• Negócios em locação de carros

    Movida entra para a lista das 50 empresas de destaques do mundo emergente

    Movida entra para a lista das 50 empresas de destaques do mundo emergente
    Renato Franklin, CEO da Movida. (Foto: Divulgação)

    A Movida passa a fazer parte da seleta lista das 50 empresas de alto desempenho em mercados emergentes, de acordo com o relatório do Boston Consulting Group (BCG) – consultora líder mundial em estratégia de negócios.

     Entre os pilares da avaliação do BCG estão crescimento, geração de valor e comparação com empresas concorrentes. Também foram levados em consideração o modelo de negócio digital, a expansão da oferta de serviços com foco em diferenciação, atração e retenção de talentos. Neste contexto, a Movida foi distinguida como uma empresa de excelência nos serviços de mobilidade urbana.

     “Este é o resultado de uma história de forte evolução nos últimos anos”, explica Renato Franklin, CEO da Movida. A Movida passou de uma frota dois mil carros em 2013 para quase 90 mil no terceiro trimestre de 2018. No mesmo período, a empresa abriu 155 pontos de atendimento para aluguel e 60 lojas de seminovos. Já a receita bruta saltou de R$ 454,8 milhões em 2014 para R$ 2,5 bilhões em 2018 (3º trimestre acumulado).

     A locadora vem revolucionando o setor de locação de carros no Brasil ao oferecer, aluguel mensal para pessoa física, wi-fi nos carros, canais de reservas diferenciados (como chatbox e whatsapp), pré-pagamento, além de disponibilizar soluções multiplataforma de mobilidade urbana, como triciclos e bicicletas elétricas. Destaca-se também Programa Carbon Free, pioneira e exclusiva ação sustentável do tipo no setor e que completou 10 anos permitindo neutralizar as emissões de CO2 provenientes de locações.

     Desde 2006 no mercado, a Movida passou a fazer parte do Grupo JSL em 2013 e abriu capital em fevereiro de 2017. Participante ativa do mercado de capitais, a Movida já captou cerca de R$ 3,8 bilhões, com investimentos de aproximadamente R$ 6,3 bilhões em sua frota nos últimos três anos.

     

  • O capitalismo pode ser consciente?

    Capitalismo Consciente: Conferência Latino-Americana sobre o assunto, que ocorrerá no Brasil, anuncia novos nomes

    Capitalismo Consciente: Conferência Latino-Americana sobre o assunto, que ocorrerá no Brasil, anuncia novos nomes
    Rony Meisler, presidente do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (Foto: Leo Avensa / Reprodução)

    A Conferência Latino-Americana sobre o Capitalismo Consciente no Brasil está chegando. O evento, que acontece nos dias 19 e 20 de março, no Centro Universitário Senac, na cidade de São Paulo, anunciou os palestrantes que formarão a grade de programação que debaterá a importância da prática na região, a fim de fomentar a aplicação dessas políticas no mercado.

    Realizado pela primeira vez no Brasil, a conferência receberá Maria Brasil, fundadora do Essence Branding; Gabriel Gentil, CEO da Follow Me & Follow Education e representante institucional do Instituto da Criança; Leonardo Lima, diretor de sustentabilidade corporativa do McDonald's; Tallis Gomes, CEO da Singu e fundador do Easy Taxi; Gabriel Khawali, sócio e diretor comercial da JOYZ; Josef Rubin, fundador da Escola Conquer; Marcus Casaes, CEO da Casaes Automação; Mórris Litvak, fundador e CEO da MaturiJobs; Leandro Jesus, fundador do Explorers Game; e Richard Vasconcelos, CEO e fundador da LEO Learning Brasil, para compartilharem as práticas empresariais conscientes com Rony Meisler, presidente do Instituto Capitalismo Consciente Brasil e, outros lideres conscientes.

    "Quando criamos o evento, tivemos a preocupação de entregar ao público diversos pontos de vista com palestrantes nacionais e internacionais, relatando a importância do capitalismo consciente. Queremos que o evento seja especial para ambos os lados, por isso, a lista dos palestrantes vem crescendo", comenta Rony.

    Para aprimorar o debate, a conferência também receberá Raj Sisodia, cofundador do movimento Capitalismo Consciente; Alexander McCobin, CEO do Conscious Capitalism; Alexandre Costa, fundador e CEO da Cacau Show; Luiza Helena Trajano, presidente do conselho de administração da Magazine Luiza; Nilima Bhat, facilitadora de transformação pessoal e co-autora do livro "Liderança Shakti" e Hugo Bethlem, diretor geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

    O conceito do Capitalismo Consciente surgiu a partir do interesse de John Mackey — CEO e Co Fundador do Whole Foods Market que praticava os pilares para um Capitalismo Consciente e do Prof. Raj Sisodia — professor que desenvolveu um estudo acadêmico de empresas Humanizadas (Firms of Endearment). Nele, os autores relatam que é possível ter altos retornos aos acionistas, alinhado com a fidelidade dos seus clientes, conquistando o "coração" dos clientes além de conquistarem seu "bolso".

  • Agronegócios

    Show Rural Coopavel inicia hoje e já alinhou R$ 500 milhões em vendas antes de sua abertura

    Show Rural Coopavel inicia hoje e já alinhou R$ 500 milhões em vendas antes de sua abertura
    O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli. (Foto: Divulgação)

    O Show Rural Coopavel alcança uma marca histórica: as nove instituições financeiras presentes ao evento já alinharam a comercialização de R$ 500 milhões em máquinas e implementos, dois dias antes da abertura oficial do evento. “Essa é uma clara demonstração do clima de otimismo que alcança os brasileiros e também contagia o agronegócio brasileiro”, diz o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

    Os bancos e cooperativas de crédito presentes à feira disponibilizarão R$ 3 bilhões em crédito aos produtores rurais, desses R$ 1,8 bilhão do Moderfrota, programa específico para o financiamento de máquinas e implementos para o campo. As taxas de juros praticadas variam, segundo a instituição, de 7% a 10% ao ano, com prazos alongados. Há ainda modalidades com juros livres. Os recursos são oferecidos, além do Moderfrota, pelos programas Promanp, Pronaf e ABC (Agricultura de Baixo Carbono).

    Dilvo cita o exemplo do Banco do Brasil, que participa do Show Rural Coopavel com mais de cem colaboradores. Eles estão preparados para captar, analisar, aprovar e emitir contratos de financiamentos em até oito horas. Além disso, algumas instituições empregarão recursos tecnológicos, como aplicativos, para acelerar os processos. Participam da 31ª edição Banco do Brasil, Bradesco, Santader, BRDE, Caixa Econômica Federal e cooperativas Sicoob, Sicredi, Cresol e Credicoopavel.

    O Show Rural Coopavel ocorre de 4 até 8 de fevereiro, das 8h às 18h, em Cascavel (BR-277, KM 577). Na programação da feira, venda de animais direto do produtor, palestras técnicas, exposição de animais, lançamentos de máquinas e equipamentos, genética animal, inseminação artificial, nutrição animal, exposição de empresas de tecnologia, startups, hackathon e etc.

  • Novos Telentos

    Empresa paranaense que já está em 150 países procura novos talentos e levará trainee para o Vale do Silício

    Empresa paranaense que já está em 150 países procura novos talentos e levará trainee para o Vale do Silício
    Felipe Carvalho, Diretor de Operações da Pipefy. (Foto: Divulgação)

    A Pipefy, startup paranaense de gerenciamento de processos eficientes, recém-eleita uma das empresas mais amadas do Brasil no ranking da Love Mondays, acaba de abrir as inscrições para a 3ª edição do Programa de Trainee Young Guns, que selecionará de 15 a 20 profissionais para passarem um ano no maior programa de trainee em vendas de todo o Brasil. As inscrições podem ser feitas no link: www.pipefy.com/young-guns e estarão abertas de 28 de janeiro a 20 de fevereiro.

    Ao final do programa, que dura um ano, será escolhido um vencedor com base na performance apresentada ao longo do Young Guns. A recompensa será trabalhar durante um mês no escritório da Pipefy em São Francisco, no Vale do Silício. Durante esse período, o ganhador terá ainda a oportunidade de fazer cursos em universidades americanas e visitar outras empresas para benchmarking.

    O processo seletivo é uma oportunidade única para os jovens profissionais, que enfrentam desafios complexos e estimulantes desde o primeiro dia da avaliação e adquirem uma percepção global das resoluções que oferecem. O Young Guns oferece ainda a possibilidade de atuação próxima ao corpo executivo da Pipefy, o que dá aos participantes uma experiência diferenciada logo no início de suas carreiras.

    Após atuarem durante um ano como trainees na área de vendas da empresa, os candidatos passam a ter contato com diversas áreas do negócio, de forma a adquirirem uma visão global da companhia e escolherem o setor em que desejam atuar posteriormente.

    Segundo o Diretor de Operações da empresa, Felipe Carvalho, "com o Young Guns a Pipefy busca formar jovens profissionais na área de vendas para que assumam outros desafios na empresa. A grande maioria dos profissionais que passaram pelo programa assumiu outros desafios dentro da nossa empresa, em áreas como customer success, partners e solutions design." O executivo acrescenta: "a Pipefy acredita muito no talento desses profissionais e sabe que eles trazem consigo muita vontade de fazer acontecer e insights para melhorarmos a nossa operação."


    Cultura é tudo
    – A Pipefy está atrás de jovens curiosos, que se identifiquem com a cultura da empresa- pautada por valores como confiabilidade, humildade para evoluir, franqueza radical (radical candor, em inglês) e a capacidade de keep it simple, ou "ir direto ao ponto" - e que tenham vontade de produzir resultados que transformem o mundo em que vivem junto com a startup.

    Guilherme Bezerra, vencedor da 1ª edição do Young Guns, em 2017, afirma: "É incrível o nível de confiança e da responsabilidade que os líderes da empresa depositaram em nós desde o começo. Com toda a certeza um Young Gun não é apenas um número no cadastro da empresa. Para completar, o programa me possibilitou vivenciar a maior oportunidade pessoal e profissional da minha vida: trabalhar um mês no nosso escritório no Vale do Silício. O Young Guns me preparou para os desafios posteriores que assumi e que ainda irei assumir na Pipefy".

    Além de terem a oportunidade de trabalhar em uma empresa de alto impacto, que atende gigantes como Accenture, Ambev, IBM, Santander e Unilever e já está presente em quase 80% de todos os países do mundo, os talentos entrarão em contato com a mentalidade people-first (pessoas em primeiro lugar) da startup, que consiste em desenvolver, engajar e reconhecer e faz com que os colaboradores sintam-se acolhidos independentemente de qualquer característica individual.


    Processo de inscrição
    – O Young Guns tem quatro etapas: a fase de inscrições, em que os currículos são avaliados, seguida da fase de dinâmicas de grupos e da etapa de entrevistas individuais com líderes de desenvolvimento dentro da Pipefy, que já aproxima os candidatos do time do qual podem vir a fazer parte. A quarta e última etapa consiste no anúncio dos resultados.


    Confira os pré-requisitos para inscrição no Young Guns abaixo:

    · Cursando o último ano de faculdade ou recém-formados;

    · Inglês fluente é um diferencial;

    · Vontade de fazer acontecer, de trabalhar e de fazer a diferença;

    · Atitude, boa vontade e humildade;

    · Experiências prévias de trabalho são um diferencial mas não obrigatórias;

    · Afinidade com tecnologia é um diferencial mas não é obrigatória.

    Como benefícios, a Pipefy oferece plano de saúde, plano odontológico, parceria com o Gympass, vale refeição ou alimentação, auxílio financeiro para aulas de inglês, seguro de vida e vale transporte.

     

  • Reforma Tributária

    Reforma Tributária: especialista aponta o que você precisa saber para ficar preparado

    Reforma Tributária: especialista aponta o que você precisa saber para ficar preparado
    Marco Pitta, oordenador e professor de programas de MBA da Universidade Positivo nas áreas Tributária, Contábil e de Controladoria (Foto: Divulgação)

    Uma possível reforma tributária tem tido destaque nos noticiários de economia nos últimos meses e deve ganhar ainda mais espaço neste ano, já que a simplificação e redução da carga tributária brasileira está nos planos do novo Governo. Em recente viagem para o Fórum Econômico Mundial, na Suíça, os governantes tentaram convencer potenciais investidores internacionais a aplicar bilhões no Brasil, sendo que um dos principais argumentos foi a objetividade da legislação tributária brasileira.

    Junto com a reforma da previdência, a reforma tributária deve ser um dos maiores desafios neste mandato, segundo o  coordenador e professor de programas de MBA da Universidade Positivo nas áreas Tributária, Contábil e de Controladoria, Marco Pitta. De acordo com o professor, ainda há muitos outros desafios, entre eles as dúvidas de como fazer mudanças sem reduzir a arrecadação; como fica a repartição entre União, Estados e Municípios; como mudar uma legislação complexa de uma hora para outra; como convencer o poder legislativo a votar tantas mudanças; e como equalizar os efeitos entre os diversos segmentos empresariais em nosso país. “São essas e muitas outras polêmicas que precisam ser avaliadas. O debate público, com toda a população, precisa ser impulsionado, pois, no final, o impacto vale para todos os cidadãos. Seja na hora de pagar o Imposto de Renda, seja na hora de comprar uma mercadoria no supermercado”, explica.

    Com um cenário de tantas mudanças, a palavra de ordem para os empresários é planejamento. É preciso reconhecer o momento atual e realizar um diagnóstico dos impactos dos tributos no demonstrativo de resultado como primeiro passo. Pitta enumera ao Blog People S/A os principais pontos que podem impactar o seu negócio:

    1. Desoneração da folha (similar à regra do CPRB que finaliza em 2020);
    2. Unificação do PIS e COFINS, desconsiderando de sua base o ICMS e o ISS;
    3. Créditos de PIS e COFINS similar às regras do IRPJ, com algumas limitações;
    4. Menor benefício na sistemática atual dos Juros sobre Capital Próprio (JCP);
    5. Tributação de Dividendos distribuídos;
    6. Menor alíquota de IRPJ e CSLL;
    7. Unificação de diversos tributos indiretos existentes;
    8. Redução de benefícios fiscais dos quais não há contrapartida para a sociedade;
    9. Tributação de movimentação de bancária, nos moldes do “fantasma” do CPMF.

  • Tendência do Home Office

    Especialista explica para o People S/A a rotina diária para um bom rendimento no home office

    Especialista explica para o People S/A a rotina diária para um bom rendimento no home office
    Cezar Antonio Tegon, presidente da Elancers Corporate e CEO do Vagas Online (Foto: Divulgação)

    O trabalho em home office é uma tendência crescente no Brasil, e vem seguindo o modelo já utilizado nos Estados Unidos, onde uma média de 40% dos trabalhadores utilizam a opção remota para produzir e poupar gastos das empresas, como o transporte. A atividade requer concentração, disciplina e um lugar apropriado para evitar dispersão com a rotina diária da casa, seguindo o modelo de qualquer empresa, por mais liberal que seja. Segundo o recrutador e especialista em RH, Cezar Antonio Tegon, presidente da Elancers Corporate e CEO do Vagas Online, nas horas de trabalho, as pessoas que convivem na casa devem entender que existe uma pessoa concentrada e não podem atrapalhar suas tarefas profissionais. “Os moradores devem respeitar o espaço e o horário da pessoa que faz o home office, da mesma forma se estivesse trabalhando fora, ou seja, somente será interrompido em casos especiais de algo que realmente não possa esperar”, diz.

    Ter um cronograma, metas e um bom material de escritório em casa ajuda na hora da organização e na performance do profissional, para não cair nas armadilhas do conforto que o lar oferece. “O ideal é ter horários definidos, agenda de compromissos como telefonemas, realização de atividades e tarefas de forma a concentrar-se e organizar-se para que tudo seja cumprido com a maior produtividade possível. Evite dispersar enquanto busca uma água ou toma um café. Nada de brincar com o pet, dar uma ligadinha na TV para espiar o que está rolando ou cair na tentação de dar uma esticada lá no sofá. Seja sério e comprometido com seus horários”, explica Cezar. É importante também valorizar o tempo de almoço e pausas, para não cair a produtividade. “Vale um break no meio da manhã, o almoço e a tarde se precisar, assim como fazemos na empresa, mas 15 minutos são suficientes. Mais do que isso fará com que você fique muito tentado a realmente se entregar a qualquer outra atividade que não seja a que você planejou”.

    O especialista apontou para o Blog People S/A as principais vantagens e desvantagens do trabalho home office para equilibrar o desempenho nos negócios. Confira:

    Vantagens

    - Economia de tempo e recursos no deslocamento: O transito das grandes capitais atualmente é um dos grandes vilões da qualidade de vida. A economia de horas antes gasta no percurso abre espaço para uma atividade física, o estudo de um idioma, um curso em sua área e até mesmo um hobbie.

    - Alimentação: Em casa você pode ter uma rotina mais saudável, consumindo alimentos de rápido preparo e de grande valor nutricional. Isso vale para o almoço e os lanches da manhã e tarde, onde você pode facilmente fazer um suco, preparar um sanduíche leve ou um algo do seu agrado.

    - Horários e tranquilidade: A sensação de ser dono de seus próprios horários tira de você o estresse e a pressão que um ambiente empresarial cria, quase que automaticamente, no decorrer da semana. Essa sensação quando “sequestra” alguns profissionais nunca mais os devolve ao meio corporativo. Há pessoas que tem no home office uma escolha de vida e que estão muito satisfeitas.

    Desvantagens

    - Ficar isolado do contato social: Para algumas pessoas o isolamento é nocivo, pois sentem-se "fora do mundo", como se estivessem perdendo alguma coisa que está acontecendo fora daquelas paredes e isto não pode ser ignorado. Nestes casos recomendo atividades que minimizem esta sensação, como aulas em grupo na academia ou condomínio, participação em ONGs ou trabalhos voluntários, caminhadas ao ar livre e almoço com amigos e colegas do trabalho.

    - A casa vira trabalho 24h: Embora mais raramente, existem pessoas que começam a ver a casa toda como o ambiente de trabalho e assim não conseguem relaxar mesmo nos finais de semana. Isso porque alegam que estão naquele ambiente o tempo todo e assim buscam estar fora de casa para evitar a referência "trabalho" que ficou sedimentada no home office.

    - Animais de estimação: Pode parecer que não, mas os pets perto do home office pode ocasionar situações, como por exemplo, pássaros que cantam enquanto fazemos uma reunião por skype, cães ou gatos que ficam arranhando a porta ou insistindo para estarem juntos em um momento que não é adequado. Ressalto que todas estas desvantagens, ao meu ver, são superáveis e quando comparamos às vantagens, com um pouco de determinação e criatividade, rapidamente são eliminadas.

  • Search Engine Optimization

    Executivo de TI aponta para o Blog People S/A os 10 erros mais comuns de SEO em 2019

    Executivo de TI aponta para o Blog People S/A os 10 erros mais comuns de SEO em 2019
    Fernando Azevedo, sócio da empresa Silocon-Mindes.com (Foto: Divulgação)

    Fernando Azevedo, sócio da empresa Silocon-Mindes.com, que usa robôs e softwares exclusivos de inteligência artificial para administrar mais de 100 clientes de SEO, entre pequenas e médias empresas, celebridades e estrelas de redes sociais, lista para o Blog People S/A os 10 erros mais comens de SEO, em que as empresas cometem e que impactam negativamente no ranking delas nos mecanismos de busca como o Google. Confira:

    1) Conteúdo de baixa qualidade

    Mecanismos de busca lutam para serem relevantes e mostrarem o melhor resultado. Uma empresa deve mostrar que é autoridade máxima no assunto com conteúdo de qualidade que seja realmente útil para os leitores. Guias, tutorais, passo a passo, dúvidas frequentes, processos, dicas são extremamente necessários hoje. Fernando aconselha, no mínimo, 10 artigos sobre cada assunto que a empresa quer competir. O objetivo é criar valor para o leitor – muitos se esquecem disso.

    2) Conteúdo pequeno

    Em média, os artigos com melhor ranking no Google tem 1800 palavras. Neil Patel, consultor famosos de SEO, costuma criar artigos muito mais longos do que 1800 palavras. No entanto, Fernando diz que muitos dos seus clientes, mesmo sabendo destes fatos, são incapazes de produzir um artigo com mais de 350 palavras e esperam superar a concorrência com textos pequenos.

    3) Falta de foco nas palavras-chave

    Fernando ensina que cada artigo deve estar focado em uma palavra-chave de alto volume de busca mensal e que sejam palavras-chaves altamente relacionadas a compradores, chamadas de palavras-chave quentes. Muitos clientes escolhem palavras de baixo volume ou genéricas que não atraem um possível comprador.

    4) SEO on Page

    Para que o Google, ou outro mecanismo de busca goste do seu site, é preciso seguir regras como abrir em dispositivos móveis, abrir em menos de 4 segundos e muitas marcacões que os clientes ignoram ou negligenciam em detrimento de outros pedidos negativos como popups irritantes para os usuários.

    5) Frequência baixa de criação de conteúdo

    Enquanto um excesso de interação em redes sociais pode ser negativo e parecer desespero, Fernando diz que muitos dos seus clientes se recusam a produzir conteúdo novo, nem que seja uma vez por mês. Muitos ainda produzem conteúdo sem qualidade e curto (itens 1 e 2).

    6) Links externos

    Existem mais de 200 fatores de ranqueamento no Google, entretanto Links externos (backlinks) continua sendo o mais forte, apesar de não ser o único fator de sucesso. Muitos clientes e consultores de SEO não fazem este trabalho, ou usam técnicas obsoletas que podem prejudicar o site e tomar uma penalização da ferramenta de busca.

    7) Taxa de cliques

    Um outro fator forte para o SEO é a taxa de cliques que o link recebe. Links com chamadas virais e descrição que despertam a curiosidade conseguem melhor rarnking.

    8) Tempo de navegação

    Quanto mais tempo um usuário fica no site, melhor para o site. Isso é um sinal que o usuário está interessado e achando o que ele procurava. Videos do Youtube (propriedade do Google), quando bem feitos e relevantes, ajudam muito o aumento do tempo de navegão no site.

    9) Taxa de rejeição

    Quando um usuário clica em um link, não gosta do que viu e retorna ao site de busca, isso mostra que ele não achou o que ele queria. Logo, um conteúdo interessante, uma astética bonita influenciam o usuário para continuar no site e não tentar outro resultadoo.

    10) Falta de paciência

    SEO não traz resultado imediato e este é um problema também presente em reputação online. A constante criação de artigos, a constante criação de backlinks, a constante indicação de atividade de visitantes seja natural ou criada por robôs, leva a empresa a ter um ranking orgânico, natural em diversas combinações de palavras-chaves importantes para possíveis compradores.

     

  • Gestão com Responsabilidade Social

    UniOpet lança especialização inédita em Gestão e Transformação Social

    UniOpet lança especialização inédita em Gestão e Transformação Social
    Alexandra Meira, coordenadora do curso e profissional atuante no Terceiro Setor desde 2002 (Foto: Divulgação)

    Profissionais e empresas que atuam no Terceiro Setor, com ações diretas ou indiretas de responsabilidade social, deixaram de ser exceção no mercado. Mas mesmo com a relevância atingida pelo trabalho de ongs e entidades, são poucas as pessoas com formação e capacitação para atuar na gestão do setor.

     Foi com esse objetivo que o UniOpet criou a especialização inédita em Gestão e Transformação Social. Com duração de 18 meses, e aulas no Campus Rebouças, o curso oferece formação técnica e estratégica para gestores e pessoas envolvidas em ações de organizações do Terceiro Setor – as entidades da iniciativa privada que prestam serviços de caráter público, sem fins lucrativos.

     “Buscamos reunir profissionais de graduações variadas. As pessoas muitas vezes se engajam como voluntárias em causas ambientais, da saúde, infantis ou da terceira idade para depois acabarem atuando em áreas como gestão e finanças de entidades sociais, sem ter formação específica. Não existe em Curitiba hoje um curso presencial que ofereça essa especialização, apenas alguns módulos complementares, e sem esse enfoque da gestão”, explica Alexandra Meira, coordenadora do curso e profissional atuante no Terceiro Setor desde 2002.

     O leque de atuação é amplo: organizações não-governamentais, entidades filantrópicas, associações comunitárias, fundações e institutos privados sem fins lucrativos, que atuam em causas cidadãs, são algumas das entidades englobadas pelo Terceiro Setor.

    Gestão estratégica social –O público alvo do curso são profissionais do Terceiro Setor, de fundações, institutos ou áreas de companhias do setor privado que realizem investimento social, além de pessoas em transição de carreira ou que buscam colocação na área. “Fiz minha carreira no Terceiro Setor, desde o início voltado ao desenvolvimento de ações e gestão, na área administrativa e de finanças. Minha especialidade é em gestão de projetos, sou formada em Economia com mestrado em Gestão Estratégica Social, de organizações e profissionais”, detalha Alexandra, que atuou em instituições como o Instituto Arte Geral, a Aliança Empreendedora e o Instituto Compartilhar.

  • Contratação

    Allez Invest conta com novo integrante na área de investimentos

    Allez Invest conta com novo integrante na área de investimentos
    Guillermo Arauz na Allez Invest (Foto: Marcelo Elias)

    Desde o início desse ano, o escritório de assessoria financeira Allez Invest conta com um novo integrante para colaborar com o atendimento personalizado e exclusivo dos clientes. Guillermo Arauz, de 21 anos, cursa Economia na FAE e já desenvolveu outros trabalhos em grandes empresas nacionais no setor financeiro, como a Fertipar Fertilizantes e a Cooperativa Sicredi.

    Arauz viveu três anos na Suíça, e lá estudou na escola Leysin American School. “Durante os anos que morei fora do país, o meu interesse pela área de investimentos aumentou. Com as oportunidades na Suíça, busquei me especializar ao máximo e a adquirir novos conhecimentos no mercado financeiro”, destaca Guillermo.

    Currículo – Guillermo Arauz é estudante de Economia na FAE. Viveu três anos na Suíça, e lá estudou na escola Leysin American School. Ao voltar ao Brasil, trabalhou na Fertipar Fertilizantes e na Cooperativa Sicredi, ambas no setor financeiro.

  • Vendas de Materiais Escolares

    Livrarias Curitiba amplia venda de materiais escolares em 2019

    Livrarias Curitiba amplia venda de materiais escolares em 2019
    Marcos Pedri, diretor comercial da rede. (Foto: Divulgação)

    Com a proximidade da volta às aulas, pais e filhos vão em busca do material escolar. Entre pesquisas de preços, escolhas dos produtos, cálculos e atenção para não errar nas aquisições, algumas lojas já registram crescimento nas vendas desses itens.

    É o caso da Livrarias Curitiba, que já ampliou as vendas em 12% em relação ao mesmo período do ano passado. Os itens mais procurados até agora são os cadernos, mochilas e planners.

    Entre os diferenciais que estão ajudando nesse crescimento, destaque para a variedade de opções [cerca de 3 milhões de itens], os parcelamentos em até dez vezes sem juros, os preços atrativos, o bom atendimento, as facilidades oferecidas e as campanhas de marketing.


    Atrativos - 
    Para ter a preferência do consumidor, a Livrarias Curitiba - grupo que tem 28 lojas nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo – elaborou diferentes ações.

    A cada R$ 150,00 em compras o cliente concorre a 20 vales-compra de R$ 2 mil para trocar por qualquer produto das lojas e mais um HB20 zero quilômetro. Os sorteios acontecem sempre às quartas-feiras e oito compradores já foram contemplados.

    Diversos produtos escolares estão com preços imbatíveis e os descontos chegam a 50%. Os livros didáticos também têm reduções de valores no site e nas lojas físicas. Para aqueles que preferem a comodidade, a sugestão é fazer as compras pela web. No www.livrariascuritiba.com.br o internauta encontra a lista completa de material escolar de mais de 400 colégios dos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Para agilizar a navegação, cada item da lista aparece com o nome, a quantidade e o preço.

    Já o programa de fidelidade Leio+ http://www.leiomais.com.br/ permite que os clientes acumulem pontos em todas as compras. A partir de 150 pontos, já podem resgatar diversos prêmios selecionados. E o melhor: o Leio + é totalmente gratuito e sem anuidades.

    “Por vender itens escolares o ano todo – diferente das lojas que comercializam ocasionalmente – temos grandes parcerias com os colégios, oferecemos as listas escolares completas, muitas campanhas e prêmios únicos. Isso facilita a vida dos pais e filhos, que encontram tudo no mesmo lugar, pontuam em todas as aquisições e concorrem a ótimos prêmios”, ressalta Marcos Pedri, diretor comercial da rede.

  • Ampliação de Operações

    Gerente de Marketing do Shopping Palladium inicia 2019 anunciando quinze novas operações

    Gerente de Marketing do Shopping Palladium inicia 2019 anunciando quinze novas operações
    Maria Aparecida de Oliveira, Gerente de Marketing do Shopping Palladium (Foto: Divulgação.)

    O início de ano no Shopping Palladium é de novidades e ampliação no mix de lojas e quiosques do Gigante do Varejo, começando 2019 com ainda mais variedade aos clientes do mall. Ganham novas operações os setores de vestuário, calçados, acessórios e maquiagem, cosméticos, decoração, fotografia, pet, suplementos e alimentação.

    Um novo conceito em lojas fica por conta do outlet OFF Premium, espaço em que grandes marcas vendem seus produtos com grandes descontos em relação ao preço de etiqueta. A loja começou operando com as marcas A. Brand, Animale, Fábula, Farm, Foxton, FYI e MÁS. Com descontos progressivos, os clientes podem optar por levar 2 peças com 20% de desconto, 3 peças com 25%, 4 peças ou mais com 30%, além das vantagens já aplicadas nos preços originais das marcas.

     

    “Temos algumas das maiores e mais queridas marcas reunidas em um único lugar e com preços encantadores. São marcas que não estavam no Shopping e que chegam com descontos de até 50% do valor original das peças”, diz Anderson Medeiros, gerente do outlet.

     

    A mais famosa marca de chinelos do Brasil, Havaianas, também chega ao Palladium com modelos que agradam a todos os gostos. Além de grande variedade de produtos, como alpargatas e bolsas. Entre os novos quiosques, está o Joker Socks, com modelos divertidos e criativos de meias, confortáveis e descoladas para jovens e adultos. Há modelos com estampa listrada, xadrez, camuflada, quebra-cabeça, caveiras, comidas, entre outros.

    O setor de acessórios se completa com a loja e quiosques Zezé Bijuterias, Frise e La Unique, com colares, brincos, bolsas e carteiras que compõem looks casuais e despojados, mas também, sofisticados, ideais para o dia a dia e eventos especiais. O quiosque Bertarella Make & Acessórios busca trazer grande custo benefício para as clientes, oferecendo maquiagens e acessórios de marcas variadas. São ótimas opções como batons, estojo de pinceis e maleta camarim para levar os produtos por onde for.

    A loja de cosméticos, The Body Shop, inaugurou no Palladium com produtos para o rosto, corpo, cabelo, perfumaria e fragrâncias para a casa. São hidratantes, máscaras faciais, demaquilante, esfoliante e gel de limpeza, tônicos, linha completa para banho, aromatizantes, velas e difusores de ambiente. Um dos diferenciais da marca é se preocupar com a sustentabilidade, produzindo mercadorias de origem natural e biodegradável. A The Body Shop também não realiza testes em animais, e seus produtos são classificados como veganos ou vegetarianos.

    Para os donos de pets que amam presenteá-los com o que há de melhor no mercado, a Smart Pet traz tudo que o animalzinho precisa para se sentir confortável. São vários modelos e tamanhos de camas, comedouros, bebedouros, roupinhas, guias e brinquedos. A loja conta com produtos exclusivos para cachorros e gatos.

    Quem gosta de personalizar smartphones, tablets e notebooks, a Deco Skin oferece serviço pioneiro e de ponta. Além das tradicionais películas e capinhas protetoras para diversos modelos, a loja personaliza o gadgets de acordo com a preferência do cliente. Basta ir até a loja, escolher entre as opções de fotos ou de acervo pessoal, e a Deco Skin personaliza com uma película 0.1mm, que se integra às bordas e laterais. O trabalho é feito na hora.

     

    Há quem prefira não deixar as fotos apenas na memória do celular. A Smart Photo Shop chega ao Palladium prestando serviços rápidos e práticos como revelação, fotos 3x4, impressão e cópias, encadernação, plastificação, plotagem, digitalização, confecção de álbuns e convites, conversão e restauração de VHS, photobook, além de ter produtos personalizáveis na loja, como canecas e porta-retratos. Já o quiosque Conexão Decora tem modelos adoráveis de quadros para decoração, com mensagens, ilustrações e personalizações que se adequam a cada canto de casas e ambientes comerciais e de convivência. A Brinde Mania também oferece opções criativas e divertidas para dar de presente.

     

    Completando o time de novas operações do Shopping Palladium está a Japa Suplementos, oferecendo produtos de qualidade que auxiliam em treinos e dietas, como Whey Protein e Desinchá. O Villa Roxa inaugura loja sofisticada e moderna, com mini empório de produtos naturais e cardápio saudável. Além do açaí, carro chefe da marca, também são oferecidos lanches naturais, sucos, salada de frutas, vitaminas e smoothies.

    “Começar o ano com quinze novas lojas em diversos segmentos mostra quanto o Palladium se preocupa em ser um espaço de conveniência. Aqui, o cliente encontra o que ele quiser, com diversas opções. Seguimos trabalhando para oferecer, cada vez mais, o que há de melhor para os curitibanos que nos escolhem como local de lazer, compras e conveniência”, afirma Maria Aparecida de Oliveira, Gerente de Marketing do Shopping Palladium.

    As lojas Havaianas, Japa Suplementos, Bertarella, La Unique, The Body Shop, Frise, Brinde Mania e a Villa Roxa estão no piso L1. Já Conexão Decora e Joker Socks ficam no piso L2. O outlet OFF Premium, Zezé Bijuterias e Smart Pet se encontram no piso L3. Smart Photo Shop e Deco Skin estão localizadas no piso G1 do mall.

  • Negócios em Qualidade de Vida

    Empresário brasileiro do DeROSE Method cria modelo de gestão e expande negócios para EUA e Europa

    Empresário brasileiro do DeROSE Method cria modelo de gestão e expande negócios para EUA e Europa
    DeRose, fundador do sistema. (Foto: Divulgação.)

    Nem franquias, nem filiais. Um modelo de gestão empresarial implantado em empresas brasileiras, na década de 70, desencadeou o crescimento da marca DeROSE Method, não apenas no Brasil, mas também nos Estados Unidos e Europa.

    O formato utilizado é o de credenciamento de entidades autônomas. Estas, por sua vez, funcionam com um sistema exclusivo de administração participativa. Trata-se de um contrato, por meio do qual os credenciados seguem cláusulas que garantem um trabalho sério, o qual beneficia a Marca; em retribuição têm o direito de usar nos seus produtos a mesma Marca. São autorizadas a utilizar o nome DeROSE as empresas que adotam a metodologia proposta.

    Nesta nova maneira de administração participativa quase todas as decisões são tomadas em conjunto. "Não somos uma empresa, mas um conjunto de centenas de empresas autônomas e independentes umas das outras. Cada qual pertence a um proprietário ou, se for associação, cada uma tem seu presidente. Umas são escolas, outras são associações, muitas casas de cultura, algumas federações, uma editora, uma distribuidora de material didático para as entidades filiadas e uma distribuidora de livros online", descreveu DeRose, fundador do sistema.

    Inicialmente o modelo de gestão foi aplicado em escolas sediadas no Brasil, atingindo: Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Depois a expansão continuou para a América Latina, Estados Unidos e Europa. Hoje existem unidades em New York e Hawaii, Paris, Londres, Roma, Milão, Madrid, Barcelona, Edimburgo, Lisboa e Porto, Buenos Aires, Córdoba, Mendoza, Calafate e Bariloche, Santiago do Chile, Oulu (na Finlândia). Novas unidades estão em implantação na Suíça, Alemanha, Austrália e Canadá.

    "Estamos no mercado há mais de cinquenta anos. Sobrevivemos a choques econômicos, sete mudanças de moeda, inflação e reveses diversos a que o nosso país foi submetido", lembrou o empresário DeRose.

    Atualmente cerca de 600 empreendedores compõem as escolas que formam a Rede DeROSE. Ensinam técnicas e conceitos que aprimoram o comportamento. Por consequência, estimulam alta performance e qualidade de vida a empresários, estudantes e esportistas. Os conceitos comportamentais são: boa qualidade de vida, boas relações humanas, boas maneiras, boa cultura, boa alimentação, boa forma, bom ambiente e bons ideais. As técnicas são exercícios respiratórios, procedimentos corporais, administração do stress, concentração etc.

    As escolas promovem muitas atividades como: cursos, noites de gourmet (para ensinar a preparar e depois degustar as receitas de um sistema alimentar saudável), exibição de vídeos, círculos de leitura, grupos de coreografia, de vocalização, network business meetings, jantares em família (convidando os familiares dos alunos), festas de aniversário entre outras, saídas para teatro, cinema, exposições, vernissages, trekkings, piqueniques, passeios, viagens, participação em festivais. Todos os anos são realizados cerca de dez eventos de maior porte. Estes eventos acontecem no Brasil, mas também em Buenos Aires, Porto, Paris e New York.

    Além das escolas – A expansão da Marca não aconteceu apenas em território, mas extrapolou os limites das escolas. Grandes empresas adotam a metodologia DeROSE Method para aumentar a produtividade e qualidade de vida de seus gestores. Estre estas empresas estão: Adidas, Peugeot, Johnsons, Itaú, Salsa Jeans, Banco do Chile, Santander, Nestlé, Petrobrás, Mercado Livre, CenturyLink, Starbucks, Telefonica, Dell, entre outros.

  • Otimismo dos executivos

    Cerca de 43% dos CEOs brasileiros projetam crescimento de suas empresas em 2019, afirma pesquisa da PwC

    Cerca de 43% dos CEOs brasileiros projetam crescimento de suas empresas em 2019,  afirma pesquisa da PwC
    Fernando Alves, sócio-presidente da PwC Brasil. (Foto: Divulgação)

    Executivos no Brasil estão com melhores expectativas em relação ao crescimento de suas empresas nos próximos 12 meses. De acordo com os números da 22ª Pesquisa Global com CEOs da PwC (22st Annual Global CEO Survey), cerca de 43% dos líderes brasileiros acreditam que suas empresas devem crescer ao longo de 2019.  Na pesquisa anterior, que considerava o sentimento para 2018, esse índice era de 39% (um aumento de 4 pontos percentuais).

    Já a média global de CEOs que esperam aumentar o faturamento de suas empresas nos próximos 12 meses é de 35%. Por outro lado, quando perguntados sobre a expectativa para os próximos três anos, 48% dos CEOs brasileiros acreditam que suas companhias devem crescer, ante 54% na pesquisa anterior.

    Para confirmar o aumento no faturamento de suas empresas, cerca de 91% dos CEOs brasileiros esperam ter crescimento orgânico em 2019, enquanto 89% buscarão aprimorar a eficiência operacional, 76% devem lançar novos produtos e serviços e 57% visam trabalhos conjuntos com empreendedores e startups. As alianças e possíveis joint-ventures estão nos planos de 52% dos líderes brasileiros nos próximos 12 meses e outros 39% devem participar de processos de fusões e aquisições.

    Apesar da retração econômica dos últimos anos, a pesquisa mostra que o Brasil segue em destaque no cenário global: o país ocupa o sexto lugar entre os países mais citados pelos CEOs globais como possíveis focos de investimentos ao longo de 2019, atrás de EUA, China, Alemanha, Índia e Reino Unido.

    Entre as principais preocupações dos CEOs locais para o próximo ano, destaque para o crescimento da carga tributária (mencionada por 96%), seguida do excesso de regulação (93%). Fatores políticos seguem como motivo de preocupação:  incertezas como o cenário da política nacional foram citadas por 91%, enquanto a instabilidade social representou 89% e o populismo outros 85%.

    “A retomada do crescimento econômico brasileiro dá sinais de avanços. A pesquisa mostra que o país não saiu do radar internacional para fins de investimentos. O momento exige esforços das empresas para focar em processos disruptivos que mantenham suas organizações em destaque aos olhos do mundo”, afirma Fernando Alves, sócio-presidente da PwC Brasil.

     

    Empresários brasileiros apostam na inteligência artificial - Os CEOs brasileiros são os que mais declararam que devem investir em inteligência artificial a longo prazo: 59% dos entrevistados no país responderam que essa tendência estará presente em seus negócios nos próximos cinco anos. É um dado relevante se levarmos em conta que a média de CEOs globais que vão utilizar inteligência artificial ficou em 40% no mesmo período, enquanto as outras regiões ficaram também abaixo em comparação com o Brasil - Ásia Pacífico (39%), América do Norte (41%), América-Latina (46%), Europa Ocidental (48%), Oriente Médio (49%) e África (52%).

    “O uso da Inteligência Artificial já é uma realidade em várias economias do mundo e chegou a hora das empresas brasileiras intensificarem sua atuação nesta dimensão. O interesse dos nossos CEOs neste sentido é um grande avanço para que o Brasil atenda, cada vez mais, às demandas de seus stakeholders”, completa Fernando Alves.


    Desafios globais - A pesquisa apontou ainda que, globalmente, a maior ameaça para as companhias é a incerteza política nos países de atuação, fator citado por 78% dos CEOs, seguida pelas incertezas geopolíticas (75%), excesso de regulação e instabilidade no crescimento global (ambos com 73%), conflitos comerciais (70%), protecionismo (68%), volatilidade do câmbio (66%) e crescimento da carga tributária nos países de atuação (62%).



    Sobre a pesquisa - A 22ª Pesquisa Global da PwC entrevistou 1.378 CEOs (no último relatório foram 1.293 respondentes) em 91 países, entre setembro e outubro de 2018. Os homens somam 87% dos CEOs participantes e a maior parte dos executivos atua na Europa (37%), seguida por Ásia/Oceania (33%), América Latina (12%), América do Norte (12%) e África (6%).


    Das companhias participantes, cerca de 47% tiveram receita de US$ 1 bilhão ou mais, 36% das empresas alcançaram uma receita entre US$ 101 milhões e US$ 999 milhões e 15% das empresas tiveram receita até US$ 100 milhões.

    Todas as entrevistas quantitativas foram realizadas de forma confidencial e os resultados foram divulgados nesta segunda-feira (21/01) no Encontro Anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

  • Negócios em Hotelaria

    Mabu Thermas Grand Resort, em Foz do Iguaçu, comemora recorde de ocupação no mês de dezembro

    Mabu Thermas Grand Resort, em Foz do Iguaçu, comemora recorde de ocupação no mês de dezembro
    Luciano Motta, Diretor de Vendas do Grupo Mabu. (Foto: Divulgação)

    Um resort com piscinas termais para crianças e adultos, spa, recreação, área de lazer e gastronomia alto padrão. Se não bastasse todo esse conforto e opções de diversão, de acordo com o pacote adquirido, o hóspede do Mabu Thermas Grand Resort ainda tem acesso livre ao Blue Park, o maior parque aquático do sul do Brasil.

    Essa combinação de conforto e diversão, levou o resort a bater recordes de ocupação e faturamento em dezembro de 2018. Excelente opção de hospedagem para moradores da região, turistas de todo o Brasil e visitantes de outros países, como Paraguai e Argentina. A programação de fim de ano no hotel teve início no Natal. As comemorações continuaram na virada do ano com uma grande festa que começou no hotel e terminou com todos os convidados brindando a chegada de 2019 nas areias do Blue Park.

    O Diretor de Vendas do Grupo Mabu, Luciano Motta, comenta que as facilidades e benefícios de utilização do Blue Park para quem está hospedado no resort, realmente, têm gerado muita satisfação aos hóspedes. O acesso exclusivo ao Blue Park, uma hora antes da abertura da bilheteria, além de todo o consumo  ser lançado diretamente no apartamento e acertado no check out do hotel, ampliam as vantagens para o hóspede. “Tudo isso aliado ao sucesso da praia termal com ondas, tem feito do Mabu Thermas Grand Resort a melhor escolha para as férias”, finaliza Luciano.

     

  • Negócios em Hotelaria

    Vendas da Blue Tree Hotels para agências Abracorp crescem 62% e superam R$ 20,7 milhões

    Vendas da Blue Tree Hotels para agências Abracorp crescem 62% e superam R$ 20,7 milhões
    Chieko Aoki, proprietária da rede Blue Tree Hotels. (Foto: Divulgação)

    O novo relatório de vendas da Abracorp (Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas), referente ao terceiro trimestre de 2018, acaba de ser divulgado e novamente a Blue Tree Hotels, de propriedade do grupo Chieko Aoki Management Company, da empresária Chieko Aoki, se destaca como uma das redes hoteleiras mais relevantes para as agências de viagens corporativas.

    No período, o grupo atingiu R$ 20.715.045 em vendas, totalizando incremento de 62% em relação aos mesmos meses em 2017 – considerando o segundo trimestre de 2018, o crescimento foi de 56%. Desta forma, se consagra como a rede com maior crescimento em faturamento junto aos associados Abracorp, representando 4,1% do share – vale destacar que os hotéis independentes são responsáveis pela fatia de 50,5%. Outro dado que se destaca no relatório é a diária média do grupo, que no trimestre ficou em R$ 366.

    Segundo trimestre – No segundo trimestre do ano os números já haviam sido bastante positivos, com incremento de 41,1% nas vendas, passando de R$ 9.404,690 para R$ 13.266.120. Os dados refletem a estratégia da Blue Tree Hotels, focada nos segmentos corporativo e de eventos e com o time de vendas voltado a empresas com grande potencial, atendidas pelas 28 agências que hoje são associadas à Abracorp.


    Unidades no Paraná - No estado, a rede administra três conhecidos e importantes hoteis. Na capital Curitiba o Blue Tree Towers Saint Michel e o Blue Tree Towers Batel, e em Londrina o Blue Tree Premium Londrina.

  • Fórum Econômico Mundial

    Davos Wealth Management traz seus insights para o Blog People S/A sobre o Fórum Econômico Mundial em Davos

    Equipe Davos Wealth Management para People S/A.


    Apenas três líderes do G7 (grupo formado pelos sete países mais industrializados do mundo) estão presentes no Fórum Econômico Mundial (FEM), que ocorre em Davos, Suíça, de 22 a 24 de janeiro. São eles: o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe; a chanceler alemã, Angela Merkel; e o premiê italiano, Giuseppe Conte.

    Embora o evento deva reunir cerca de 250 autoridades do G20 (grupo que reúne as 20 principais economias do mundo) e de outros países, as discussões sobre cooperação econômica deste ano são afetadas por ausências importantes. A mais comentada é a de Donald Trump: no início do mês, o presidente norte-americano usou sua conta no Twitter para explicar que cancelaria sua ida a Davos em razão do "shutdown" – suspensão de gastos não-essenciais, que foi motivada pelo impasse, no Congresso de seu país, à aprovação de orçamento suplementar. A crise que impede a ida de Trump a Davos é de natureza política: ele quer que seja liberada a verba para a construção do muro na fronteira com o México, uma de suas principais promessas de campanha, mas a bancada democrata do Congresso recusa-se a aprovar a medida. Como o “orçamento do muro” está vinculado a outras verbas, a falta de consenso entre Executivo e Legislativo levou à paralisia do serviço público federal.

    Além de Trump, também estão ausentes o presidente da China, Xi Jinping; Emmanuel Macron, presidente da França – que atravessa grave crise interna motivada pelas manifestações dos “coletes amarelos”; e a primeira-ministra britânica, Theresa May, que também enfrenta crise política (neste caso, em razão do Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia).

                                          

    “O motivo da não ida de vários líderes para Davos foi ocasionada pelo crescente foco em problemas locais dos respectivos países”, esclarece Mauro Morelli, da Davos Wealth Management. Além das crises pontuais mencionadas, Morelli salienta que “esses problemas estão alinhados com uma maior aversão a globalização”.

    “A globalização foi um dos principais motores para o crescimento dos mercados emergentes, incluindo o Brasil”, afirma Morelli.

    O enfraquecimento de uma agenda global, que tem nas ausências de Davos um de seus sintomas, mas é muito bem exemplificado pelo Brexit e pelo nacionalismo de Trump, tende a reduzir não apenas o crescimento dos países emergentes. “As economias americana e europeia também podem sofrer caso se confirme a redução do comércio mundial, embora em menor escala”, esclarece Morelli. “Devemos estar atentos e buscar acordos bilaterais que nos permitam crescer apesar das tendências de recuo”, ele conclui.

  • Finanças Pessoais

    Especialista ensina ao Blog People S/A como realizar um planejamento financeiro assertivo

    Pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), atestou que 58% dos brasileiros nunca, ou somente às vezes, dedicam tempo a atividades de controle da vida financeira. Segundo Sulivan França, especialista em comportamento humano e presidente da SLAC® Coaching – Sociedade Latino Americana de Coaching, o dado pode ser considerado alarmante, principalmente por conta do cenário desafiador que o país enfrenta atualmente.

    “É uma realidade que engloba a transição para um novo governo. Aos poucos, a economia vai recuperando a confiança, porém o índice de desemprego ainda é alto e as projeções de crescimento econômico são tímidas para um futuro próximo. Por conta disso, separar um tempo para fazer o planejamento e organização financeira é fundamental”, afirma o especialista.

                                  

    Pensando em ajudar quem deseja iniciar um trabalho de organização de finanças, mas não sabe por onde começar, França preparou quatro dicas para os leitores do Blog People S/A. Confira:

     

    Organização e controle - De acordo com França, o primeiro passo para a organização das finanças consiste em fazer uma divisão entre rendas e contas. “Em uma planilha, anote todas as suas fontes de renda e seus respectivos valores. Insira também cada uma das suas despesas e procure separá-las por categorias. Assim, é possível ter a base necessária para identificar os excessos e, consequentemente, fazer ajustes e traçar metas e objetivos”, diz.

     

    Trace metas financeiras realistas - O presidente da SLAC® Coaching ressalta que quando falamos sobre organização e planejamento financeiro, é preciso tomar cuidado para não estipular objetivos fora da realidade, o que pode causar desmotivação.  “Uma dica para isso não ocorrer é fazer uma divisão entre objetivos e metas de curto, médio e longo prazos. Por exemplo, a compra de um novo imóvel é um objetivo de longo prazo, já a realização de uma viagem pode ser considerada uma meta de curto prazo. Imprevistos acontecem e são praticamente invitáveis, então, sempre que necessário, faça reformulações”, explica.

     

    Poupar é a palavra de ordem - França destaca que poupar é parte fundamental de um planejamento financeiro assertivo. “É uma prática que precisa ser feita constantemente. Não adianta guardar dinheiro num mês e depois, nunca mais. Mesmo que poupe pouco, é a regularidade que garante a formação da poupança.”

     

    Estude sobre o assunto - O especialista revela que aprofundar-se no assunto, especialmente para quem não possui muita familiaridade com números, é imprescindível. “Busque sempre estar informado.Se aprofunde no tema, pois, assim, você criará consciência de como os seus hábitos podem estar prejudicando a realização dos seus objetivos”, finaliza.

  • Vendas Online

    Aplicativo do Mercado Livre é o mais baixado entre os varejistas do Brasil

    O aplicativo do Mercado Livre figura na lista dos apps mais baixados do Brasil em 2018 e entre os que têm maior base de usuários ativos. É o que mostra recente levantamento do App Annie, plataforma de análise de dados de performance de aplicativos, como quantidade de downloads e receita em lojas de aplicativos e várias redes de publicidade móvel.No ranking dos mais baixados, na 8ª colocação, o Mercado Livre aparece à frente de empresas como Spotify e 99 Táxi. Já no quesito usuários ativos, o aplicativo aparece na 9ª posição, mais bem posicionado, por exemplo, que o Banco do Brasil – um dos maiores bancos públicos do país. Entre os dez primeiros, é a única empresa do setor de varejo.

    O Brasil já é o segundo país do mundo em downloads de aplicativos para dispositivos Android e ganhou uma posição no ranking mundial de downloads para iOS no ano passado, em relação a 2017.

    "Somos obcecados por oferecer a melhor experiência aos nossos usuários e trabalhamos arduamente para isso, independentemente da plataforma utilizada. Acredito que a nossa colocação de destaque em downloads de aplicativos é um reflexo da posição de liderança do Mercado Livre no e-commerce brasileiro e da força da nossa marca, que foi vencedora na categoria Site de Compras pelo Prêmio Top of Mind da Folha de São Paulo em 2018, e é número um em buscas na internet, segundo o Google", afirma Daniel Aguiar, diretor de marketing do Mercado Livre.

                                   

    Em abril do ano passado, o aplicativo do Mercado Livre atingiu o marco de 100 milhões de downloads realizados em toda a América Latina. De usabilidade fácil, intuitiva e rápida, o app existe desde 2011 e se tornou um dos mais buscados em toda a região. No Brasil, um em cada quatro dispositivos móveis têm instalado o app do Mercado Livre, também segundo a App Annie. Hoje 70% do tráfego da plataforma já se dá via smartphones, tablets ou outros dispositivos móveis. O aplicativo está disponível para download de forma gratuita na Apple Store, Play Store e Google Play.A importância do segmento varejista para a economia global também é destacada na análise da App Annie. O Brasil - ao lado de Japão e Reino Unido -  está entre os três países em que o consumo mobile cresceu mais rápido que o Produto Interno Bruto (PIB).  O estudo prevê que, em 2019, a geração de receita a partir do uso de aplicativos crescerá cinco vezes mais rápido que a economia global.   

    Link para acesso ao relatório completo: https://bit.ly/2QUAg6N

  • Painel durante Show Rural discute o futuro do mercado da semente no Brasil

    Painel durante Show Rural discute o futuro do mercado da semente no Brasil

    A Associação Paranaense dos Produtores de Sementes e Mudas – APASEM- promove o evento ‘Os Desafios da Produção de Sementes no Brasil’, que será realizado no dia 7 de fevereiro de 2019, no estande do AREAC, durante o Show Rural Coopavel, na cidade de Cascavel-PR.
    Juntamente com a Associação Brasileira de Sementes e Mudas - ABRASEM e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, serão abordados assuntos de pertinência ao setor de sementes do Paraná.

  • África do Sul: um destino e mil e uma possibilidades

    África do Sul: um destino e mil e uma possibilidades

    Segundo dados do South African Tourism, órgão de turismo do governo sul-africano, o número de brasileiros que visitaram o destino entre janeiro e setembro de 2017 aumentou em 105% em relação ao ano anterior, totalizando 48 mil brasileiros que viajaram para o local. Em 2018 esses números cresceram ainda mais com o centenário de Nelson Mandela, grande líder sul-africano, que contou com diversas celebrações ao longo do continente que se mostra como um destino que preza pela liberdade, igualdade e justiça.

    A África do Sul é o país ideal para o turismo, com lindas paisagens, praias paradisíacas, esportes radicais e rica cultura, além do custo-benefício extraordinário. A professora de inglês, Gabrieli Endres, confessa que escolheu o destino porque as passagens estavam com preços muito interessantes, mas independente disso, depois de passar 20 dias por lá recomenda para todos. “O custo benefício é fantástico. Alugamos um carro por 17 dias e experimentamos a culinária local que é fantástica, pulamos de Bungee Jump (o maior de ponte do mundo), fizemos canoagem, visitamos a Robben Island, onde Mandela ficou preso, também exploramos muitas praias e fizemos dois safaris, foi uma viagem completa e inesquecível”, relembra.

    Inglês com natureza

    Em busca de inovar os destinos de intercâmbios de férias desde 2016, a Cultura Inglesa Curitiba, em parceria com a VR Intercâmbios & Turismo escolheram a África do Sul para o grupo de Janeiro/2019. O Programa Summer in Capetown tem início no dia 12 de janeiro e conta com três semanas de aprimoramento em inglês, muitos passeios e diversão. “O programa foi desenhado para que pessoas das mais diversas idades, e independente do nível de inglês, possam aproveitar da mesma maneira, e ter uma vivencia inesquecível da língua inglesa em um destino único”, garante a coordenadora de intercâmbios da Cultura Inglesa Curitiba, Cleide Fiorucci.

    Os participantes terão aulas de General English de segunda a sexta-feira, na International House, uma das escolas de idiomas mais tradicionais e conceituadas de todo o mundo, acomodação em casa de família, cuidadosamente selecionada, para um contato ainda mais próximo com a cultura local, com quarto duplo, café da manhã e jantar e três passeios por semana, na parte da tarde, com acompanhamento dos professores e verdadeiras aulas da história local em meio as atrações da cidade, além de uma excursão de dia inteiro no final de semana.

    A diretora da VR Intercâmbio e Turismo Viviane Pazini, garante que não faltarão atrações para o grupo e que o top 3 do destino são: uma visita a Table Mountain, um safari e um passeio em Boulders Beach para ver os pinguins. O pacote que também contempla supervisores na escola, orientação pré-embarque e assistência da VR Intercâmbios, tem valores a partir de USD 1.200 para o aéreo e USD 4.200 para a parte terrestre.

    Cleide alerta que o intercâmbio de férias é uma oportunidade excelente para melhorar o “listening” e “speaking” (entendimento e conversação), mas que é fundamental se esforçar para isso. “Os participantes têm que batalhar pelo seu progresso, e se arriscar na língua”, declara a coordenadora da Cultura Inglesa Curitiba. Para 2019 a instituição já tem um intercâmbio programado para Londres nas férias de julho!

    Sobre a Cultura Inglesa de Curitiba

    Há setenta e cinco anos em nossa cidade, a Cultura Inglesa de Curitiba divide suas atividades em cinco unidades, sendo uma delas localizada em São José dos Pinhais. A Cultura Inglesa de Curitiba é uma associação sem fins lucrativos, revertendo toda sua renda em benefício de suas atividades e alunos. O compromisso em manter o alto nível de ensino do inglês, além de aspectos culturais do país, é um dos pilares da escola, que busca respaldo na qualificação elevada do quadro de professores, constantemente desenvolvida por meio de workshops, seminários e treinamentos. O teor vanguardista da escola é ainda reforçado por parcerias com grandes entidades, como é o caso do British Council - organização britânica que promove oportunidades culturais e educacionais entre Brasil e Reino Unido e da Universidade de Cambridge, famosa por suas certificações atestando conhecimento da língua inglesa em todo o mundo.

DESTAQUES DOS EDITORES