O pulso ainda pulsa

Paraná vence o Criciúma na raça e no sufoco e ainda respira na Série C do Campeonato Brasileiro

(Foto: Robson Mafra)
(Foto: Robson Mafra)
(Foto: Robson Mafra)
(Foto: Robson Mafra)
(Foto: Robson Mafra)
(Foto: Robson Mafra)

Foi no sufoco e na raça. Num jogo de muita emoção e com o brilho intenso do goleiro Bruno Grassi, nome da partida. Mas o pulso paranista ainda pulsa.

Depois de tomar um verdadeiro banho de água fria na última rodada, quando foi derrotado pelo São José-RS por 1 a 0, em duelo direto na luta contra o descenso, o Paraná Clube finalmente deu esperanças ao seu torcedor de uma milagrosa recuperação. Neste sábado (4 de setembro), jogando na Vila Capanema, a equipe comandada pelo estreante Jorge Ferreira (técnico interino) venceu o Criciúma, que luta pelo acesso, por 2 a 1.

Eberê e Gustavo França, ambos na etapa inicial, fizeram os gols que garantiram o triunfo para o time mandante. Na segunda etapa, porém, o jogo virou ataque (do Criciúma) contra a defesa (do Paraná), praticamente. E já nos minutos finais, muita emoção: o lateral-direito Alex-Murici foi expulso aos 42; Fellipe Mateus converteu um pênalti para os catarinenses aos 45; e Bruno Grassi precisou fazer três intervenções decisivas, aos 46, aos 47 e aos 51 (no último lance do jogo), para garantir a vitória do Tricolor da Vila Capanema.

LEIA MAIS SOBRE A PARTIDA: Com defesas milagrosas e decisivas, Bruno Grassi é o melhor em campo pelo Paraná. Confira as atuações

LEIA MAIS SOBRE A PARTIDA: Jorge Ferreira exalta atletas e diz que grupo nunca cogitou não ir a campo

Com o placar, o Paraná encerra uma série de sete jogos sem vitória (o último triunfo havia sido em 10 de julho, quando a equipe, ainda treinada por Maurílio Silva, venceu o Mirassol por 3 a 0, fora de casa) e chega aos 13 pontos no Grupo B da Série C, ainda em 9º lugar (penúltimo, sendo que os dois últimos de cada grupo caem).

A equipe, porém, está agora três pontos atrás do Mirassol, oitavo colocado e adversário da próxima rodada (12 de setembro), em jogo marcado também para a Vila Capanema. A três rodadas do fim da Primeira Fase da Série C, portanto, o Paraná terá a oportunidade de empatar em pontos com um adversário direto na luta contra o descenso (mas ainda ficaria atrás na tabela por conta do número de vitórias - 3 contra 5).

PROTESTO

Antes da partida, jogadores do Paraná fizeram um protesto contra a atual situação do clube, que vive péssimo momento dentro de campo (ameaçado de rebaixamento para a Série D) e também fora dele (com recorrentes atrasos salariais, receita diminuta e o fim da parceria com a FDA Sports, que tentou terceirizar o futebol do clube). Com isso, os atletas atrasaram o início da partida, que estava marcado para 19 horas, em cerca de cinco minutos. 

ESCALAÇÃO

Estreante da noite, o técnico Jorge Ferreira promoveu diversas mudanças no onze inicial paranista. Na defesa, o zagueiro Luan e o lateral-esquerdo Bryan ficaram com os lugares que foram de Jonathan Costa (que deixou o clube nesta semana) e Danilo na última partida. No meio de campo, o volante Janderson Maia foi preterido pelo prata da casa Léo Pettenon. E no setor ofensivo, o nigeriano Eberê, que já havia sido titular na última rodada, jogou como referência (camisa 9), função que até então era de Reis, abrindo espaço para a entrada de Vinicius Moura e Gustavo França no onze inicial (Adriano deixou o time titular, também).

PRIMEIRO TEMPO

Mesmo sendo o Paraná a equipe mandante, quem começou a partida no ataque foi o Criciúma, que teve a primeira chance de gol com um minuto e meio de partida.

O Paraná, por sua vez, apostava na velocidade, uma estratégia evidenciada pelas mudanças no setor ofensivo, especialmente pela entrada de Eberê no lugar de Reis. E a tática deu certo, principalmente pelo bom desempenho do nigeriano.

Aos 14 minutos, depois de um cruzamento da esquerda, o camisa 9 paranista mostrou oportunismo e bom posicionamento para pegar uma bola desviada dentro da área e, de primeira, arrematar pro gol, balançando a rede e inaugurando o marcador.

Aos 31, foi vez de Eberê aparecer como ponta-direita para puxar um contra-ataque e servir o lateral Alex Murici já dentro da área. O defensor tentou a finalização, mas errou a pontaria. Por sorte, no entanto, Gustavo França apareceu no meio do caminho e 'corrigiu' a rota da bola, garantindo o 2 a 0. Os jogadores do Criciúma pediram impedimento do atacante paranista no lance, mas a arbitragem validou o gol.

Aos 36, o Tigre catarinense chegou a marcar seu primeiro gol com Marcão, mas o árbitro carioca Rafael Martins de Sá assinalou uma falta do atacante em cima de Luan no lance, mantendo o 2 a 0 no placar.

SEGUNDO TEMPO

Na volta para a etapa final, três mudanças no time de Paulo Baier, com as entradas de Eduardo, Minho e Gabriel Henrique nas vagas de Dudu Vieira, Silvinho e Maranhão. Aos 19, foi vez de Henan substituir Marcão e, aos 32, Arilson saiu para a entrada de Dudu Figueiredo,

Pelo lado paranista, as primeiras substituições ocorreram aos 28 minutos, quando o volante Janderson Maia e o atacante Mikael entraram nos lugares de Léo Pettenon e Eberê. Aos 34, foi vez de Bryan ser substituído por Lucas Sene.

Sem o mesmo fôlego ou também o mesmo ímpeto ofensivo, a mesma fome de gol da etapa inicial, o Paraná Clube pouco fez para agredir o adversário e passou a maior parte do tempo em seu próprio campo, defendendo-se e tentando negar espaços ao Criciúma.

Ainda assim, os espaços e as chances de gol para a equipe visitante surgiram. Mas aí brilhou a estrela de Bruno Grassi, que realizou uma série de grandes defesas para garantir a vantagem paranista.

O drama paranista, no entanto, aumentou mesmo foi nos minutos finais.

Aos 42 minutos, o lateral-direito Alex Murici cometeu uma falta dura pela direita, perto da área, e acabou tomando o segundo cartão amarelo. Na sequência da expulsão, Gustavo França, ao subir numa disputa aérea dentro da área, bloqueou um cabeceio com a mão. Pênalti que o Criciúma não desperdiçou, com Fellipe Mateus colocando os catarinenses de volta no jogo aos 45. 

Com seis minutos de prorrogação, o Paraná se postou todo em seu próprio campo. Ainda assim, concedeu três chances ao adversário, aos 46, aos 47 e aos 51 minutos. O goleiro Bruno Grassi, no entanto, tratou de consagrar-se a estrela da noite, com três intervenções decisivas para garantir a vitória paranista.

FICHA TÉCNICA

PARANÁ 2 x 1 CRICIÚMA

Paraná: Bruno Grassi; Alex Murici, Luan, Vinicius Guarapuava e Bryan (Lucas Sene); Moisés Gaúcho e Léo Pettenon (Janderson Maia); Vinicius Moura, Sillas e Gustavo França; Eberê (Mikael). Técnico: Jorge Ferreira.
Criciúma: Gustavo; Claudinho, Rodrigo, Marcel Scalese e Helder; Dudu Vieira (Eduardo) e Arilson (Dudu Figueiredo); Silvinho (Minho), Fellipe Mateus e Maranhão (Gabriel Henrique); Marcão (Henan). Técnico: Paulo Baier.
Gols: Eberê (14-1º), Gustavo França (31-2º) e Fellipe Mateus (45-2º)
Cartões amarelos: Vinicius Guarapuava, Alex Murici, Bruno Grassi (P)
Cartão vermelho: Alex Murici (42-2º)
Árbitro: Rafael Martins de Sá (RJ)

PRINCIPAIS LANCES

Primeiro tempo

1 – Cruzamento da esquerda para dentro da área. Maranhão aparece na segunda trave e cabeceia, por cima do gol.

13 – Paraná rouba a bola no campo de ataque. Gustavo França tabela com Eberê dentro da área e chuta firme. O goleiro do Criciúma faz uma grande defesa.

14 – Gol do Paraná! Cruzamento pra área do Criciúma. Marcel e Guarapuava disputam pelo alto, a bola é desviada e sobra com Eberê, que chuta de primeira, de canhota, e balança a rede.

31 – Gol do Paraná! Eberê puxa o contra-ataque e toca para Murici na área. O lateral encara o marcador e chuta forte. Gustavo França desvia no meio do caminho e empurra pro gol. Jogadores do Criciúma pedem impedimento do atacante, mas o lance é validado.

36 - Gol do Criciúma… mas não valeu! Bola cruzada da direita para a área, Marcão sobe e cabeceia no cantinho. A arbitragem, porém, flagrou uma falta (empurrão) do atacante em cima de Luan na disputa de bola aérea.

46 – Cabeceio de Marcão na primeira trave. A bola vai no contrapé de Bruno Grassi, que faz uma grande defesa no reflexo. Outro jogador do Criciúma ainda tenta chegar na bola no rebote, mas acaba cometendo falta em cima do goleiro.

Segundo tempo

8 – Cobrança de falta de longe pro Criciúma. Fellipe Matheus chuta forte, rasteiro, e Bruno Grassi cai bem para segurar.

18 – Marcão recebe dentro da área, corta Vinicius Guarapuava e chuta colocado. A bola passa por cima do gol.

32 – Cruzamento de Claudinho, Guarapuava afasta e Fellipe Mateus aparece dentro da área, de frente para o gol, para aproveitar o rebote. O chute sai por cima do gol.

35 – Henan avança pela direita dentro da área e, já perto da linha de fundo, rola para Fellipe Mateus. Livre e na cara do gol, o jogador do Criciúma chuta e obriga mais uma grande defesa de Bruno Grassi.

42 - Alex Murici comete falta dura em Minho pela direita, perto da área, e toma o segundo cartão amarelo. Expulso!

44 – Bola cruzada pra área do Paraná por Eduardo. Gustavo França sobe com os braços abertos e bloqueia a finalização de Minho com o braço. A arbitragem marca pênalti!

45 – Gol do Criciúma! Fellipe Mateus vai para a cobrança e manda a bola para um lado, enquanto o goleiro pula para o outro.

46 – Cobrança de escanteio de Dudu Figueiredo. Helder sobre na primeira trave, cabeceia e Bruno Grassi espalma.

47 – Bola cruzada na área do Paraná, a bola bate, rebate e Fellipe Mateus manda um lindo voleio na sobra. Bruno Grassi encaixa a bola com estilo.

51 – Claudinho cruza rasteiro a bola para a área, Rodrigo aparece em boa posição e tenta dominar e girar pro chute, mas Bruno Grassi, atento, corta o lance e evita o empate.