Publicidade
Exterior

Europeus apoiam acolhimento de refugiados e criticam políticas para crise

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Três anos após o ápice da crise de refugiados na Europa, boa parte dos europeus apoiam o acolhimento de imigrantes fugidos de países violentos ou em guerra, mas desaprovam a forma com que a União Europeia lida com a questão.

É o que mostra um novo estudo do Pew Research Center, centro de pesquisas em Washington, conduzido entre março e junho deste ano e divulgado nesta quarta (19).

Em 2015 e 2016, mais de 1 milhão de pessoas solicitaram asilo na Europa a cada ano, segundo dados da Eurostat (agência de estatísticas da União Europeia). Em 2017, o número reduziu para pouco mais de 700 mil. Os imigrantes fogem principalmente de conflitos na Síria, no Iraque e no Afeganistão (o primeiro país lidera o ranking desde 2013).

Alemanha, Itália, França, Grécia, Reino Unido e Espanha foram alguns dos países que mais receberam imigrantes nos últimos anos. De acordo com a pesquisa do Pew, a maioria dos entrevistados desses países são hoje favoráveis ao acolhimento dos fugidos da violência e da guerra.

A Alemanha, que adotou políticas favoráveis aos refugiados no período, ocupa o terceiro lugar no ranking de países mais solidários aos estrangeiros, de acordo com a pesquisa, com 82% a favor do acolhimento, atrás da Espanha (86%) e da Holanda (83%).

Polônia e Hungria, por outro lado, são menos receptivos aos estrangeiros: 49% e 32% apoiam o acolhimento.

A Hungria, governada por um partido nacionalista, está atualmente na mira do Parlamento Europeu por violações ao Estado de Direito, inclusive ao direito de migrantes e refugiados, que podem levá-la a perder seu poder de voto no Conselho Europeu, que reúne chefes de governo e de Estado do bloco.

O levantamento do Pew também traz dados sobre oito países fora do bloco europeu. Nos Estados Unidos, no Canadá, no México e na Austrália, dois terços ou mais dos entrevistados apoiam o acolhimento dos refugiados.

Nos Estados Unidos, a opinião dos entrevistados não parece estar em sintonia com a de Trump: 66% dizem que são a favor do acolhimento de refugiados de lugares violentos.

Nesta semana, o governo Trump anunciou um limite de 30 mil refugiados que serão reassentados no país em 2019, redução de um terço em relação ao teto de 45 mil fixado para este ano. É o menor patamar estabelecido por um presidente desde 1980.

A forma com que a União Europeia têm lidado com os imigrantes, porém, não sido eficiente, segundo os europeus. Em todos os dez países do bloco ouvidos pelos pesquisadores, a desaprovação das políticas é bem maior do que a aprovação.

DESTAQUES DOS EDITORES