Polêmica

Contratado pelo Athletico, Marcinho foi indiciado por homicídio culposo

Marcinho é apresentado em vídeo do Athletico Paranaense
Marcinho é apresentado em vídeo do Athletico Paranaense (Foto: Reprodução/Twitter/AthleticoPR)

Marcinho, lateral-direito recém-contratado pelo Athletico Paranaense, foi indiciado pelo Ministério Público, em fevereiro de 2021 por homicídio culposo (sem a intenção de matar), por ter atropelado e matado um casal de professores, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio, na noite de 30 de dezembro de 2020. Ele responde processo e pode ser condenado de dois a quatro anos de prisão.

O lateral foi denunciado por duplo homicídio culposo - quando não há intenção de matar - após atropelar, em dezembro de 2020, um casal de professores na região do Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio. Ele fugiu do local sem prestar socorro. Alexandre Silva de Lima, de 44 anos, morreu no local, enquanto Maria Cristina José Soares, de 66, foi levada ao hospital em estado grave, e morreu seis dias depois.

O casal havia saído para lançar flores ao mar e ao atravessar a avenida Lúcio Costa, na altura do número 17.170, foi atropelado por um Mini Cooper, conduzido pelo jogador, que, no momento, não havia sido identificado.

Em depoimento prestado à Polícia Civil no início do mês de janeiro, Marcinho admitiu o atropelamento, alegando estar a 60 km/h e disse que ficou com medo de linchamento. Por isso, não prestou assistência. O jogador abandonou o veículo em região próxima ao local do acidente e disse não ter consumido bebida alcoólica. A pena para homicídio culposo é de dois a quatro anos de prisão, e pode ser ampliada em um terço se não for prestado socorro à vítima.