Publicidade
Central 156

Alerta: Cresce número de denúncias de maus-tratos com animais em Curitiba

(Foto: Beco da Esperança/HiperZoo)

No Brasil, a Lei Federal 9.605/98 classifica como crime ambiental atos de abuso, maus-tratos, ferimento ou mutilação de animais, sejam eles silvestres, domésticos, domesticados, nativos ou exóticos. Com o objetivo de alertar sobre a importância das causas animais, a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os animais (ASPCA) criou, nos Estados Unidos, o chamado Abril Laranja. A ONG fundada em 1866, quando não existiam leis de proteção animal no país, promove diversas ações ao longo do mês visando à conscientização.

Dados da Central 156 de Curitiba mostram que foram contabilizadas 1.428 denúncias por maus-tratos no primeiro trimestre deste ano, número 52,24% maior que no mesmo período em 2018, quando foram registradas 938 denúncias. “Possivelmente, não foram apenas os números de casos que aumentaram, mas sim o número de pessoas que passaram a ter consciência da importância de denunciar. Hoje, o cidadão pode fazer a denúncia pelo telefone ou pelo site da Central 156”, explica Ozires de Oliveira, coordenador de atendimento ao cidadão do Instituto das Cidades Inteligentes (ICI).

Por outro lado, organizações sem fins lucrativos e empresas se unem para tentar reverter essa situação. “A resposta para o fim dos maus-tratos animais está na conscientização: é preciso entender que adotar é uma responsabilidade adquirida por no mínimo 15 anos”, afirma a protetora animal e vice-presidente da ONG Beco da Esperança, Helena Lemos Coelho. Desde 2006, a entidade atua em Curitiba como abrigo de animais, acolhendo atualmente cerca de 600 gatos e 140 cães. “Nossa capacidade de espaço não permite que resgatemos mais animais, por isso nossa prioridade é cuidar de bichos em situação de maus-tratos e incentivar ao máximo feiras de adoção”, diz Helena.

A ONG participa quinzenalmente das feiras promovidas pelo pet center HiperZoo: só em 2018, foram mais de 440 animais adotados no local. “Recebemos também doações de ração, antipulgas, vermífugos e medicamentos que estejam dentro do prazo de validade, e encaminhamos para ONGs que atuam na causa animal”, explica a sócia-proprietária do HiperZoo, Patrícia Maeoka.

Para adotar um pet, o candidato deve cumprir alguns pré-requisitos: ser maior de 21 anos, responder a uma entrevista sobre os motivos da adoção, aceitar receber a visita de um voluntário da ONG, e apresentar RG, CPF e comprovante de endereço. Para incentivar a adoção, o Hiperzoo oferecerá a partir de maio algumas vantagens para quem aumentar a família: ao adotar um bichinho, o cliente ganha alguns descontos e brindes, além de uma avaliação do novo pet.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES