Publicidade
Calendário

Corrida à presidência tem 14 nomes na disputa, mas número pode chegar a 15 candidatos

Os partidos definiram 14 nomes para disputar a Presidência da República em 2018 até a noite deste domingo (5), mas esse número pode ser ainda maior. Embora o prazo final das convenções destinadas a definir candidatos e coligações tenha terminade no domingo, o número ainda pode mudar até o dia 15 deste mês, que é a data limite para o registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

E uma das mudanças previstas é a desistência da candidatura de Manuela D'Ávila, do PCdoB, que deve assumir o posto de vice na chapa do PT, encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O PT anunciou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como candidato a vice-presidente na chapa liderada por Lula, e fez um acordo com o PCdoB que pode transformar Manuela D' Ávila em candidata a vice depois que a Justiça Eleitoral se manifestar sobre a candidatura do ex-presidente.

A estratégia do PT é levar o nome de Lula como candidato à Presidência da República até a Justiça Eleitoral decidir se o ex-presidente, que está preso, poderá ou não disputar as eleições de 2018.

Lula está preso desde abril em Curitiba, condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro – o que, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, o torna inelegível. A questão precisa ser decidida pelo TSE e só deve ser julgada depois do registro oficial, que ocorre até o dia 15.

Apenas o Partido da Mulher Brasileira (PMB) não havia divulgado qual candidato irá apoiar. Com a formação de coligações, partidos que decidem não lançar candidato se unem àqueles que optam por ter candidatura própria. Dessa forma, agregam tempo de TV e dinheiro do fundo eleitoral durante a campanha presidencial.

 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES