Publicidade
Frango

BRF antecipa retomada de produção em Carambeí; 'surpresa positiva', diz sindicato

(Foto: AEN)

A empresa BRF antecipou em dois meses o término do lay-off anunciado em maio para a planta de Carambeí, na região do Campos Gerais do Paraná, a 135 quilômetros de Curitiba. Com isso, a BRF afirma que já deu início a incubação dos ovos – primeira etapa do processo de criação das aves, principal produto de exportação da planta. Nesta semana, a empresa iniciou o envio dos primeiros lotes de pintinhos ao campo. De acordo com a BRF, cerca de 24 produtores integrados estão recebendo aproximadamente 1 milhão de aves, que estarão com o peso adequado para o abate em 28 dias.

A atividade industrial de Carambeí retornará em 2 de setembro com retomada de duas linhas de frango da planta. A terceira linha de produção deve voltar a operar em outubro, completando o pleno funcionamento da unidade. “Esse período foi importante para normalizar os estoques da companhia e otimizar a gestão da oferta para assegurar o equilíbrio do nosso sistema produtivo”, afirmou via assessoria Rubens Modena, diretor regional do Paraná da BRF, sobre o período de lay-off.

De acordo com a empresa, durante este período, cerca de 1 mil funcionários que atuam na unidade receberam capacitação em parceria com a Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG). Na grade do curso, foram abordados temas como Boa Práticas de Fabricação, Segurança Alimentar, Liderança, Compliance, Gestão Ambiental, Finanças Pessoais, entre outros.

A empresa afirma que é importante ressaltar "uma boa avaliação dos colaboradores para com o curso de capacitação e os mesmos estão retornando as atividades bastante motivados e com maiores conhecimentos".

"Surpresa positiva", diz sindicato

De acordo com o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação de Carambeí e Região, Wagner do Nascimento Rodrigues, a empresa cumpriu o acordo fechado em maio integralmente. "Para nós foi uma surpresa positiva. Foram três meses de lay-off, menos que o previsto, e alguns (funcionários) ficaram só dois meses, o restante volta no fim de agosto. Alguns só anteciparam férias. Então, a empresa já vai começar a incubação de frango e tudo indica que volta a produção total em setembro", aponta o sindicalista.

Rodrigues afirma que não houve prejuízo aos cerca de 1 mil funcionários. "Não teve prejuízo aos trabalhadores porque houve negociação durante o processo, com participação do Ministério Público, e tudo que foi definido na negociação foi atendido", afirma.

Sobre os motivos da paralisação das atividades da fábrica, Rodrigues afirma que a informação que chegou aos trabalhadores foi de que ocorreu em razão da nova postura do governo federal em relação à polícia externa. "Para nós o que chegou foi que havia estoques elevados e falta de certezas sobre exportações ao mercado de países árabes muçulmanos, por causa da aproximação recente do governo brasileiro do Estado de israel e consequente afastamento de parte do mercado muçulmano. Como a planta (Carambeí) é muito dependente do mercado muçulmano, perincipalmente agora no Ramadã, muitos os pedidos não foram feitos e sobrou estoque", avalia. 

Excesso de estoque

Em maio, a direção da BRF, uma das maiores empresas brasileiras de alimentos, comunicou aos funcionários da planta de Carambeí, que pretendia suspender a produção por 60 dias, a partir de junho. A empresa justificou excesso de estoques e baixa demanda. A suspensão da produção poderia chegar a até cinco meses, período máximo previsto em lei para que os funcionários permaneçam em regime de Lay Off (que é suspensão temporária do contrato de trabalho). O retorno, porém, foi antecipado. No período, os funcionários receberam uma bolsa qualificação pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador.

O sindicato dos funcionários acredita que o excesso de estoque alegado pela empresa ocorreu em razão de uma mudança de comportamento no mercado de países de maioria muçulmana, principal importador de frangos da planta. Em Carambeí, 90% da produção era vendida para países de maioria da população muçulmana. A empresa, inclusive, realiza o chamado "abate Halal", que segue preceitos muçulmanos. Havia expectativa de que após o Ramadã, em maio, como em todos os anos, as exportações para países árabes aumentassem, o que não teria ocorrido. Em 2019, o Ramadã foi de 6 de maio a 4 de junho.

"A unidade de Carambeí, no Paraná, como a de Francisco Beltrão e Dois Vizinhos, tem uma peculiaridade que é o abate Halal. É uma exigência para a as empresas do setor frigorífico que exportam para países de maioria muçulmana. A linha de produção tem que ser em direção a Meca, quem faz a sangria tem que ser de uma religião monoteísta O que nos causa preocupação e não acreditamos que seja uma coincidência, é que desde o momento que houve uma mudança no governo federal houve uma aproximação também com Israel, em um primeiro momento falando em mudança de Embaixada (de Tel Aviv) para Jerusalém, e em um segundo momento abrindo um escritório em Jerusalém, terra sagrada para três grandes religiões, isso causou um mal estar na comunidade muçulmana", deduziu na época o secretário do sindicato dos trabalhadores, Wagner Rodrigues. 

A planta de Carambeí conta com 1,5 mil funcionários. Desses, 1,2 mil foram dispensados em junho. Em setembro, todos devem retornar às atividades. 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES