Eleições 2020

Pandemia, desistências e falta de debates ‘esfriam’ campanha para prefeito de Curitiba

(Foto: Franklin de Freitas/Valquir Aureliano)

As restrições provocadas pela pandemia do Covid-19, a desistência de alguns pré-candidatos mais competitivos da disputa e a falta de mais debates marcaram a campanha no primeiro turno da disputa pela prefeitura de Curitiba, neste ano, ajudando a “esfriar” ainda mais o clima da sucessão municipal na Capital paranaense. Apesar do número recorde de candidatos no século, com dezesseis concorrentes, em nenhum momento a campanha pareceu empolgar ou envolver a maioria dos eleitores, mais preocupados com a sobrevivência cotidiana em meio à uma grave crise sanitária e econômica. 

Antes mesmo da disputa começar, o prefeito Rafael Greca (DEM) foi beneficiado pela desistência dos deputados federais Ney Leprevost (PSD), Luizão Goulart (Repub) e Luciano Ducci (PSB), que se retiraram da eleição a pedido do governador Ratinho Júnior (PSD). Além disso, o também deputado federal e ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT), também desistiu alegando falta de dinheiro para a campanha, sendo substituído na última hora pelo deputado estadual Goura (PDT).

Crise
O enfrentamento da pandemia e o cenário pós-Covid foi justamente um dos principais temas da disputa. O prefeito e candidato à reeleição, Rafael Greca (DEM), defendeu as medidas tomadas por sua gestão, como o fechamento parcial do comércio no início da crise, e os repasses para as empresas de transporte coletivo para a manutenção do serviço. Em entrevista ao Bem Paraná, chegou a afirmar que “não faria nada diferente”, e acusou os adversários de explorarem eleitoralmente o problema sanitário.

Já os adversários de Greca, em sua maioria, criticaram o que chamaram de “vai e volta” da prefeitura em relação ao comércio, criticaram a ajuda às empresas de ônibus, cobrando ainda a falta de auxílio para pequenas e microempresas. Além disso, parte dos candidatos de oposição participou de debates em praças públicas, próximo à casa do prefeito e da sede da prefeitura, criticando a ausência de Greca. O prefeito não participou do único debate realizado por uma TV aberta no primeiro turno, na Band em 1º de outubro, alegando risco de contaminação do Covid. Greca ficou quatro dias internado com pneumonia causada pelo coronavírus, mas se recuperou rapidamente.

O momento mais tenso da campanha ocorreu já na penúltima semana da disputa, quando o candidato do PSL, Fernando Francischini, levou ao ar uma série de acusações, tentando acusar Greca de favorecer empresas de sua família em contratos de asfalto e desapropriação de imóveis. O prefeito comprovou não ter relação de parentesco com a empresa de asfalto e apontou que a compra do terreno em questão foi feita por critérios técnicos e preços de mercado. Na Justiça Eleitoral, Greca conseguiu três direitos de resposta contra Francischini e a proibição da veiculação das acusações, deixando o adversário fora da propaganda eleitoral no rádio e na TV na última semana de campanha.

PODE NÃO PODE
Não pode
- Uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata;
- arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna;
- divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos;
- publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdos nas aplicações de internet (podendo ser mantidos em funcionamento as aplicações e os conteúdos publicados anteriormente);
- aglomeração de apoiadores - Estão proibidas aglomerações de pessoas com roupa padronizada até o término do horário de votação;
Pode
Manifestação silenciosa - No dia da eleição, estão permitidas manifestações individuais e silenciosas da preferência do eleitor pelo uso de camisetas, bandeiras, broches e adesivos.

CASO DE POLÍCIA
PF prende cinco com panfletos apócrifos contra Greca
A Policia Federal instaurou inquérito para apurar panfletos falsos distribuídos, ontem de novembro, em vários pontos de Curitiba contra o prefeito Rafael Greca, candidato à reeleição pelo DEM. Cinco pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Militar, com sacos cheios de material que estavam sendo espalhados no Ceasa, Tatuaquara e demais bairros. Foram levados para a Polícia Federal.
“Minha campanha seguirá com a mesma alegria e amor por Curitiba“, disse Greca.