Publicidade
De olho no voto

Maioria dos deputados pelo Paraná ajudou a salvar Temer da denúncia por corrupção passiva

(Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil)

Vice de Dilma Rousseff em seus dois mandatos e sucessor da petista na Presidência da República após o impeachment, Michel Temer (MDB) por pouco não engrossou a lista de presidentes que acabaram afastados do cargo no pós-redemocratização.

Em duas ocasiões, o destino do emedebista esteve nas mãos dos 
deputados federaisNa primeira delas, em 2 de agosto do ano passado, a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) era de corrupção passiva. Coube, então, à Câmara dos Deputados autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a julgar o caso (o que resultaria no afastamento do presidente) ou então rejeitar a denúncia, adiando o andamento do processo contra Temer para depois do fim do mandato presidencial.

A sessão de votação, que durou cerca de oito horas, teve 263 votos favoráveis e 227 contrários ao parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava o arquivamento da acusação. Foram ainda contabilizadas 19 ausências e duas abstenções.

Se à época do impeachment de Dilma a maioria dos deputados invocou "Deus" e a "família" para votar em favor do afastamento, desta vez o argumento para salvar Temer foi a "economia", com muitos deputados citando as reformas implementadas pelo governo emedebista, a retomada do crescimento e a redução do desemprego.


O que dizia a primeira denúncia

A primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, tinha como base a acusação de que o presidente seria o destinatário de uma mala com R$ 500 mil repassados pel J&F para o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), seu ex-assessor. O caso marcou também a primeira vez em que um presidente da República foi acusado formalmente por um crime comum no exercício do cargo.

Dados completos podem ser baixados no 4shared

Clicando AQUI, você será redirecionado para uma página do 4shared, onde poderá fazer o download da planilha preparada pelo Bem Paraná que apresenta a votação completa de cada uma das denúncias contra Temer. Com o material, é possível verificar como votou cada um dos deputados federais, filtrando ainda a busca pelo nome do deputado, partido e estado do político.

Abaixo, você pode conferir como votou cada partido e cada deputado paranaense. 

IMPORTANTE: Em cada uma das denúncias, o voto “sim” ou “não” faz referência à aprovação ou contrariedade em relação ao relatório apresentado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Na primeira denúncia, o relatório foi de autoria do deputado Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia apresentada pela PGR. Na segunda, o relator da denúncia foi o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que também recomendou a rejeição da denúncia.

 

VOTAÇÃO DA PRIMEIRA DENÚNCIA CONTRA TEMER

Sigla do Partido

Sim

Não

Abstenção/Ausência

DEM

23

6

1

PCdoB

0

10

0

PDT

1

17

0

PEN

3

0

0

PHS

1

6

0

PMB

0

1

0

PMDB*

53

6

4

PODE

9

5

0

PP

37

7

3

PPS

1

9

0

PR

28

9

3

PRB

13

5

1

PROS

2

2

0

PSB

11

22

2

PSC

5

4

1

PSD

22

14

2

PSDB

22

21

4

PSL

3

0

0

PSOL

0

6

0

PT

0

58

0

PTB

15

2

1

PTdoB

1

2

0

PV

3

4

0

REDE

0

4

0

SDD

8

6

0

TOTAL

263

227

22


Como votaram os deputados federais pelo Paraná

Nome do deputado (Partido): Como votou

Alex Canziani (PTB): SIM

Alfredo Kaefer (PSL): SIM

Aliel Machado (REDE): NÃO

Assis do Couto (PDT): NÃO

Christiane de Souza Yared (PR): NÃO

Delegado Francischini (SDD): NÃO

Diego Garcia (PHS): NÃO

Dilceu Sperafico (PP): SIM

Edmar Arruda (PSD): SIM

Ênio Verri (PT): NÃO

Evandro Roman (PSD): SIM

Giacobo (PR): SIM

Hermes Parcianello (PMDB): SIM

Joã Arruda (PMDB): SIM

Leandre (PV): NÃO

Leopoldo Meyer (PSB): NÃO

Luciano Ducci (PSB): AUSENTE

Luiz Carlos Hauly (PSDB): SIM

Luiz Nishimori (PR): SIM

Nelson Meurer (PP): SIM

Nelson Padovani (PSDB): SIM

 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES