Publicidade
Isolamento social

Aprendizes da rede Condor devem ser afastados de atividades presenciais, diz Justiça

(Foto: Divulgação)


Uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho no Paraná (TRT-PR), de caráter liminar, determinou que a rede de supermercados Condor deverá, imediatamente, determinar a suspensão das atividades práticas presenciais dos aprendizes menores de 18 anos, sem prejuízo da remuneração integral, enquanto durarem as recomendações de isolamento ou distanciamento social. A medida atende Mandado de Segurança (MS) movido pelo Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR), na última quinta-feira (9 de abril).

A Ação Civil Pública (ACP), com pedido de antecipação de tutela, foi ajuizada pelo MPT-PR com base em prova documental produzida durante procedimento preparatório na Procuradoria Regional do Trabalho da 9 Região (PRT9). Denúncia sigilosa que chegou ao órgão revelou que a empresa não dispensou nenhum aprendiz de suas atividades práticas desde o início da pandemia (Covid-19). De início a empresa foi notificada para se manifestar sobre a denúncia e alegou que staria adotando todas as “medidas protetivas e preventivas necessárias à manutenção de suas atividades”. Ainda segundo a empresa, não há determinação legal para a suspensão das atividades dos aprendizes e que a recomendação da OMS e dos órgãos de saúde local refere-se ao afastamento de empregados integrantes do grupo de risco quanto ao contágio da doença – grupo no qual os aprendizes não estariam incluídos.

Diante da insistência da rede de supermercado em não atender a recomendação, o MPT-PR ajuizou ação, que foi julgada pela Juíza da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba Ester Alves de Lima, no dia 9 de abril. Na ocasião, o pedido do Ministério Público do trabalho foi indeferido pelos aprendizes não pertencerem ao grupo de risco e pela empresa estar cumprindo as recomendações da OMS. Além disso, o Condor também alegou que está autorizada a manter o funcionamento de seus estabelecimentos, por ser atividade essencial, e que já se encontraria desfalcada em seu quadro funcional – razão pela qual necessitaria dos colaboradores menores aprendizes.

Ao entrar com Mandado de Segurança, o MPT argumentou que a decisão de Juíza vai contra o preconizado pela Constituição (artigo 227), pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (art. 4, e art. 60 em diante) e pela CLT. O ECA e a CLT detalham que é proibido aos trabalhadores menores de 18 anos: atividades insalubres; atividades perigosas e penosas; trabalho noturno; jornadas de trabalho longas; locais ou serviços que lhes prejudiquem o bom desenvolvimento psíquico, moral e social. Dessa forma, conforme o entendimento do MPT, a ré não poderia envolver adolescentes em atividades que colocam em risco a sua saúde, a sua vida e a sua higidez física e psicológica.

“A interpretação das normas protetivas previstas em nosso ordenamento jurídico deverá observar a condição peculiar da criança e do adolescente como pessoas em desenvolvimento (art. 6º da Lei nº 8.069/90), onde precisamente reside a sua condição vulnerável frente a uma Pandemia que também atinge crianças e adolescentes, embora AINDA não considerados pela OMS como integrantes do grupo de risco.”

Ao julgar o MS, o desembargador do Trabalho Marco Antonio Vianna Mansur destaca que “o trabalho desenvolvido pelos aprendizes não pode ser qualificado como essencial para a empresa. Isso porque o contrato de aprendizagem é um contrato especial, no qual se assegura ao aprendiz ‘formação técnico-profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico’ (art. 428 da CLT) e está intimamente ligado à frequência na escola, como regra. Não pode substituir a mão de obra comum do empregador. (...) Os menores não compõem o grupo de risco da COVID-19. No entanto, não são imunes e pela característica de, muitas vezes, não apresentarem sintomas, são até mais perigosos na transmissão. A interrupção das atividades práticas dos menores aprendizes na litisconsorte, portanto, não se justifica apenas pela proteção deles, mas de toda a população (...) Por outro lado, há aprendizes também em trabalho administrativo. Para estes a empresa pode providenciar, se entender conveniente, e às suas expensas, o trabalho remoto.”

A medida deve ser cumprida a partir de 24 horas após ciência da decisão judicial, sob pena de incidência de multa de mil reais por aprendiz que permanecer em atividade presencial.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES