Campos Gerais

Gaeco denuncia 26 pessoas, entre servidores da Sanepar e empresários, por ilegalidades

(Foto: AEN)

Nos Campos Gerais, o Ministério Público do Paraná, por meio de uma equipe do Núcleo de Ponta Grossa do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), apresentou nesta terça-feira, 22 de junho, denúncia criminal contra 26 pessoas e duas empresas por supostas ilegalidades cometidas a partir de contratos firmados com a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). A ação penal, já recebida pelo judiciário, é resultado de investigações conduzidas pelo MPPR no âmbito da Operação Ductos, deflagrada em julho do ano passado.

O Gaeco sustenta na denúncia a prática dos crimes de associação criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva, fraude em licitação, peculato mediante erro de outrem e falsificação de documento público. Conforme descreve nos autos, entre 2012 e 2020, em razão do pagamento de propina a diversos funcionários da Sanepar, uma empresa de engenharia foi beneficiada em licitações. Os contratos não foram devidamente fiscalizados e resultaram em prejuízo aos cofres públicos. Também foi apurado que uma segunda empresa, do ramo de soluções ambientais – do filho do dono da empresa de engenharia – teria sido favorecida indevidamente. Os ilícitos eram descritos, inclusive, em relatórios dos empresários como “folha indireta”. O MPPR estima que foram pagos por volta de R$ 1,39 milhão aos servidores como suborno, mediante repasses em dinheiro, cursos de pós-graduação, festas de confraternização e churrascos, brindes e outros itens.

Sem fiscalização – São citados na ação penal sete fatos criminosos, que incluem fraudes no caráter competitivo de licitações, falsificação de documentos e a não fiscalização de contratos que implicaram na perda de R$ 4.706.621,38 do erário, pela não devolução de materiais da Sanepar não utilizados em obras executadas pela empresa de engenharia. Como aponta o Gaeco, “A partir das investigações realizadas, apurou-se a existência de uma arquitetada associação criminosa que gerou milhões de reais em prejuízo aos cofres públicos. Tal organização composta pelos empresários e funcionários da empresa [...] e diversos funcionários da concessionária Sanepar, que a partir da adulteração de medições nas obras realizadas para a empresa [...] superfaturavam os valores recebidos a fim de obter vantagens ilícitas. Além disso, favoreciam a empresa [...] e as empresas por ela indicadas nos certames licitatórios e contratações diretas.”

A empresa beneficiada pela maioria das ilegalidades tinha contratos com a Sanepar para obras nas cidades de Ponta Grossa, Palmeira, Irati, Prudentópolis, Imbituva Cornélio Procópio, Santo Antônio da Platina e Guarapuava. A Operação Ductos culminou no cumprimento de 16 ordens de prisão contra servidores da Sanepar e empresários e 50 mandados de busca e apreensão. Além de documentos, a denúncia inclui transcrições de conversas dos denunciados que atestam a prática dos ilícitos.

Sanepar

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) encaminhou uma nota informando que os empregados envolvidos foram afastados. Informou ainda que foi criada uma força-tarega para apurar os fatos internamento. 

Veja a nota na íntegra

Nota da Sanepar sobre “Operação Ductos” do GAECO
A “Operação Ductos” foi deflagrada em 20 de julho de 2020. Ato contínuo, a Sanepar afastou todos os empregados envolvidos e criou uma força-tarefa para apuração interna. Essa comissão envolveu as áreas de Auditoria e de Compliance e contou com o suporte de todas as áreas técnicas. O trabalho de investigação interna resultou em um relatório final em dezembro de 2020. Esse relatório foi encaminhado para o Ministério Público de Ponta Grossa, responsável pela condução da investigação.
A Sanepar apoia, acompanha e aguarda os desdobramentos do trabalho do GAECO e tem total interesse na apuração dos fatos e na punição dos responsáveis.