Publicidade
Curitiba 325 anos

Parques lembram os povos que ajudaram a formar a Capital

Roteiro mostra a cara da cidade na forma de monumentos e praças. Prefeito enaltece diversificação da população
Parques lembram os povos que ajudaram a formar a Capital

As comemorações pelo aniversário de 325 anos de Curitiba já começaram. Ontem, a Regional Matriz teve festa, com bolo, anúncio de obras e apresentações de grupos que representam as etnias que formaram Curitiba. Aliás, Curitiba apresenta bem essa diversidade, e tem em parques e praças os símbolos de diversos povos que ajudaram a construir a Capital.
Ao dizer Viva Curitiba com as cores de todos os países que formam a nossa herança, eu convido todos os curitibanos a usar esta tradição para tornar a cidade a capital brasileira da inovação a partir deste ano 325, disse o prefeito no evento de ontem na praça Rui Barbosa. Outra atração com grupos étnicos acontece no dia 25 de março, no Parque Tanguá, quando 325 bailarinos étnicos se apresentam em um flash mob com a música La Traviatta. No mesmo dia tem a grande desta no Parque Barigui, das 10 às 17 horas.
Roteiro
No ano passado, a Prefeitura publicou um roteiro com dez locais para celebrar as etnias e nacionalidades em Curitiba, além de ter criado um evento no Memorial de Curitiba, onde a Fundação Cultural promove o Pavilhão Étnico, com apresentações folclóricas de vários países e etnias.
O roteiro começa pela Parque Tingui, e é uma homenagem ao povo indígena que primeiro habitou a região de Curitiba. Numa das entradas do parque está a estátua do cacique Tindiquera, feita pelo artista plástico Elvo Benito Damo. No Tingui também está o Memorial Ucraniano, onde existe uma réplica da Igreja Ortodoxa de São Miguel Arcanjo.
Outros povos representados em logradouros de Curitiba são os negros, portugueses, alemães, espanhois, italianos, árabes, poloneses e japoneses.
Pavilhão
Criado para gerir a diversidade cultural das etnias de Curitiba, o Pavilhão Étnico, lançado em 7 de maio de 2017, revelou-se como uma iniciativa de sucesso. Com sete meses de existência, o programa acumulava até dezembro do ano passado 40 apresentações, com a participação de 60 grupos folclóricos e um público de 25.201 pessoas.
A programação, apresentada no palco da Praça do Iguaçu, deu um novo fôlego ao Memorial de Curitiba. O tradicional endereço do Centro Histórico passou a ser símbolo da identidade de todas as culturas étnicas nas suas mais variadas expressões, como a culinária, arte, música, dança e história.

Parques e homenagens

Parque Tingui
É uma homenagem ao povo indígena que primeiro habitou a região de Curitiba

Bosque Portugal
Possui um painel decorativo e vinte pilares decorados com azulejos pintados à mão, com trechos de poesias de autores brasileiros e lusitanos. O espaço foi inaugurado em 1994, no Jardim Social

Portal Italiano/Bosque São Cristóvão
O Portal Italiano foi inaugurado em setembro de 1990 e marca a entrada do bairro de Santa Felicidade, maior polo gastronômico da cidade e um dos marcos da cultura italiana na capital. O bairro também tem o Bosque São Cristóvão, onde acontecem as festas da comunidade

Praça Zumbi dos Palmares
Lado a lado, 54 totens de quatro metros de altura representando cada nação da África. Fica no Pinheirinho

Bosque Alemão
O Bosque Alemão é uma homenagem à imigração alemã em Curitiba e fica no Vista Alegre
Memorial Polonês
O Memorial Polonês foi inaugurado em 1980 para marcar a visita do Papa João Paulo II

Memorial Árabe
O Memorial Árabe foi inaugurado em 1996, para homenagear os imigrantes da região que contribuíram para a formação da cidade. Fica em frente ao Passeio Público

Memorial Ucraniano
O Memorial Ucraniano localiza-se no Parque Tingüi e foi inaugurado em 1995

Praça da Espanha
A Praça da Espanha foi inaugurada na década de 1990, e possui o Farol do Saber Miguel de Cervantes. Fica no Bigorrilho

Praça do Japão
A Praça do Japão é uma homenagem aos imigrantes japoneses e possui o Portal Japonês. Fica no Água Verde

DESTAQUES DOS EDITORES