Publicidade
Bola fora

Guru de Jair Bolsonaro, Guedes cancela compromissos

Guru de Jair Bolsonaro, Guedes cancela compromissos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Guru econômico do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e fiador da campanha junto ao mercado, o economista Paulo Guedes tem cancelado compromissos em série desde que vieram à tona informações de que teria sido beneficiário de uma fraude e de que sugeriu a recriação da CPMF. 

Desde a semana passada, ele deixou de comparecer a quatro eventos importantes: uma entrevista no programa Roda Viva, da TV Cultura; uma reunião com clientes do banco de investimento Credit Suisse; e palestras nesta sexta-feira (21) na Amcham (Câmera Americana de Comércio) e corretora XP.

Os eventos eram considerados relevantes para a campanha no sentido de expor ideias para o mercado e dar publicidade ao projeto econômico de um eventual governo Bolsonaro.

O sumiço de Guedes coincide com a crescente pressão sobre o economista devido a publicação de reportagens que o tem como protagonista.

Na sexta-feira (14), a revista Crusoé publicou reportagem que mostra que Guedes é apontado pela Justiça como um dos beneficiários de fraude que causou prejuízos à fundação responsável pela gestão da aposentadoria dos funcionários do BNDES, a Fapes.

Em decisão proferida no dia 3 de julho, o juiz Tiago Pereira, da Quinta Vara Criminal Federal do Rio, cita Guedes na lista de clientes da corretora Dimarco que obtiveram ganhos atípicos no período em que as fraudes ocorreram.

Guedes não é réu no processo. Em sua decisão, o juiz Pereira condenou três executivos da Dimarco por gestão fraudulenta de instituição financeira.

Segundo o juiz, entre janeiro de 2004 e setembro de 2005, eles manipularam ordens de negociação de títulos na BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros, hoje parte da B3, que gere a bolsa de São Paulo) para lesar a Fapes e favorecer um pequeno grupo de clientes.

As operações deram à fundação prejuízo de R$ 12,8 milhões no período investigado, enquanto os clientes tiveram lucro de R$ 5,85 milhões. A GPG, corretora de Guedes e sua esposa, Maria Cristina Bolívar Guedes, lucrou R$ 596 mil.

Três dias após a publicação da reportagem, Guedes cancelou a participação no Roda Viva.

Na quarta-feira (19), a Folha de S.Paulo divulgou as propostas que Guedes apresentou a um grupo restrito de representantes do mercado: a criação de um imposto aos moldes da CPMF e a unificação da alíquota do Imposto de Renda em 20%.

A proposta assustou toda a cúpula bolsonarista, que nunca havia ouvido nada do tipo da boca de Guedes. 

Bolsonaro correu às redes sociais para reafirmar sua defesa da bandeira da redução dos impostos. Aliados tentavam falar com o economista por telefone, sem sucesso. Empresários telefonavam, preocupados, para entender o teor dessa "nova CPMF". 

Guedes, então, em entrevista aos jornais O Estado de São Paulo e O Globo, confirmou a intenção de criar um imposto aos moldes da CPMF, sobre movimentações financeiras. Ele disse que esse novo imposto ocuparia o lugar de cinco outros tributos.

Vendo-se debaixo de intensa pressão, Guedes cancelou participação em palestra no Credit Suisse que aconteceria na quinta-feira (20).

Nesta sexta, participaria de debate na Amcham logo pela manhã. No dia anterior, sua presença foi confirmada pela organização do evento. Guedes, no entanto, cancelou sua participação menos de uma hora antes do debate. Ele também cancelou uma palestra que faria em evento da XP Investimentos, que terá a presença dos ex-presidentes Bill Clinton e Fernando Henrique Cardoso.

O sumiço de Guedes coincide com momento em que o núcleo duro da campanha tenta recolocar Bolsonaro, internado em hospital desde que recebeu a facada em 6 de setembro, como figura central.

Ao vice da chapa, general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), foi solicitado que participe menos de agendas públicas e viagens. À reportagem, o general disse que Bolsonaro o telefonou e pediu "calma". Mourão emendou uma série de declarações polêmicas nas últimas semanas que tiveram ampla repercussão, como, por exemplo, seu argumento de que casas só com mães e avós são "fábricas de desajustados" para o tráfico.

Guedes, por sua vez, tem perfil mais independente, e desenha por sua própria conta a agenda que deve fazer. No entanto, também recebeu telefonema de Bolsonaro, que queria saber mais sobre a proposta da nova CPMF.

Cada um à sua maneira, direta ou indiretamente, os aliados passaram o mesmo recado ao economista: a palavra final é de Bolsonaro. Ou seja, Guedes deveria consultá-lo antes de publicizar opiniões potencialmente controversas.

Os sucessivos cancelamentos de agenda de Guedes causam contrariedade entre membros do entorno de Bolsonaro, em especial o núcleo partidário do PSL.

Para eles, Guedes age como entidade independente da campanha, nunca fornecendo dados de sua agenda ou adiantando discussões programáticas.

Com a celeuma da recriação da CPMF e subsequente manifestação de Bolsonaro em rede social, esses aliados creem que Guedes "entendeu o recado", mas até esta manhã não sabiam dizer se o economista estava apenas "de birra" ou se havia uma discordância mais séria em curso.

A segunda hipótese é um pesadelo para a campanha, já que Bolsonaro investiu Guedes de super poderes de forma adiantada, na figura do "posto Ipiranga" da área econômica, fiador de sua suposta conversão ao liberalismo ao gosto do mercado.

De uma forma ou de outra, a semana acaba com um ponto de interrogação sobre a relação do economista com seu projeto de poder. 

DESTAQUES DOS EDITORES