Política em Debate

Publicidade
Transporte coletivo

Câmara de Curitiba aprova tarifa de ônibus diferenciada e 'bilhete temporal'

Com bilhete temporal o passageiro poderia pegar mais de um ônibus durante determinado período, sem pagar nova passagem, e mesmo fora dos terminais.
Com bilhete temporal o passageiro poderia pegar mais de um ônibus durante determinado período, sem pagar nova passagem, e mesmo fora dos terminais. (Foto: Daniel Castellano / SMCS)

A Câmara Municipal de Curitiba aprovou hoje, em primeiro turno, projeto que prevê a criação de tarifas de ônibus diferenciadas por horário no transporte coletivo da Capital. Caso seja implantada, a iniciativa permitiria a cobrança de tarifas mais baixas fora dos horários de pico. A proposta original, do vereador Bruno Pessuti (PSD) também prevê a implantação da chamada "tarifa temporal", também conhecido como "bilhete único" ou "bilhete temporal", pelo qual o passageiro poderia pegar mais de um ônibus durante determinado período, sem pagar nova passagem, e mesmo fora dos terminais. Ambas as ideias pretendem reverter a perda de usuários do sistema de transporte coletivo da cidade. 

Em junho passado, o vereador apresentou um substitutivo, incorporando ao texto dispositivos de uma mensagem do Executivo. A ideia é criar condições jurídicas para viabilizar também a passagem com preço diferenciado, em determinados horários e linhas.

As matérias, justifica Pessuti, são semelhantes. “No texto do chefe do Executivo, se fala em 'tarifa diferenciada', sendo que no presente texto tal tarifa já está prevista, quando se prevê a tarifa variável”, defende. O projeto de sua autoria estava apto à deliberação do plenário desde maio de 2017. O da prefeitura de Curitiba. protocolado no dia 7 de junho, recebeu aval da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na última terça-feira (3). “Em horários que não sejam de pico, a tarifa vai baixar”, afirmou, na reunião, o líder do governo no Legislativo, vereador Pier Petruzziello (PTB).

Tanto a redação original quanto o substitutivo pretendem incluir dispositivos na lei municipal 12.597/2008, que dispõe sobre a organização do transporte coletivo de Curitiba. Ao acrescentar o texto do Executivo à sua proposição, Pessuti trata não só da tarifa variável (diferenciada), regulamentada via decreto, mas também da vigência dos créditos do cartão-transporte por um ano, com exceção da Linha Turismo. Créditos expirados seriam incorporados ao Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC). Se aprovada pelo plenário, em dois turnos de votação, e sancionada pelo prefeito, a lei entrará em vigor 30 dias após a publicação no Diário Oficial do Município.

Queda livre - Com 15.356.397 passagens pagas, o mês de agosto de 2019 foi o pior dos últimos quatro anos para o transporte coletivo de Curitiba, com uma queda de 16% no número de passageiros em comparação com o mesmo mês de 2016.

De acordo com dados disponíveis no site do Sindicato das Empresas de Transporte (Setransp), o mês de agosto perdeu 2.906.494 passagens pagas. Os relatórios também apontam, mês a mês, que a projeção da Urbs para o número de pagantes é sempre menor do que o concretizado. Com isso, as empresas reclamam de defasagem constante para manutenção do sistema.

Dados disponíveis no site da Urbs, apontam que quase 20 mil pessoas (2,7% do total) deixaram se locomover de ônibus no primeiro semestre de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado. No primeiro semestre 2018, a Rede Integrada de Transporte (RIT) registrou 718.135 usuários, uma queda de 1,14% se comparados os números do mesmo período de 2017. A queda proporcional é ainda maior, se for considerado que a população aumentou no período. Curitiba, por exemplo, segundo o IBGE, tinha 1.893.997 habitantes em 2016 e agora, tem 1.933.105, conforme dados divulgados na última semana.

Como medida para atrair mais usuários ao transporte público, a Comec elaborou um projeto-piloto com tarifas mais baratas em horários de menor movimento. O anúncio foi feito nesta semana pelo presidente da Comec, Gilson Santos. Testes vão começar na próxima semana, na linha Pinhais-Guadalupe. A nova tarifa, de R$ 3,90, é 60 centavos mais baixa que a convencional e será praticada a partir da próxima segunda-feira. Os testes seguirão até o dia 29 de novembro.

O novo valor valerá para os períodos compreendidos entre 9 e 11 horas; 14 e 16 horas e das 20 horas até meia-noite. De acordo com a Comec, a linha foi escolhida por contar com veículos articulados, que podem comportar um número maior de passageiros com o possível aumento da demanda nos horários de menor movimento. Atualmente, cerca de 9 mil usuário utilizam essa linha, que sai do Terminal de Pinhais e segue até o Terminal do Guadalupe, no Centro de Curitiba.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES