• 28/06/2018

    Há várias opções de colônias de férias em Curitiba: de música à robótica

    Há várias opções de colônias de férias em Curitiba: de música à robótica
    (Foto: Valquir Aureliano)

    As férias de julho se aproximam e os pais novamente se vêem naquele dilema: onde deixar as crianças enquanto trabalham?  Felizmente, a cada no que passa, mais escolas e instituições oferecem alternativas para as férias das crianças e com temas diferentes. Há opções mais lúdicas, mais esportivas e até mais tecnológicas. Os preços também variam bastante. O importante é garantir, e logo, as vagas.


    Entre os dias 2 e 27 de Julho, a AABB Curitiba realizará a Colônia de Férias de Inverno de 2018. A organização é em uma parceria com a Casa Poppins, que trabalha diariamente com crianças em período de contra turno, oferecendo diversão, aprendizado e lazer, com um cuidado que envolve educadores, psicólogas e nutricionistas. A Colônia de Férias receberá crianças de quatro a 10 anos oferecendo jogos, artes e oficinas temáticas. As atividades serão realizadas de segunda a sexta-feira pela manhã, das 8h às 12h, e a tarde das 14h às 18h. O turno integral é das 8h às 18h. “A programação será dinâmica, sendo definida junto com as crianças no dia a dia, que terão várias opções artísticas e esportivas” explica a organizadora do evento, Nany Semicek. Os planos são diários e semanais, com valores a partir de R$ 50,00 para não-sócios da AABB CURITIBA. Mais informações no telefone (41) 3019-2129.


    O Mais Quintal – Espaço de Brincar também está com as inscrições abertas para a Colônia de Férias para crianças a partir de 3 anos, com muitas brincadeiras ao ar livre e oficinas criativas, perfeitas para as crianças mais lúdicas. A semana no período integral sai por R$ 550, 3x na semana, R$ 360 e a diária, R$ 130. Com  período de quatro horas, a semana sai por R$ 290, 3x por semana, R$ 185 e a diária, R$ 70.  A Mais Quintal – Espaço de Brincar fica na Rua Deputado Carneiro de Campos, 71. Hugo Lange. O telefone é (41) 3252-4502.
    A CEI Primeira Opção, no São Lourenço, oferecerá colônia de férias no período integral (das 7 às 18 horas) e meio período. No programa, oficinas de artes e material reciclável, jogos esportivos e tabuleiros, atividades lúdicas, como circo, capoeira e musicalização, além de culinária. O preço semanal integral é R$ 175, com refeições e meio período, R$ 140. A CEI aceitará crianças de 4 meses a 8 anos de outros colégios também. A CEI Primeira Opção fica na Rua Arnaldo Granato, 38, no São Lourenço,  telefone: (41) 3152-0304

    A Happy Code Curitiba promete muito aprendizado e diversão para crianças e adolescentes nas férias de julho. A escola, que é referência em tecnologia e inovação, oferecerá cursos de  Roblox Player e o Roblox Studio para criação de mundos e assets próprios para utilização neste jogo incrível. programação de Games, Aplicativos, Robótica, Drones, Animação 3D, Minecraft e Youtuber. Para mais informações entrar em contato pelo WhatsApp (41) 99290-4423. Os cursos avulsos duram quatro dias com aulas de 1h30 cada e custam R$ 280 mais R$ 75 do material didático. A colônia de férias são cinco dias com atividades durante quatro horas e o o preço é R$ 480 maisR$ 150 do material didático.  Dependendo do curso, a idade mínima é cinco anos.  A Happy Code fica na Rua Desembargador Otávio do Amaral, 457. Bigorrilho.

    O Espaço NAV oferece dois ambientes para garantir a diversão no período de férias: o Espaço de Brincar e o Coworking. No Coworking, um espaço voltado à aprendizagem lúdica de ciência e tecnologia, será desenvolvido a cada dia um projeto A,C&T (arte, ciência e tecnologia). Ao término do projeto, momentos de testes e competição garantem o sucesso da experiência. No Espaço de Brincar as crianças, além de brincar, desenvolvem atividades lúdicas e participam de oficinas criativas.  Os produtos dos projetos A,C&T e das oficinas criativas desenvolvidos pelas crianças poderão ser levados a cada dia para casa. No Espaço NAV, a  diária entre 14h e 18h custa R$90,00 e o pacote de 5 diárias fica em R$350,00. O Espaço Nav fica no Shopping Crystal - Piso L2 - Rua Comendador Araújo, 731. O telefone é (41) 3222-4797.

    As férias podem ser uma boa oportunidade de aproximar os pequenos do mundo da arte.  A Gymboree Curitiba também terá colônia de férias, mas será em um formato diferente, com atividades apenas no período da manhã em alguns dias da semana. Serão duas semanas entre 9 e 20 de julho, segundas, quartas e sextas das 10 às 12 horas, com oficinas de Play & Learn, Music, Art. O valor é R$100,00 com lanche e as oficinas são direcionadas para crianças de 3 a 6 anos. A Gymboree Curitiba fica na Rua Martim Afonso, 3038. Campina do Siqueira. Curitiba – PR (41) 3311-2000 ou pelo whatsApp (41) 98752-8010. Montessori e Música oferecerá colônia de férias de 2 a 6 de julho, das 14 às 18 horas, com o preço de R$ 70.

    A Ziriguidum Escola de Música fica na Rua Jaime Balão, 416. Hugo Lange, telefone (41) 31514549 e email [email protected] 

    Outra opção legal é a Colônia de Férias da Bailarina no Studio Juliana Ribeiro de 9 a 19 de julho. São aulas de jazz, dança contemporânea, balé, salsa e acrobacia. Por dia, a colônia sai R$ 80, duas vezes or semana R$ 140, a semana R$ 250 e as duas semanas, R$ 450. O Studio de Dança Juliana Ribeiro  fica na Rua Chile, 1877, Rebouças.  Para mais informações: 41 3026 4236 | 41 3024 8825 -  Whatsapp: 41 99688 9859.

    Sesc PR abre inscrições para o projeto ‘Brincando nas Férias’
    Vinte e sete unidades do Sesc do Paraná estão com inscrições abertas para mais uma edição de inverno do Brincando nas Férias, projeto que visa ao entretenimento e à ocupação do tempo livre das crianças de 6 a 12 anos no período das férias escolares, em julho. Em Curitiba, a colônia vai acontecer no  Paço da Liberdade nos dias 24 e 25 de julho.  no Portão, de 16 a 27 de julho e no Sesc da Esquina, de  16 a 27 de julho.  A programação do evento ocorre de segunda a sexta-feira e envolve atividades recreativas, ações educativas e lúdicas, como gincanas, jogos de tabuleiro, brincadeiras, caça ao tesouro, apresentações artísticas, passeios, oficinas e grandes jogos, tudo num ambiente seguro e com o monitoramento de profissionais da entidade.
    Nesta edição, o tema é Copa do Mundo – Valores do Esporte.  A temática esportiva norteia a decoração e as apresentações artísticas do evento, resgatando valores necessários à prática de esportes.
    O Sesc Brincando nas Férias é oferecido para dependentes de trabalhadores do comércio e o público em geral. A expectativa é que 2.250 crianças sejam atendidas em todo o estado. Informações sobre valores, programação e disponibilidade de vagas podem ser obtidas diretamente no SAC do Sesc PR. 

  • 12/05/2018

    A oportunidade de Florescer

    Da última vez que vim aqui estava prestes a começar uma jornada de autoconhecimento (para entender). E ela terminou em Dezembro passado, mas, eu precisei de tempo para assimilar tudo que ela me despertou (história pra outro post ;) ).  Hoje vou contar como foi essa experiência.

    Quando comecei o Florescer não fazia ideia de como ele traria tantas novas percepções para minha vida.  A verdade é que ao longo da nossa caminhada de autoconhecimento – incluo aqui todas as mulheres maravilhosas que o fizeram comigo – a gente acaba olhando exatamente para onde passamos grande parte da vida desviando.

    Tudo aquilo que de alguma forma nos incomoda, não gostamos e em alguns casos nos traumatizou. Mas a diferença é que ali se cria um ambiente realmente seguro para falar, chorar, rir e SER você verdadeiramente. Sem máscaras, sem esconderijos e desculpas.

    A cada porta uma fase. Um momento/aspecto da vida foi tratado. Sempre com o intuito de nos fortalecer, para que possamos caminhar com as próprias pernas até os objetivos que traçamos, quebrando ciclos de comportamento – que às vezes atravessam gerações –, mudando hábitos e trazendo resoluções eficazes para a vida. Florescendo no sentido mais real dessa palavra.

    Como se não bastasse, o Florescer nos faz mergulhar de cabeça no contato com o que há de mais sagrado em cada ser.  E assim, de fato, se forma uma irmandade entre as mulheres participantes a cada novo ciclo e de todos eles.

    Então eu só recomendo ele para todo mundo que eu conheço – os homens podem fazer o Caminhos do Coração <3. Porque para mim foi transformador, agregador e gerador de coisas, sentimentos e pessoas maravilhosas. Seja pela oportunidade de aprendizado e resgate de tantos saberes ancestrais, seja pelo privilégio de poder ter um tempo para se reconectar consigo e com a beleza , a alegria e os desafios de ser quem se é.

    Sou grata. Sempre.

    Só é possível auxiliar na cura do outro quando você já está curada.
    Curar a si para curar outras. Fonte da imagem:reikiforest.pixnet.net

    E se você se interessou, te conto que tudo isso acontece duas vezes por ano na região metropolitana de Curitiba, no meio da natureza com vista pra serra do mar. Para saber mais acesse: cirandadascurandeiras.com ou siga pelas redes sociais @cirandadascurandeiras

  • 02/05/2018

    Oficinas para mães e filhos no Mercado Municipal

    Oficinas para mães e filhos no Mercado Municipal
    (Foto: Paula Martins)

    O Mercado Municipal de Curitiba dá sequência à programação que brinda os seus 60 anos de atividades e promove dois sábados de eventos para comemorar o Dia das Mães. As mamães poderão participar de uma oficina para confeccionar um chaveiro de amigurumi, uma técnica de crochê que tem ganhado destaque em Curitiba. Serão duas sessões em cada sábado, das 10h às 12h. Os filhos também são muito bem vindos e para isso, a Praça de Orgânicos recebe um espaço lúdico brincante com oficinas criativas para mães e filhos. Podem participar crianças de todas as atividades. Entre as opções, estão Confecção de Lápis de Borboleta, Confecção de Flores em Papel, entre outras.

     

    No sábado que antecede o Domingo das Mães, dia 12 de maio, será oferecido um café da manhã completo para que mães e filhos desfrutem juntos. E em ambos os dias, os clientes serão surpreendidos por um mímico que vai fazer interações com os visita. Toda a programação é gratuita e tem vagas limitadas. A inscrição precisa esr feita no local até 15 minutos antes. A realização é da Ascesme – Associação dos Comerciantes Estabelecidos no Mercado Municipal de Curitiba, tem apoio da SMAB – Secretaria Municipal do Abastecimento e produção do Criança na Plateia + Pintando na Calçada.

     

    Sábado 05 de maio - 10h – abertura do evento com presença do Mímico

    Programação para as Mamães

    10h às 12h – Oficina de Amigurumi

    14h às 16h – Oficina de Amigurumi

     

    Programação para Mamães e Filhos

    10h às 11h – Oficina Meu Cartão Personalizado para a Mamãe

    11h às 12h – Oficina Customização de Embalagem do Mimo para a Mamãe

    12h às 13h – Oficina Meu Lápis Ganha Asas de Borboletas

    13h às 14h – Oficina Flores em Papel para o Jardim da Mamãe

     

    Sábado 12 de maio - 09h – Café da Manhã das Mães com presença do Mímico

    Programação para as Mamães

    10h às 12h – Oficina de Amigurumi

    14h às 16h – Oficina de Amigurumi

     

    Programação para Mamães e Filhos

    10h às 11h – Oficina Customização de Embalagem do Mimo para a Mamãe

    11h às 12h – Oficina Dobradura e Customização de Coroa para a Rainha Mamãe

    12h às 13h – Oficina Pintando com a Mamãe – Criando e Colorindo Flores

    13h às 14h – Oficina Papel, Criação & Arte Cartão para Mamãe

     

    Sugestão de tags: #diadasmães; #mamãeefilhos; #mercadomunicipaldecuritiba;

     

    Serviço

    O que: Dia das Mães

    Onde: Mercado Municipal de Curitiba

    Quando: dias 5 e 12 de maio

    Quanto: gratuito

    Produção: Criança na Plateia + Pintando na Calçada

    Parceiro: Armazém das Embalagens

     

     

  • 20/04/2018

    ONG faz alerta para pais e educadores sobre os riscos do app SimSimi

    ONG faz alerta para pais e educadores sobre os riscos do app SimSimi
    (Foto: Paula Martins)

    Atenção, pais e mães, para uma importante informação. A SaferNet Brasil tem recebido várias denúncias relatando diálogos impróprios para crianças e incitação ao crime pelo aplicativo SimSimi, criado em 2002 pela empresa coreana ISMaker e que começou a se popularizar no Brasil em 2014. O funcionamento do app é baseado em Inteligência Artificial (IA), e as respostas são geradas automaticamente por um algoritmo que “aprende” com base nas interações com usuários em cada país/idioma.

    A SaferNet Brasil testou a versão em português do aplicativo, destinada ao público brasileiro, e constatou falhas graves no funcionamento do algoritmo de Inteligência Artificial (IA) e na implementação das políticas de conteúdo divulgada pelos desenvolvedores do app em seu blog oficial.

    De acordo com os termos de uso* do app, usuários maiores de 13 anos são proibidos de ensinar ou publicar “bad words” (palavras ruins) ao SimSimi. Dentre estas proibições, destaca-se:

    1) Conteúdo que descreve atos sexuais explícitos;
    2) Conteúdo que retrata ou incentiva violência excessiva ou outra conduta perigosa;
    3) Conteúdo que inclui ou incentiva ameaças, assédio ou intimidação;
    4) Conteúdo que inclui ou incentiva o abuso sexual de crianças.

    Entretanto, em menos de 5 minutos de interação com a equipe da SaferNet Brasil, o algoritmo de inteligência artificial do SimSimi espontaneamente violou as próprias políticas de conteúdo que deveria implementar, e explicitamente veiculou mensagens com incentivo ao abuso sexual de crianças.

    Esses resultados evidenciam que os desenvolvedores do app perderam o controle sobre o comportamento do algoritmo de Inteligência Artificial, que tem funcionado a partir de parâmetros contraditórios às políticas e termos de uso do app, tornando-se nocivo sobretudo para usuários vulneráveis e em situações de sofrimento psicológico.


    O aplicativo tem se disseminado rapidamente nas escolas brasileiras, preocupando pais e educadores. A SaferNet Brasil tentou, sem sucesso, entrar em contato com os desenvolvedores do aplicativo para reportar os problemas encontrados e pedir providências imediatas.

    Enquanto o problema não for definitivamente resolvido, recomendamos aos pais e educadores que conversem com as crianças e adolescentes e desinstalem o aplicativo SimSimi dos tablets e smartphones.

    Este episódio é mais uma oportunidade para estabelecer uma rotina familiar de acompanhamento do uso que as crianças fazem das tecnologias digitais. Dentre as orientações da SaferNet para pais, destacamos a importância de:

    1. Estabelecer limites de tempo e negociar o tipo de acesso dos seus filhos aos conteúdos online, desde os primeiros cliques. Distribua o uso das telas digitais entre outras atividades de lazer e atividades sem tecnologias;

    2. Selecionar previamente jogos, aplicativos e portais apropriados para as crianças e, sempre que possível, negociar os acessos a novos conteúdos de acordo com a idade mínima estabelecida. Uma forma simples e fácil de gerenciar os aplicativos que seu filho pode usar e ficar de olho no tempo que ele passa na tela é instalar o app Family Link, disponível para plataformas Android. Veja como funciona: https://families.google.com/intl/pt-BR/familylink/

    3. Sempre colocar-se disponível para ajudar a criança se ela se sentir incomodada com algo online. Mais importante do que dominar tecnicamente os aparelhos e apps, é preciso acolher sem julgamento para que as crianças não escondam situações de risco;

    4. Saber que simplesmente proibir o uso não educa e nem previne, mas educar protege.

    A SaferNet Brasil oferece gratuitamente orientações para pais, crianças e adolescentes que estejam com dúvidas ou passando por situações de violência. Basta acessar: http://www.canaldeajuda.org.br

     

  • 18/04/2018

    Saiba o que é e como tratar a doença Pé, Mão e Boca

    Saiba o que é e como tratar a doença Pé, Mão e Boca
    (Foto: Maurilio Cheli/SMCS)

    As mães e pais curitibanos andam assustados com uma onda de SÍndrome Pé, Mão e Boca. E não é para menos, afinal até a secretaria Municipal de Curitiba emitiu alerta para a doença. 

    Mas o que é essa doença esquisita?  Trata-se de uma infecção viral contagiosa, causada por um enterovírus (Coxsackie A), que acomete principalmente crianças com menos de 5 anos de idade (mais frequente dos 6 meses a 3 anos) e que se caracteriza por lesões na cavidade oral e erupções nas mãos e pés.

    A transmissão do vírus ocorre pelo contato direto com secreções das vias respiratórias, como a saliva, por exemplo, , secreções das lesões das mãos e dos pés, fezes das pessoas infectadas ou ainda pelo contato com brinquedos e objetos contaminados por estas secreções. Ou seja, bem fácil de pegar principalmente nas escolas e creches. 

      “Quando falamos no contato direto, se a pele estiver sem lesões, abraçar ou pegar na mão não transmite a doença. Mas se essas vesículas da pele estiverem rompidas pode haver o contágio. Outro exemplo, são os objetos que podem conter saliva, como por exemplo, os brinquedinhos que os bebês colocam na boca, esses sim podem ser uma fonte de transmissão”, diz a pediatra do Hospital Nossa Senhora das Graças, Dra. Marcilene Teixeira Lima Oku.


    De acordo com a pediatra, a doença pode causar diversos sintomas. “A manifestação começa como se fosse um quadro viral comum, como outro qualquer. Os primeiros dois e três dias costumam vir com febre, muitas vezes bem alta, então aparecem as lesões na boca, e após alguns dias lesões na pele, que costumam ser principalmente nas palmas das mãos e na planta dos pés. Entretanto, elas não ficam restritas apenas a essas regiões, podem aparecer,  mesmo que com menos frequência, nas nádegas, nos joelhos, cotovelo, no tronco”, explica a pediatra. O período de incubação do vírus é de 1 a 7 dias até surgir o quadro completo ou parcial da doença.


     Como a boca faz muitas aftas, alimentar as crianças nessas condições segundo a médica, é um desafio. Com as defesas do organismo, o quadro clínico melhora espontaneamente, de 7 a 10 dias, e o tratamento será direcionado para amenizar os sintomas, com o auxílio de antitérmicos, medicamentos para coceira e analgésicos prescritos pelo médico. “Como a doença tem um tempo de duração, o tratamento irá ajudar a criança passar esse momento de dor e dificuldade”, relata a médica.

    Para diminuir o contágio, a pediatra faz um alerta. “Criança febril, de preferência, não deve frequentar a escola. Na fase da transmissibilidade quanto mais crianças tiverem contato com o vírus mais casos irão aparecer”, afirma.

    Segundo a especialista a doença é muito frequente, no Brasil o número é de até 150 mil casos por ano. “O outono é a época que mais surge, por isso atualmente há uma procura muito grande nos pronto-atendimentos”, acrescenta. Sobre a possibilidade de contrair a doença mais de uma vez a médica diz que é possível. “ Infelizmente a criança não desencadeia imunidade a longo prazo, a doença pode acontecer mais de uma vez, mas muito difícil no mesmo ano”, finaliza.

    Tratamento

    O diagnóstico da doença costuma ser clínico, sem necessidade de exames laboratoriais na maioria das vezes. De acordo com Oliveira, assim como para a maioria das infecções virais, não existe um tratamento específico para esta doença, sendo recomendados medicamentos sintomáticos (antitérmicos, analgésicos, etc), repouso e alimentos leves, frios e pouco condimentados.

    Veja as medidas para prevenir a disseminação da doença:

    · Intensificação das medidas de higiene, como lavagens das mãos, higienização das superfícies e dos brinquedos, não permitir compartilhamento de chupetas, mamadeiras, talheres e copos.  

    · Afastamento das pessoas doentes (da escola ou do trabalho) até o desaparecimento dos sintomas (geralmente cinco a sete dias após início dos sintomas).

  • 19/03/2018

    Coelho ganha status de Papai Noel nos shoppings de Curitiba. Veja programação de Páscoa

    Coelho Páscoa - Shutterstock Para os shoppings de Curitiba e Região, o coelho da Páscoa ganhou status de Papai Noel. Para aumentar o movimento nesta época do ano,  alguns shoppings de Curitiba e Região apostam em eventos especiais para a data. Alguns já anunciaram as suas atrações No Shopping São José, no próximo sábado (24), às 17 horas, o Coelho da Páscoa tem um encontro marcado com as famílias.  o Coelho chegará na entrada principal do Shopping, fará um passeio pelos corredores e depois receberá os pequenos no Teatro Casa da Árvore para realização de fotos.  O Coelho da Páscoa ainda retornará ao Teatro do São José para receber as crianças. Nos dias 25 e 31 de março, das 15h às 18h, e nos dias 28 e 29 de março, das 17h às 20h. Os visitantes podem participar da sessão de fotos com imagens profissionais e impressas no local pelo valor de R$12,00 ou fazer a captura de forma gratuita com celulares. Mais informações podem ser encontradas no site: www.shoppingsaojose.com.br. O  Pátio Batel vai receber a Oficina do Sr. Coelho, onde as crianças poderão montar cartolas com orelhas gigantes e realizar pintura facial nos dias 23, 24, 25, 30, 31 de março e 01 de abril. A oficina vai estar no Piso L2, no Lounge Bolhas e terá capacidade para 30 crianças. O cadastro para entrada pode ser realizado na hora. Apenas as crianças menores de 3 anos devem permanecer acompanhadas do responsável. No Shopping Jardim das Américas, haverá a Caça aos Ovos, onde as crianças irão percorrer todo o mall com mapas para a busca dos tesouros de chocolate. Serão realizadas seis Caças aos Ovos por dia. A atividade acontece no Shopping Jardim das Américas somente nos dias 24, 25, 30, 31 de março e no domingo de Páscoa dia 1º de abril, das 14h às 20h. Vale lembrar que cada Caça aos Ovos terá capacidade para atender 10 crianças por vez. O local de concentração será a Praça de Eventos, no 2º piso. A entrada do evento é gratuita e as inscrições serão realizadas antecipadamente conforme disponibilidade de vagas através do e-mail [email protected] Podem participar crianças de 04 a 12 anos. Esta ação será possível pela parceria do Shopping com o quiosque 10 Doces e com a loja Joca Brinquedos e outros lojistas do shopping. O regulamento está disponível em www.shoppingjardimdasamericas.com.br. Em paralelo à Caça aos Ovos, estará acontecendo também na Praça de Eventos – 2º piso o Clubinho Kids de Páscoa, com oficinas de orelha de coelhos e desenhos temáticos para colorir. As atividades estarão disponíveis também nos dias 24, 25, 30, 31 de março e no domingo dia 01 de abril das 14h às 20h. Entre os dias 16 de março e 01º de abril, a criançada poderá se divertir no evento de Páscoa do Shopping Total Curitiba. Entre as atividades, acontece uma oficina de enfeites que remetem à data, onde os pequenos monitorados por promotoras vão confeccionar suas próprias guirlandas para presentear às famílias. Além disso, os pequenos poderão “mergulhar” em uma piscina de bolinhas e encontrar coelhinhos de pelúcia na brincadeira. O ingresso do evento custa R$ 5,00 e acontece na Praça de Eventos do Shopping. Na saída da atração, cada criança ganha um kit de Páscoa para levar para casa. Serviço Pátio Batel - Av. do Batel, 1868 - Batel, Curitiba Shopping São José  - Rua Izabel A Redentora, 1434 – Centro, São José dos Pinhais (PR). Shopping Jardim das Américas - Av. Nossa Sra. de Lourdes, 63 - Jardim das Americas, Curitiba Shopping Total -  R. Itacolomi, 292 - Portão -  Curitiba    
  • 19/03/2018

    Biblioteca Pública do Paraná realiza Semana do HQ

    A Biblioteca Pública do Paraná realiza, de 19 a 24 de março, a “1ª Semana de HQ da BPP”. O evento conta com oficinas de criação, lançamentos de livros, feira e escambo de HQs e bate-papos sobre o universo dos quadrinhos. A abertura acontece na segunda-feira (19), às 17h30, no hall térreo, com a inauguração de uma mostra que reúne trabalhos de artistas que participam da programação. A entrada é gratuita e não é necessário fazer inscrição para participar das atividades.

    No dia 19, às 18h30, Marcelo Oliveira ministra a primeira aula da oficina “Aprendizado de Roteiro Básico para HQ”, na Gibiteca (2º andar da BPP). Já no dia 20, acontece um bate-papo sobre quadrinhos infantis, com Márcia Garcia, às 14h, no auditório, e Oliveira ministra a aula final de sua oficina, novamente na Gibiteca, às 18h30.

    Na quarta-feira (21), Liber Paz, da companhia de quadrinhos independentes Social Comics, participa de um bate-papo, no auditório, às 10h. Na Seção Infantil, às 14h30, Ursa Maior ministra uma Oficina de Criação de Personagem. Às 18h30, acontece — na Arena BPP — a mesa-redonda “Quadrinhos em Curitiba”, com mediação de Fulvio Pacheco.

    Na quinta-feira (22), duas oficinas são realizadas na Seção Infantil. Às 10h, Amanda Barros e Ariel Morais da Cunha, da editora Ursereia, apresentam noções de desenho infantil para HQ (o curso volta a ser ministrado no dia 23, às 14h30). Às 17h30, Mylle Silva explica a escrita criativa voltada para roteiros de quadrinhos. E na Gibiteca, às 18h30, Fulvio Pacheco ministra uma Oficina de HQ.

    Tako X comanda a Oficina Básica de HQ no dia 23, às 10h, na Seção Infantil. Já às 18h30, Fulvio Pacheco conduz o bate-papo “Jovens Quadrinistas de Curitiba”, na Arena BPP.

    Para encerrar a “1ª Semana de HQ da BPP”, acontece uma feira e escambo de quadrinhos a partir das 9h30 do dia 24, no hall térreo. E às 11h30, na Arena BPP, sessão de autógrafos e distribuição de tirinhas com Tako X.

    Serviço
    1ª Semana de HQ da BPP
    De 19 a 24 de março, em diferentes espaços da Biblioteca 
    R. Cândido Lopes, 133, Centro — Curitiba/PR
    Entrada franca

  • 16/03/2018

    Sim, a estranha doença mão-pé-boca anda pelos lados de Curitiba

    Maurilio Cheli/SMCS Maurilio Cheli/SMCS Você certamente conhece alguma criança que nos últimos dias teve a esquisita doença mão-pé-boca.  Pois é, ela está bem forte pela Região Metropolitana de Curitiba. Tanto que a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba soltou orientação sobre ele. E atenção, papais e mamães: medidas de higiene são essenciais para evitar surtos da doença mão-pé-boca. Trata-se de uma infecção viral contagiosa, causada por um enterovírus (Coxsackie A), que acomete principalmente crianças com menos de 5 anos de idade (mais frequente dos 6 meses a 3 anos) e que se caracteriza por lesões na cavidade oral e erupções nas mãos e pés. A transmissão do vírus ocorre pelo contato direto com secreções das vias respiratórias (como a saliva, por exemplo), secreções das lesões das mãos e dos pés, fezes das pessoas infectadas ou ainda pelo contato com brinquedos e objetos contaminados por estas secreções. Sintomas - De acordo com o diretor do Centro de Epidemiologia da SMS, Alcides Oliveira, os sintomas costumam surgir após um período de incubação de três a seis dias, sendo inicialmente inespecíficos (febre, mal estar e perda de apetite). Um ou dias após, começam a surgir as lesões na boca, como pontos avermelhados, pequenas bolhas ou úlceras dolorosas na língua, no pálato e nas partes internas dos lábios e bochechas. Um ou dois dias após o surgimento das lesões da boca, começam também a aparecer as lesões nas palmas das mãos e na planta dos pés (pequenas bolhas, com um círculo avermelhado ao seu redor). Também pode haver lesões em nádegas, coxas, braços, tronco e face. Segundo Oliveira, é importante destacar que nem todas as pessoas infectadas desenvolvem o quadro clínico completo da doença, podendo ocorrer apenas lesões na boca e palma das mãos. “Na maioria dos casos, a doença evolui de forma benigna, com cura espontânea após sete a dez dias, sendo pouco frequentes as complicações”, diz. Deve-se ficar atento, porém, se observar que a criança apresenta dificuldade de aceitação de alimentos e líquidos. Apesar de a pessoa infectada poder permanecer eliminando o vírus nas fezes após já terem desaparecido as lesões da boca, mãos e pés, o maior risco de contágio ocorre durante a primeira semana de doença. Tratamento - O diagnóstico da doença costuma ser clínico, sem necessidade de exames laboratoriais na maioria das vezes. De acordo com Oliveira, assim como para a maioria das infecções virais, não existe um tratamento específico para esta doença, sendo recomendados medicamentos sintomáticos (antitérmicos, analgésicos, etc), repouso e alimentos leves, frios e pouco condimentados. Veja as medidas para prevenir a disseminação da doença: · Intensificação das medidas de higiene, como lavagens das mãos, higienização das superfícies e dos brinquedos, não permitir compartilhamento de chupetas, mamadeiras, talheres e copos. · Afastamento das pessoas doentes (da escola ou do trabalho) até o desaparecimento dos sintomas (geralmente cinco a sete dias após início dos sintomas).
  • 21/02/2018

    As cinco fraturas mais comuns na infância

    Não é incomum ver uma criança com gesso em alguma parte do corpo. Isso acontece porque nesse período as fraturas são mais recorrentes. Durante a infância, brincamos, corremos, pulamos e caímos. Tudo isso faz com que as chances de quebrar, torcer ou luxar algum dos nossos ossos, sejam mais altas. Essas fraturas costumam ocorrer com mais frequência em algumas partes do corpo em crianças. Veja os cinco locais mais comuns: Fratura nos braços Quando as crianças sofrem uma queda, geralmente se protegem com os braços, o que pode acarretar em uma mega fratura. Se pequeno ainda está aprendendo a andar, atenção para evitar que isso aconteça, por exemplo, não deixá-os sozinhos em espaços muito escorregadios. Agora, caso a criança já souber andar e se movimentar sem dificuldades, oriente sobre os cuidados e os perigos enquanto estiverem brincando ou praticando esportes. Fratura nas mãos Mãos e pulsos são partes do corpo de extremo risco, devido ao esporte. Podem acontecer até esmagamentos. Para crianças a partir dos 7 anos, é importante orientar sobre as brigas e que, além dos problemas comportamentais, elas também podem causar problemas com fraturas. Fratura no nariz Muitas vezes esse tipo de fratura não é identificado. Fique atento aos sinais: reclamação de dor constante, sangramento, mancha no nariz ou ao redor dos olhos, sensibilidade ou deformação. Ao perceber os sinais, leve a criança para que o médico veja as melhores formas de tratamento. Fratura nas pernas Uma simples queda na escada pode fazer com que a criança quebre a perna. E o que pode acontecer é que essa fratura seja no fêmur. Essa é uma fratura séria e que a partir dos 7 ou 8 anos pode necessitar de uma imobilização com hastes. Fratura nos dedos dos pés Sabe quando a criança bate o dedo dos pés em uma quina ou na parede? Isso pode quebrar um dedo. Essa fratura também gera dificuldades para a identificação e imobilização. Se ele reclamar muito de dor e o local da batida apresentar vermelhidão, leve-o ao médico. Como agir? Antes de tudo, não se desespere. Apesar de dar a impressão de que as crianças são mais frágeis, seus ossos são mais resistentes do que o de uma pessoa adulta. Leve a criança em um médico ortopedista e no local, ele pedirá exames de imagem ou laudos a distância para verificar se há fratura e qual foi o seu tipo. Após o diagnóstico, o médico irá recomendar as melhores formas de tratamento, podendo ser com gesso, talas ou medicamentos. Em alguns casos mais graves a cirurgia é recomendada.

DESTAQUES DOS EDITORES