As maravilhas, neuras e dúvidas da maternidade

Pandemia

Especialista dá dicas sobre ensino remoto para crianças de 3 a 5 anos

(Foto: Freepik)


Em todo o país, alunos das redes pública e privada, da Educação Infantil ao Ensino Superior, estão tendo aulas e atividades remotas para seguir as recomendações de distanciamento social causada pela pandemia da Covid-19. Diante este cenário, o segmento de Educação Infantil e as demandas das escolas que possuem este segmento, tem demandado esforço dos docentes/gestores para encontrar alternativas às aulas presenciais.

Com a proposta de auxiliar os pais nesse período e apresentar um formato mais adequado para manter as disciplinas escolares dessas crianças, o Professor Douglas Lopes, Assessor Pedagógico do SAE Digital, apresenta algumas dicas e ferramentas que podem ser úteis para assegurar os alunos e ceder a assistência essencial durante as aulas, os exercícios e as atividades extracurriculares que os educadores recomendam.

Antes de qualquer coisa, é importante entender que isolamento social não é sinônimo de férias, as crianças necessitam ter a rotina e cumprir a carga horária apresentada pelas escolas. “Ter esse primeiro ponto em mente é ideal para evitar frustrações de pais e filhos, nada de sobrecarregar as crianças, é importante balancear as atividades com brincadeiras lúdicas e interativas, já que nessa faixa etária as escolas costumam apresentar tarefas educativas nestes formatos”, explica o Professor Douglas.

Outro ponto a se frisar é: casa não é escola. É importante explicar às crianças que nesse momento o aprendizado será de forma on-line, contando de forma educativa a atual situação ligada a pandemia. Exigir que a criança se comporte da mesma maneira que estaria na escola não é o ideal, isso pode causar irritabilidade aos pequenos e afetar a paciência dos pais. Não é necessário se cobrar tanto quanto ao ensino e resultados, pais não são professores, a proposta é apenas apoiar e ajudar durante esse processo. E a rotina de aprendizado é imprescindível para as crianças, é adequado que seja considerado o espaço e as possibilidades do ambiente domiciliar a partir dos direcionamentos feitos pelas escolas em seus programas.

Para deixar a criança mais a vontade é interessante preparar um ambiente adequado para o momento das aulas. “Não precisa mudar a decoração da casa, mas trazer um cantinho com colagens, atividades realizadas pelas crianças, até mesmo, porque esse momento é válido a partir das experiências, das interações e das brincadeiras sobre os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento determinados pelos direcionamentos das escolas, sobretudo, propiciar um ambiente pedagógico ainda que seja em casa estimula o aprendizado”, comenta o professor.



Além dessas, o profissional apresenta mais dicas essenciais que podem auxiliar nesse período, são elas:

Respeite a vontade da criança - é necessário levar em consideração a vontade das crianças, elas estão em um período de aprendizagem, tudo tem seu tempo mesmo que seja durante as brincadeiras educativas. Respeitar o tempo da criança e evitar comparações é um ponto conveniente para o desenvolvimento.

Mantenha contato com a escola - essa dica é especialmente útil para tempos de ensino à distância. A primeira infância é uma faixa etária muito delicada para acompanhar aulas on-line e o ensino remoto pode não trazer os mesmos resultados. Para além das atividades extras desenvolvidas em família, se a criança não estiver conseguindo acompanhar as aulas ou tarefas escolares, vale pedir ajuda da escola;

Acompanhamento de um adulto – estar junto da criança nesse momento é ideal para ajudar no processo de aprendizagem. A criança precisa ter alguém ao seu lado para tirar dúvidas e também para acompanhá-la nas atividades, mas também é importante dar liberdade para que os pequenos realizem as atividades sozinhos. O aluno protagonista é o que queremos.

Utilize de jogos e brincadeiras - durante esse processo durante o processo usar ferramentas lúdicas e criativas ajudam no aprendizagem e desenvolvimento das crianças. É adequado que essas ferramentas sejam monitoradas e acompanhadas por um adulto e essa ludicidade compõe inúmeras possibilidades, contação de histórias, construção de jogos e brinquedos com materiais recicláveis, construção de fantoches, experiências científicas, experiências culinárias, etc.