Publicidade

Clima econômico dá um salto no Brasil e se descola da América Latina, diz FGV

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O clima econômico no Brasil deu um salto em janeiro, descolando-se da América Latina e do resto do mundo.

Sondagem da FGV (Fundação Getulio Vargas) elaborada em conjunto com o instituto alemão ifo mostra que o Brasil foi um dos poucos países da América Latina a registrar melhora no ICE (Indicador de Clima Econômico), que saiu de 33,9 pontos negativos em outubro de 2018 -data da última pesquisa- para 3,6 pontos positivos em janeiro, pesquisa mais recente. A próxima sai em abril. 

A recuperação é explicada pelo forte aumento das expectativas, de 25,9 pontos para 88 pontos no período. Já a percepção sobre a situação atual melhorou, mas se mantém no nível negativo (de -77,8 pontos para -56 pontos).

O Indicador de Clima Econômico é composto pelo ISA (Indicador da Situação Atual) e o IE (Indicador de Expectativas), que tratam, respectivamente, da situação econômica geral do país no momento e do que se espera para os próximos seis meses. Os indicadores vão de -100 a 100, sendo zero o ponto de inflexão.

O Brasil foi o único país que melhorou a avaliação da situação atual e das expectativas, influenciando a melhora do indicador de toda a América Latina.

Ainda assim, o indicador atual brasileiro em 3,6 pontos está bem longe do pico ao redor de 50 pontos alcançado entre 2009 e 2010. "Apesar da melhora, o nível atual do clima econômico ainda é bastante instável, muito associado às promessas feitas pelo governo Bolsonaro, como a reforma da Previdência", diz Lia Valls, pesquisadora associada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV.

Segundo ela, a manutenção do bom clima econômico vai depender dos próximos passos do governo. Em toda a América Latina, o indicador passou de -10,7 pontos para -9,1 pontos, ainda em zona desfavorável.

No mundo, clima econômico piora Desde abril de 2013, o clima econômico no mundo era melhor do que na América Latina, resultado que se inverteu na sondagem atual.

Globalmente, o Índice de Clima Econômico (ICE) caiu e segue em zona desfavorável influenciado pela queda tanto dos indicadores que medem a situação atual quanto das expectativas.

O indicador de situação atual caiu de 12,2 pontos para 2,2 pontos. Já o indicador de expectativas, que já era desfavorável desde julho 2018, registrou uma nova queda e atinge em janeiro -2,7 pontos.

Nos EUA, por exemplo, a avaliação da situação atual foi positiva, mas piorou em relação a outubro de 2018, enquanto às expectativas tiveram forte deterioração com o indicador passando de -14 pontos para -49,2 pontos.

Na União Europeia, o cenário se repete. As grandes economias estão ainda experimentando uma conjuntura favorável, mas as expectativas não são boas.

Na América Latina, além do Brasil, o clima econômico melhorou na Argentina e na Bolívia. A Argentina, porém, se mantém em nível desfavorável. Na outra ponta, a Venezuela registra o pior clima econômico possível (-100).

A sondagem é feita com base em informações prestadas a cada três meses por especialistas nas economias de seus respectivos países. Em janeiro, foram consultados 138 especialistas econômicos em 15 países da América Latina.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES