Publicidade

Taxa de lucro das empresas de ônibus de São Paulo devem ser reduzidas

ANDRÉ MONTEIRO E ARTUR RODRIGUES SÃO PAULO, SP - A auditoria contratada pela gestão Fernando Haddad (PT) concluiu que há espaço para a diminuição do lucro das empresas de ônibus da capital paulista. A reportagem apurou que a taxa de retorno das empresas pode ser diminuída em até um terço. O raio-X das contas do transporte público municipal foi feita pela Ernst & Young. O trabalho, que custou R$ 4 milhões, foi uma das respostas do prefeito aos protestos de junho de 2013. O lucro médio das empresas nos dez anos do contrato encerrado em 2013 foi de 18,6%, valor compatível com o que era estimado pela SPTrans na época do contrato do transporte municipal, em 2003. No entanto, atualmente, as taxas de retorno praticadas chegam à casa de 7% em outros tipos de concessão. Essa diferença será usada tanto no cálculo da tarifa do ônibus para 2015 quanto para definir as regras do novo contrato das empresas de ônibus. Questionado sobre o assunto, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto (PT), afirmou que o que pode dizer é que a taxa de retorno não será mais de 18%. Em algumas áreas da cidade, a taxa de retorno da cidade pode chegar a 54%. "O Brasil era outro na época do contrato, a inflação era outra", disse Tatto. "O que a prefeitura paga para o sistema de transporte de São Paulo não é compatível com a qualidade do serviço". Os auditores também descobriram que as empresas têm custos 7,4% menores do que o projetado. Um dos motivos que explicam essa economia, conforme revelado em parcial da auditoria, as empresas deixa de fazer uma a cada dez partidas. Para aumentar a competição, em um setor a prefeitura pretende que a próxima licitação do transporte seja internacional. A reportagem apurou que três grandes empresas do exterior já sondaram a prefeitura.
Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES