Publicidade
Coluna do Fiani

Neuromarketing e Neurovendas

Em um momento em que todo cuidado é pouco, o ISAE Escola de Negócios, uma das principais instituições de ensino do país, resolveu promover educação de forma segura e gratuita. Para isso, em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), vai realizar o webinar “Neuromarketing e Neurovendas: uma solução para a sua empresa” no próximo dia 31 de março, a partir das 19h. O seminário online vai abordar os conceitos de Neuromarketing e Neurovendas, e suas aplicações atuais, além de demonstrar como a neurociência pode melhorar a comunicação e aumentar as vendas. Os participantes poderão compreender toda a jornada de compra de seus clientes, desde o momento de impulso ao consumo, que leva o consumidor à loja, até o approach necessário para convencê-lo a finalizar a compra, gerado a partir de uma abordagem emocional e focada em benefícios para o comprador. Com a intenção de auxiliar empresas a aumentarem as suas performances comerciais e de comunicação, a aula ficará por conta de Felipe Nasser, Mestre em Business Administration in Neuromarketing, pela Florida Christian University (USA), e professor de pós-graduação nos módulos de “Neuromarketing e Neurovendas”, “Neurociência do Comportamento de Consumo” e “Neuroinovação e Estratégias de Marketing” em cursos da Fundação Getulio Vargas. O webinar “Neuromarketing e Neurovendas: uma solução para a sua empresa” será realizado no dia 31 de março, a partir das 19h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site http://bit.ly/WebFGV3103.


Frete grátis e álcool em Gel de brinde

A chegada do novo coronavírus no Brasil está alterando rapidamente o cotidiano da população. Cada vez mais consumidores estão evitando aglomerações e trocando as idas a restaurantes por pedidos de delivery. Pensando nisso, a Rua 24 Horas, importante endereço turístico e gastronômico de Curitiba, ganhou uma ação especial para quem quer comer bem sem sair de casa. Os restaurantes Bávaro, Pezzo Italian, Prinzen e Açaí All Inclusive estão entregando todos os pedidos de delivery com um envelope de álcool em gel 70% de brinde e frete grátis a uma distância de até 2 km da Rua 24 Horas. 

Pedidos de delivery e mais informações pelo telefone (41) 3078-9777.


Youtuber com síndrome de Down é homenageada

A homenagem, que aconteceu como parte do projeto Donas da Rua, com apoio da ONU Mulheres, fez parte da celebração do Dia Internacional da Síndrome de Down, comemorado no dia 21 de março. A youtuber baiana Cacai tem 26 anos e é ativista da causa PCD. Ela leva para o Brasil e o mundo a ideia que as pessoas com deficiência só precisam de oportunidades. Cacai, nascida em Salvador (BA), sempre estudou em escolas regulares, nas quais se alfabetizou aos 7 anos. Apaixonada por teatro e dança, criou seu canal no YouTube em 2016 e, desde então, vem conquistando o público ao abordar os temas que mais gosta, como maquiagem, skincare e moda. Na homenagem, Cacai é interpretada pela primeira personagem com Síndrome de Down da Turma da Mônica, a Tati, super animada e criativa, características bem parecidas com a mais nova DDR da História. Dentro do projeto, já foram homenageadas outras mulheres com Síndrome de Down, como a atriz Tathi Piancastelli, que atuou na Brodway e representou em 2010 o Brasil nas comemorações do Dia Internacional da Síndrome de Down na ONU, em Nova York, inspiradora da personagem Tati, e a potiguar Debora Seabra, primeira professora síndrome de Down, na América Latina, a concluir o curso de Magistério. Segundo a criadora do projeto Donas da Rua e diretora executiva da MSP, Mônica Sousa, nos últimos anos a busca pela inclusão se mostrou cada vez mais necessária. "Essa é a terceira vez que uma mulher com Síndrome de Down entrou para a história do Donas da Rua. Ações como essas devem ser cada vez mais frequentes, pois precisamos mostrar a história de mulheres como a Cacai, exemplo de autoestima elevada como as personagens da Turma da Mônica. Nosso objetivo como Donas da Rua é levar visibilidade para que haja representatividade", pontua. O Donas da Rua foi criado em março de 2016 e tem o apoio da ONU Mulheres. Nesta parceria, a MSP tornou-se signatária dos Princípios de Empoderamento da ONU Mulheres.
O projeto pode ser conferido no site:
http://turmadamonica.uol.com.br/donasdarua/ddr-da-historia.php.


Vale da música #crieemcasa

A programação do projeto Vale da Música, na Ópera de Arame, continua. Mas desta vez, de casa. O Vale, que recebe mais de 600 músicos no Palco Flutuante regularmente e que ofereceu ao público mais de mil apresentações musicais, está com um novo formato neste período, respeitando as orientações de segurança do Ministério da Saúde e dos governos estadual e municipal e, com isso, criou o projeto Crie em Casa. A ideia é fazer com que músicos e bandas criem material exclusivo para o Vale da Música. Os vídeos serão postados na página do Instagram do Parque das Pedreiras. “O Covid-19 está impactando toda a economia e o segmento da cultura e entretenimento é um dos primeiros a sentir esse baque. Toda a cadeia de profissionais que trabalham com arte e música está drasticamente prejudicada, principalmente músicos. Por isso, pensamos numa forma de fazer com que a engrenagem continue girando, e que não só os instrumentistas que já participam do Vale da Música, mas também outros músicos independentes da cidade, possam mostrar seus trabalhos e serem remunerados, mesmo que dentro de suas casas, em suas quarentenas. A ideia é mostrar para o público quem são essas pessoas, contar a história delas. Mostrar essa rede de músicos da cena instrumental da cidade com vídeos feitos dentro de suas casas”, explica Gabriella Camargo, gerente de marketing da Ópera de Arame. O projeto já está selecionando os artistas, e um dos artistas selecionados foi Du Gomide, nome conhecido na cena local e que viu na iniciativa uma maneira de minimizar os impactos que a arte vem sofrendo com a crise. “São trabalhos como esse que permitem músicos de alta qualidade viverem de uma forma simples em Curitiba. Não é um cachê que vai pagar todas as contas, mas vai ajudar e muito a não precisarmos correr atrás de noitadas madrugada a dentro pra ganhar o pão. Com a pandemia no mundo todo, nossa classe artística ficou desamparada, reclusa, insegura, pois como tocar pra ninguém? E como transmitir nossa arte pra alguém que não pode nos assistir ao vivo? Por isso quero aqui parabenizar a equipe do Vale da Música que ao cancelar os shows presenciais, investiu em vídeos caseiros, mas de total liberdade criativa, mostrando que a arte não se cala, apenas encontra outros meios de se pronunciar”, afirma o músico. Por dia, serão postados de 3 a 5 vídeos, estimulando que cada vez mais músicos participem do projeto. Com isso, o projeto mantém a essência de incentivar a arte e, sobretudo, a música instrumental. Como ainda não há previsão de quando as atividades voltarão à normalidade, o Vale da Música preparou uma curadoria para receber e selecionar os artistas que participarão do projeto. “Existem músicos incríveis da cena instrumental da cidade. Por que não incentivá-los a criar em casa nesse momento de crise e por que não aproximar o trabalho deles das pessoas?”, questiona Gabriella.
Como funciona o projeto?
O músico faz um vídeo criando dentro de casa. Solos, composições autorais, covers, brincadeiras com o instrumento, ideias criativas e diferentes - o céu é o limite. O vídeo precisa ser gravado em modo vertical do celular e enviado via WeTransfer para o e-mail curadoriavale@futurafonte.com.br, junto com seu nome artístico e um breve e criativo descritivo e histórico do artista.
O material é analisado pelo o núcleo curador do projeto e, uma vez aprovado e publicado, o artista é remunerado de acordo com a quantidade de integrantes. O valor por vídeo gira em torno de R$ 100/músico, mas as negociações serão feitas individualmente.


Chope em casa

Classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como pandemia, a disseminação global do novo coronavírus tem alterado a rotina do brasileiro. Nos últimos dias, milhões de brasileiros aderiram ao afastamento voluntário das atividades sociais afim de evitar aglomerações e retardar o processo de contaminação da doença, o que aumenta a procura por formas alternativas e mais seguras de manter as práticas do dia a dia. Pensando em oferecer uma solução inteligente para os amantes de cervejas artesanais, a cervejaria Way Beer, uma das grandes referências do mercado nacional, acaba de fortalecer seu serviço de entrega de chope em casa. A bebida disponibilizada pela Way Beer é entregue em Crowlers, embalagens descartáveis comuns nos Estados Unidos, que facilitam a distribuição de chope direto da fábrica. Com capacidade para 1 litro, os Crowlers são leves, práticos e "inquebráveis", podendo ser carregados para qualquer lugar e armazenados em refrigeradores e caixas térmicas. Para garantir a qualidade da cerveja, o interior dos Crowlers é revestido com polímero a base de água, não permitindo que metais interfiram nos sabores únicos da cerveja. A cervejaria oferece uma seleção rotativa de cervejas disponíveis para entrega, com valores a partir de R$ 23. Entre os rótulos, estão as principais cervejas de linha da Way Beer e, também, algumas cervejas sazonais, que até então só eram encontradas em eventos especiais. A entre de chope da Way Beer engloba toda cidade de Curitiba. Os pedidos podem ser feitos pelo telefone e WhatsApp (41) 9992-0063, sem limite de compra por pessoa, de segunda a quinta, das 10h às 18h, e nas sextas e sábados, das 10h às 20h. Mais informações no site www.waybeer.com.br e nas redes sociais oficiais da cervejaria.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES