Ironia

Vereador de Curitiba que enfrenta processo de cassação por protesto em igreja é convidado para evento com Papa

(Foto: Valquir Aureliano)

Enquanto enfrenta um processo de cassação por liderar um protesto na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Largo da Ordem, o vereador de Curitiba Renato Freitas (PT) foi convidado para participar de um evento com o Papa Francisco em setembro em Assis, na Itália. "O convite para o evento veio justamente no momento em que estou sendo cassado por entrar na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e clamar pelas vidas negras desvalorizadas", afirmou o vereador.

O Papa Francisco estará em Assis no dia 24 de setembro para o evento The Economy of Francesco (EoF),  de 22 a 24 de setembro de 2022.  Os participantes são jovens de todo o mundo que nestes três anos criaram uma verdadeira comunidade que produziu projetos, iniciativas, estudos e materiais de aprofundamento.

A idade média dos participantes da Economia de Francisco, segundo os organizadores, é de 28 anos, 30% vêm do mundo dos negócios e outros 30% da pesquisa, enquanto 40% são agentes de mudança (estudantes, movimentos sociais, ONGs).

A maior parte deles é proveniente da Europa (35%) e América Central - do Sul (30%), África (20%), mas Ásia e América do Norte também estarão representadas, de onde virão 8 e 6% dos participantes, respectivamente. Os jovens de Assis se reunirão nas 12 “aldeias” ou “vilas” temáticas que darão seguimento às virtuais nas quais se trabalhou nestes dois anos de pandemia: Trabalho e cuidado; Gestão e doação; Finanças e humanidade; Agricultura e justiça; Energia e pobreza; Vocação e lucro; Políticas para a felicidade; CO2 da desigualdade; Negócios e Paz; Economia é mulher; Empresas em transição; Vida e estilos de vida.

O procesos de cassação

Em primeira votação nesta quinta (4), Câmara de Vereadores de Curitiba, votou favoravelmente à cassação do mandato de Renato Freitas. O placar foi de 23 votos a 7 e uma abstenção. Uma nova sessão extraordinária foi convocada para esta sexta (5). Se o placar com mais de 20 votos favoráveis for confirmados, Freitas pode perder o mandato de vereador de Curitiba.

O vereador teve o mandato cassado pela primeira vez em 22 de junho, mas Justiça avaliou que a convocação das primeiras sessões não respeitou os prazos legais, o que levou à anulação da votação dos vereadores. A vaga de Freitas chegou a ser assumida pela suplente, Ana Júlia (PT), mas após a anulação das sessões ela voltou à suplência e ele reassumiu o cargo. O processo de cassação foi retomado nesta quinta.