Publicidade
Política

Favorito no Pará, Helder ganhou respaldo do PT e está coligado com PSL de Bolsonaro

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - Dos Sarney, no Maranhão, a Aécio Neves, em Minas Gerais, diversos políticos ligados a clãs familiares e/ou escândalos recentes de corrupção saíram diminuídos das urnas. Mas o Pará é uma exceção: no estado mais populoso do Norte, os Barbalho reelegeram a sua bancada própria e agora são favoritos a retomar o poder após 24 anos.

Com 47,7% dos votos no primeiro turno, o ex-ministro Helder Barbalho (MDB), é apontado como o grande favorito contra o deputado estadual Márcio Miranda (DEM), que obteve 30,2% e conta com o apoio do PSDB, do governador Simão Jatene.

Para o segundo turno, Helder, 39, ganhou o respaldo do PT, cujo candidato, Paulo Rocha, ficou em terceiro (17%). O Pará é o único estado fora do Nordeste onde o petista Fernando Haddad foi o candidato a presidente mais votado.

Do outro lado do espectro ideológico, a coligação de Helder, que declarou neutralidade na corrida presidencial, inclui o PSL de Jair Bolsonaro. O emedebista tem também o apoio do da bancada da bala no estado, incluindo seu principal nome, o deputado federal reeleito Éder Mauro (PSD).

Médico e ex-oficial da PM, Miranda também se declarou neutro no segundo turno da campanha presidencial. Ele teria tentado atrair o apoio de Bolsonaro, mas sem êxito.

Ganhando ou não, Helder já conta com os pais reeleitos: o senador Jader, patriarca da família, e a deputada federal Elcione. Há também o primo José Priante, que renovou o mandato de deputado federal. Todos são do MDB.

Para Edir Veiga, cientista político da UFPA (Universidade Federal do Pará), a resiliência do clã é resultado da capilaridade do MDB no estado, do uso político do conglomerado de comunicação da família, ao desgaste do PSDB após 20 anos, e à decadência da esquerda após o mal avaliado governo da então petista Ana Júlia Carepa (2007-2011).

Em 2016, o MDB dos Barbalho foi o partido que mais elegeu prefeitos no Pará, com 42 de um total de 144 municípios. 

Veiga lembra que, mesmo fora da época eleitoral, a família conta com a cobertura favorável dos meios de comunicação que controla. É o caso do Diário do Pará, que noticiava com destaque os repasses federais às prefeitura assinados por Helder, quando comandava o Ministério da Integração Nacional, durante o governo Temer.

Outro fator importante, segundo Veiga, foi a ascensão de Helder.  "Ele reoxigenou o projeto da família. É jovem, excelente na arte de discursar, tem uma trajetória, foi deputado estadual e prefeito [de Ananindeua, grande Belém]."

O cientista político disse que nem o envolvimento dos Barbalho em recentes escândalos políticos nacionais —Helder e Jader são réus no STF— abalou a força dos Barbalho.

"Existe uma grande rejeição do governo tucano e não tem outra alternativa aqui no Pará", afirma Veiga.

DESTAQUES DOS EDITORES