Publicidade
Paraná 0x0 Criciúma

“Agora é importante não achar desculpas”, diz Matheus Costa, sobre salários

Matheus Costa
Matheus Costa (Foto: Valquir Aureliano)

O técnico do Paraná Clube, Matheus Costa, falou sobre a situação de pagamentos atrasados no clube, na entrevista coletiva após o empate com o Criciúma. Na sexta-feira, os jogadores ameaçaram não entrar em regime de concentração para a partida de sábado, reclamando de dois meses de atraso no pagamento do direito de imagem (que faz parte da remuneração dos atletas).

“Muitos clubes da Série B têm seus problemas. O mais importante é solucionar o problema e ele foi solucionado. Agora é muito importante não achar desculpas. Amanhã tem treinamento e segunda-feira viajamos para Ribeirão Preto. Nós temos que sair o mais rápido possível dessa situação”, disse o técnico, citando a partida de terça-feira, contra o Botafogo-SP.

Perguntado se os atrasos nos pagamentos estão interferindo no desempenho da equipe, Matheus Costa se esquivou. “É difícil falar. Essas pendências vão ser quitadas o mais rápido possível. Durante o jogo ninguém lembra disso. Os problemas são durante a semana. Estamos representando um grande clube, com grande torcida e que te dá todas as condições”, declarou.

Sobre o empate, Matheus Costa afirmou que os jogadores sentiram a pressão pela má fase (sete jogos sem vencer e com apenas um gol marcado no período). “A cada jogo sem vitória a pressão aumenta. Alguns não estão produzindo tudo aquilo que podem. A pressão aumenta. Tivemos muitas dificuldades na parte técnica, com erro de passe, de domínio, nos cruzamentos”, disse. Ele destacou, porém, que o time segue eficiente no sistema defensivo. “Os adversários não estão tendo oportunidades”, comentou. No entanto, lamentou o fraco desempenho da equipe nas bolas paradas. “Hoje tivemos o dobro de escanteios e de faltas laterais. E não estamos assustando o adversário”, citou.

Em relação às substituições no segundo tempo, Matheus Costa explicou sua ideia de jogo. “João Pedro e Alesson são importantíssimos, mas nem sempre vão render aquilo que podem. A alternativa que procuramos foi colocar dois homens de área e explorar velocidade pelo lado. Foi nesse momento que mais colocamos bola na área e provocamos a expulsão”, argumentou.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES