Publicidade
Cotidiano

Artista preso em festa de milícia no Rio foi liberado por ter vida fora do país

LUIZA FRANCO

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O pátio do presídio Bangu 9 virou palco de circo nos últimos dias. Durante o banho de sol dos presos, o acrobata e malabarista Pablo Martins, 23, o Pablo Prynce, fazia apresentações para os colegas para se manter em forma.

Ele estava entre os 159 detidos em flagrante numa festa na zona oeste, que a Polícia Civil disse ser uma reunião de milicianos, mas que a Defensoria Pública, parentes dos presos e testemunhas dizem ter sido apenas uma festa de pagode.

Pelo menos quatro pessoas foram mortas durante a operação, que foi celebrada como o mais duro golpe contra o crime dado pela intervenção federal na segurança pública fluminense. Pablo foi o primeiro dos detidos a ser solto, na tarde do último sábado (21).

Depois de comer um almoço feito pela sogra, "que faz a melhor quentinha da comunidade", receber os amigos em casa e falar com a imprensa, foi fazer o que mais gosta: jogar futebol. A reportagem conversou com ele pouco antes de entrar em campo.

Sentando num banco de alvenaria, numa favela da zona oeste, ele tira a meia e mostra uma bolha no dedão. "Lá dentro não tinha sapato, e eu não sei fazer acrobacia de chinelo", diz ele.

Nascido e criado na favela do Aço, comunidade na zona oeste do Rio controlada por milicianos, Pablo sempre foi atlético. Gostava de futebol e chegou a passar em testes para o Flamengo, mas seu pai não pôde bancar as passagens de ônibus diárias para a Gávea, onde fica a sede do clube.

Entrou para o circo por causa de Jéssica, 23, com quem é casado até hoje. Ela era uma das alunas de um projeto social que ensinava artes circenses para as crianças da favela. Começou a fazer acrobacias e viu que havia um futuro ali.

Hoje trabalha como acrobata e malabarista na Up Leon, companhia circense que envia artistas brasileiros para apresentações na Europa. Quando foi preso, estava de férias no Rio, com passagem comprada para a Suécia, onde está em temporada no parque Gröna Lund, em Estocolmo.

Tinha acabado de chegar de viagem quando Jéssica o convidou para a festa, que havia sido divulgada no rádio e em redes sociais. Conhecia o DJ, então ganhou ingressos.

"Estávamos lá curtindo quando de repente começou um tumulto e tiros, achei que fosse briga, então deitei no chão e falei para a Jéssica deitar também. Só me toquei que ia ser preso quando começaram a fichar todo mundo", diz ele. Jéssica, assim como as outras mulheres presentes, foi liberada pelos policiais.

Chegando em Bangu 9, presídio onde ficam milicianos, foi colocado numa cela com "nem sei quantos" outros. Dormia numa cama de alvenaria, sem colchão. "Mas tenho que agradecer aos agentes penitenciários, que sabiam que ali tinha inocente e nos trataram bem, trouxeram chinelo, roupa para os que não tinham", diz ele. Ficou lá por 14 dias, até que a Justiça o liberou. Os outros 158 seguem presos.

"No caso de Pablo, o fator que o diferencia de todos os outros é a comprovação documental de que passa a maior parte de sua vida, atualmente, fora do país. Com isso, resta demonstrado a fragilidade dos laços que mantém em sua terra natal, especialmente o suposto envolvimento em atividade criminosa", concluiu o juiz que determinou sua soltura, Eduardo Marques Hablitschek.

Pablo embarca para a Suécia na terça-feira (24). Segue na condição de investigado. Caso seja formalmente acusado pelo Ministério Público, responderá à ação penal em liberdade.

"Quando saí da cadeia, os outros ficaram felizes por mim, comemoraram, gritaram ´liberdade!´", diz ele. "Mas o fato de só eu ter saído é uma injustiça. Todos sabem que tem inocente ali."

Parentes dos outros presos também conversaram com a imprensa local neste domingo (22).Trouxeram carteiras de trabalho dos detidos, fotos, contratos e cartazes que diziam coisas como "Era show, não era festa de milícia" e "Justiça".

Elza do Vale, mãe de Thiago do Vale, 33, desmoronou diante das câmeras. "Parece que estou vivendo um filme de terror. Estou com vergonha de ser brasileira. Não estamos numa ditadura. Onde estão nossos direitos? Porque você é pobre, mora na favela, não tem?", questionou, chorando.

Segundo ela, Thiago era garçom, mas estava desempregado havia alguns meses. Fazia bicos. "Jamais botaria minha cara a tapa se ele não fosse inocente. Ele só foi na festa porque eu dei para ele os R$20 que era o preço do ingresso. Que miliciano é esse que não tem R$20 no bolso?", questionou.

Camila da Silva, 27, estava na festa com o marido, que está entre os presos. Ela diz que, antes de serem liberadas, as mulheres foram xingadas pelos policiais de "vagabunda" e "piranha".

Segundo ela, seu marido, Fabio da Silva, 35, é motorista da empresa CS Brasil, que presta serviço à Comlurb, companhia de lixo do Rio.

Segundo a Polícia, a comemoração foi organizada pela Liga da Justiça, milícia que atua no Rio e em municípios da Baixada Fluminense e da Costa Verde. A festa acontecia numa parte da cidade onde muitos bairros são controladas pela milícia, a zona oeste.

Os investigadores dizem ter informações de que a festa era uma homenagem a milicianos e que só convidados podiam ir, por isso, todos ali seriam suspeitos de envolvimento. Não explica por que são suspeitos apenas por estarem no local. Os 159 homens foram detidos em flagrante suspeitos de associação criminosa e porte compartilhado de armas. Foram apreendidos 13 fuzis, 15 pistolas e carros roubados. A Polícia também diz ter apreendido documentos da milícia.

A Defensoria e parentes mostraram cartazes e registros de chamadas públicas para festa. Os participantes dizem que pagaram ingressos. Havia esquema de segurança. Segundo os parentes, a polícia entrou e prendeu todos os que pôde, sem perguntar quem eram. 

A Defensoria Pública questiona o fato de a Justiça não ter individualizado as investigações. "A presunção de inocência foi desconsiderada nesse caso. A Constituição foi rasgada. Cometeram um erro e agora não sabem como desfazer. Não há suporte de provas para manter essas pessoas presas", disse o defensor-geral, André Castro, durante entrevista coletiva. 

Já a Polícia Civil diz em sua defesa que todas as prisões foram convertidas em preventivas pela Justiça.

"Ressalta-se que em audiências e decisões que passaram pelo crivo da Justiça não foi mencionada nenhuma ilegalidade. Cabe esclarecer que, no Estado Democrático de Direito, quem decide sobre a culpabilidade durante o processo criminal é o Judiciário", diz a instituição, em nota.

DESTAQUES DOS EDITORES