• Tecnologia 5G: vantagens e desafios para as empresas

    A nova tecnologia de transmissão de dados e informações que se desenvolve por meio de ondas de rádio com o uso de celulares está prestes a ser implantada em todo o planeta. Apesar de existir muitas vantagens para a sociedade, esse avanço tecnológico carrega vários desafios decorrentes da própria condição de inovação que a tecnologia carrega.

    Vamos analisar os desafios que surgem em algumas vantagens apresentadas pela Tecnologia 5G, e ao final deste texto, algumas sugestões são apresentadas com o objetivo de melhor se preparar para essa nova condição de existência da sociedade.

    Entre as principais vantagens está a condição de apresentar maior capacidade de armazenamento e de velocidade do fluxo de dados e informações por segundo. Essa capacidade gera a possibilidade de comunicação entre objetos que seguem o conceito da IoT – Internet of Things – Internet das Coisas, como carros, roupas, drones que estarão conectados entre si em tempo real, por meio da capacidade da Tecnologia 5G.

    Um dos desafios dessa condição está na segurança dos dados e informações que vão circular na Internet. Isso porque, da mesma forma que a velocidade beneficia aspectos de respostas rápidas para salvar vidas, também pode beneficiar ações de invasão de privacidade na rede.

    As senhas com padrão atual serão identificadas com maior facilidade, pois a alta velocidade disponível com a tecnologia 5G tornará essa prática menos complexa de ser realizada. Nesse sentido, um dos desafios está em criar novas formas de proteção dos dados e informações disponíveis na internet.

    Seguindo essa premissa, outra vantagem que surge são os novos negócios, bem como oportunidades para o desenvolvimento de novas inovações tecnológicas. Trazendo como desafio, a qualificação dos profissionais para atender essa realidade, já que poucos profissionais da área de Engenharia detém o conhecimento sobre a tecnologia 5G.

    Nessa mesma situação, temos como desafio a mudança de cultura das empresas que adotarão essa tecnologia 5G nos próximos anos. Considerando que o suporte para as novas ferramentas, softwares e a IoT, que serão implementadas para melhorar os processos de trabalho, trazem mudanças de funções e de quantidade de profissionais necessários para o desenvolvimento das mesmas atividades. Ficam os profissionais com a necessidade de se especializarem na gestão de todas essas informações que estarão disponíveis em tempo real. Saber o que fazer com tantas informações disponíveis, é o conhecimento que as empresas vão precisar nesse novo paradigma. Pois as atividades que serão realizadas por softwares, apresentando como vantagem a otimização de tempo e garantia de precisão na execução dos processos, não terão mais espaço para o trabalhador.

    Como solução para esses desafios apresentados, e tantos outros que surgem com a implantação de qualquer tipo de inovação, sempre está outro desafio, o da superação da qualificação profissional para que os profissionais consigam acompanhar a evolução tecnológica que surge constantemente. Nesse caso, uma mudança de paradigma produtivo no que se refere a gestão.

    Sendo esse, a Gestão da Informação, um novo conhecimento que surge nas Universidades. Como realizar a gestão do grande volume de dados e informações disponíveis, é um conhecimento necessário para que as empresas possam, de fato, aproveitar as vantagens da tecnologia 5G. Do contrário, as empresas terão um “elefante branco” disponível, mas sem aproveitamento do seu grande potencial.

    Nesse sentido, a importância do conhecimento sobre Gestão da Informação para os profissionais, está na condição de auxiliar na promoção da mudança de cultura das empresas, e consequentemente, melhorar os resultados produtivos e a qualidade de vida dos trabalhadores.

    Fontes:

    http://smallcapstockdigest.com/archives/market-commentary/technology/is-it-time-to-consider-adding-some-tech-stocks

    https://cio.com.br/5-principais-desafios-que-o-5g-deve-superar/

    http://cidadejunior.org.br/Interna/12/cursos

    https://portal.fei.edu.br/noticia/68/tecnologia-5g-trara-mudancas-radicais-para-a-sociedade

    https://www.portalodia.com/noticias/tecnologia/industria-da-tecnologia-se-prepara-para-a-chegada-do-5g-305786.html

  • Negócios com a Internet das Coisas

    Com a finalidade de atender demandas da sociedade em diferentes segmentos, como na Industria, no agronegócio, na saúde e nas cidades inteligentes, as inovações tecnológicas que surgem por meio do uso da internet se desenvolvem por meio de grande volume e fluxo de dados disponíveis para serem acessados em qualquer lugar do planeta e em alta velocidade.

    Além de conectar as pessoas, a Internet conecta diferentes objetos e a partir dessa realidade surgiu o conceito da Internet das Coisas. São identificados como “sistemas independentes que permitem comandar, gerenciar, telemetrar e medir dados por meio de componentes, sensores e atuadores conectados à internet e acessados por meio de smartfhones ou smart watch.

    Existem aspectos que evidenciam a natureza complexa da Internet das Coisas. Ela não pode ser vista como uma extensão da atual Internet, mas como uma série de novos sistemas independentes que funcionam com infraestruturas próprias e em parte apoiam-se nas infraestruturas existentes da Internet.

    Conhecido como ambiente digital, tem como característica principal a convergência de diferentes produtos, serviços e dados disponíveis na internet com acesso imediato por meio de um smartphone. Entender como os negócios podem se desenvolver nesse ambiente é fundamental para que as empresas consigam sobreviver a essa onda digital que está tomando conta do mundo dos negócios.

    O modelo de negócio da Internet das Coisas – Internet of Things – IoT está crescendo de maneira exponencial. Esse fenômeno é representado pela condição que os relacionamentos são construídos na Internet. Já é de domínio de grande parte da sociedade o conhecimento das pessoas para contratarem serviços ou produtos e até mesmo espaços para desenvolverem atividades de interesse pessoal e/ou profissional por meio da internet. Essa relação construída por meio das necessidades pessoais e/ou profissionais produz uma dinâmica de relacionamento comercial, ou modelo de negócio diferente do modelo de negócio tradicional.

    Entre as diferenças apresentadas nos negócios digitais quando comparados aos negócios presenciais estão:

    1 – O acesso rápido e fácil a informações e produtos disponíveis na internet;

    2 – A interação ativa existente entre os seres humanos e os objetos acontece de maneira integrada;

    3 – A capacidade de existir a relação comercial sem o envolvimento de terceiros na transação econômica, pois a negociação ocorre diretamente entre cliente e fornecedor.

    A segurança dessa relação comercial acontece por meio do Blockchain. Um sistema que fornece segurança de dados e de gerenciamento de moedas por meio de dados criptografados em uma Interface de Programação de Aplicativos – Application Programming Interface – API. A interface desse sistema é formada por um conjunto de rotinas e padrões de programação para acesso a um aplicativo de software ou plataforma baseado na Web.

    Essa plataforma proporciona segurança nas transações comerciais, jurídicas e de gerenciamento de dados existentes na Internet. A grande capacidade de gerenciamento e controle de dados que beneficia tanto o fornecedor como o consumidor, proporciona maior agilidade e segurança no fluxo de produtos e de moeda nas operações comerciais dos modelos de negócios digitais.

    Essa condição é gerada pela tecnologia 5G, a qual permite que muitos negócios sejam criados nesse ambiente digital. Entender como as tecnologias estão sendo utilizadas, no sentido de aproveitamento destas para obter rentabilidade, é o que as empresas precisam fazer nesse momento.

    O modelo de negócio em que a empresa operava para atender o cliente e consequentemente obter lucro, está entrando na trilha da extinção. Atualmente o BIG DATA, BLOCKCHAIN, INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, SMART SPACES, COMPUTAÇÃO QUÂNTICA, INTERNET DAS COISAS, EQUIPAMENTOS AUTÔNOMOS e outros elementos já chegaram alterando a ordem das coisas. Nesse formato, o atendimento dos clientes com qualidade contempla todos esses elementos, com suas complexidades particulares.

    Como as empresas podem se manter atualizadas e consequentemente competitivas com essa realidade? Garantindo a qualificação contínua de suas equipes de trabalho.

     

    Fonte:

    AGRAWAL, Mohit. Internet of Things – Business Model. Telecom Circle.  (2016) último acesso em 03/07/2019. Disponível em: http://www.telecomcircle.com/2016/05/internet-of-things-business-models/ 

    OSTERWALDER, Alexander & PIGNEUR, Yves. Business Model Generation: Inovação em Modelos de Negócios. Rio de Janeiro, RJ: Alta Books, 2011.

    WELL Peter e WOERNER, Sttephanie L. Qual o seu Modelo Digital de Negócio? São Paulo. M. Books do Brasil. Editora Ltda. 2019.

    ZHANG Yu e WEN Jiangtao. The IoT electric business model: Using blockchain technology for the internet of things. Received: 21 September 2015 / Accepted: 16 March 2016 Springer Science+Business Media New York 2016. Disponível em: http://www.arifsari.net/isma500course/project/21.pdf 

  • Mundo automotivo e o impacto da Internet das Coisas

    Fonte: http://www.metagal.com.br/blog/futuro-mercado-automotivo/

    O fenômeno da conectividade existente entre todas as coisas por meio da internet já é conhecido pela maioria das pessoas. No entanto, apenas algumas pessoas já aproveitam essas maravilhas que funcionam com o conceito da Internet das Coisas – Internet of Things – IoT. É fácil perceber que esse conceito está alterando a realidade de vários segmentos, inclusive o mercado automotivo. Com essa realidade, todas as áreas do segmento automotivo estão se atualizando para conseguirem se manter competitivos.

    Nessa realidade, os produtos e serviços precisam ser oferecidos de maneira a atender as expectativas e necessidades dos clientes. Para facilitar o desenvolvimento desse atendimento, as empresas precisam promover a qualificação profissional de suas equipes, se antecipando na corrida para melhor atender os consumidores.

    No setor automotivo os sensores e sistemas conectados à internet já são comuns nos carros fabricados nos ultimos anos. Inclusive os profissionais que atuam com os caminhões guincho precisam entender como funcionam os sistemas e sensores desses carros, pois quando os recolhem precisam desbloquear os sistemas digitais, os quais estão bloqueados por motivo de segurança. Quando são chamados para guinchar os carros que possuem sistemas de segurança baseado no conceito IoT, o carro precisa ser ligado a partir de um smartphone que é conectado ao sistema que está na internet. 

    Diante dessa realidade, o conhecimento de qualquer profissional que atua no segmento automotivo precisa estar pautado no conceito da IoT. Entre as aplicações mais comuns desse conceito no segmento automotivo temos:

    Dispositivos e sensores que evitam acidentesO uso de sensores para a identificar o percurso percorrido pelo carro garantindo a segurança dos passageiros. Esses sensores e dispositivos já garantem a percepção das condições fisiológicas dos motoristas, identificando se estes estão acordados ou até mesmo como está o ritmo cardíaco durante o momento que dirigem.

    Rastreamento e segurança de veículos – O controle dos automóveis utilizado por meio da internet para parar um carro é muito utilizado para realizar o rastreamento e localização de veículos quando estes são roubados. Qualquer alteração no trajeto da rota, a central de segurança é acionada e o automóvel é bloqueado automaticamente se o motorista não responder ao suporte.

    Manutenção com telemetriaA partir do acesso ao painel digital o motorista fica sabendo quando há a necessidade de realizar manutenção, troca de óleo, de água e qualquer tipo de reparo. Inclusive o motorista consegue se comunicar com a mecânica mais perto ou agendar visita por meio do painel digital.

    Armazenamento e transporte na logística – Existem sensores e dispositivos que auxiliam em vários segmentos produtivos, como no alimentício, garantindo que a temperatura de alimentos seja controlada para manter os alimentos em melhores condições até chegar no destino final. Até nos motores os sensores podem prevenir acidentes, a partir do nível de vibração que este apresente.

    Toda essa tecnologia garante maior agilidade para todas as pessoas envolvidas com o processo, tanto os profissionais, como os clientes. É para essa realidade que os profissionais precisam se preparar profissionalmente. Buscando conhecimento especializado no conceito de Internet das Coisas – IoT.

    Esse conhecimento especializado pode ajudar no desenvolvimento e promoção profissional nas empresas que produzem, bem como, nas empresas que comercializam esses sensores e dispositivos no segmento automotivo. Buscar a qualificação que auxilie no desenvolvimento dessas empresas é o melhor que os profissionais podem fazer para auxiliar na condição de competitividade das empresas em que atuam.

     

     

  • COMUNICAÇÃO & TRABALHO: O sucesso de um depende do sucesso do outro

    Pesquisadores apresentam estudos sobre os fatores críticos que surgem durante a transferência do conhecimento entre os profissionais. Seja no momento da relação de trabalho existente entre o cliente externo e o cliente interno, ou entre os clientes internos (colegas de trabalho).

    Nesses estudos, fica muito evidente que o mundo do trabalho caminha a passos largos para a construção de ambientes produtivos com equipes multidisciplinares. Essa realidade, exige que a comunicação seja pautada na capacidade dos profissionais escutarem cada participante do diálogo. Muito mais do que falar. Isso porque, nem sempre as demandas apresentadas pelos profissionais estarão acompanhadas de sinais visíveis, de que, a informação apresentada estará clara o suficiente, para que todas as necessidades das diferentes áreas sejam atendidas.

    Nesse contexto, o respeito às diferenças é essencial para obter o resultado esperado da equipe de trabalho. Essa rotina, demanda dos profissionais, a habilidade de saber escutar. Muito requisitada em todas as áreas produtivas. Atualmente, muito mais. Visto que as equipes de gestão são formadas por profissionais de diferentes áreas. Exigindo uma prática interdisciplinar. Tendo como maior desafio, gerar conhecimento acerca de informações que são obtidas por meio de dados disponíveis na internet, especificamente no Big Data.

    Essa rotina de produção de conhecimento, por meio das diferentes percepções de uma equipe multidisciplinar, é o grande desafio das empresas na atualidade. Afinal, para ter acesso aos dados disponíveis no Big Data, precisa apenas pagar por isso. Mas usar esses dados e, com eles, gerar conhecimento de maneira eficiente por meio de uma equipe multidisciplinar é preciso muito mais que dinheiro. É necessária cooperação entre os profissionais de diferentes áreas de conhecimento.

    Fica a dica! Respeite o conhecimento das pessoas e crie o habito de aprender diariamente.

    Fonte:

    REIS, Rafael Alexandre dos e FREITAS, Maria do Carmo Duarte. Fatores críticos de aceitação e uso de tecnologia da informação: uma análise sobre pequenas e médias indústrias de vestuário brasileiras. UFPR. 2014.

    W.A. Günther et al. Debating big data: A literature review on realizing value from Big Data.  Journal of Strategic Information Systems. 2017.

  • O impacto da Internet na rotina de trabalho

    Praticamente todas as áreas profissionais mudaram as suas rotinas de trabalho em virtude do surgimento da Internet. Já é de conheciment de todos que a sua aplicabilidade promove agilidade no desenvolvimento de várias atividades em qualquer segmento produtivo. No entanto, poucos percebem que essa agilidade é proporcionada por ações realizadas por pessoas com atuação social ou profissional.

    Considerando que a Internet absorve e promove o fluxo de grande volume de dados produzidos por diferentes tecnologias como os tablets, smartphones, cartões de banco, sensores e outros. A comunicação atual entre os profissionais das diferentes áreas se desenvolve por meio da Internet, e essa agilidade proporcionada pela internet é executada pelos profissionais.

    Com apenas essa condição de agilidade de resposta que a internet promove nas diferentes áreas profissionais, podemos identificar alguns impactos que a Internet promove no mundo do trabalho.

    1 – Tempo de trabalho diário – Atualmente o tempo das pessoas envolvidas com as informações disponíveis na internet tem ampliado o tempo dedicado ao trabalho. Essa realidade chega a tal situação que a legislação trabalhista vem sendo alterada para regular as condições de trabalho, seja nas condições de regulamentação do tempo do trabalhador, como também das condições de localização do ambiente de trabalho.

    2 -  Comunicação profissional – Um dos grandes desafios da humanidade é o desenvolvimento da comunicação de maneira que o emissor apresente a informação de maneira clara e de fácil entendimento, bem como o receptor das informações, consiga interpretar essa informação sem que haja influência de sua bagagem cultural e de experiências vividas. Atualmente esse desafio foi ampliado porque com o uso da Internet o tempo de resposta ficou mais rápido e o volume da comunicação foi ampliado exponencialmente. E com isso, surge a necessidade urgente para os profissionais de dominarem técnicas e linguagens de comunicação que sejam mais eficientes em suas áreas de atuação profissional.

    3 – Educação – Todas essas alterações desafiadoras para os profissionais que surgem a partir do uso da Internet deveriam ser supridas pela Educação. No entanto, como a Educação vigente ainda está engatinhando nessa condição de promover o preparo de profissionais que possam construir o conhecimento por meio de abordagem interdisciplinar (construção do conhecimento por meio da integração de diferentes disciplinas a partir do desenvolvimento de atividades práticas). Para que essa abordagem interdisciplinar ocorra a gestão educacional precisa promover condições estruturais e logísticas diferentes das adotadas na Educação tradicional, a qual vem se desenvolvendo da mesma forma que era realizada no final do século retrasado, quando surgiu a Segunda Revolução Industrial. As mudanças que surgem com esse atraso da Educação, são espontâneas, formadas por grupos de profissionais que colaboram entre si, compartilhando experiências e conhecimento a partir de suas vivências profissionais.

    4 – Perfil profissional – Apenas esses três fatores citados anteriormente são suficientes para indicar as atitudes necessárias que os profissionais precisam apresentar para conquistarem o reconhecimento de seus colegas no ambiente de trabalho na era digital. Além do conhecimento técnico específico na área que atua, os profissionais precisam saber interagir com as pessoas que carregam diferentes culturas e histórias de vidas, e por consequência disso, apresentam diferentes percepções sobre os mesmos fatos. Saber valorizar a diversidade é uma das características que as pessoas que pretendem atuar no mundo do trabalho atualmente precisam desenvolver.  Os profissionais precisam reagir a situações diversas de maneira que a comunicação entre as pessoas não seja interrompida. Desta forma, valores como humildade, respeito, colaboração, solidariedade e disciplina são fundamentais na construção de um diálogo.

    Esses são alguns dos impactos que a Internet promove na rotina de trabalho na atualidade. Realizar a autoanálise sobre as suas atitudes no que diz respeito ao tempo e forma dedicada ao desenvolvimento do seu trabalho é uma maneira de melhorar o seu desempenho. Isso porque, entender o quanto a Internet interfere na vida de todos os profissionais auxilia na criação e adaptação dessa rotina de trabalho de maneia que possam ajustar o tempo para garantir qualidade de vida para eles e para os seus familiares.

    O elemento fundamental nessa mudança de hábitos é a flexibilidade de tempo, de local de trabalho e consequentemente nos termos de contrato de trabalho. Atualmente a legislação trabalhista no Brasil vem auxiliando os profissionais a conquistarem diferentes condições para trabalhar. Auxiliando na promoção da qualidade de vida, quando estes são disciplinados com as rotinas de trabalho e de lazer.

    Fonte:

    REIS, Rafael Alexandre dos e FREITAS, Maria do Carmo Duarte. Fatores críticos de aceitação e uso de tecnologia da informação: uma análise sobre pequenas e médias indústrias de vestuário brasileiras. UFPR. 2014.

    W.A. Günther et al. Debating big data: A literature review on realizing value from Big Data.  Journal of Strategic Information Systems. 2017.

  • BIG DATA: O suporte para a tomada de decisão nas empresas

    Na rotina de trabalho globalizado, os profissionais encontram diferentes dados que são transformados em informações, e na sequência, em conhecimento significativo para a tomada de decisão. Nesse contexto, algumas áreas de conhecimento são necessárias para que esse processo de transformação de dados em informação ocorra. E, por sua vez, a informação torne-se conhecimento.

    Desta forma, muitas empresas estão investindo na formação de equipes com conheicmento especializado em Ciência da Computação, Programação, Matemática, Estatística e áreas de gestão e produção. Nesses casos,   estão exigindo nos processos seletivos o conhecimento mínimo em softwares como por exemplo o Excel e similares.

    Essa realidade complexa que se desenvolve nas empresas, se deve ao grande volume, diversidade e velocidade do fluxo de dados que existe na internet. Chamado de BIG DATA, esse ambiente tem a capacidade de proteger volumosos conjuntos de dados.

    Apesar de não produzir informação, o BIG DATA é um ambiente em que todos os dados existentes estão dispostos de alguma forma. Para tornar todos esses dados úteis para uma empresa, profissionais da área de Ciência de Dados trabalham para desenvolver métodos que os transformem em Informação.

    Saber como essa estrutura funciona, bem como os dados podem ser identificados e aproveitados para uma tomada de decisão é o grande diferencial que uma empresa pode ter para sair na frente e melhor atender as demandas dos seus clientes. Pois os dados dos clientes estão nesse ambiente, só esperando para serem utilizados de alguma forma. Qual forma é essa? Apenas um profissional que domina a linguagem de programação, ou a Ciência de Dados somado ao conhecimento de gestão e de processos produtivos poderá saber que caminho seguir para organizar os dados, transformando-os em informação e gerando conhecimento importante para a empresa poder tomar decisões.

    O melhor uso dessas informações pode levar ao conhecimento necessário para a empresa melhorar a su condição de atendimento e/ou produtiva. Identificar isso requer conhecimento interdisciplinar. Ou seja, conhecimento em diferentes áreas de conhecimento de maneira que ao memso tempo que as informações serão identificadas, a solução dos problemas também será apresentada.

    Diante dessa realidade, podemos afirmar que o mundo do trabalho já precisa de profissionais com formação em diferentes áreas. Sem esquecer que todas as pesquisas e inovações tecnológicas são criadas para atender os interesses da sociedade. Garantindo que esses interesses sempre estejam relacionados a sustentabilidade da vida no planeta.

    Considerando que "o mundo mudou!" Os hábitos de preparação profissional precisam mudar também. Agora e no futuro, a preparação profissional precisa se desenvolver no mínimo em 3 áreas:  Ciência da computação / Gestão da Informação / Área específica do negócio em que a empresa atua.

    Fonte:

    RAUNTENBERG, S.; CARMO, P.R.V. Big data e Ciência de Dados: Complementaridade conceitual no processo de tomada de decisão. Brazilian Journal of Information Studies.  Researche Trends. 2019.

    http://www.telesintese.com.br/telefonica-vivo-espera-dobrar-receitas-de-big-data-ate-2020/

    https://gaio.io/5-recursos-que-dao-poder-ao-profissional-de-big-data/

    http://cidadejunior.org.br/

     

  • Conhecimento e desempenho profissional

    O mundo do trabalho está cada vez mais exigente com os resultados apresentados pelos profissionais. E com essa realidade muitas empresas realizam os processos seletivos analisando COMO os profissionais se desenvolvem em suas rotinas diárias. Ficando o currículo dos profissionais como uma análise prévia, mas o que de fato será considerado no momento de escolher um profissional em detrimento de outro será a sua rotina diária em relação aos cuidados que demonstra ter com a sua vida, como a sua saúde por exemplo.

    Com essa lógica, muitas empresas estimulam a prática de hábitos saudáveis, como cuidados preventivos para garantir a qualidade de vida de seus profissionais. Como o incentivo a prática de atividade física, de estudo, e até beneficiam os profissionais que demonstram hábitos que representam alta produtividade sem que se perca a qualidade de vida.

    Muitos profissionais de destaque alcançam resultados surpreendentes porque se preocupam em garantir melhora no seu desempenho por meio da dedicação de uma carga horária diária de trabalho de 8 horas, somado a mais 4 horas diárias de estudo. E sabem que para conseguirem um ótimo desempenho nessas 12 horas de atividades produtivas precisam cuidar muito bem da própria saúde.

    Para esses profissionais, cuidar da saúde de maneira que lhes garanta ótimo desempenho no trabalho e no estudo depende de uma rotina diária que considera alguns fatores:

    •          Alimentação de qualidade;
    •          Manter a mente produtiva por meio de leitura e bons pensamentos;
    •          Prática de atividade física;
    •          Consumo de nutrientes necessários com base em recomendação médica;
    •          Convívio com pessoas que agreguem valor à sua vida;
    •          Organização de seus pertences;
    •          No mínimo 6 horas ininterruptas de sono;
    •          Proteção da sua saúde física e mental;
    •          Busca por novos conhecimentos;
    •          Meditação ou outra forma de minimizar os danos provocados pelo estresse.

    Em relação ao desenvolvimento da capacidade de aprendizado, os profissionais buscam técnicas que melhorem o seu desempenho intelectual e de memória. Entre as técnicas mais usadas está a meta-aprendizagem. Ou seja, entender como podemos aprender mais e mais rápido.

    Isso quer dizer que para os profissionais que apresentam alto desempenho, a melhora de seus resultados em todos os sentidos, é algo natural e motivador. Esses profissionais buscam a excelência pelo simples motivo de perceber a própria superação. E por isso tornam-se referência nas áreas que atuam. Para eles, não existe motivo para não realizar algo ou se falharem, buscam novos caminhos para que o objetivo seja alcançado. São inspiradores.

    Fonte:

    http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862017000100008

    http://www.scielo.br/pdf/pci/v12n3/a09v12n3.pdf

    https://linktoleaders.com/tres-estrategias-para-aumentar-o-desempenho-profissional/

    http://blog.gazinatacado.com.br/como-desenvolver-bons-habitos/

    http://cidadejunior.org.br/

     

  • O papel da Gestão da Informação nas Organizações

    Ao longo da história da humanidade os dados são criados, organizados, tratados, disseminados, usados e descartados. Esse ciclo da informação cria conhecimento por meio da interação existente entre as pessoas, e a partir do uso de diferentes técnicas e tecnologias, surge a Gestão da Informação - GI.

    Nessa lógica, o que se destaca é o significado construído em torno do conhecimento criado e transmitido de geração em geração, a partir das experiências vividas pelas pessoas.  Sabendo disso, as empresas investem na GI com a finalidade de realizar a integração das informações existentes nos diferentes setores da empresa, possibilitando a melhora da qualidade dos processos produtivos e de gestão das empresas no futuro.

    Nesse sentido, o papel da GI em uma empresa é o de dar suporte para o desenvolvimento da integração das informações existentes nas diferentes áreas da mesma (financeiro, logística, vendas, recursos humanos, contabilidade, entre outras). Essa integração representa a promoção da interdisciplinaridade de conhecimentos diversificados existentes em uma organização. Nesse processo de integração das diferentes informações, o profissional da GI pode tornar-se o elemento fundamental nesse processo, de maneira a otimizar tempo, recursos financeiros e garantindo suporte ao desenvolvimento de sistemas/softwares, para que estes auxiliem a empresa de maneira inteligente.

    Para que isso ocorra, a cultura da empresa precisa favorecer a atuação do profissional responsável pela gestão da informação. Nesse contexto, para desempenhar a sua atividade, o profissional de GI precisa ter acesso às diferentes informações existentes em cada setor, exigindo a participação e interesse de cada profissional da empresa no desenvolvimento dessa integração entre os setores.

    Seguindo essa lógica, o uso da GI na empresa se destaca pelas vantagens estratégicas que essa especialidade representa no mundo corporativo, extremamente competitivo. Quando usado como um elemento de inteligência competitiva, potencializa o desenvolvimento produtivo e econômico da empresa.

    Fontes:

    https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0268401209001510

    PONJUÁN Dante, Gloria. Gestión de la información de las organizaciones: principios, conceptos y aplicaciones. CECAPI, Universidad de Chile, 1998.

  • Como realizar a gestão da informação e do conhecimento na empresa

    A ciência da informação tem registrado em sua história a mediação da relação existente entre a informação e o conhecimento em uma empresa. Nas décadas de 1940 a 1980, logo após o término da Segunda Guerra Mundial, em 1945, iniciou o desenvolvimento de ferramentas que possibilitavam a gerência da informação por meio do processamento, armazenagem e recuperação dos documentos textuais.  Período em que o computador surgiu para resolver esse tipo de problema, a administração e o controle de dados/informação.

    A partir da década de 1980 até 1995 o foco no desenvolvimento de tecnologias era destinado para a condição com que a informação era recebida pelas pessoas para que esta se transformasse em conhecimento significativo. Barreto em 2002 destaca que o foco nesse período era a sua “in-tensão”para gerar o conhecimento no indivíduo e consequentemente em sua realidade.

    Ou seja, dependendo de como as pessoas recebessem a informação, está poderia ser bem ou mal aproveitada. Surgindo a necessidade do aprendizado se desenvolver por meio de reflexão e pesquisa. Tornando os profissionais mais aptos para gerar conhecimento a partir das informações adquiridas em sua rotina de trabalho.

    Essa fase destaca as diferentes fases da Segunda para a Terceira Revolução Industrial. Na 2ª Revolução Industrial os trabalhadores eram meros repetidores de tarefas. A partir da 3ª Revolução Industrial os profissionais que não foram substituídos pela automação passaram a desempenhar papel mais atuante, assumindo decisões baseadas em informações. Decisões que eram realizadas a partir de reflexão e pesquisa.

    Após a década de 1990, inicia o desenvolvimento do conhecimento construído por meio da interação das pessoas. Com muito mais volume e diversidade de informações a construção do conhecimento é gerado por meio do uso da internet. Alterando rapidamente a condição de tempo e espaço de estoque das informações, e, por consequência a construção do conhecimento é gerado por meio da interação entre as pessoas na internet.

    Considerando que essa interação ocorre na internet em tempo real, a gestão do conhecimento de uma empresa precisa ser observada com muito cuidado, pois atualmente os erros podem acontecer em tempo real. E os concertos desses erros só ocorrem de forma ágil, se as informações estiverem sob monitoramento e controle constante.

    Diante dessa realidade, a sugestão é promover a construção do conhecimento da equipe por meio do uso de valores que auxiliem no processo de interação entre as pessoas de tal forma que esta ocorra com responsabilidade. E sob o aspecto do suporte ao ser humano para garantir o controle e monitoramento das informações em tempo real, a sugestão é a aquisição de tecnologias, como softwares que auxiliem na gestão dos dados existentes na empresa.

    Fonte:

    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000300010

    http://www.aprimorar.com/a-importancia-da-tecnologia-da-informacao-associada-a-gestao-empresarial

  • INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL: como os profissionais podem garantir espaço no mundo do trabalho

    Fonte da Imagem: https://www.labmanager.com/leadership-and-staffing/2017/09/effective-knowledge-management-tools-and-techniques#.XUf0R-hKjIU

    A sociedade busca se desenvolver por meio de tecnologias que superam a capacidade intelectual dos seres humanos.  Conforme Ceballos e Duazary em 2018 demonstraram em pesquisa, os avanços tecnológicos voltados para o desenvolvimento da inteligência humana apresentam a melhora da capacidade intelectual das pessoas por meio de sistemas de Inteligência Artificial. Apesar de existir posicionamento divergente entre pesquisadores da área sobre o desenvolvimento dessa capacidade intelectual humana com sistemas de Inteligência Artificial, muitas pesquisas avançam nesse caminho.

    Essa busca pela evolução biológica, é uma das discussões levantadas por pesquisadores, e nos leva a reflexões sobre o que os estudos na área da Inteligência Artificial ainda não conseguiu superar em relação a Inteligência dos seres humanos. Apesar de muitas pessoas não perceberem que o grande diferencial dos profissionais no ambiente de trabalho não é a sua capacidade intelectual, mas sim a emocional. Capacidade essa, que os pesquisadores envolvidos com os sistemas de Inteligência Artificial ainda não conseguiram reproduzir nas máquinas ou em softwares. Tornando a Inteligência Emocional um dos mais fortes diferenciais competitivos no mundo do trabalho.

    Diante dessa realidade, ainda fica o questionamento para muitos: POR QUE AS EMOÇÕES SÃO IMPORTANTES NO MUNDO DO TRABALHO?

    A rotina do mundo do trabalho exige e muito, a capacidade emocional dos profissionais para perceberem como reagir em diferentes situações. As reações comportamentais criam ambientes positivos para o processo produtivo ou ao contrário, criam ambientes de extrema tensão que transforma o processo produtivo em uma condição de estresse permanente, levando profissionais a condições de problemas de saúde, como depressão, LER, DORT, entre outras.

    Diante dessa realidade, desenvolver a Inteligência Emocional é uma vantagem competitiva em qualquer área de atuação. Os desafios são grandes, e não há uma forma única para se desenvolver. Cada pessoa tem uma condição diferente de reagir emocionalmente. Essa capacidade exige uma construção constante, um auto aprimoramento que exige disciplina e reflexão sobre as próprias atitudes. Sendo esse o maior desafio. Refletir sobre as consequências de sua reação antes de realizar a sua ação comportamental, que normalmente se desenvolve por meio da expressão verbal e corporal.

    Para exercitar, procure reagir a comentários indelicados refletindo da mesma forma que faz quando escreve um texto para alguém. Sempre revisamos o texto antes de mandar um e-mail, por exemplo. Ou não? Da mesma forma, podemos reagir quando nos sentimos ofendidos. Refletindo sobre as consequências de nossos atos, antes de reagir a eles.

    Isso não quer dizer que precisamos aceitar ofensas e desrespeito. Apenas precisamos controlar as emoções e reagirmos com respeito, mesmo que não o percebemos na ação de quem nos deixou incomodado. Mesmo sendo desafiador, é possível adquirir esse hábito.

    Fonte:

    CEBALLOS, Salazar, DUAZARY, Alexander. La inteligencia artificial vs la Inteligencia humana. Revista internacional de Ciencias de la Salud, Vol.15. 2018. Disponível em: file:///C:/Users/Nicole/Downloads/Dialnet-LaInteligenciaArtificialVsLaInteligenciaHumana-6692327.pdf

  • AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA: As vantagens e desafios para a sociedade

    Fonte imagem: https://iepec.com/abiec-e-ufsc-preparam-levantamento-sobre-uso-de-automacao-e-robotica-em-frigorificos/

    A Federação Internacional de Robótica (IFR) International Federation  of Robotics indica que desde 2015 está aumentando anualmente 15% da produção de robôs industriais. Essa condição de crescimento gera uma forte mudança na realidade de empregabilidade das pessoas.  Em contrapartida, surge grande interesse no conhecimento sobre automação e robótica.

    Existe uma grande confusão a respeito dos benefícios e prejuízos sociais e econômicos que a automação e robótica causam para a sociedade. A respeito dos benefícios, a substituição da máquina pelo trabalho dos seres humanos auxilia na melhora da qualidade de vida dos trabalhadores. Evitando que estes se desgastem física e psicologicamente com atividades repetitivas e que geram estresses pela pressão existente no processo produtivo em busca da qualidade total.

    Sob a perspectiva dos prejuízos, é visível o alto índice de desempregos que os diferentes países apresentam com a absorção de novas tecnologias no processo produtivo. Diante dessa realidade, a Educação pode ser considerada como a maior responsável por esse prejuízo, por não acompanhar a evolução tecnológica no mesmo ritmo.

    Apenas algumas Instituições Educacionais – IE apresentam os processos educacionais em condições de capacitar profissionais para acompanhar essa realidade produtiva tão dinâmica. As IEs precisam se desenvolver no mesmo ritmo que os processos produtivos. Precisam se tornar capazes de se adaptar em maior velocidade, provocando mudanças significativas na formação de colaboradores de uma empresa, auxiliando na condição de competitividade destas.

    A grande demanda das empresas que atuam no mercado mundial extremamente competitivo é o atendimento das expectativas dos clientes, com baixo custo e alta qualidade produtiva. Para melhor atender a essa demanda, a automação e a robótica estão em primeiro lugar.

    Para a International Organization for Standardization – IOS, os robôs são considerados como máquinas que realizam tarefas por meio do uso de softwares sem que haja interação com humanos. Existem diferentes tipos de robôs, conforme especificado na Tabela a seguir.

    Para melhor detalhar os diferentes tipos de robôs, estes são diferenciados por padrões estruturais e por sua vez, classificados pelas suas características estruturais e de movimento, conforme apresentado mo quadro a seguir.

    Segundo o Centro de Economia e Pesquisa de Negócios em 2017 foi identificado que a densidade robótica, representada por números de robôs por milhões de horas trabalhadas está associado a um aumento de 0,04% na produtividade do trabalho.

    Graetz e Michaels em 2015 apresentaram um estudo sobre essa densificação no período de 1993 a 2016. Indicando que nesse período houve um crescimento de 0,36 e 0,37 pontos percentuais em 17 países estudados. Representando 10% de crescimento, quando comparado com a contribuição total de 0,35% no crescimento anual de produtividade do trabalho com a tecnologia a vapor desenvolvida em 1850 e 1910.

    McKinsey Global Institute em 2017 informou que o investimento em robôs gerou 10% de crescimento do PIB per capita nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE. Seguindo essa lógica o aumento da metade desse investimento em automação, pode ser responsável por garantir o crescimento de 2,8% do PIB nos próximos 50 anos.

    Ficando para a Educação a responsabilidade de ser atuante na inovação de seus processos educacionais de maneira que estes promovam a condição de qualidade de vida para TODAS as pessoas, alterando a realidade atual, bem como a possibilidade futura de piorar o número alarmante de desempregados no planeta.

    Fonte:

    https://doi.org/10.29148/labor.v1i3.9286

    https://ifr.org/img/office/IFR_The_Impact_of_Robots_on_Employment.pdf

    http://cep.lse.ac.uk/pubs/download/dp1335.pdf 

    http://cidadejunior.org.br/Interna/8/aprendizagem

  • A Inteligência Artificial na Educação

    Fonte imagem: https://www.revistaeducacao.com.br/inteligencia-artificial-educacao/

    O desenvolvimento da Educação vem avançando em passos lentos no que diz respeito ao uso das tecnologias digitais. Algumas Instituições de Ensino estão aprimorando suas metodologias por meio do uso de ferramentas didáticas utilizando o conceito da nternet das Coisas - Internet of Things - IoT. Entre elas estão os livros impressos que possibilitam o acesso a vídeos didáticos por meio de sistema de QR code. Nesse sistema o estudante aproxima o seu smartphone do QR code e passa a ter acesso ao vídeo didático.

    Obando em 2018 destacou a necessidade das Escolas migrarem da aprendizagem analógica para a digital. Somado ao avanço das práticas metodológicas desenvolvidas em sala de aula pelos educadores, que precisam se atualizar nessa área para poder atender as demandas da sociedade globalizada digitalmente.

    Seguindo essa lógica, Salazar em 2018 comentou que o ambiente educacional precisa se adaptar à nova ordem digital da aprendizagem. As aulas de robótica dissociadas das outras disciplinas não são suficientes para atingir a preparação de cidadãos que vivem em uma sociedade digital. Considerando que as informações são transmitidas de diferentes lugares do planeta em tempo real, com segundos e/ou poucos minutos de diferença. O impacto social dessa realidade interfere significativamente na realidade desenvolvida em uma Instituição de Ensino.

    Costa em 2009 indicou que a heurística associada a IA pode auxiliar no desenvolvimento de soluções para casos ainda não solucionados. "O cérebro humano consiste de 1011 neurônios e realiza processamento inteligente de forma exata e subjetiva. A Inteligência Artificial (IA) tenta trazer para o mundo da computação digital a heurística dos sistemas biológicos de várias maneiras, mas, ainda resta muito para que isso seja concretizado. No entanto, algumas técnicas como Redes neurais artificiais e lógica fuzzy tem mostrado efetivas para resolver problemas complexos usando a heurística dos sistemas biológicos".

    Nessa trilha, SOUZA, SALLES, GAUCHE  em 2017 apresentaram uma pesquisa que indicou resultados positivos no uso da IA em aulas de Ciências por meio do uso de um software educacional com técnica desenvolvida em Raciocínio Qualitativo – QR. Utilizada na IA para “representar funções matemáticas por meio de raciocínio simbólico sem o uso de números e com relações de causalidade explicitamente modeladas”, auxilia na visualização exata dos efeitos de determinados fenômenos naturais no funcionamento dos sistemas sanitários de uma cidade. Esse software demonstra os efeitos da chuva em uma cidade, como a vazão dos rios, o tratamento da água e o abastecimento urbano.

    Mais que implementar novas tecnologias como a IA, as Instituições de Ensino precisam preparar os Educadores para que percebam as novas tecnologias como ferramentas que auxiliam no processo educacional, mas não substituem a atuação e sensibilidade do Educador para perceber as dificuldades individuais, sociais, culturais e outras de cada estudante. E a partir dessa percepção auxiliar os estudantes por meio de incentivo para a superação dos desafios que surgirem em cada etapa do processo de aprendizagem.

    Fonte: 

    https://revista.redipe.org/index.php/1/article/view/626/583

    https://doi.org/10.31921/doxacom.n27a15

    http://www.scielo.br/pdf/rbz/v38nspe/v38nspea38.pdf

    file:///C:/Users/Nicole/Downloads/6750-23302-2-PB.pdf

    http://cidadejunior.org.br/

  • A Inteligência Artificial é um risco ou uma solução para a sociedade?

    Fonte imagem: http://solocampo.com/inteligencia-artificial-para-una-nueva-agricultura/

    No segmento agrícola a Inteligência Artificial já é aplicada para gerar uma estimativa de volume de biodigestores, substituindo procedimentos convencionais e apresentando condições de previsibilidade futura.

    Já foi criado um sistema com o funcionamento similar ao de uma rede neural, reproduzindo a condição de pensamento analítico sob as perspectivas qualitativas e quantitativas. Essa condição de análise supera os resultados apresentados nos protocolos convencionais, pois apresenta elementos de complexidade, que na análise tradicional, ocorria apenas sob a perspectiva quantitativa.

    O grande diferencial da aplicação de um sistema que reproduza a forma de raciocínio humano é a sobreposição de padrões de dados coletados por meio de sensores específicos para a coleta destes, que, são organizados a partir de diferentes elementos, reproduzindo assim, a complexidade natural do pensamento humano.

    Essa capacidade analítica complexa realizada em tempo real com sistema de inteligência artificial, é viabilizado na área agrícola por meio da sistematização de processos utilizando a linguagem de programação. Essa realidade ultrapassa a condição de substituição do ser humano pela máquina. A Inteligência Artificial torna possível a condição do ser humano produzir por meio de controle do uso dos elementos da natureza pautado nos princípios da sustentabilidade.

    No entanto, isso depende de vontade e sentimento de proteção da vida no planeta para as próximas gerações. É reproduzido ou não pelo sistema de Inteligência Artificial, criado pelo ser humano, preocupado ou não, com a sustentabilidade do planeta em que vivemos. Sendo urgente a necessidade de refletirmos sobre a seguinte questão: o problema da humanidade está no desenvolvimento tecnológico em si, ou na falta de visão sistêmica pautada nos valores éticos no raciocínio de quem desenvolve os sistemas tecnológicos, como a Inteligência Artificial.

    Mais informações neste link!

  • Benefícios e desafios da Inteligência Artificial para a humanidade

    Fonte imagem: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,ERT129654-17770,00.html

    A Inteligência Artificial teve a sua origem em Dartmouth College (EUA) em 1956, sendo John McCarthy o líder das pesquisas realizadas sobre o tema. É considerada uma abordagem de engenharia, que utiliza a programação no computador para reproduzir habilidades humanas, como o raciocínio e as decisões com precisão.

    Para desenvolver essa proposta, são utilizadas muitas técnicas de outras áreas como por exemplo: a filosofia, a matemática, a psicologia, a linguística, entre outras que são aproveitadas conforme a necessidade do sistema de Inteligência Artificial que será produzido.

    Reconhecida como ciência, essa área tem como propósito criar máquinas que funcionem a partir de sistemas que reproduzem comportamento inteligente. Já são utilizados para controlar sistemas, desenvolver planejamento automático, responder a diagnósticos e consultas de consumidores, reconhecimento de escrita, reconhecimento de fala e reconhecimento de padrões. Sua aplicação já é frequente na economia, setores governamentais, exército, entretenimento, engenharia e medicina.

    Na medicina existem várias aplicações da Inteligência Artificial que auxiliam no desenvolvimento de diagnósticos e de correções físicas por meio de próteses inteligentes. Existem robôs que dão suporte aos médicos na realização de cirurgias menos invasivas, que agridem menos os pacientes. Reduzindo significativamente o período de recuperação dos pacientes, pois não há necessidade de realizar grandes cortes para corrigir algum problema, como ocorre normalmente em uma cirurgia onde existe a substituição de uma válvula do coração. Evitando principalmente o risco de contaminação.  

    Seguindo essa lógica, os hospitais já estão se preparando para receber os cirurgiões-robôs. E nesse sentido, é importante perceber que, apesar de parecer que as pessoas podem perder vagas de trabalho para robôs, a humanidade pode continuar se beneficiando dos avanços tecnológicos, DESDE QUE a Educação oferecida para a sociedade esteja alinhada com as questões voltadas para a sustentabilidade da vida no planeta.

    E consequentemente, esta Educação precisa ser desenvolvida por meio da construção do conhecimento para o desenvolvimento de novas tecnologias, pautando-se na reflexão sobre o uso desse conhecimento por meio dos valores éticos. Tornando viável a criação de robôs inteligentes que, de fato, auxiliem no desenvolvimento da humanidade, garantindo qualidade de vida para toda a sociedade.

    Mais informações:

    http://www.fesc.edu.co/Revistas/OJS/index.php/mundofesc/article/view/59/101

    http://www.scielo.br/pdf/rbem/v41n2/1981-5271-rbem-41-2-0185.pdf

  • TECNOLOGIA, TRABALHO E PROFISSIONAIS: a tríade perfeita

    Fonte imagem: https://malharbem.com.br/hora-de-mudar/

    Já é de conhecimento de muitas pessoas que as inovações tecnológicas estão tomando conta dos ambientes de trabalho há muito tempo. Especificamente há 50 anos a internet teve a sua origem, tornando viável a existência do ambiente digital com diferentes sistemas de dados funcionando de forma integrada e em alta velocidade.

    No entanto, apesar de tanta tecnologia, poucos profissionais que dominam esse segmento estão preocupados com a construção das relações profissionais. Alguns profissionais ainda acreditam que o conhecimento que detém é mais importante que as pessoas.

    É importante enfatizar que a Inteligência Artificial pode vir a ser algo destrutivo para a humanidade se os valores éticos estiverem dissociados das ações produzidas por essas inovações tecnológicas.  O conhecimento ser considerado mais importante que o ser humano é a comprovação da limitação desse conhecimento, pois falta  visão sistêmica.

    Quando os profissionais valorizam mais o próprio conhecimento do que o conhecimento de um grupo, este perde a capacidade de desenvolvimento sistêmico. Essa visão limitada dificulta a percepção desses profissionais no sentido de que as empresas e negócios se desenvolvem por meio de pessoas que utilizam as tecnologias, e não ao contrário.

    Ainda são as pessoas que escolhem quais tecnologias e quais profissionais permanecem em um grupo de trabalho. Nessa perspectiva, fica a dica: Subestimar as pessoas é a maior comprovação de fragilidade de desenvolvimento profissional. Isso porque, quem é muito bom não precisa desprezar as pessoas, muito menos o que as outras pessoas produzem.

    Essas pessoas com capacidade acima da média respeitam e valorizam todas as pessoas, pois sabem o quanto a diversidade de conhecimento, cultura e capacidades cognitivas enriquecem uma equipe de trabalho, sendo incoerente desmerecer alguém ou algo produzido por alguém.

  • Qual é o seu tempo?

    Fonte imagem: https://www.riotron.com.br/4-passos-para-organizar-a-sua-rotina-de-trabalho/

    No mundo do trabalho as pessoas são contratadas para desempenhar alguma ação que promova resultados positivos para a empresa. A partir dessa premissa, analise quantas ações você realiza diariamente que possibilitam a existência da sua empresa na vida dos clientes.

    É importante perceber quanto tempo você leva para realizar as suas ações produtivas diárias. Essa medida pode ajudar a melhorar o seu desempenho. Para tanto, é necessário analisar quanto tempo em média 10 pessoas levam para realizar a mesma atividade que você realiza. Se o resultado estiver próximo ao seu, ou satisfatório, ótimo! Continue assim!

    No entanto, se o resultado não estiver a contento, procure aumentar o seu ritmo gradativamente. É muito natural desenvolvermos ritmos diferentes de outras pessoas para realizar a mesma atividade ao longo de nossas vidas. Mas muitas vezes o problema não está na capacidade de realizar a atividade em ritmo mais rápido, mas sim, na capacidade de concentração. Evitando conversas paralelas e que não levam a melhoria do trabalho da equipe, como por exemplo, conversas em grupos de redes sociais, ajuda a melhorar o desempenho profissional.

    Nessa jornada diária, o importante é manter o foco nas atividades que precisa desempenhar, e com tranquilidade, aumentar o ritmo produtivo para verificar aos poucos a mudança do seu desempenho. Bom trabalho!

  • A INTERNET: Ambiente virtuoso para os negócios

    Fonte imagem: https://www.portalgsti.com.br/2016/09/a-internet-das-coisas-vai-invadir-sua-casa.html

    Quando analisamos a Internet, sob a perspectiva de seu período de existência, podemos dizer que estamos na fase inicial do funcionamento das coisas na Internet. Nesse contexto, muitos negócios podem surgir, simplesmente a partir do atendimento de demandas que surgem exclusivamente nas operações que existem na Internet.

    Ao considerar que a linguagem de programação é a ferramenta utilizada para tornar possível a realização de qualquer operação no ambiente digital, o conhecimento sobre linguagem de programação é um importante aliado para o desenvolvimento de qualquer negócio. 

    Há 30 anos esse conhecimento já era indicado como a profissão do futuro. A diferença de agora é que esse conhecimento precisa estar integrado com outra área de conhecimento. Atualmente, o simples conhecimento sobre programação, não é suficiente para desenvolver algo novo. Como qualquer processo criativo, a integração de diferentes conhecimentos pode gerar novos produtos e/ou serviços.

    Agrawal  em 2016 apresentou cinco grupos principais de negócios da Internet das Coisas – Internet of Things - IoT.

    • Fornecedores de dispositivo;
    • Operadores;
    • Provedores de plataforma;
    • Integradores de sistemas;
    • Provedores de aplicativos.

    Cada um desses grupos apresenta várias empresas dependendo da indústria-alvo. E cada um dos negócios apresenta uma força única para promover a IoT, mas nem todos estão com as mesmas condições competitivas.

    Cada modelo representa as forças ou fraquezas de cada grupo que ajudam a evoluir os modelos de negócios da Internet. A partir dessa realidade competitiva, a parceria é considerada o elemento que dá sustentabilidade aos negócios de IoT.

    Nessa perspectiva, a integração de diferentes conhecimentos ou expertises, por meio de parcerias firmadas entre profissionais e/ou empresas, promovem a sustentabilidade de novos negócios. Isso pode ser facilmente evidenciado, quando determinado tipo de inovação é criada para atender determinados nichos.

    Esses tipos de negócio, podem demorar para expandir, e normalmente apresentam características de negócios de risco. Mas com as parcerias, a viabilidade do negócio se concretiza e torna possível a realização de sonhos como aconteceu com Jack Ma do Alibaba. Depois de muito trabalho, com uma nova proposta de negócio, ficou milionário.

     

    AGRAWAL, Mohit. Internet of Things – Business Model. Telecom Circle.  (2016) último acesso em 03/07/2019. Disponível em: http://www.telecomcircle.com/2016/05/internet-of-things-business-models/

  • SOCIEDADE 5.0 = Inovação com qualidade de vida

    O conceito de sociedade 5.0 remete a ideia de desenvolvimento da sociedade a partir do uso das inovações tecnológicas em benefício da sociedade. Nesse sentido, as mudanças que estão ocorrendo nas rotinas de trabalho podem caminhar para essa realidade.

    Se considerarmos que todas as inovações tecnológicas serão criadas pensando nas consequências que estas podem gerar para a vida no planeta, podemos acreditar que o futuro da sociedade será produtivo e positivo. Nessa linha, podemos citar a bicicleta como uma inovação tecnológica criada em 1870 na França, conhecida na época como “celerífero”, e após séculos de inovação, em 2010 é reconhecida pela ONU como o símbolo mundial do transporte sustentável.

    Sob esta perspectiva algumas ações vêm sendo realizadas no Paraná e, entre elas, está em destaque o Programa de Extensão CICLOVIDA da UFPR, coordenado por José Carlos Assunção Belotto desde a década de 2000. O Programa de Extensão CICLOVIDA demonstra por meio de várias pesquisas realizadas acerca do uso da bicicleta quais sã as vantagens sob diferentes perspectivas.

    No que se refere a saúde, Belotto em 2016 indicou que a cultura no uso da bicicleta, por ser uma prática de atividade física, apresenta benefícios como o combate ao estresse e depressão, emagrece, melhora a qualidade do sono, reduz colesterol, evita o infarto, diminui a pressão arterial, aumenta a imunidade e melhora a respiração.

    Entre outros fatores que promovem benefícios ao ser humano no uso da bicicleta, está a interação entre as pessoas, não produz poluição sonora e na perspectiva ecológica, não emite gases.

    Com essas vantagens, podemos considerar que o uso da bicicleta em nossas rotinas diárias seja como atividade física ou como meio de transporte, pode ser reconhecido como o início dessa prática de trabalho com qualidade de vida. Isso porque, quando adotamos a cultura do “home office”, sobra mais tempo para a prática de atividade física que pode ser realizada por meio da bicicleta.

    Nesse contexto, também pode ser identificada a possibilidade do uso da bicicleta como meio de transporte, garantindo momentos de qualidade de vida, construídos na rotina das pessoas no percurso para o trabalho ou para os estudos. Tornando possível ao ser humano vivenciar rotinas com características encontradas no conceito da SOCIEDADE 5.0.

    Fonte: http://www.ciclovida.ufpr.br/

    Fonte imagem:  http://www.esportividade.com.br/breve-historia-da-bicicleta-parte-i/

     

  • ATITUDES & VALORES: Os objetivos da empresa que trabalha ou pretende trabalhar são os mesmos que os seus?

    Apesar de todas as inovações tecnológicas que estão surgindo e alterando as rotinas de trabalho em todos os lugares do planeta, existe uma coisa que não mudará nas relações de trabalho. O valor CONFIANÇA.

    Muitas pessoas ainda acreditam que a competência profissional está dissociada dos valores éticos. Isso ainda é perceptível em situações que presenciamos diariamente. Seja no próprio ambiente de trabalho ou em ambientes que frequentamos.

    Muitas pessoas esquecem que antes de um Certificado ou de um Contrato existe o valor da pessoa humana. Esse valor faz parte da essência dos relacionamentos. Muitos conhecem essa ideia a partir do conceito de ética. Apesar das teorias filosóficas, que estudam os princípios ou valores éticos, apresentarem diferentes perspectivas para analisar as atitudes humanas. Duas dimensões são muito claras nessa análise. A dimensão individual e a dimensão social.

    Seguindo essa lógica, é muito fácil perceber que algumas pessoas esquecem que as relações de trabalho normalmente se desenvolvem por meio da dimensão social. Isso quer dizer que, garantir o cumprimento das regras de convivência de uma empresa, bem como trabalhar para auxiliar os colegas a alcançar juntos o sucesso desta mesma, é o mínimo que uma pessoa precisa fazer se quiser se tornar parte importante de uma equipe de trabalho.

    Trabalho em equipe requer confiança em todos os sentidos, inclusive nos objetivos que se pretende alcançar. Esses objetivos sempre são alcançados e ficam visíveis com o passar do tempo. Muito mais visíveis ficam, quando estes são diferentes da equipe de profissionais que trabalham em função do sucesso da empresa.

    A partir dessa premissa, fica a reflexão: OS OBJETIVOS DA EMPRESA QUE VOCÊ TRABALHA OU PRETENDE TRABALHAR SÃO OS MESMOS QUE OS SEUS?

    Se não são os mesmos objetivos, procure uma empresa que possua uma equipe com os mesmos propósitos que você, pois todos ganharão com a sua presença lá. Inclusive você.

    Fonte: https://exame.abril.com.br/carreira/os-pilares-da-confianca-no-trabalho-e-como-construi-los/

    http://cidadejunior.org.br/Interna/8/aprendizagem

  • O que está mudando na rotina dos profissionais com a nova revolução industrial

    As mudanças que ocorrem na rotina das pessoas com as inovações que estão surgindo a partir do conceito da Industria 4.0  são em muitos casos imperceptíveis, visto que as atividades com o uso da internet estão invadindo as nossas vidas desde os últimos 20 anos. No entanto, a nova revolução industrial apresenta algumas características próprias, que estão muito além do simples uso da internet para realizar a comunicação entre as pessoas.

    A Indústria 4.0 tem como característica principal o uso da tecnologia 5.0, a qual dá suporte para a transferência de grande volume de dados e em alta velocidade. Essa condição possibilita que várias atividades sejam realizadas pela internet por meio do uso de softwares que otimizam o tempo na realização de atividades da gestão de informações que normalmente são realizadas por pessoas.

    Essa realidade torna a rotina de trabalho mais ágil e consequentemente modifica o número de pessoas necessárias para realizar tais funções. O que significa que os profissionais precisam se atualizar em conhecimentos que envolvem essas novas rotinas de trabalho e a partir delas se desenvolverem profissionalmente. Do contrário terão pouco espaço no mercado de trabalho para atuar.

    Podem inclusive, criar novos serviços e/ou produtos quando entenderem como isso tudo funciona. Como também podem se adaptar a essa nova realidade por meio do uso dessas novas ferramentas de gestão que já estão disponíveis para as empresas em que trabalham.

    Estamos vivendo em um período de transição em que as rotinas de trabalho no ambiente administrativo estão sofrendo a mesma realidade que a linha de produção sofreu na década de 1970. Quando as pessoas foram substituídas pelos sistemas automatizados e robôs.  Agora todos os setores administrativos de uma empresa estão organizados e podendo ser gerenciados por meio de softwares com a tecnologia 5.0, capazes de garantir o fluxo de todos os dados de uma empresa com filiais espalhadas pelo planeta.

    Isso quer dizer, que poucas pessoas serão necessárias para fazer uma empresa ou uma grande indústria funcionar como funciona até o momento. O que os profissionais precisam fazer com essa nova realidade é entender como isso tudo funciona e começar logo a se adaptar a essa nova realidade, tornando-se parte dela, criando novos produtos ou soluções para o que está sendo criado e identificar o que ainda pode ser melhorado.

    Fonte imagem: https://www.menosfios.com/itu-diz-que-5g-ainda-nao-e-uma-necessidade-imediata/

    http://cidadejunior.org.br/ 

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES