    Billion Lover e It's Alive brilham na segunda etapa da Coroa Juvenil

    Com muita chuva a capital gaúcha recebeu mais uma reunião do Hipódromo do Cristal na tarde de hoje. Dez provas muito encorpadas, com destaque para três clássicos, sendo dois pertencentes a Tríplice Coroa Juvenil. 

    E não teremos tríplice coroados juvenis neste ano, já que tanto Ohana Girl quanto Dicabron não venceram. Quem brilhou na segunda etapa foi o potro Billion Lover e a potranca It's Alive. No clássico de velocidade a vitória ficou para Ahaha. 

    A primeira prova clássica foi em 1.200 metros, o Clássico Câmara Municipal, para éguas de 3 e mais anos. Depois de assistir Gold Heart e Alemoa brigarem pela ponta na primeira parte do percurso, na entrada da reta Ahaha, grande favorita, veio por fora para dominar a carreira. 

    Na segunda colocação ficou Perigosa, seguida por Forasteira, Breaking News e Alemoa. Filha de Shanghai Bobby e Super Quality (Elusive Quality), Ahaha é de criação do Haras Old Friends e pertence ao Stud Slick. Pilotagem de A.Renan e treinamentos de N.Pires. 

    Logo em seguida as potrancas adentraram a pista para o Clássico João Mata Sales - Segunda Etapa da Tríplice Coroa Juvenil de Potrancas. E a melhor nos 1.380 metros foi It's Alive, que correu nas últimas posições por boa parte do percurso e atropelou vigorosamete. 

    Fuego Enlas Patas foi responsável pelo train da carreira, porém sua liderança durou apenas até a entrada da reta, quando Quick Gold assumiu a ponta pelo lado de fora. O que L.Costa não esperava era que mais por fora ainda It's Alive arrancasse para dominar a carreira nos últimos 100 metros. 

    Filha de Wild Event e Macchiatta (Jump Star), It's Alive é de criação do Haras Santa Maria de Araras e de propriedade de Paulo F. Brown Meira. Foi apresentada por N.Pires e pilotada por A.Renan. A seguir chegaram Quick Gold, Fuego Enlas Patas, Ohana Girl e Mensageira Bryan. 

    Depois vieram os machos e novamente um páreo emocionante. Desta feita a chegada foi espetacular, já que foi necessário o fotochart para decidir o vencedor do Clássico Eolo Antônio Arioli - Segunda Etapa da Tríplice Coroa Juvenil de Potros. 

    A chuva apertou antes da partida, que teve como primeiro ponteiro Feel Cutler, defensor das sedas do Haras Campestre. Porém, Billion Lover não quis saber de esperar a reta final e na entrada da curva já assumira a ponta. 

    Veio a reta e, tirado pelo externo da pista por R.Dornelles, o defensor do Haras Alves Teixeira dominou Querido Lô na altura dos 200 finais, porém sem abrir grande vantagem. Contudo, em uma atropelada espetacular de Fera do Manno, um irmão materno da craque Etê Kaluana, a decisão foi para o fotochart. 

    Por diferença de focinho a vitória foi confirmada para Billion Lover, mais um filho de Billion Dollar vencendo prova clássica nesta temporada. Em segundo chegou Fera do Manno, com Querido Lô, El Cosechero e Giallo D'anafer a seguir. 

    Filho - como dito acima - de Billion Dollar e Quenian Lover (Spend A Buck), Billion Lover é de criação e propriedade do Haras Alves Teixeira. Foi apresentado por F.Silva e pilotado pelo aprendiz de primeira categoria R.Dornelles.  

  • Cidade Jardim

    Kopenhagen vence Delegações Turfísticas em reta atribulada

    Kopenhagen vence Delegações Turfísticas em reta atribulada

    Uma carreira disputada tradicionalmente no Festival do Grande Prêmio São Paulo aconteceu na tarde de hoje. Estamos falando do Clássico Delegações Turfísticas (Listed), na distância de 2.200 metros na pista de areia. 

    Na largada Ghost Breaker fez questão da ponta, livrando três corpos para o restante do pelotão. Olympic Javier o vigiava de perto, com os favoritos American Tiz, Royal Forestry e Kopenhagen correndo mais no fundo do lote. 

    Na seta dos 1.300 metros finais Olympic Javier tomou a ponta, logo sendo seguido por Kopenhagen. Vários animais se aproximaram, dando a impressão que teríamos uma reta disputadíssima entre três ou quatro cavalos. 

    Pois bem, isso acabou não acontecendo. Kopenhagen dominou a prova, mas Royal Forestry arrancou pelo lado de fora para dar carga ao ponteiro. 

    Porém, o cavalo do Haras Springfield começou a se atirar para o lado de fora, fazendo com que o piloto de Royal Forestry tivesse que levar seu pilotado para o interno da pista, em caso semelhante ao ocorrido na Saudi Cup desse ano, quando Mucho Gusto obrigou Maximum Security a fazer o mesmo que Royal Forestry fez hoje. 

    Kopenhagen cruzou o disco na ponta, entretanto, André Luis Silva pediu sindicância da Comissão de Corridas. Que julgou e confirmou o resultado na ordem de chegada. 

    Filho de Midshipman e Left Handed (Vettori), Kopenhagen é de criação e propriedade do Haras Springfield. Antenor Menegolo Neto é seu treinador e Michel Platini foi seu piloto, assinalando o ótimo tempo de 2'12"745.

  • Cidade Jardim

    Ponsardin confirma expectativas e vence a Prova Especial Duplex

    Ponsardin confirma expectativas e vence a Prova Especial Duplex

    Não é fácil vencer uma corrida, principalmente quando você é criador e proprietário. Além de caprichar na criação, é necessário que os intempéries da campanha de um cavalo de corrida não o façam desanimar. 

    E Ponsardin foi um desses casos. E com certeza ao vencer na tarde de hoje a Prova Especial Duplex, deixou todo o seu staff com aquele sentimento de dever cumprido. 

    Desde potro Ponsardin era cotado como um grande craque. Além dos ótimos trabalhos, seus irmãos maternos No Ar e Olhar Mágico venceram provas de grupo em sua campanha. 

    Contudo, Ponsardin teve diversos problemas e acabou tendo sua campanha prejudicada, correndo - e ganhando - apenas uma vez em 2017 e uma vez em 2018. 

    No fim do ano passado voltou às pistas e, finalmente conseguindo se manter são, hoje venceu linda carreira, privando que tudo o esforço de seus responsáveis valeu a pena. 

    Até os 200 metros finais, ele vinha pelo lado de fora na terceira colocação. Porém, no rigor de Valmir Rocha ele arrancou nós últimos metros para vencer linda carreira. 

    Filho de Pioneering e If You Want (Giant Gentleman), Ponsardin é de criação e propriedade da Coudelaria Baptista. Márcio Ferreira Gusso é o seu treinador. O tempo foi de 1'34"094 para os 1.600 metros na pista de areia macia.

  • Cidade Jardim

    Takashi: oito vitórias e ainda invicto

    Takashi: oito vitórias e ainda invicto

    Hoje estamos tendo corridas em Cidade Jardim. Com nove provas, a atenção maior estava no Clássico João Tobias de Aguiar (Listed), principal carreira da programação.

    E não era para menos, afinal, nela estava competindo a grande sensação Takashi, que depois de arranhar o recorde na última tentava manter sua invencibilidade. 

    Com um campo contando com bons animais vindos de outras praças, realmente o crioulo do Haras Santarém não teve vida fácil, tendo que ser exigido por Marcos Ribeiro para completar a oitava vitória em oito saídas. 

    Na partida Tiger of Joy buscou a ponta, sendo acompanhado de muito perto por Takashi. Atrás deles, cerca de cinco corpos corriam os demais. 

    Veio a reta final e, exigido a fundo, Tiger of Joy lutou para tentar manter a ponta. Porém, quando Ribeiro baixou em cima de Takashi o "cara branca" de golpe dominou a prova. 

    Contudo, Symbolous arrancou muito forte exigindo que Takashi desse seu melhor para manter a vitória assegurada. Na terceira colocação chegou Jersey Cat, com Hacedor e Set Ly a seguir. 

    Filho de Pioneering e Iced Whisky (Redattore), Takashi é de criação do Haras Santarém e de propriedade do Stud Forza 3. Foi apresentado por A.F.Correia e assinalou 1'08"991 para os 1.200 metros na pista de areia macia. Takashi mantém sua invencibilidade!

  • Turfe

    Indicações para as corridas de hoje no Tarumã

    Indicações para as corridas de hoje no Tarumã

    Hoje o Jockey Club do Paraná volta a realizar corridas, com portões fechados e apenas com os profissionais envolvidos podendo estar presentes. 

    E como as corridas receberão apostas do Brasil inteiro, seguem algumas indicações. Claro que depois de dois meses sem reuniões, fica mais difícil a leitura das carreiras, porém arriscamos aqui algumas indicações com comentários, para ajudar o turfista que vai apostar nas corridas. 

    Importante se atentar para o início às 13h45. Vamos lá: 

    1° Páreo: Prova bem encorpada, contando com ótimos nomes. Os animais mai cotados estão reaparecendo, o que pode colocar dúvidas nos apostadores. Este é o caso de Art Dollar e Bandoleiro Grego, que tiveram problemas físicos após a Pegasus Brasil, em dezembro de 2019. 

    Lady Angel, vencedora clássica na Gávea, também reaparce após sentir no Clássico Primavera, em setembro de 2019. Raffhes, Master Chef e Strada estão mantendo campanha, porém se os que reaparecem correrem o que que já demonstraram, fica difícil perderem. 

    INDICAÇÃO: Bandoleiro Grego (06) - Parelha 01 (01) e Lady Angel (03).

    2° Páreo: Barry More Court é muito cotado desde sua estreia em Ciadde Jardim, porém parece não ter pego a grama. Então olho nele. Quem está muito comentado é Amigomarcio, do Stud My Hero Dad. Parelha interessante esta do Haras dos Girassóis. 

    INDICAÇÃO: Barry More Court (05) - Amigomarcio (04) e Parelha 01 (01).

    3° Páreo: About ndré está muito comentado. Porém pelo retrospecto Protea e a melhor Para a quadrifeta podem colocar Chivetta e também Dariak. 

    INDICAÇÃO: Protea (04) - About André (05) e Dariak (07). 

    4° Páreo: Prova que, sem alguma surpresa, fica nas mãos do Stud Ajato ou de Carlos Alberto Piovezan. Fina Prata volta do Rio de Janeiro com ótimas atuações, porém na nossa raia mais fofa pode cançar no final, dando chances para a parelha Inspetor Fong e Well Malo. Negro Furioso também tem chance, assim como Uno Prospector. 

    INDICAÇÃO: Parelha (05) - Fina Prata (04) e Negro Furioso (02).

    5° Páreo: Question Time reaparece após duas vitórias consecutivas, porém, emm uma prova tão aberta, quem mais nos chaa a atenção é Ledoyen. Jeune Coureur pode voltar a ter resultados importantes como antes. No mais, uma quadrifeta aberta. 

    INDICAÇÃO: Ledoyen (01) - Question Time (06) e Frozen (03). 

    6° Páreo: Nutella do Iguassu vai cada vez mais "madurando" sua vitória, porém em uma prova aberta como esta, fica difícil cravá-la. A parelha do Haras Cifra chama a atenção, como também On and On e Virginia Belle. 

    INDICAÇÃO: Parelha 04 (04) - Nutella do Iguaçu (09) e Virginia Belle (06). 

    7° Páreo: Temperatura Máxima reaparece com muita chance de vencer. Treetop vai estrear e está comentada. Junior School e Quanti Negro são bons nomes, assim como Indian Heart. 

    INDICAÇÃO: Temperatura Máxima (03) - Indian Heart (07) e Junior School (09). 

    8° Páreo: Páreo equilibrado, onde Queens de destaca um pouco pela última. Fandangueiro fracassou na última em Cidade Jardim, porém na areia do Tarumã sempre correu bem. Olho em Eroína Clara e Luna Bella. 

    INDICAÇÃO: Queens (03) - Fandangueiro (07) e Eroína Clara (11). 

  • Panorama

    O turfe brasileiro pós Covid-19

    O turfe brasileiro pós Covid-19
    Joqueta Jeane Alves nos matinais de Cidade Jardim (Foto: Porfirio Menezes)

    Passados dois meses da pandemia do novo coronavírus chegar de vez ao Brasil, podemos começar a fazer um balanço de como este vírus impactou e ainda vai impactar o turfe brasileiro. 

    Passamos por diversas mudanças, tanto dentro quanto fora das pistas. Desde o fechamento, à falta de perspectiva, a ajuda aos profissionais, até a volta de todos os hipódromos brasileiros nesta semana, já que teremos corridas no Tarumã e na Madalena.

    Não foi fácil. Os primeiros a sofrerem os impactos foram os profissionais. Sem corridas eles perdem grande parte de suas rendas, já que vivem de comissões. Porém, com auxílio de grandes proprietários e dos clubes eles vão "sobrevivendo". 

    Todos os clubes do Brasil anunciaram medidas para apoiar os profissionais, tanto em dinheiro quanto em auxílios, como cestas básicas e etc. A única exceção foi Cidade Jardim, que demonstrando muita coragem e grande força política, continuou dando carreiras independente das matérias tendenciosas da mídia. 

    Cidade Jardim criou um modelo copiado no Brasil inteiro, onde somente os profissionais que estão trabalhando no dia podem entrar. Muito distanciamento (quando possível), máscaras, medidor de febre e álcool em gel.

    Logo veio o Cristal, com o atuante Presidente José Vecchio Filho articulando junto à prefeitura a volta das provas. Mesmo com uma de suas rendas comprometidas devido ao fechamento do comércio, o Cristal bancou a volta e já ofertou duas reuniões. O movimento de apostas foi muito bom devido as circunstâncias e as carreiras gaúchas continuam firmes. 

    Um pouco antes, a Associação Brasileira dos Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida - ABCPCC já havia feito algo muito interessante. Sabendo dos adiamentos dos Festivais do Grande Prêmio São Paulo e Brasil, antecipou seu festival para o fim de junho, garantindo ao menos um festival de relevância no primeiro semestre. 

    Isso é útil porque o festival oferece cerca de R$ 1 milhão em prêmios. Quando um dinheiro alto desses chega aos criadores, proprietários e profissionais, o mercado do turfe é fomentado para o segundo semestre. 

    Pelotas deu um show de coragem e transparência. Se não conseguiu uma ajuda financira alta para os profissionais, tratou de trabalhar para reabrir, o que aconteceu antes da Gávea. Sim, já tivemos duas reuniões na Tablada desde que o Covid-19 fechou tudo. Caminha a passos largos para se tornar grande no turfe brasileiro.

    Por fim, tivemos a volta das corridas no Rio de Janeiro. Quando do primeiro cancelamento, um dia antes do ínicio de um conjunto de quatro reuniões, o espanto foi total. Talvez se ali fossem mantidos os páreos, não teríamos todo este "drama" para sua reabertura, que aconteceu há duas semanas. 

    A dificuldade encontrada pelo Jockey Club Brasileiro para a reabertura foi enorme. Em uma das cidades mais atingidas pelo coronavírus, a Gávea teve sua confirmação das corridas aos 45' do segundo tempo, via governo estadual. 

    A prefeitura tentou barrar a volta, porém com situação e oposição trabalhando dentro do Palácio da Cidade, as corridas estão liberadas e, na semana passada, tivemos mais de R$ 1 milhão jogados em dois dias. Em meio a uma pandemia, temos que concordar que é um movimento muito substancial. 

    Para a alegria dos profissioanis goianos, voltaram as corridas no último sábado. Aconteceram pela manhã, criando uma nova situação para que tenhamos apostas lá. Como o Jockey Club de Pernambuco alinhou uma parceria com o Jockey Club de Pelotas para utilizar sua plataforma de apostas online, o apostaturfe.com.br, a aproximação da Lagoinha com Pelotas é de suma importância para o crescimento de ambos. 

    Também tivemos a volta da cancha reta, com a realização de uma penca em Cruz Alta. Existem vários eventos remarcados, que devem acontecer neste e no próximo mês. 

    Na quinta-feira tem Tarumã, a partir das 13h45. No domingo volta Madalena. Assim, quando voltar Sobral teremos todos os principais hipódromos brasileiros dando provas. 

    Impressionou também a força dos proprietários, uma vez que nestes dois meses e meio de Covid-19, foram movimetados quase R$ 15 milhões nos diversos leilões realizados no Brasil. O mercado dos leilões também teve que se adaptar. 

    Os famosos "Leilão Internacional", "Leilão Criação Nacional" e "Leilão Blood & Power" foram virtuais, com pouquíssimas pessoas in loco - apenas profissionais - para não causar aglomerações. Podemos dizer que em face do que estamos vivendo, foi um sucesso. 

    Por fim, teremos alterações no calendário clássico brasileiro. O maior deles foi a transferência de maio para outubro do Grande Prêmio São Paulo. O Grande Prêmio Brasil pulou de junho para agosto e, como dito acima, o Festival da Copa dos Criadores foi antecipado para junho. 

    ASSISTA AS RAPIDINHAS DO TURFE DESTE INÍCIO DE SEMANA:

    Talvez tenhamos um GP Brasil de portões fechados. Com certeza teremos um Festival da Copa dos Criadores com portões fechados. Infelizmente, agora em junho, poderemos ver a égua Mais Que Bonita se tornar Tríplice Coroada Carioca sem público, semelhante ao que aconteceu com Etê Kaluanã no Cristal. 

    A atividade turfística, pelo pequeno contato entre pessoas, está sendo o esporte que mais rápido retornou às atividades no mundo. Na América do Sul apenas Chile e Argentina não voltaram, de resto teremos corridas nas principais praças. O mesmo acontece na Europa e Estados Unidos, onde vários hipódromos estão anunciando a retomada das atividades. 

    O sacrifício está sendo grande, contudo, o turfe brasileiro está se saindo muito bem frente à pandemia. Fruto do esforço de todos para que esta nobre e linda atividade não pare. Estamos todos de parabéns!

  • Cidade Jardim

    Nordland e Life is Beautiful os melhores entre os potros

    Nordland e Life is Beautiful os melhores entre os potros

    Duas Provas Especiais para a geração 2017 foram corridas na tarde de hoje em Cidade Jardim. A primeira delas, em homenagem a Joaquim da Cunha Bueno, foi vencida por Life is Beautiful. A outra, homenageando Jayme Torres, contou com a vitória de Nordland. 

    Largando com oito competidoras de dois anos, a Prova Especial Joaquim da Cunha Bueno, em 1.400 metros na grama, mostrou pouco equilíbrio, já que Life is Beautiful venceu por mais de 3 corpos. 

    Corrida sempre nas primeiras colocações, Life is Beautiful era a segunda na grande curva, dominando a carreira nos 450 metros finais. Na segunda colocação chegou Moonrise, com Lady Christini's, Trova Serena e Outra Leca a seguir. 

    Filha de Wild Event e Believable Winner (Put It Back), ela é de criação e propriedade do Haras Springfield. Foi apresentada por Antenor Menegolo Neto e pilotada por Michel Platini. O tempo foi de 1'23"255.

    Na hora dos machos entrarem na pista, um animal pouco badalado surpreendeu todos os favoritos. Estamos falando de Nordland, que em uma atropelada irresistível venceu a Prova Especial Jayme Torres. 

    Ele correu no meio do pelotão até a entrada da reta, quando conseguiu ótima passagem pelo interno da pista. Conduzido magnificamente por Valmir Rocha, ele alcançou nos últimos metros Fleur do Jaguaretê, livrando 3/4 de corpo de vantagem. 

    Na terceira colocação chegou Lord Blue Eyes, com Le Leopard e Iridium a seguir. Filho de Courtier e Amore Bionda (Henrythenavigator), ele é de criação do Haras São José da Serra e de propriedade do B G C Thoroughbreds Stud. Foi apresentado por Fabiano Loezer e assinalou 1'22"497.

    ASSISTA A HOMENAGEM A JAEL BARROS NO PÁREO DA SAUDADE:

  • Cidade Jardim

    Tácio e Regal Daphne brilham nas Provas Especias de Cidade Jardim

    Tácio e Regal Daphne brilham nas Provas Especias de Cidade Jardim

    Duas provas que normalmente fariam parte do Festival do Grande Prêmio São Paulo, agora remarcado para o dia 24 de outubro, aconteceram nesta tarde de sol em Cidade Jardim. 

    Uma para éguas de 3 e mais anos em 1.300 metros, a Prova Especial F.I.A.H. A segunda, a Prova Especial Depressa, em 1.000 metros na pista de grama. Na primeira delas deu uma favorita, já na segunda uma surpresa. 

    Reunindo oito éguas, na Prova Especial F.I.A.H. por pouco não tivemos uma "bomba" vencendo. Mutlu San, que depois de campanha no Tarumã se encontrou e transformou-se em outra égua correndo na grama, perdeu uma carreira incrível. 

    Ponteou desde a largada até os últimos metros, quando foi alcançada pela favorita Regal Daphne, da Coudelaria Monte Parnasso. Em uma condução principesca de Bruno Queiroz, a alazã atropelou muito firme para ficar com a vitória. 

    Na terceira colocação chegou Ginger Touch, com Cape Flower e Khodynka a seguir. Trata-se de uma filha de Agnes Gold e Super Pipa (Gilded Time), de criação e propriedade da Coudelaria Monte Parnasso. Foi enviada do Rio de Janeiro por R. Morgado Neto. 

    Logo depois foi a vez de um dupla de "R$ 74,20" derrubar as acumuladas dos apostadores. Com Habile Bobby como grande favorito, coube a Tácio e Consul American surpreenderem. Chama a atenção que a diferença do primeiro para o último colocado da Prova Especial Depressa foi de apenas 4 1/2. 

    Ninguém esperava que algum animal corresse na frente de Habile Bobby nos primeiros metros da prova, porém Tácio se aproveitou de um deslize do favorito para fazer a diagonal e assumir a primeira colocação. 

    Antes mesmo do término da variante, Habile Bobby já estava no encalço de Tácio, porém sem conseguir a ultrapassagem. E foi asssim ate os 250 metros finais, quando Tácio finalmente conseguiu abrir do restante do pelotão, cruzando o disco com 2 1/2 corpos de vantagem. 

    A seguir chegaram Consul American, Habile Bobby, Davy Jones e El Thuran. Filho de  Pioneering e Lukinha (Vettori), ele é de criação do Haras Santarem e de propriedade do Stud Scudeller. Foi apresentado por J. Paulielo e pilotado por Marcos Ribeiro. 

    ASSISTA A HOMENAGEM A JAEL BERGAMASCHI BARROS NO PÁREO DA SAUDADE:

  • Cristal

    Com muita raça Etê Kaluanã vence mais uma clássica

    Com muita raça Etê Kaluanã vence mais uma clássica

    Depois de enfrentar a maratona da Tríplice Coroa Gaúcha, Etê Kaluanã voltou à pista do Hipódromo do Cristal para manter a invencibilidade que já durava quase seis meses. 

    E quem havia derrotado ela em novembro de 2019 estava o campo do Grande Prêmio Diana (Listed Regional), a égua Endorfina. Best Dubai, que já empatara com Etê Kaluanã outrora, também estava na carreira que ainda contava com a ex-carioca Breaking News e Sereia de Birigui. 

    Além disso, o desgaste da Tríplice Coroa e, principalmente, seu protagonismo no turfe gaúcho, lhe colocavam na mira de todas as adversárias. A probabilidade de um ritmo de carreira adverso era enorme. 

    Porém ela não se acovardou, mais uma vez com Claudinei Farias em seu dorso. Endorfina fez questão da primeira colocação, mesmo sabendo que não aguentaria os 2.000 metros naquele ritmo. 

    Sem poder deixar sua algóz de novembro fugir na frente, ela também precisava se preocupar com uma outra Tríplice Coroada Gaúcha, a castanha de 20 vitórias na campanha Best Dubai, que só vigiava as duas na terceira colocação. 

    Veio a grande curva e Etê Kaluanã começou os ataques para cima da ponteira, dominando-a nos 450 metros finais. Endorfina levou a favorita para o meio da pista, tornando-a uma "presa fácil" para Best Dubai. Pelo menos era isso que parecia.

    Com grande ação, Best Dubai emparelhou e dominou Etê Kaluanã, que parecia derrotada até os 100 metros finais. Contudo, no rigor de Claudinei Farias, a alazã que vem conquistando os turfistas de todo o Brasil se recuperou maravilhosamente para livrar meia cabeça antes da - como diz Airton Barnasque - sentença final. 

    Se na Tríplice Coroa ela ganhou na base da categoria, hoje a vitória foi na raça, mostrando que além de um espetacular poderio locomotor, Etê Kaluanã tem um coração que só os craques demonstram. 

    Na segunda colocação a ótima Best Dubai, seguida por Breaking News, Endorfina e Sereia de Birigui. Esta foi a 14° vitória de Etê Kaluanã em 19 saídas. Best Dubai, a segunda colocada, conta com 20 vitórias em 31 saídas. 

    Filha de Adriano Twice So Nice (Wild Event), Etê Kaluanã é de criação do Stud Itaara e de propriedade de Alberto Tiellet Miorim. Foi apresentada novamente por Luciano Arias, assinalando o tempo de 2'19"10 para os 2.000 metros na pista de areia macia, QUATRO SEGUNDOS melhor que a prova de Pesos Especiais corrida logo a seguir apenas com machos. 

  • Gávea

    Opinião: quando existe união tudo é possível

    Opinião: quando existe união tudo é possível
    (Foto: Site JCB por Sylvio Rondinelli)

    No sábado, em meio às corridas de Cidade Jardim, era publicada uma matéria no site globoesporte.com falando a respeito de uma proibição de corridas no Hipódromo da Gávea. Antes, na quinta-feira, uma Secretaria Estadual já havia comunicado isso - com informações equivocadas - por e-mail ao clube. 

    Desde então aconteceu uma grande união entre cronistas, dirigentes, profissionais e turfistas ilustres. Todos foram à página do referido site para dar aquela "enquadrada" no portal, já que a matéria tinha tanta "desinformação" que até parecia comprada. 

    Nos comentários do referido site, apareceram diversos cronistas, grandes proprietários e profissionais para indagar a redação dos mesmos sobre a falta de informações cruciais para que as corridas fossem liberadas. 

    Eu reativei meu Twitter e fui até o jornalista que assinava a matéria, Gabriel Fricke. Lá o indaguei sobre todos os erros na matéria, a falta de informação que todos os hipódromos do país estão reabrindo e que, as corridas internacionais são transmitidas no Brasil com apostas. 

    Também deixei claro que um time como o Flamengo voltar com os treinamentos acumula muito mais aglomeração que nas corridas, inclusive em um espaço infinatamente menor. Passei o telefone do Dr. Marcelo Beloch, que o Celson Afonso me passouenviou e, no outro dia, finalmente tinhamos a versão do clube para a realização das corridas. 

    Nesta luta que foi de todos, diversos membros e sócios do JCB entraram em contato com os mandatários do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Depois de muita articulação, mesmo com a determinação do cancelamento das corridas pela Prefeitura, tivemos provas no domingo e na segunda-feira. 

    Não aceitando ser "derrotado" em sua tentativa absurda de manter a proibição, o Prefeito Pastor Marcelo Crivella, na segunda-feira (04), notificou o clube proibindo-o de realizar corridas, sob ameaças de processos, queixa-crime e até a cassação do alvará. 

    Segundo fontes, com grande ajuda do candidato de oposição às eleições do Jockey Club Brasileiro, Doutor Raul Lima Neto, a prefeitura aceitou a liberação das corridas, "desde que sem público, com proteção para os profissionais e com as casas de apostas fechadas". 

    O que chama a atenção é: não foi explicado que as mesmas aconteceriam nestes termos? Claro que foi! Então por que só agora a prefeitura carioca entendeu? Como disse no último programa Turfe na Cidade, realmente estamos escolhendo muito mal nossos governantes!

    Enfim, temos que parabenizar a todos que se uniram para que as corridas voltassem a acontecer. Desde cronistas, turfistas e profissionais, que deram forças para que a direção do JCB "peitasse" a Prefeitura e realizassem as corridas do último fim de semana. Podem ter certeza que se a Gávea tivesse cancelado as corridas, não teríamos provas no mínimo até a segunda quinzena de junho. 

    Agora, segundo o globoesporte.com, que depois da conversa via Twitter citada acima "poliu" melhor suas matérias relacionadas ao turfe, informam que em uma Nota Oficial da Prefeitura as corridas estão muito proximas de serem liberadas via decreto no Diário Oficial. 

    Esta é a nota da prefeitura: 

    "A Prefeitura do Rio de Janeiro não abre mão de impedir aglomerações. Cabe destacar, contudo, que, por meio da Procuradoria Geral do Município (PGM), há conversas com o Jockey Club Brasileiro para que, DESDE QUE SEM PÚBLICO, sem aglomerações e sem funcionamentos de casas de apostas na cidade, as corridas de cavalo ocorram. A medida será publicada em decreto no Diário Oficial após os ajustes das tratativas."

    E seguimos em frente, com o turfe sendo mais forte que qualquer coronavírus!

    ASSISTA O PROGRAMA TURFE NA CIDADE DO ÚLTIMO DOMINGO:

  • Cidade Jardim

    Izzi Bizzi é o novo líder entre os potros

    Izzi Bizzi é o novo líder entre os potros

    Nem Full do Jaguarete, muito menos Unique Experience. Mesmo dominando as primeiras provas da geração, estes dois sucumbiram ao potro Izzi Bizzi, que em uma atropelada fantástica venceu o Grande Prêmio Presidente José de Souza Queiroz (G2). 

    Logo após a partida, quem assumiu a primeira colocação foi Oscar Winner, que aportava em Cidade Jardim oriundo do Rio de Janeiro. Era seguido de perto por Unique Experience, Zabar's, Full do Jaguarete e Jobster. 

    Veio a reta final e pela baliza um Zabar's começou a lutar contra Oscar Winner pela primeira colocação. Unique Experience, Full do Jaguarete e Jobster tentavam descontar sem sucesso. 

    Quando o alazão da farda preta e ouro dominou a prova e caminhava para uma bela vitória, Izzi Bizzi "arrancou duro pelo lado de fora" para em grande direção de Muriel Machado levar a vitória por meia cabeça. 

    Zabar's teve que se contentar com a dupla, seguido de Oscar Winner (muito próximo), Latino Outlaw e Jobster. Depois ainda chegaram Full do Jaguarete, Najar do Iguassu e Unique Experience. 

    Filho de Put It Back e Lizzy Girl (Lode), Izzi Bizzi é de criação do Haras Santa Maria de Araras e de propriedade do Black Opal Stud. Bruno Alexandre apresentou o castanho que assinalou 1'21"969 para os 1.400 metros na grama leve. 

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES