16º

Frente fria traz chuva ao Paraná e aumenta taxas de umidade

Instabilidade com ventos fortes podem se repetir hoje

23/07/08 às 00:00 - Atualizado às 00:33   |  Da redação do Jornal do Estado
Após quase um mês de  alertas das defesas civis municipal e estadual em relação à baixa umidade relativa do ar e o perigo de incêndios, alertas da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) para o uso racional da água, finalmente a chuva volta a aparecer no Estado. Em resposta ao bloqueio atmosférico presente em todo o país, a frente fria presente no Sul conseguiu se manter ativa e o tempo voltou a ficar instável. Ontem à noite, já choveu em Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba.
Na tarde de ontem, a nebulosidade já tomava conta da metade Sul do Estado e pancadas de chuva também puderam ser observadas no Sul e Oeste do Estado.

A Capital amanheceu ontem com o céu ainda aberto e ensolarado, mas nuvens carregadas começaram a  aparecer ao longo do dia. A chuva apareceu só à noite, mas a temperatura já apresentou sinais de queda e o sol foi embora dando lugar a um céu cinzento e pesado com ventos. As temperaturas chegaram a 25 ºC no início da tarde, mas o aumento das nuvens fez com que os termômetros baixassem à 20 ºC.  Segundo o Instituto Meteorológico (Simepar), a previsão é que entre hoje e amanhã o tempo seco seja tomado pelas pancadas de chuva. As chuvas devem ocorrer preferencialmente na parte da tarde e atingem, primeiramente, Oeste, Sudoeste e Sul do Estado. Em Curitiba, as temperaturas vão variar de 12 ºC a 22º C. As precipitações podem aparecer de forma mais intensa em alguns momentos e acompanhadas de trovoadas e rajadas de ventos fortes.

Ventos fortes — Ontem, os ventos já causaram estragos isolados em alguns pontos de Curitiba. No Bigorrilho, uma árvore caiu em cima de poste e desligou a energia para 5 mil casas e empresas da região. Galhos também caíram nos bairros Bacacheri e Bairro Alto.
Umidade — As chuvas são essenciais para amenizar o princípio de estiagem no Estado. De acordo com o Simepar, o último episódio de precipitação foi no dia 29 de junho, mas na ocasião as chuvas foram bastante irregulares e com pequeno volume. No mês de julho, uma extensa massa de ar seco cobriu grande parte do País e inibiu o desenvolvimento de nuvens.  Nos últimos 20 dias, a umidade relativa do ar em Curitiba ultrapassou  diversas vezesa marca recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 30%, e chega a 65%. O número bateu a marca dos 28% esse mês. No Norte do Estado, a temperatura permanece elevada e a umidade chegou a 27% em alguns municípios. Porém, com a chegada da chuva, os  índices devem ser normalizados. “A seqüência de dias secos foi quebrada pela entrada da frente fria, e na quarta-feira à tarde não serão mais registrados valores baixos de umidade do ar, embora a chuva prevista ainda não apresente volumes significativos”, disse a meteorologista Sheila Radmann da Paz .

Incêndios — A chuva também deve segurar o número de incêndios no Estado. Por causa da seca, até a metade de mês de julho, o Corpo de Bombeiros registrou um acréscimo de 224% em casos de incêndios se comparados ao mês de junho inteiro.
Publicidade
0 Comentário