Publicidade
Política em debate

Improbidade

(Foto: Rogério Machado/SECS)

A 2a Vara da Fazenda Pública de Maringá (região Norte), condenou o ex-prefeito da cidade, Silvio Barros (PP) o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico e um procurador-geral do município na época, além de quatro corretores de imóveis por improbidade administrativa. A ação do Ministério Público estadual aponta irregularidades nas desapropriações de imóveis destinados à instalação do novo Parque Industrial da cidade entre 2011 e 2012.

Desapropriação
De acordo com o MP, o então prefeito publicou decreto para compra de terrenos onde seria instalado o Parque Industrial. Depois, decretou a desapropriação amigável dos imóveis. A desapropriação, afirma a promotoria, não teria sido comunicada aos donos dos imóveis, que seguiram acreditando que estavam vendendo seus lotes ao poder público, contando para isso com a intermediação de corretores, que teriam cobrado irregularmente comissões. Além disso, segundo a investigação, os agentes públicos teriam ajudado os corretores a obter “vantagem patrimonial indevida, em prejuízo dos expropriados”.

Defesa
Em nota, Barros disse “que a prefeitura adquiriu por preços vantajosos os terrenos da Cidade Industrial, com economia aos cofres públicos”. E que a administração municipal fez chamada pública para a oferta de terrenos “e foi escolhido o melhor custo beneficio”. De acordo com o ex-prefeito, “era de conhecimento público a intenção de fazer a Cidade Industrial no local”. Ele afirma que vai recorrer e acredita na reversão da decisão.

Anticrime
O deputado federal Ricardo Barros (PP) saiu em socorro do ministro da Justiça, Sérgio Moro, que vem enfrentando dificuldades para fazer avançar a discussão do pacote anticrime proposto por ele à Câmara Federal. “Me propus a ajudar Moro a aprovar seu pacote anticrime na Câmara. Fui líder, vice-líder de todos os governos desde 1995, quando cheguei na Câmara. Com o apoio de outros colegas da frente parlamentar da segurança pública sei que podemos avançar com concessões de parte a parte, como é a praxe do Congresso”, garantiu o parlamentar.

Militares
O deputado federal Rubens Bueno (PPS) criticou ontem a inclusão, pelo governo Bolsonaro, da reformulação das carreiras dos militares junto com a proposta de reforma da previdência para a categoria. Segundo ele, a iniciativa é um equívoco que deve dificultar a tramitação do tema no Congresso. Na avaliação de Bueno, “a questão da carreira poderia vir em outro momento, em uma discussão separada e não junto com a reforma da previdência”.

Pressão
Segundo o parlamentar, a abertura de tratamento diferenciado dentro da reforma da previdência vai aumentar ainda mais a pressão de categorias sobre os parlamentares e pode desfigurar o texto apresentado pelo governo. “O lobby de determinadas categorias, como o Judiciário, já toma conta dos corredores do Congresso e tende a crescer”, prevê.

Cyberbullying
O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB), registrou boletim de ocorrência na polícia alegando estar sendo vítima de ataques nas redes sociais e blogs. “Ultrapassou todos os limites politicos ou ideológicos. Atacaram a minha família de forma covarde que nenhum homem ou mulher consegue admitir. Registrei agora a noite, boletim de ocorrência na Policia civil e também estou encaminhando à Polícia Federal contra criminosos que nos atacaram covardemente na Internet. Quero imediatamente o fim desta impunidade”, afirmou Rangel.

DESTAQUES DOS EDITORES