O Bebê-Diabo e eu

13 setembro, 2008 às 09:02  |  por Marcus Vinícius

A coluna Toda Política deste sábado no JE.
00-bebediabo.jpg

Foi na década de 70. Pequeno, dei de cara com o “Notícias Populares” no varal da banca – era assim que lia-se jornal naquela época, ó internautas incautos. “Médico afirma: o Bebê-Diabo nasceu no ABC”. E não tinha nada a ver com greve de metalúrgico. Era o Tinhoso mesmo.

Antes, o filme “O Exorcista” lotara os cinemas. Minha mãe, acompanhada de meu pai e, se não me falha a memória, uma tia gorda que passava a temporada no quarto e sala em que nos entulhávamos, ficara horas na fila do Ipiranga para ver Linda Blair fazer xixi no tapete, vomitar verde e fazer fuc-fuc com a cruz. Em princípio disposta a enfrentar a turba, ela ficara macambúzia e sorumbática por motivo singelo. Afinal, não convencera meu pai a atravessar a rua até o Marabá, onde a jujuba era farta e a pipoca, amanteigada. Que diabo!

As filas ganharam espaço no Jornal Nacional, então apresentado por Cid Moreira, que ainda alisava o cabelo com “Trim”. Em casa, minha irmã religiosa acendera uma vela e rezara até o fim da sessão de cinema, por volta das 11 horas da noite. Já acomodado no alto do beliche, ouvi o  barulho da chave, seguido de sussurros. Foi só. Nunca houve comentários sobre o filme. Por sorte, conseguimos uma cópia do livro de William Peter Blatty e passamos noites em claro, aterrorizados, imaginando que o esfrega-esfrega no andar de cima era o desgracildo fazendo seus ruídos de praxe antes de se introduzir em nossa casa sem pedir licença (as revistinhas do Carlos Zéfiro vieram depois). Na semana seguinte, estávamos todos matriculados na primeira comunhão do Colégio Samaritano Coração de Jesus. Pura precaução.

Quando o “Bebê de Rosemary”, de Polanski, foi lançado, instalou-se o pânico. Novamente meus pais seguiram para o cinema acompanhados, se não me falha a memória, de uma tia gorda que permanecia em temporada paulista. Foi então que o “Notícias Populares” oportunamente inventou o bebê-diabo nascido na Região Metropolitana de São Paulo e tratou de assombrar a minha infância já devidamente assombrada por mendigos cegos, estandartes da TFP, urutus blindados, soldados da Força Pública, vick vaporub, dentistas de escolas públicas e pelo homem do baú da felicidade, que substituíra o homem do saco.

O bebê-diabo revigorou nossos medos e encarnou outros tantos. Como a série foi longa, sempre decorada com montagens toscas do chifrudinho, guardei os jornais por longo tempo até que minha mãe resolvesse exorcizá-los. Não reclamei. Àquela altura, o NP já substituíra o filho do capeta nascido em bairro operário (ok, capitalismo, você venceu)  por discos voadores, homens cobras, ratos gigantes  e, horror dos horrores, a loira do banheiro, responsável pela continência urinária de uma geração inteira.

Pavor semelhante só ressurgiu anos mais tarde quando Tetê Espíndola cantou “Escrito nas Estrelas” num festival de MPB. Lembro que dormi com o abajur aceso durante uma semana. Pura precaução.

Deu no JB
O PT trabalha a proposta de mandato de cinco anos, sem reeleição, para o Executivo. O projeto de lei é de autoria do líder do PT na Câmara , Maurício Rands (PE), e deve ser apresentado ao presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, neste fim de semana.

Bonificação
O Departamento de Recursos Humanos da Appa enviou à diretoria financeira, no dia 5 deste mês, ofício sobre pedidos de empenho (o que significa contas a pagar) a respeito de  “verbas rescisórias” do ex-funcionário da empresa que atende pelo nome de Eduardo Requião de Mello e Silva. Indenização à vista?

Sem-terra e sem-voto
O governo pode engrossar a caminhada Moreira Prefeito neste sábado, na Boca Maldita, com membros do MST, que ocuparam ontem a sede do Incra, em Curitiba. É a fome com a vontade de comer.

Ameaça à vista
Sobrinho do empresário Cecílio Rêgo Almeida, falecido neste ano, o candidato a vereador Caco Almeida (PSDB) está tirando o sono de tucanos velhos de guerra, preocupados com a possibilidade de perder a cadeira.

Levanta-te
Denúncias de que candidatos estariam fixando propaganda em áreas de uso comum como templos religiosos, estacionamentos, clubes, cinemas e lojas comerciais fez com que o TRE do Paraná despertasse de sono esplêndido. A lei eleitoral 22718, artigo 13, parágrafo 2º proíbe a propaganda nestes locais.

ARREMATE
O candidato do PTB à prefeitura de Curitiba, Fábio Camargo, promete publicar livro-bomba após a eleição em que contará os bastidores da campanha. O ghost-writer será o jornalista Eduardo Mira.

OBLADI-OBLADÁ
Gleisi Hoffmann do PT resolveu bater nos postos de Saúde de Curitiba. Não há dia em que ela não denuncie morte nas “filas invisíveis” de atendimento. *** “Inocêncio” deve ser o nome do fiscal da Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro que afirmou que as urnas eram invioláveis e que o traficante não teria como descobrir se fulano eleitor votou neste ou naquele candidato. *** Ora, claro que pode. Basta comparar o mapa de votação de cada seção com o número do título eleitoral dos moradores ameaçados. *** É dessa maneira que procedem aqueles que compram votos. *** O fiscal deveria saber.

marcusvrgomes@uol.com.br

1 Comentários

2 ideias sobre “O Bebê-Diabo e eu

  1. Marcia

    A Gleisi deveria se preocupar é com Ministério da Saúde!!!

    UNE É EXPULSA DA UFSC
    http://br.youtube.com/watch?v=LYDGWJ15yGE

    “Uma caravana de estudantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) adentrou o campus da UFSC, embarcada num novíssimo ônibus do Ministério da Saúde (do ministro Temporão, aquele do plebiscito do aborto). Invadiram o prédio do Centro Tecnológico para interromper as aulas e fazer baderna. Foram expulsos pelos estudantes e professores, não sem violência física. Travestidos de palhaços e outras fantasias alegóricas estranhas à universidade e portando a bandeira nacional, migraram para outras dependências do campus, continuando a baderna. O absurdo é que enquanto o Ministério da Saúde provê um luxuoso meio de transporte a esses estudantes profissionais, subsidiados com verbas públicas de R$ 700 mil por ano, não há transporte para os segurados do SUS, não apenas para transportá-los aos hospitais, mas até para dar assistência aos familiares, na amarga situação de resgatar os cadáveres dos que morrem às portas dos hospitais.”

    Sergio Colle
    Professor na UFSC – Florianópolis

    É para isso que eles a CPMF… FORA corruPTos!!!

  2. aryana

    É de se espantar com tamanha besteira, bebe demonio, kkk. Temos outras atitudes mais “demoniacas” para se preoculpar, como por exemplo as mortes causadas por desastres naturais incontrolaveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>