PSS e escolas cívico-militares

Após ocupação e protesto, governo do Paraná recebe educadores da rede estadual e abre negociação

(Foto: Divulgação)

Após realizarem um protesto e ocuparem a sede da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEED), no bairro Água Verde, em Curitiba, professores, estudantes e funcionários da rede estadual de ensino do Paraná foram recebidos pelo diretor-geral do órgão, Glauco Dias nesta sexta (30) à tarde. A APP-Sindicato, que representa a categoria, pede a a suspensão do projeto do governo do Paraná que pretende transformar 215 escolas estaduais em escolas cívico-militares e questiona o novo edital PSS que prevê contratação de apenas 4 mil professores. Segundo a assessoria da SEED, as demandas foram ouvidas e serão analisadas. Uma nova reunião da categoria, desta vez  com o secretário de Estado Renato Feder, foi marcada para a próxima quarta (4), às 17 horas. No mesmo dia, os educadores retornarão ao local para novo ato. 

De acordo com a diretora da APP, Nádia Brixer, o comando estadual de greve que reúne dirigentes dos 29 nucleos sindicais da entidade se reunirá nesta sábado (31) para discutir o assunto. "Nossa intenção era fazer o ato e registrar nossa contrariedade referente aos edital do PSS que abre apenas 4000 vagas pra professores sendo que temos hoje cerca de 20 mil professores PSS. Além disso o Edital exige prova presencial e impede o grupo de risco de fazer as provas. Outro poto de denúncia é o fato de entregar o trabalho dos funcionários de escola que fazem limpeza, merenda, trabalham nas bibliotecas e secretarias, para empresa terceirizada. Com isso teremos 10 mil funcionários PSS demitidos no final do ano. Junto também denunciamos a forma apressada como foi feita a consulta sobre militarização das escolas, sem respeitar o artigo 13 da lei 20338 e fechando o ensino noturno em 117 colegios que o governo quer militarizar", explicou ela. Sobre a ocupação, Nádia explicou que os manifestantes foram foram impedidos de se dirigirem até a recepção e isso causou revolta e todos acabaram entrando. 

Em nota encaminhada à redação do Bem Paraná, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) disse que vem mantendo ao longo do ano diálogo cordial e transparente com os representantes sindicais dos professores: "A Seed estranha a radicalização por parte dos mesmos. Sobre as críticas feitas pela entidade, vale destacar que a Seed já havia conversado com os representantes dos professores sobre o processo seletivo simplificado e acatou algumas demandas propostas. Sobre a implantação dos Colégios Cívicos, todas as informações sobre o projeto que implementou a consulta pública foram repassadas para a sociedade, em especial na discussão do tema na Assembleia Legislativa do Paraná".

Líder do Governo e Presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, o deputado Hussein Bakri (PSD) lamentou a ocupação do prédio da Secretaria da Educação em Curitiba, na manhã desta sexta-feira (30). O edifício foi invadido por representantes da APP-Sindicato e da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes), que são contrários à implantação de colégios cívico-militares no Estado. "O balanço parcial da votação nos colégios aponta quase unanimidade a favor do programa. Mais do que isso, em alguns a comunidade escolar optou livremente por manter o modelo tradicional. Quer processo mais democrático que esse? Essas entidades acusam o Governo de não discutir o projeto, quando, na verdade, são eles que não têm o menor respeito pela democracia", afirmou Hussein Bakri.