Publicidade

Porta-voz ajusta tom e diz que Bolsonaro é parte da solução para Previdência

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após desentendimentos do governo com o Congresso, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse nesta segunda-feira (25) que o presidente Jair Bolsonaro se vê como parte do processo de aprovação da reforma da Previdência.

A declaração é um ajuste no tom que vinha sendo adotado pelo Executivo sobre a responsabilidade do avanço do projeto, considerado prioritário pelo Palácio do Planalto.

"O presidente fará todos os esforços necessários para que a proposta da Previdência avance sob a batuta agora do Congresso Nacional, mas entendendo que ele é parte também desta solução", disse Rêgo Barros.

Irritados com declarações do presidente em crítica à classe política e de que a responsabilidade pelo sucesso da proposta era do Congresso, parlamentares vinham cobrando comprometimento do governo  -e compartilhamento da responsabilidade- em relação à reforma.

"O nosso presidente se coloca ao lado do Congresso para juntos caminhar em prol da aprovação da Nova Previdência. O presidente entende, como percebe também parte do Congresso, a perene necessidade de que isso venha a ocorrer", afirmou.

Segundo ele, se isso não ocorrer, o Brasil vai mergulhar num "buraco sem fundo".

"Esse buraco sem fundo pode nos levar a uma desconstrução da sociedade e isso nós não desejamos e temos consciência que o nosso Congresso e nosso povo não deseja."

Sobre a troca de declarações duras entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o porta-voz negou que haja um clima azedo e disse que o presidente busca a paz.

"Embora o presidente não tenha sido boina azul [usada por integrantes da missão de paz da ONU], ele tem como lema 'tudo pela paz'. Ele procurará, como sempre procurou, a paz. Por meio da interlocução, convencer e até aceitar ser convencido sobre os pontos do Congresso", disse Rêgo Barros.

O porta-voz não soube confirmar se haverá um encontro entre o presidente e Maia nos próximos dias para pacificar a relação.

DESTAQUES DOS EDITORES