Publicidade
Copa 2018

Rússia quebra jejuns incômodos e mostra que euforia não é à toa

FÁBIO ALEIXO

MOSCOU, RÚSSIA (FOLHAPRESS) - A vitória por 3 a 1 sobre o Egito na terça-feira (19), somada ao triunfo anterior por 5 a 0 contra a Arábia Saudita, deixou torcedores russos em estado de euforia e a imprensa local confiante após o temor de que a seleção pudesse fazer feio na Copa do Mundo em casa.

Tal otimismo não é à toa. A Rússia conseguiu quebrar uma série de jejuns em apenas dois jogos do Mundial.

A última vez em que a Rússia havia conseguido emplacar uma sequência de vitórias foi em novembro de 2015. Após vencer Montenegro por 2 a 0 pelas eliminatórias da Eurocopa, fez 1 a 0 em amistoso sobre Portugal. A vitória sobre os portugueses fechou uma série de cinco triunfos seguidos.

Foram necessárias 30 partidas desde novembro de 2015 para a marca ser alcançada. É a primeira vez que isso ocorre sob o comando do técnico Stanislav Tchertchsov.

Esta foi ainda a primeira ocasião em que a Rússia conquistou duas vitórias numa Copa desde o fim da União Soviética, em 1991. De lá para cá, os russos passaram por outros três Mundiais. Ganharam uma partida em 1994 e 2002. Em 2014, não venceram nenhum.

Com apenas dois jogos em casa, a Rússia também quebrou seu recorde pessoal de gols marcados em uma única edição. A marca anterior era da Copa de 1994, quando fez sete. O detalhe é que seis foram em um único jogo, contra Camarões. Cinco deles feitos por Oleg Salenko.

Nas Copas de 2002 e 2010 juntas, a Rússia tinha conseguido marcar apenas seis gols. Quase quebrou a marca já no primeiro jogo ao fazer cinco nos sauditas.

Um outro feito histórico dos russos pode ser confirmado ainda nesta quarta-feira (20). Para avançar pela primeira vez às oitavas de final de um Copa, a Rússia só precisa que a Arábia Saudita não vença o Uruguai em jogo a partir das 12h (de Brasília), em Rostov-on-Don.

DESTAQUES DOS EDITORES