Publicidade
Exterior

FMI diz que economia britânica vai encolher com ou sem acordo para 'brexit'

PARIS, FRANÇA (FOLHAPRESS) - No mesmo dia em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) informou que a economia do Reino Unido deve encolher substancialmente caso não haja acordo com a União Europeia sobre os termos do "brexit" (saída do bloco continental), a primeira-ministra britânica disse que o acerto delineado pelo seu gabinete é o único possível.

Em seu relatório anual sobre o status da economia britânica, apresentado nesta segunda (17), o FMI projeta para ela um crescimento de 1,5% tanto em 2018 quanto em 2019 contra 1,8% em 2016 e 1,7% em 2017 -em 2015, último ano antes do referendo que definiu o divórcio com a Europa, a alta fora de 2,3%.

Se o Reino Unido tivesse escolhido ficar na UE, a evolução neste e no próximo ano seria de 1,75%, segundo o FMI.  

"Um desligamento mais duro, sem acordo, vai ter efeito muito pior", afirmou a diretora-gerente da instituição, Christine Lagarde. "Deixe-me ser clara: em comparação com a suavidade do mercado comum que temos atualmente, qualquer configuração do 'brexit' terá impacto sobre a economia britânica e, em menor medida, sobre a da União Europeia. Quanto mais restrições comerciais [entre os dois lados] houver, maior será o custo. Isso deveria soar óbvio, mas às vezes parece que não."   

A oficialização do "divórcio" está marcada para daqui a menos de seis meses. Ocorre às 23h do dia 29 de março de 2019. Depois dessa data, a ideia é que haja um período de transição para as novas regras até o fim de dezembro de 2020.

O pomo da discórdia nas negociações entre Theresa May e o bloco europeu (e também internamente, entre a chefe de governo e seus correligionários conservadores) é o nível de adesão do Reino Unido às regras e normas do continente para manter elos comerciais no pós-separação. Do lado britânico, acumulam-se críticas àquilo que é visto como um excesso de concessões à UE.

Também nesta segunda (17), em entrevista à BBC, May sustentou que o plano para o "brexit" apresentado por ela em julho é o único que se mostra viável hoje. 

O "plano de Chequers", como é conhecido (em referência à residência de campo dos chefes de governo britânicos, onde ele foi desenhado), cria uma união aduaneira entre o Reino Unido e a Europa para transações envolvendo produtos agrícolas e bens industriais.

Dois ministros descontentes com os termos propostos no documento, incluindo o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, pediram demissão nos dias subsequentes a sua divulgação.

"Acredito que vamos conseguir um bom acordo", disse ela. "Submeteremos [as condições] ao Parlamento. A alternativa a isso é não haver acordo nenhum", afirmou May.

Ela lembrou que a UE oferecera dois caminhos, "ambos inaceitáveis para o Reino Unido". 

"Ou ficávamos no mercado comum e na união aduaneira -ou seja, na prática dentro do bloco-, o que representaria uma traição ao voto do povo britânico, ou teríamos um acordo básico de livre-comércio, mas deixando de fora dele -e, portanto, dentro da União Europeia- a Irlanda do Norte, o que poderia partir o Reino Unido."  

Segundo May, o plano de Chequers veio então "desbloquear as negociações".     

A questão da fronteira entre as Irlandas é um dos itens mais delicados no cabo de guerra entre britânicos e europeus, já que a República da Irlanda, que tem fronteira terrestre com a Irlanda do Norte, integra a UE e não se desligará do bloco. 

Se (e em que condições) fazer o controle de pessoas e mercadorias no limite entre elas, prática hoje quase inexistente, tem se mostrado um tema sensível de debate. 

Ainda nesta segunda, o jornal inglês "The Times" noticiou que o chefe das negociações do "brexit" pelo lado europeu, Michel Barnier, teria esboçado uma proposta pela qual um monitoramento de mercadorias por códigos de barras diminuiria a necessidade de inspeções na fronteira.

DESTAQUES DOS EDITORES