O rock em estado puro!

  • Disco de estreia do grupo de Curitiba sai no primeiro semestre

    Evil Politicians divulga segundo single do álbum Indignation Army

    Informações com Assessoria de Imprensa

    Disco de estreia do grupo de Curitiba sai no primeiro semestre

    A banda de metal alternativo Evil Politicians lança o segundo single do álbum Indignation Army. Após a boa repercussão da faixa “Your Truth, Not Mine”, o grupo de Curitiba lança a música “Signs Of Evil Pt.1”, que está disponível para pré-save nas plataformas digitais. A composição traz bastante peso e vocais rasgados, mesclados a melodias marcantes.

    Novo single a partir do dia 09/04: http://bit.ly/evilpoliticians-single2

    O álbum Indignation Army será lançado ainda no primeiro semestre, contendo 12 músicas autorais e algumas covers a serem divulgadas. No dia 23 de abril está programado o lançamento de mais um single.

    Ouça o single “Your Truth, Not Mine” no Spotify: https://open.spotify.com/album/0PLWZ515EIbHnl4RU64h1w

    A banda lançou em 2020 o EP No More Fear, que rendeu grande reconhecimento perante público e crítica especializada. Ganhou destaque em listas dos melhores de 2020, além de uma excelente resenha na última edição da revista Roadie Crew. Em suas influências estão nomes de Disturbed e Avenged Sevenfold até Hammerfall e Alter Bridge. A Evil Politicians é uma banda que olha para o futuro sem desprezar o passado.

    Ouça a Evil Politicians:
    Spotify: https://open.spotify.com/artist/6EjNy4C2cKXtajbuA5LOrF
    Deezer: https://www.deezer.com/br/artist/100836342
    Apple Music: https://music.apple.com/gb/artist/evil-politicians/1522347930
    Napster: https://us.napster.com/artist/evil-politicians
    Youtube Music: http://bit.ly/youtube-music-evilp

    Informações:
    Facebook: www.facebook.com/evil.politicians
    Instagram: www.instagram.com/evil.politicians.official
    Youtube: https://bit.ly/youtube-evilpoliticians

  • Evento contará com Eduardo de Moraes, vocalista da Finis Africae

    Live vai celebrar 61 anos do Renato Russo com Kadu Lambach

    Primeiro guitarrista da Legião Urbana e banda vão executar repertório do compositor. Saiba onde ver:

    Kadu Lambach (Eduardo Paraná), primeiro guitarrista e cofundador da Legião Urbana ao lado de Renato Russo e Marcelo Bonfá, vai realizar uma live neste sábado (27 de março), às 17 horas, que será transmitida pelo YouTube no canal do Studio Tenda e também no Facebook. Links a seguir:

    https://www.youtube.com/watch?v=95-xjVaOexw

    https://www.facebook.com/studiotenda


    Em trio (guitarra, baixo e bateria), Lambach vai executar canções que fizeram história no cenário do rock nacional. Vale dizer que a live terá a participação de Eduardo de Moraes, vocalista da renomada banda de Brasília, Finis Africae, uma das apostas de Renato Russo na gravadora EMI e que detém o sucesso "Armadilha".

    Sucessos como "Que País é Este", "Soldados", "Música Urbana 2",  "Ainda é Cedo", "Eduardo e Mônica", "Pais e Filhos" e "Há Tempos" deverão ser lembrados.

    "Vamos comemorar o aniversário do nosso amigo Renato Russo, que completaria 61 anos de idade. Estamos vivendo um momento difícil, mas não queremos deixar esta data passar em branco, então decidimos promover este evento para quem gosta da Legião Urbana e está em casa", afirma Kadu Lambach.

  • Apresentação promoveu novo álbum de forma presencial

    Pandemia controlada: Midnight Oil faz show para 13 mil pessoas na Austrália

    Com a pandemia controlada na Austrália, a banda Midnight Oil realizou show para um público de 13 mil pessoas no sábado passado (20 de março). Vale dizer que o espetáculo de divulgação do novo álbum "The Makarrata Project" foi presencial.  

    No concerto realizado no Mount Duneed Estate de Geelong, a banda incluiu no set list clássicos conhecidos mundialmente como “Blue Sky Mine”, “Redneck Wonderland”, “The Dead Heart” e “Beds Are Burning”.

    O espetáculo só foi viável porque a Austrália conteve o avanço da Covid-19, zerando os casos em janeiro de 2021.

    Vale dizer que tanto a Austrália como a Nova Zelândia (países da Oceania) adotaram medidas severas de lockdown, freando a pandemia do coronavírus.

  • "O público que deve decidir em que voz prefere ouvir", afirma o cantor

    Paulo Ricardo argumenta que não está proibido de cantar as músicas do RPM

    Por meio dos advogados Rodrigo Bruno Nahas e João Paulo de Andrade Ferreira, o cantor Paulo Ricardo se manifestou a respeito da decisão da juíza Elaine Faria Evaristo, da 20ª Vara Cível de São Paulo, em processo movido em 2017 pelos demais integrantes do RPM (Luiz Schiavon, Fernando Deluqui e Paulo Pagni), que teria proíbido  o cantor de usar a marca RPM e cantar as canções, que compôs junto com o tecladista Luiz Schiavon.

    Em relação as decisões judiciais recentes proferidas nas ações 1046804-05.2020.8.26.0100 e 1084316-27.2017.8.26.0100, a equipe jurídica do cantor emitiu o seguinte comunicado na íntegra:

    "Primeiro, é importante esclarecer e separar cada tema, pois existem três ações correndo em paralelo: Uma relacionada à marca RPM, outra, em que os antigos integrantes da banda dizem, sem prova nenhuma, que Paulo Ricardo descumpriu compromissos e, por isso, pedem aplicação de multa, e a terceira em que o Paulo Ricardo pede o levantamento de bloqueio administrativo para fins de gravação das canções compostas em coautoria.

    Na que trata das marcas, Paulo Ricardo nunca se recusou a fazer o registro em nome de todos os antigos integrantes da Banda, só não o fez, pois à época do registro, não era permitido que se fizesse em cotitularidade, mas com a nova normativa do INPI, Paulo Ricardo tem tentado proceder ao registro, mas infelizmente Schiavon, Deluqui e o herdeiro do Pagni insistem em abrir uma empresa com o Paulo Ricardo, ao invés, de aceitarem o registro em cotitularidade como já haviam acordado no ano de 2007. Sobre isso, há de ficar claro que Paulo Ricardo não se recusa a registrar a marca em cotitularidade, inclusive, isso já foi pedido em juízo pelo próprio Paulo, ele só não quer ser sócio de uma pessoa jurídica com os antigos integrantes da banda.

    Sobre as músicas, Paulo Ricardo não está proíbido de cantá-las, isso seria um absurdo sem tamanho, mesmo porque qualquer pessoa pode cantar as canções do Paulo, ou de qualquer outro artista, bastando o devido recolhimento de direitos autorais, os próprios Schiavon e Deluqui com uma suposta nova formação de banda, vêm executando as músicas. A ação versa sobre o pedido de levantamento de bloqueio administrativo feito pelo Schiavon junto à sua editora Warner, para fins de gravação e publicação das músicas em coautoria. Essa decisão não transitou em julgado e acreditamos que será revista pelo Tribunal, considerando que o objetivo do bloqueio é vil e não foi justificado, valendo lembrar que o Direito não acolhe o excesso no exercício de direitos, quando estes prejudicam a terceiros, devendo-se dar nova interpretação à Lei de Direitos Autorais condizentes com a realidade e com o contexto atual. Aliás, o direito é igual para ambos os coautores, e Paulo Ricardo também poderia bloquear administrativamente, e assim, Schiavon não poderia gravar as mesmas canções, mas não é esse o intuito de Paulo Ricardo, que entende que as músicas foram compostas por ambos, e assim os dois podem dela fazer uso, mais do que isso, Paulo Ricardo entende que as músicas são do público, sendo assim, é o público que deve decidir em que voz prefere ouvir, sendo o desejo e maior satisfação de todo o compositor que suas músicas sejam regravadas, atingindo o maior número de pessoas, e que qualquer ato movido por desejo de vingança, mais do que uma afronta à liberdade de expressão do artista, é um desrespeito aos fãs.

    Por fim, quanto aos alegados descumprimentos de compromissos por Paulo Ricardo, não há qualquer prova nos autos, não há nada que justifique aplicação de multa por esse motivo, que não ocorreu, mesmo porque Schiavon, Deluqui e na época o Pagni sequer disseram quais foram os shows, e quando ocorreram os ensaios, que na ação alegam não comparecimento de Paulo Ricardo. A ação é por demasiado genérica nesse ponto, sem prova alguma, sequer, de que tais compromissos tenham existido.

    Em havendo dúvidas ou qualquer novo esclarecimento que se faça necessário, estamos à inteira disposição.

    Atenciosamente,


    RODRIGO BRUNO NAHAS OAB Nº 347389/SP
    JOÃO PAULO DE ANDRADE FERREIRA OAB Nº 271757/SP
    NAHAS SOCIEDADE DE ADVOGADOS"

  • Cantor deverá ter autorização do tecladista Luiz Schiavon

    Justiça impede Paulo Ricardo de cantar canções do RPM

    Condenado pela juíza Elaine Faria Evaristo, da 20ª Vara Cível de São Paulo, em um processo movido em 2017 pelos demais integrantes do RPM (Luiz Schiavon, Fernando Deluqui e Paulo Pagni, que morreu em 2019), o cantor Paulo Ricardo está proíbido de usar a marca RPM e cantar as canções que compôs junto com o tecladista Luiz Schiavon. Informações foram levantadas pelo site UOL.

    O vocalista, que argumenta intenção de recorrer da decisão, só poderá utilizar as canções que ficaram famosas com a sua voz caso o co-autor autorize. Isto inclui músicas que fizeram grande sucesso na década de 1980 como "A Cruz e a Espada", "Rádio Pirata", "Louras Geladas", "Olhar 43" e "Revoluções Por Minuto".

    Tal decisão foi motivada porque em 2007 houve um contrato assinado entre os quatro músicos se comprometendo a não usar a marca da banda de maneira individual.
    Em seguida, Paulo Ricardo teria registrado a marca no Instituto Nacional de Propriedade Industrial somente em seu nome. A situação foi somente descoberta quando a banda voltou a se desentender em 2017 e Paulo Ricardo alegou que usaria a marca do grupo sem a participação dos demais integrantes.

    Condenado, Paulo Ricardo deverá pagar indenização de R$ 112 mil, mais juros e correção, aos antigos colegas. O cantor afirma que não descumpriu  o acordado e argumenta que registrou a marca RPM em 2013.

    Situação atual

    Desde o novo desentendimento do RPM, o grupo contratou o novo vocalista e baixista, Dioy Pallone, que divide o microfone com o guitarrista Fernando Deluqui, que passou a também cantar as músicas da banda.

    Atualmente, a liderança da banda e dividida entre Deluqui e o tecladista Luiz Schiavon. Até o início da pandemia, o RPM estava realizando shows pelo Brasil e gravando novas canções. Sem Paulo Ricardo, chegou a divulgar na internet os singles "Ah! Onde Está Você?" e "Escravo da Estrada".

    Em 2019 já sem Paulo Ricardo, a banda infelizmente perdeu o baterista Paulo P.A. Pagni (vitima de broncopneumonia e complicações decorrentes da fibrose pulmonar) e foi substituído por Kiko Zara.  Já Paulo Ricardo voltou a realizar shows com a sua carreira solo e também a gravar novas composições.

  • Show contou com a participação da cantora original de “The Great Gig in the Sky”

    Pink Floyd prepara novo álbum para abril

    Com informações do material de divulgação

    Mesmo com as atividades extintas como banda, o Pink Floyd lançará no próximo 30 de abril o álbum ao vivo "Live At Knebworth 1990". Em formato físico como CD e LP duplo, o disco foi lançado anteriormente em um box da banda chamado "Later Years", em 2019, e também estará disponível em formato digital. Desta vez, o fã terá acesso ao álbum individual. 

    Com nova arte (um atrativo a mais) feita por Aubrey "Po" Powell e projetada por Peter Curzon, dos Storm Studios, o trabalho teve áudio remixado pelo vocalista e guitarrista David Gilmour.

    Vale mencionar que o show registrado fez parte de um festival que contou com Paul McCartney , Genesis , Phil Collins , Robert Plant (com Jimmy Page ), Dire Straits , Eric Clapton e Tears for Fears em um evento acontecido em 1990, com público de 120 mil pessoas e com objetivo de caridade.

    Vale mencionar que "Live At Knebworth 1990" ilustra a fase do Pink Floyd pós álbum "Momentary Lapse Of Reason", que contava na formação com David Gilmour (guitarra e vocal), Nick Mason (bateria), Richard Wright (teclado) e sem o baixista Roger Waters, que a partir de então, foi substituído por Guy Pratt. Nesta época, a liderança do Pink Floyd passa a ser de David Gilmour, no lugar de Roger Waters, que ingressa em carreira solo.

    Em release de divulgação, o baterista Nick Mason expõe fatos relevantes da apresentação. “Há algo especial sobre Knebworth. Todos nós ainda temos boas lembranças de tocar lá nos anos 70, e esse show não foi diferente. Como um garoto do norte de Londres, este era quase um jogo em casa, mas com o prazer adicional de ser a remontagem da banda depois de uma mega turnê que durou mais de um ano", argumenta.

    O músico também recorda importantes participações no show. "Foi também uma oportunidade de fazer a maravilhosa Candy Dulfer tocar saxofone. Eu já era fã dela há um bom tempo, e era uma pena que não tivéssemos a oportunidade de utilizá-la para mais. Também recebemos nosso querido amigo e tecladista, Michael Kamen. Michael contribuiu muito para o Pink Floyd nos 10 anos anteriores, é ótimo ter algo dele tocando na gravação ”, diz.

    Porém, o grande destaque registrado no álbum é a participação da cantora Clare Torry , que fez o vocal original na canção “The Great Gig in the Sky” no clássico álbum "The Dark Side of the Moon". A musicista só teria cantado a música ao vivo com o Pink Floyd em um show em Londres em 1973.

    Veja o set list

    "Shine on You Crazy Diamond, Parts 1-5"
    "The Great Gig In The Sky"
    "Wish You Were Here"
    "Sorrow"
    "Money"
    "Comfortably Numb"
    "Run Like Hell"

  • Baterista Guilherme Martin começa os trabalhos em São Paulo

    Viper inicia gravação de novo álbum de inéditas

    Informações com Assessoria de Imprensa

    O Viper iniciou a gravação de novo álbum com Leandro Caçoilo nos vocais. O trabalho será elaborado em vários estúdios por conta da pandemia, mas a bateria será gravada por Guilherme Martin no High Five Studio, em São Paulo. A produção do álbum ficará com Maurício Cersosimo em Nova York, nos Estados Unidos. Para os fãs entenderem todo o processo de gravação, o canal do YouTube de Leandro Caçoilo irá mostrar cada passo do novo álbum na série “Dentro do estúdio com o Viper”.

    Confira o vídeo: https://youtu.be/ELAQOl6cbZQ

    Atualmente, o Viper, que revelou o lendário André Matos,  é formado por Leandro Caçoilo (vocal), Felipe Machado (guitarra), Pit Passarell (baixo) e Guilherme Martin (bateria).

    “O VIPER é um exemplo de resiliência e energia. Essa força que a banda tem de se reinventar a cada álbum é inspiradora. Foi isso que eu busquei reproduzir nos arranjos de bateria", afirma o baterista Guilherme Martin.

    Na ocasião. o guitarrista e fundador do Viper, Felipe Machado, argumentou que o novo álbum terá elementos comuns a todos os discos da carreira.


    "A pandemia atrapalhou, mas depois de um longo período de pré-produção conseguimos finalmente começar a gravação do novo álbum. Como sempre acontece com o VIPER, tenho certeza de que vamos surpreender o público. No início eu imaginava algo mais próximo de uma mistura entre o "Theatre of Fate" e "Evolution", mas ouvindo todas as músicas percebo que temos elementos de todos os álbuns, do "Soldiers of Sunrise" ao "Coma Rage". Não é necessário tentar definir: esse novo trabalho, para além de estilos e dogmas, será um álbum do VIPER.", afirma.

  • Trabalho se chama "Vera Cruz"

    Edu Falaschi em parceria inédita com Elba Ramalho para novo álbum

    Redação com Assessoria de Imprensa

    O cantor e ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, anunciou uma nova parceria com a cantora Elba Ramalho, para o novo álbum “Vera Cruz”. Ela vai realizar um dueto com o músico.

    “Eu tenho a honra de anunciar o primeiro convidado especial do álbum “Vera Cruz”. Uma obra dedicada a história do Brasil e a essência de seu povo. Dessa vez eu pude realizar um dos meus maiores sonhos, gravar uma música com uma das grandes representantes da música brasileira e do meu querido Nordeste, que está fortemente representado nesta obra”, disse Edu Falaschi. “Elba Ramalho me deu a oportunidade de ter sua linda voz, interpretação e todo seu carisma, talento e emoção numa linda canção que irá emocionar a todos vocês”, completou.

    “Elba Ramalho é uma das minhas grandes inspirações e influências. Uma artista refinada e de extrema importância. Sua história e sua obra são um tesouro nacional. Suas raízes estão fortemente impressas na melodia e arranjos dessa canção. Eu não poderia estar mais feliz e ansioso para mostrar a vocês essa linda união! Vamos em frente”, finalizou Edu Falaschi.

    O álbum

    Vera Cruz é o nome do primeiro álbum solo gravado com repertório inédito por Edu Falaschi, cantor e compositor paulistano projetado nos anos 2000 como vocalista da banda Angra, na qual permaneceu até 2012.

    O trabalho teve o início das gravações em novembro de 2020 no Rio de Janeiro e está sendo produzido por Edu Falaschi e Roberto Barros e co-produzido por Thiago Bianchi. O disco conta com a participação dos mesmos companheiros de banda de Falaschi que o acompanham desde o início da carreira solo: Aquiles Priester, Fábio Laguna, Raphael Dafras, Roberto Barros e Diogo Mafra.

    Ambientado entre Brasil e Portugal nos tempos do descobrimento da ilha de Vera Cruz pelos colonizadores lusitanos, o romance é o mote da criação do repertório autoral composto por Falaschi, o conceito das letras foi criado por Edu Falaschi e desenvolvido por Fabio Caldeira. As orquestrações do álbum foram inicialmente idealizadas por Edu Falaschi e produzidas, criadas e finalizadas por Pablo Greg.

    O álbum Vera Cruz será mixado e masterizado na Europa pelo lendário produtor Dennis Ward (Angra, Helloween, Pink Cream 69, Unisonic). “Poder estar com o Dennis novamente é extremamente emocionante, estar com ele de novo me traz muitas lindas recordações e ele sabe exatamente o que eu gosto em termos de sonoridade, sem contar que ele tem um bom gosto absurdo para mixagens”, afirma Edu sobre trabalhar com o Dennis Ward.

    Os fãs já podem garantir o lançamento na pré-venda com um kit exclusivo e limitado.O lançamento do kit contará com um Digibook de capa dura, CD e DVD, livreto com o resumo da história, letras, fotos, camiseta e caneca. Tudo virá dentro de uma caixa contextualizada e especial, além de estarem autografadas e com dedicatória personalizada do artista.

  • Músico teria sido vítima do COVID 19

    Rock paranaense perde Eduardo Calegari, guitarrista do Motorocker

    Uma triste notícia pegou de surpresa os roqueiros curitibanos nesta sexta-feira (12 de fevereiro). O guitarrista Eduardo Calegari faleceu, provavelmente vítima da Covid 19.

    Desde aproximadamente às 13 horas de hoje, os grupos de whatsapp com amigos, fãs da banda e do rock curitibano eram pautados pela perda, com muitas pessoas lamentando e demonstrando admiração ao músico.

    Na página do Facebook, o vocalista do Motorocker, Marcelus dos Santos, postou uma imagem de luto em seu perfil

  • Veja pronunciamento do músico nas redes sociais

    Baixista do Nightwish deixa a banda alegando depressão e injusta relação com indústria musical

    Nesta terça-feira (12 de janeiro), a popular banda finlandesa de heavy metal, Nightwish, foi pega de surpresa com uma notícia. O baixista Marko Hietala anunciou em suas redes sociais a saída da banda e o abandono da vida pública. Segundo ele, o que motivou tal atitude foi a atual atuação da indústria musical e uma depressão crônica. O músico ainda fez questão de mencionar que a decisão não foi motivada por nenhum atrito com qualquer integrante da banda. Leia o comunicado:

    “Renúncia.

    Pessoas queridas. Estou deixando o Nightwish e minha vida pública.

    Há alguns anos, não consigo me sentir satisfeito com esta vida. Temos grandes armas apontadas pelas empresas de streaming, que exigem um grande comprometimento dos artistas e não compartilham os lucros de forma justa. O mesmo entre os artistas. Somos a república da banana da indústria musical. Os maiores promotores de turnês também arrancam porcentagens de nosso merchandising, enquanto pagam dividendos ao Oriente Médio. Aparentemente, algumas teocracias podem tirar dinheiro da música pela qual eles querem que você seja decapitado ou preso, sem parecer hipócrita. (Vão aqui) Só alguns exemplos.

    No ano passado, tive que ficar em casa e pensar. E fiquei muito decepcionado com essas e várias outras coisas. Descobri que eu preciso desse aprimoramento. Para eu compor, cantar e tocar, eu preciso encontrar algumas novas razões e inspirações. “Meu Walden”, por assim dizer. E também está escrito em meu livro que sou um depressivo crônico. Se eu continuar assim, será perigoso para mim e para as pessoas ao meu redor. Algum tempo atrás, tive pensamentos sombrios. Não se preocupem, estou bem agora, tenho meus dois filhos, uma esposa, o resto da família, amigos, um cachorro e muito amor.

    Não acho que me afastarei para sempre.

    Conspiração é a palavra do dia. Para as pessoas que gostam deles, tenho que dizer que meu 55° aniversário é agora, no dia 14 de janeiro, e eu definitivamente encontrei meu momento agora. Culpar Tuomas, por exemplo, é um insulto, tanto para ele quanto para meu livre pensamento. Isso é uma coisa muito triste para todos nós também. Tenham cuidado, por favor.

    Há algumas coisas já combinadas que farei em 2021. Além disso, peço gentilmente e com respeito à imprensa, bandas, projetos de artistas e etc., para não me pedirem nada (até) o próximo ano. Tenho que me reinventar. Espero poder falar sobre isso em 2022, mas não é uma promessa. Sinto muito por tudo isso.

    Marko Hietala”.

    Já o Nightwish se pronunciou em suas redes sociais para lamentar a decisão do músico:

    “A renúncia de Marko nos deixou com algumas decisões e escolhas difíceis a tomar. Depois de muita reflexão e consideração, decidimos, em mútuo entendimento, executar a próxima “Human. :II: Nature World Tour, conforme planejado, mas com um baixista contratado. O line up ao vivo será anunciado em um anúncio futuro. Respeitamos a decisão de Marko e desejamos à ele tudo de bom. Não iremos nos pronunciar mais. Nightwish”.

  • Show em Curitiba seria em novembro de 2021

    Turnê brasileira do Jethro Tull tem cancelamento definitivo

    Após mudanças de datas, a turnê brasileira da banda Jethro Tull, que inicialmente seria realizada em 2020 e depois foi transferida para 2021, foi definitivamente cancelada. Como anunciado anteriormente, a produtora MCA Concerts tinha alterado a data para o dia 10 de novembro de 2021, em Curitiba.

    Confira a nota oficial:

    “Em virtude do grande aumento do número de casos de COVID-19 no Brasil e no mundo, e das incertezas sobre a pandemia e do que pode acontecer nos próximos meses no país, comunicamos que, em comum acordo entre artista e produtora da turnê, os shows da banda Jethro Tull no Brasil, previstos para acontecerem em 2021 nas cidades de São Paulo, Curitiba e Porto Alegre estão CANCELADOS e sem data prevista para remarcação dos mesmos. A decisão se mantém enquanto a pandemia global e a população não estiver 100% segura.

    Para mais informações, procure a ticketeira responsável pela venda de ingressos do show em sua cidade.

    CURITIBA – DISK INGRESSOS (diskingressos.com.br)
    PORTO ALEGRE – SYMPLA (sympla.com.br)
    SÃO PAULO – EVENTIM (eventim.com.br)”

    MCA Concerts

  • Música foi lançada nas plataformas digitais

    Angra relança canção ‘Hollow’ do álbum ‘Aqua’ remasterizada. Ouça!

    Com Assessoria de Imprensa


    O Angra acaba de relançar a música ‘Hollow’ do álbum “Aqua”, de 2010, em todas as plataformas digitais de streaming. A música foi remasterizada pelo produtor Adair Daufembach.

    Sobre ‘Hollow’, o baixista Felipe Andreoli comentou a importância da música:

    “Essa música começa com um riff que criei com base em sequências numéricas de seis, cinco, quatro e três. A combinação dessas diferentes fórmulas de compasso cria uma ilusão sonora, parecendo uma fórmula de compasso diferente do que realmente é. A música usa esse tipo de deslocamento do tempo para criar a sensação de tensão e caos”.

    “Liricamente, a música explora a angústia e o ódio que Caliban sente, sendo transformado de rei da ilha em escravo por Próspero. Caliban leva uma vida vazia, cheia de negatividade, angústia e desejo de vingança. É quando ele conhece Trinculo e Stephano, a quem ele convence a matar Próspero em troca do comando da ilha e da mão de Miranda como sua rainha. No entanto, Próspero é alertado por Ariel, a quem ele comanda para ir pregar peças na trama, em forma de sons e ilusões. Caliban está mais uma vez de volta à sua vida miserável, até que Próspero decide deixar a ilha e ele pode reinar novamente”.

    O álbum

    “Aqua” foi inspirado na comédia A Tempestade, de William Shakespeare e a história se passa em uma ilha e a água representa as emoções e as transformações nas vidas dos personagens. O disco será relançado inteiro nas plataformas digitais ao longo das próximas semanas.

    Ouça ‘Hollow’ nas plataformas digitais:
    Spotify: https://open.spotify.com/album/309TaeEZlbQmbZ9BvCL4I8
    Deezer: https://www.deezer.com/br/album/193260322
    Apple Music: https://music.apple.com/br/album/hollow-aqua-2020-remix-single/1544818607
    Amazon Prime Music: https://music.amazon.com.br/albums/B08QLBC5GC

  • É a primeira canção do novo álbum de 2021

    Anneke van Giersbergen lança novo single “My Promisse”

    Informações com Assessoria de Imprensa


    A holandesa Anneke van Giersbergen anunciou recentemente o lançamento de seu novo álbum solo, The Darkest Skies Are The Brightest, e a primeira prévia é o single ‘My Promisse’. A faixa, uma balada intimista e repleta de instrumentalizações, estreia ao lado de um videoclipe.

    Anneke comenta sobre a música: “Escrevi ‘My Promise’ quando imaginei o que a vida após o divórcio realmente significaria. A letra fala da determinação de lutar pelo amor. A música começa com uma vibe acústica cigana árabe-espanhola e gradualmente se desenvolve em direção a um final eufórico. Ruud Peeters escreveu um arranjo de cordas assustadoramente melancólico.”

    O vídeo foi filmado na Rádio Royaal, um dos restaurantes favoritos da cantora em sua cidade natal, Eindhoven. “Mostra alguns momentos decisivos em um relacionamento, representado por diferentes casais”, ela completa.



    The Darkest Skies Are The Brightest, que será lançado via Inside Out em 2021, já está disponível para encomenda. O álbum estará disponível como CD Digipak ecológico (sem plástico), 180g Gatefold LP (incluindo o álbum em CD) e como álbum digital. Ele será lançado em 26 de fevereiro de 2021.

    O título do álbum, The Darkest Skies Are The Brightest, revela Anneke, refere-se à ideia de que, ao enfrentarmos desafios pessoais, somos forçados a encontrar respostas para as maiores questões da vida. Mas, neste ponto em sua carreira musical de quase três décadas, este álbum solo – e, crucialmente, o coração partido que o inspirou – não era algo que Anneke van Giersbergen esperava escrever.

    Em 2018, Anneke começou a trabalhar em um novo material para sua banda de metal, VUUR. Embora seu álbum de estreia, ‘In This Moment We Are Free – Cities’, tenha recebido uma recepção mista, os fãs estavam se aquecendo com seu som pesado e progressivo. Portanto, um álbum de acompanhamento rápido certamente estabeleceria o retorno de Anneke à liderança de uma banda de metal. No entanto, nos bastidores, eram tempos difíceis.

    Anneke conta: “Minha crença no VUUR me fez gastar todas as minhas economias gravando o álbum de estreia do VUUR e levando a banda para a estrada. Depois de completar nosso primeiro ciclo de turnê, percebi que mais VUUR significaria ainda mais, enormes riscos financeiros”.

    Para piorar a situação, em 2018, seu casamento de longa duração, que sempre foi maravilhoso, viu inesperadamente uma tempestade se aproximando. Anneke acrescenta: “Eu soube imediatamente que precisava escrever uma música sobre como consertar minha vida. Este esforço criativo seria muito pessoal para um álbum do VUUR. E também exigiria solidão”.

    Com apenas seu violão e equipamento básico de gravação, Anneke se retirou para uma pequena casa perto da floresta, nos arredores de Eindhoven. Ela deixou de lado as pressões do futuro de VUUR e entrou no processo meditativo de escrever um álbum solo. Em 2019, o trabalho continuou nas novas músicas. Em 2020, Anneke pediu a seu amigo e produtor, Gijs Coolen, para ajudar a terminar o álbum.

    Ao longo da finalização do álbum, as frágeis histórias de canções acústicas de Anneke foram fundidas com uma alquimia de cordas panorâmicas, trompas e percussão. O registro de 11 faixas resultante tem toda a intimidade de Anneke fazendo uma serenata para uma audiência de um, combinada com partidas surpreendentes em ritmos mais pantanosos e agitados.

    A arte japonesa de kintsugi inspirou Anneke a usar um coração reparado como símbolo do álbum. Kintsugi ensina que juntar as peças de um objeto quebrado – com o uso de um metal precioso – agrega valor e singularidade a ele. E, em vez de desistir do casamento, Anneke e o marido decidiram tirar um tempo para consertar o vínculo. Eles agora apreciam o desgosto reparado como algo profundamente valioso.

    Sua jornada por essa tempestade pessoal, e o álbum que Anneke criou no olho dela, prova que os céus mais escuros são realmente os mais brilhantes.

  • Evento será realizado no 92 Graus Pub

    Hot Foxxy realiza live para promover novo single

    Redação com Assessoria de Imprensa


    A banda de hard rock Hot Foxxy, sediada em Curitiba, tem novidades para o mês de dezembro. O quinteto vai soltar o single “Summer Love”, que como o título sugere, fala dos amores de verão. A canção foi gravada, mixada e masterizada no Funds House, com o renomado produtor Aly Fioren. O trabalho chega às principais plataformas de streaming digital em 04 de dezembro.

    Na mesma data, o grupo fará uma live especial, no palco do lendário 92 Graus – The Underground Pub, através do projeto Tendência Rock.

    Faça o pre-save do novo single da Hot Foxxy, “Summer Love”, para ser notificado quando a canção estiver disponível: https://ps.onerpm.com/9095798909

    A Hot Foxxy foi formada em 2013 e tem um álbum lançado, Burning Bridges, de 2017, e no ano passado, lançou o single Rock’n’ Rol lis Alive, com produção de Matt Star, baterista do Mr. Big e Ace Frehley. Um EP, Tattooed Girl, de 2015, completa a discografia do grupo até o momento.

    Formação:
    Marco D’Lacerda – vocal

    Bruno Menta – guitarra solo

    Eder Erig – guitarra base

    Ismail Masri – bateria

    Betão Boss – baixo

    Ouça a Hot Foxxy:
    Spotify: https://open.spotify.com/artist/24Iajm0F0xT1tQ5Ppwnyoc
    Deezer: https://www.deezer.com/en/artist/9039804
    Apple: https://music.apple.com/br/artist/hot-foxxy/1047935297

    Live:
    Acompanhe nos canais do Tendência Rock:
    https://www.youtube.com/tendenciarock
    https://www.facebook.com/tendenciarockcuritiba

  • Evento servirá para gravação do trabalho mais recente

    Elian Woidello fará ‘live’ com músicas do seu novo álbum ‘Total Interferência’

    Redação com Assessoria de Imprensa

    O músico Elian Woidello anunciou pelas redes sociais, que fará uma “live” em 13 de dezembro, domingo, às 20h, cantando as músicas de “A Terra do Quase”, seu novo álbum, lançado em dezembro de 2019 e também durante a live gravará seu novo álbum “Total Interferência”. A live será no dia do aniversário do músico.

    No repertório de Woidello além das novas canções poderão ser escutadas as canções de “
    A Terra do Quase”, um disco conciso, lançado em 2019 com muita musicalidade que vai desde a milonga até o conservatório do século XIX, Chopin, Tchaikovsky, estão presentes no disco do início ao fim, Fernando Pessoa, Caetano Veloso, Paulo Leminski, Borges, Oscar Wilde, Gilles Deleuze são alguns dos artistas, escritores e filósofos citados no disco, ora como ironia, isso Woidello faz com Caetano e Leminski, ora celebrados, Fernando Pessoa e Oscar Wilde.

    A principal diferença para o novo trabalho de Woidello está o contexto atual, um álbum muito mais duro que o anterior onde Elian se aprofunda de maneira lírica na crise existencial de 2020, com participação de Jeferson Sassá, Eduardo Souza, Julio Prestes, Alex Macedo e Fredy Lenzi, o show será único, além disso a colaboração na produção de Marielle Loyola, Rodrigo Ferreira do Amaral, Alex Gregório, Alessandro Reis, Digão Duarte e Manoel Neto.


    Serviço:

    Total Interferência

    Youtube e Facebook dia 13/12/2020 às 20h

    Evento: https://www.facebook.com/events/777101136479120/?acontext=%7B%22source%22%3A%2229%22%2C%22ref_notif_type%22%3A%22plan_user_associated%22%2C%22action_history%22%3A%22null%22%7D&notif_id=1606410425786053&notif_t=plan_user_associated&ref=notif 

     

     Album A Terra do Quase:
    https://www.youtube.com/playlist?list=PLYeoy0iaDBQq_lvojxRODi0-ywSzG1gW_

  • Trabalho utiliza Curitiba como cenário de inspiração

    Alex Gregório lança EP digital no período de pandemia

    O multi-instrumentista e poeta Alex Gregorio aproveitou o período de pandemia, que se arrasta em 2020, para gravar um EP com a participação de amigos e músicos curitibanos. O novo trabalho já está disponível nas plataformas digitais.

    Ex-integrante de bandas como Líricos Platônicos, Vulcanióticos e Tio Amantino Trio (esta última participou de vários festivais, dividindo o palco com artistas renomados, como Zé Geraldo e Leoni), o músico estreiou sua carreira solo, lançando o primeiro EP “Composições Volume l”. O trabalho é composto de seis canções, sendo que em quatro  a cidade de Curitiba é referenciada. A imagem da capital paranaense é refletida na obra do artista, tanto pelo sotaque quanto pela sua poesia, tudo isso marcado pela forte influência do rock brasileiro da década de 1980.

    Por causa do COVID 19, os músicos convidados foram chamados individualmente ao estúdio para gravar suas partes.

    "O EP abre com 'As leis do caos', e a letra é inspirada nas teoria do caos, efeito borboleta e no momento atual. 'Um vírus voraz capaz de virar o mundo inteiro de pernas pro ar. Uma pandemia, um pandemônio! A praga se propaga!'”, afirma o compositor sobre a canção que teve as participações especiais da cantora Aline Kavinski e de Fellipe Coleraus no beat box.

    Já a faixa “Contato interestelar” é uma composição que mistura bossa-nova e rock’n roll. Um estilo bem semelhante ao desenvolvido pelos Líricos Platônicos no decorrer da década de 1990.

    O trabalho contou também com o beat box de Fellipe. A canção é dedicada à filha de Alex, retratando relações de pai e filha através do tempo-espaço. A voz incidental é de Stephen Hawking.

    “O sul é o meu norte!” abre a sequência de canções dedicadas à sua cidade natal. Teve a participação especial de um dos maiores ícones do rock paranaense, Fábio Elias da banda Relespública, que tocou e cantou.

    “Curitiba zero grau” é uma ode a Curitiba, cita lugares e situações da gélida capital do Paraná. A letra brinca com as referências europeias em função da baixa temperatura, como em “Ouvindo Beatles” para lembrar Londres.

    “Luz dos Pinhais” foi uma pequena compilação de alguns trechos do livro Luz dos Pinhais do prefeito Rafael Greca. Contou com a participação do sanfoneiro Eleandro Rocha (Jorge e Mateus, Maiara e Maraisa).

    “Um uísque com Leminski” trata-se de uma declamação de vários haicais do maior poeta curitibano em ritmo de reggae.

    Vale mencionar que o guitarrista Cláudio Doggy (Popelines e Duosônico) participou da gravação de quatro canções, mas a maior parte dos instrumentos foi gravada pelo próprio Alex Gregório e pelo produtor Elcio Petroski.

    Com este novo trabalho, Alex valorizou ainda mais a cidade de Curitiba como cenário inspirador das composições. Um fato que aconteceu com nomes como Blindagem, João Lopes e Gerson Bientinez, que infelizmente faleceu recentemente. É mais um músico que busca em Curitiba a inspiração para fazer Rock 'n Roll e MPB, valorizando a cultura local e sua história. "O roqueiro mais curitibano do mundo", segundo ele mesmo!

    Ouça o álbum:

    https://open.spotify.com/album/45sHVyRfGXXX1dpuwRrKMa?si=SC1cGmKkSAq1HiLUrbodEA

  • Canção ilustra parceria pioneira entre Heavy Metal e MPB

    Edu Falaschi (Ex-Angra) grava com Guilherme Arantes "Planeta Água". Assista!

    Redação com Assessoria de Imprensa

    O ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, disponibilizou o vídeo de “Planeta Água”, que contou com a participação especial de Guilherme Arantes. A faixa está presente em “Temple Of Shadows In Concert”, Blu-Ray que foi lançado no Japão em agosto de 2020. A música é um dos grandes hinos da carreira de Guilherme Arantes e foi executada com maestria por Edu Falaschi e pelos músicos que o acompanha, Aquiles Priester, Fabio Laguna, Raphael Dafras, Diogo Mafra e Roberto Barros, que tiveram a presença da Orquestra Bachiana Filarmônica.

    “Lembro-me, ainda criança, de viajar para o litoral sul com meus pais ao som de Guilherme Arantes. Nos anos 80, suas brilhantes canções dominavam as paradas de sucesso. Todas aquelas lindas melodias já ecoavam na minha alma e certamente me influenciaram como compositor. Serei eternamente grato por ter tido a oportunidade de, não só conhecer, mas cantar ao lado de um grande ídolo e, principalmente, poder executar com ele uma de suas mais importantes músicas. “Planeta Água” é um dos maiores clássicos da música brasileira e é para mim uma música muito especial. Obrigado, Guilherme Arantes!”, disse Edu Falaschi.

    O álbum “Temple Of Shadows In Concert” celebrou os 15 anos do álbum “Temple Of Shadows”. Esse tributo contou com diversos convidados especiais, como Kai Hansen (Helloween, Gamma Ray, Unisonic), Michael Vescera (ex-Loudness, Yngwie Malmsteen e Dr. Sin), Sabine Edelsbacher (Edenbridge), Guilherme Arantes e o pianista Tiago Mineiro. A filmagem e edição de imagens ficou a cargo da Foggy Filmes, com direção de Junior Carelli e Rudge Campos; o áudio foi capturado pela Audiomobile do grande engenheiro de som Andre “Kbelo” Sangiacomo e a mixagem e a masterização foram realizadas pelo produtor Jesse Vainio, na Finlândia.


    Assista “Planeta Água”: https://youtu.be/E9hkUxls9LE

  • Empresário adotou este modo de vida em 2004

    Elvis Presley cover é eleito prefeito de Farroupilha (RS)

    Com informações do whiplash.net


    Conhecido por se vestir e apresentar-se como Elvis Presley desde 2004, o então candidato pelo PP, Fabiano Feltrin, foi eleito com 49,76% dos votos (20.240) na eleição do último domingo (16) para a prefeitura de Farroupilha, no Rio Grande do Sul.

    Com 51 anos de idade, o empresário é gestor do Grupo Feltrin e sócio de empreendimentos como o Hard Rock Café Gramado e de três franquias da rede de lanchonetes fast food Bob's. 

    Entre seus feitos artísticos, o candidato eleito já se apresentou como Elvis no Brasil, Europa, México, República Dominicana e Jamaica. Além disso, foi eleito Melhor Elvis Tribute Artist da América do Sul, no 2º The Sailor Elvis Concert, realizado em 2015.

    O "Elvis Gaúcho" já fez dueto com Elton John em 2006, quando assistiu a um show do cantor, trajado de Elvis Presley, em Las Vegas, nos Estados Unidos.

  • Sony Music deixa de produzir mídia física no Brasil

    Fãs do AC/DC lamentam que novo CD não sairá no Brasil

    Nesta sexta-feira (13 de novembro), a banda AC/DC lançará oficialmente em "todo o mundo" o seu novo álbum de estúdio: "Power Up". Um dos discos de rock mais esperados em 2020, que infelizmente não estará disponível em mídia física nem no Brasil e nem nos demais países da América Latina.

    A informação foi confirmada pelos fãs brasileiros da banda, responsáveis pelo site acdcbrasil.net, que consultaram  a gravadora Sony Music Brasil, representante do  AC/DC.

    Segundo a gravadora Sony Music, a empresa parou com a produção, distribuição e também licenciamento de produção/distribuição de novos lançamentos de seu catálogo de artistas nestes países.

    Não é a primeira vez que neste ano, os fãs brasileiros de rock ficaram sem um importante lançamento. Aconteceu o mesmo com o novo álbum "Ordinary Man" de Ozzy Osbourne, do selo Epic Records, da Sony Music

    A mídia física não foi lançada no Brasil e os fãs só encontram o produto importado, chegando a custar até 5 vezes o valor de um produto nacional.

    A própria Sony Music confirmou que o novo álbum do AC/DC, Power Up, não terá o lançamento da mídia física no país.

    Segundo o site acdcbrasil.net, " Nos EUA, Austrália, Europa, e Reino Unido, a banda realizou a oferta do disco em diversos formatos: CD, LP, Fita Cassete, Box de Colecionador, além de itens promocionais como camisetas, máscaras, etc".

    Alternativas bem caras

    Sem o álbum no mercado brasileiro, o disco poderá ser encontrado na loja da Amazon.com (EUA) ou diretamente da loja do site oficial da banda, ACDC.com. Os dados foram levantados pelos fãs do AC/DC

    Na Amazon.com, o custo do CD em sua versão mais simples sai no total de USD 45.90 (CD + Frete+ Impostos de Importação), saindo em torno de R$ 265 (convertido com câmbio em R$ 5.40 + IOF de cartão de crédito).

    No site oficial da banda, o custo do CD em sua versão mais simples no total de USD 22 (CD + Frete), saindo em torno de R$ 126 (convertido com câmbio em R$ 5.40 + IOF de cartão de crédito). Detalhe que aqui não é recolhido na fonte os impostos e custos de importação, ficando passível de pagamento de todos os custos no ato da entrega/retirada do produto nos Correios.

    Pois é...Está ficando mais caro ouvir rock 'n' roll no Brasil e, da maneira que os roqueiros curtem, no LP ou CD!


  • Show de Curitiba seria para acontecer no Estádio Couto Pereira

    Metallica oficializa adiamento de shows no Brasil

    A banda norte-americana Metallica utilizou as próprias redes sociais para oficializar a decisão de adiar os shows marcados no Brasil para "esperançosamente" acontecerem no final de 2021.

    Segue o comunicado:

    "É com o coração apertado que estamos novamente nesta situação, sete meses depois, para anunciar que as datas da nossa turnê na América do Sul, marcadas para dezembro deste ano, estão mais uma vez sendo adiadas por conta da pandemia da Covid-19. Estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros promotores locais para reprogramar esses shows, esperançosamente no final de 2021 e teremos uma atualização para vocês em breve.

    Guarde seus ingressos, pois eles serão válidos para as novas datas.

    Desejamos a vocês, suas famílias e entes queridos saúde durante estes tempos difíceis. Mal podemos esperar para passar um tempo pessoalmente com nossa extensa família Metallica quando for seguro estarmos todos juntos novamente!"

    Vale mencionar que a cidade de Curitiba é uma das que constam na turnê sulamericana.

    Ingressos

    Os ingressos já comprados não terão reembolso por conta de uma lei federal que permite que as produtoras remarquem eventos sem a obrigação da devolução de dinheiro em tempos de pandemia.

    Link oficial: https://adiamento.eventim.com.br/