por Flavio Rocha

  • Esportes

    Um país sem alma olímpica

    Boas amigos. Fiquei sem ter esse contato para dar uma olhada nas Olimpíadas e um pouco do futebol em geral nos Brasileiros Séries A e B. Nas Olimpíadas, continuamos a fazer figuração. Uma medalha aqui outra acolá e sem um crescimento. Estamos a mais de 30 anos em uma nova república e tem sido assim. Chegam os Jogos Olímpicos e vemos uma participação pífia dos atletas brasileiros. Ou melhor, dos guerreiros. Pois sem apoio, sem estrutura e sem intercâmbio os guerreiros brasileiros saem de pires na mão atrás de verbas para sua sobrevivência e apoio no Brasil. O respeito ao esporte não existe e neste momento fica a discussão de quando o torcedor poderá voltar aos estádios. Triste realidade para uma nação com tanta diversidade e biotipo.

    CORITIBA
    No futebol, o Coritiba tropeçou em casa diante do CRB e perdeu a batalha campal para o Operário. Caiu de produção de forma natural. O importante é estar sempre no G4 para, no final do ano, confirmar a sua volta à elite. Tropeços vão acontecer, mas manter a serenidade do trabalho, pois tem muita bola para rolar até dezembro.

    ATHLETICO
    O Athetico vem de uma classificação na Sul-Americana, com goleada não convincente, e seu tradicinoal jogo no limite na vitória diante do Internacional. A pergunta que fica no ar é se o Furacão está no seu limite ou António Oliveira tem alguma carta na manga para a sequência da temporada. Time base ele tem. Terans, Nikão e Vitinho estão afinados. A defesa é sólida, mas mesmo assim toma gols bobos. Se tem pretenões maiores, Seu Oliveira precisa rever algumas de suas visões táticas. E a diretoria contratar no minimo três jogadores.

    PARANÁ CLUBE
    O Paraná Clube demitiu Maurilio, o menos culpado. Agora três chapas podem vir a disputar as eleições no Tricolor. Um grave erro, afinal de contas, são todos paranistas. Ao invés de bater chapa porque não se unir em uma causa? Só a sobrevivência e depois o fortalecimento. Não é hora de dividir e sim de somar esforços com uma só intenção: o melhor para o Paraná Clube.

  • Futebol paranaense

    Furacão simples e eficiente

    Boas amigos. O Athetico está na próxima fase da Copa Sul-Americana, jogando simples e com eficiência. O América de Cali até tentou supreender, mas o time de António Oliveira jogou o que sabe e contou com uma noite brilhante de Vitinho, Terans e Nikão. No restante, a equipe foi ao seu natural, fez o primeiro gol e cozinhou. Na volta para o segundo tempo, manteve o ritmo e viu um jogador colombiano ser expulso. E logo em seguida, após ser acionado pelo VAR, teve um pênalti a seu favor. Com o empate, o Furacão ligou a tomada no 220 volts e ampliou rapidinho. Depois, foi só tocar, tocar até ampliar e estabelecer uma goleada. Agora é virar a chave e, com o mesmo ritmo, voltar a vencer no Brasileirão. E já pensar na Copa do Brasil.

    Ah! E que golaço do Canesin! Mostrando que clareou tem que chutar — um defeito do jogador brasileiro: não chuta de longe. O Athetico pode alcançar melhores vôos nesta temporada. É só deixar de às vezes ser indolente.

    PARANÁ CLUBE
    E Maurilo não é mais o técnico do Paraná Clube. Ele é o menos culpado pela atual situação. A crise paranista está fora de campo e reflete dentro. Casinha, na sua caminhada como presidente interino, fecha um buraco, dá mais um passo e tem dois abertos.

    Tem eleição agora em agosto. Três chapas vão se enfrentar. Cada uma com uma proposta salvadora. O que o torcedor não aguenta mais é ver seu time em plena decâdencia e as verdadeiras soluções não aparecerem. É hora de união. Seja qual for a chapa vencedora, a familia Paraná Clube precisa é estar unida por dias melhores.

    REGRAS
    Este bolg levantou uma questão referente a possíveis implementações de regras no futebol. Um torneio sub-19 na Holanda testou algumas inovações como foi citado. Rapidamente a FIFA emitiu uma nota esclarecendo que não estuda o implemento de novas regras e que o que aconteceu na Holanda foi uma iniciativa da federação local, mas caberia a dona FIFA observar e analisar pelos menos no que se refere ao tempo de jogo. É estressante ver o quanto o jogo fica truncado por paradas para atendimento de jogadores que sofreram falta simples, mas fazem um verdadeiro escândalo, não só para induzir o árbitro como para esfriar o jogo. Já chega o VAR, que às vezes para analisar um lance demora uma eternidade. Queremos bola rolando, CERTO!

  • Futebol

    O esporte bretão e o século 21

    Boas amigos. O esporte bretão, como era chamado antigamente, e as revoluções da era contemporânea. A imprensa espanhola noticiou que na Holanda estão testando algumas regras que podem ser implementadas. A experiência está sendo realizada em um torneio sub-19. Vamos lá.

    1ª) Cobrança de lateral com os pés. Basta o jogador colocar a bola sobre a linha e executar a cobrança.

    2ª) Cobrança e falta para si mesmo. O jogador não pecisa passar a bola para um companheiro. É só parar a bola no local indicado e sair jogando.

    3ª) Dois tempos de 30 minutos no lugar dos atuais 45 minutos. Nesta possível nova regra, o relógio é parado sempre que o jogo é paralisado. Com isso vai se abolir a famosa "cera".

    4ª) Cartões amarelos têm uma punição extra. O jogador que receber o amarelo terá que ficar 5 minutos fora do jogo. Com isso, seu time ficará com um a menos nesse período. Após o tempo, retorna normalmente.

    5ª) Subistituições ilimitadas. Um jogador que for substituído pode retornar à partida depois, assim como acontece no basquete, por exemplo. E o técnico pode mexer quantas vezes quiser.

    O futebol vive muito da paixão do torcedor, mas o então esporte bretão é hoje um produto que rende e gira bilhões mundo afora. Os publicitários sabem da força do futebol na mídia, pois somos quase sete bilhões de pessoas habitando essa aldeia global. A FIFA sabe da importância dos veículos de comunição como fortalecimento e geração de renda. Meu caro amigo: sua paixão é vendida aos quatro cantos do planeta sem você perceber. Pois a pergunta está no ar: "o que seria do futebol sem o amor do torcedor?". É de se pensar.

  • Futebol paranaense

    Furacão confuso e sem alma

    Boas amigos. Terminado o jogo do Athetico diante do Ceará, o que se viu foi o time de Antonio Oliveira confuso e sem alma. A proposta foi poupar jogadores para o jogo de volta na terça-feira diante do América. O time atheticano pouco produziu e ainda tomou um gol aos 53 minutos. Como alerta, o juíz da partida foi fraco, sem critério, e mais uma vez ocorreu falta de disciplina fora de campo. Foi um jogo ruim, que deve servir de alerta para o Furacão, pois há uma instabilidade técnica. Para quem teve um início forte, hoje deixa dúvidas sobre a sequência da temporada.

    Liga Nacional, urgente
    O futebol brasileiro passa por um crise técnica sem precedentes. Uma mostra foi a decisão da Copa América. Por isso, se faz urgente a criação da Liga Nacional de futebol. A dona CBF, acéfala. Seu presidente Caboclo, envolvido em acusações de assédio moral e sexual. E denúncias de que o banido Marco Polo Del Nero e Ricardo Teixeira ainda mandam e desmandam no bastidores. Os clubes estão reféns das federações. E estas não estão tomando nenhuma atitude. É nesse cenário que vive o nosso futebol, pobre tecnicamente e totalmente sem comando. Chega de jogos horrorosos e arbitragens duvidosas, não só na Série A como na B. O futebol deve ser feito por quem vive e respira os clubes visando um fortalecimento financeiro e principalmente técnico.

    Coritiba caminhando para a volta
    O Coxa tem feito o dever de casa e fora também, jogando acima de seus limites e com a garra que um time precisa. Vai caminhando de forma natural para o seu retorno à elite. Vale ressaltar o bom trabalho do comandante Morínigo, que tem o elenco unido e nas sua mãos. Só asim o Coxa volta para presentier não só a sua torcida mas a lembrança forte de Renato Follador.

  • eficiência sem brilho

    Boas amigos, o Athetico foi a Colombia enfrentar o América de Cali, o time da casa mostrou estar sem ritmo de jogo e nenhuma virtude, coube ao furacão jogar com eficiência mas sem brilho, um primeiro tempo fraco e de uma chance para o time do técnico Osório, e o rubro-negro com poucas investidas, segundo tempo mais agudo e bem postado na defesa, o gol anulado pelo VAR,e o penalti marcado e pelo VAR, no final mesmo sem brilho o time de Antonio Oliveira volta com a possibilidade de apenas empatar dia 20/07 no jogo de volta, mas antes tem o Ceára lá no nordeste pelo brasileirão,jogo difícil pois o vozão complica as coisas quando joga em casa, só que já passou da hora das pardalisses de Oliveira que precisa definir o sistema de jogo e o time titular.

      Assisti alguns momentos do empate do Coritiba diante do Vasco, em campo dois postulantes à eleite, um jogo mais pegado do que jogado, mas segundona é isso, somar pontos é que importa mesmo porque o time do técnico Mornínigo esta em evolução e precisa manter o ritmo pois tem muita bola pra rolar até dezembro, o importante é a familia Coxa estar forte e unida para dar o respaldo suficiente visando a estabilidade dentro de campo na busca da primeirona. 

    Arbitragem no Brasil: Há tempos a FIFA estabeleceu normas para a conduta dos arbitros, 1º) O jogador que cometeu a falta não toca mais na bola,2º) os seis segundos de posse de bola com o goleiro já virou até vinte segundos, 3º) o técnico sai do banco da as instruções e volta para a casa mater, 4º) goleiro de posse de bola tentando sair jogando não pode ser atrapalhado pelo jogador do time adversário, todos essas determinações hoje não são respeitadas principalmente no Brasil, pois a complacência total dos arbitros e seus auxiliares,  pois hoje eu observo que o quarto arbitro tem trabalhado mais fora das quatro linhas do que o arbitro central e os jogadores em nada colaboram, disciplina é um ponto onde os senhores do apito estão vacilando, cabe  a CBF tomar uma atitude e cobrar uma posição mais veemente na condução dos jogos. 

  • Futebol paranaense

    Furacão na superação

    Boas amigos. O Athetico vive um momento de incertezas e superação. Antonio Oliveira tem gostado do desempenho do time, mas os últimos resultados não estão agradando o torcedor. No sábado, contra o RB Bragantino, um primeiro tempo de pouca inspiração. Claro, diante de um time bem treinado e de qualidade, que joga melhor fora de casa. Mas alguns jogadores não têm correspondido e no banco de reservas outros em melhor momento, caso específico de Léo Citadini. Mas quem escala não sou eu. E vale lembrar que o Brasileirão está na metade do primeiro turno. E a turma lá de baixo tende a crescer na sequência da competição. Cabe à diretoria buscar alguns reforços, pois há carências em setores do time.

    PARANÁ CLUBE
    O Paraná Clube vive de total entrega de seus jogadores. Salários atrasados e dúvidas em relação à diretoria. Mais uma vez faço um apelo aos ex-presidentes, conselheiros e a torcida em geral. É notório o momento crítico pelo que passa a humanidade. E no Brasil o respeito a saúde é uma utopia. Mas a grande massa tricolor pode fazer algo. O time vem crescendo e, mesmo com um a menos, goleou o Mirassol. A união faz a força. E a familia paranista é grande e forte para ajudar mais uma vez.

    COPA AMÉRICA
    A descisão da Copa América mostrou o quanto a seleção brasileira não está pronta para a Copa do Mundo no Catar em 2022. Falta comando dentro e fora de campo. E, para somar, a CBF em crise diante das denúncias de assédio de seu presidente. E denúncias de interferência do banido Marco Polo Del Nero e de Ricardo Teixeira. Diante desse quadro, há urgência na criação e concretização da Liga Brasileira de Futebol, para acabar de vez com esse julgo dos clubes a dona CBF. Estamos em crise técnica e de identidade. Portanto, clubes das Séries A e B: chegou a hora de seu grito de independência.

    No próximo texto, vou tratar das arbitragens no Brasil, pois somam erros e mais erros. E poucos acertos.

  • Futebol paranaense

    Marcar para depois jogar

    O Athetico, de António Oliveira, mostra que primeiro tem que marcar, tirar espaços e não deixar o adversário jogar, para despois tentar imprimir seu ritmo de jogo. Diante do Santos, na Vila Famosa, o Furacão esperou, esperou até tomar o gol. Conseguui equibrar um pouco as ações na partida e empatou em um lance quase perdido. Voltou para o segundo tempo querendo jogar de igual para igual e sofreu o segundo gol na infelicidade de Zé Ivaldo. O time até sentiu e começou a buscar mais o jogo, mas o técnico demorou muito para mexer no time. E o Santos manteve o ritmo e soube usar o desequilíbrio do rubro-negro. Derrota que serve para que Oliveira aja mais rápido na estrutura do time, pois sábado tem o Bragantino, um time em ótimo momento e jogando um bom futebol. Se tem pretensões futuras é hora de um pouco de ousadia, pois em um campeonato longo e díficil como o Brasileirão, qualquer instabilidade pode trazer dificuldades na sequência.

    O Coritiba foi a BH enfrentar um Cruzeiro e manteve seu estilo na busca por equilíbrio. Para o coxa, o que vale é somar pontos e se manter no G-4 para alcançar o objetivo maior: estar na elite em 2022. O técnico Gustavo Morínigo tem mantido um time coeso e forte. Início de campeonato é momento de somar pontos, pois a cada rodada os adversários vão crescer e as dificuldades vão aumentar.

    E o vírus maldito faz mais uma vitima. Jacir de Oliveira, bom profissional, narrador de qualidade e grande colega. Seu bordão "TÁ LÁ" vai ficar marcado na história no rádio espotivo. Ficará na lembraça o garoto que com sua forma simples de ser, mas com a força e a garra que a radiodifusão sempre exigiram de todos nós. Esteja com DEUS meu caro e nobre companheiro.

  • Futebol paranaense

    Uma nação triste e enlutada

    Renato Follador Junior
    Renato Follador Junior (Foto: Divulgação/Coritiba)

    Hoje está difícil encontrar palavras para definir esta perda. Sábado, em meio às imagens dos jogos, ouço a notícia do falecimento de Renato Follador Júnior. Para os mais próximos apenas Renatinho. Foi jogador do Coxa na década de 70. Parou por problema crônico no joelho. Foi à luta. Estudou e tornou-se um engenheiro. E, mais tarde, especialista em previdência. O seu coração alviverde, porém, estava em conflito ao ver o seu clube literalmente descendo a ladeira. Encarou uma eleição e venceu. Unido com outros nesta empreitada projetou o Coritiba Foot-Ball Club para o futuro e infelizmente o virus maldito encerrou uma história de um ser humano com altíssimas qualidades, que só queria como realização maior ver o seu COXA de volta aos tempos de glórias e conquistas. Vai o homem, fica seu legado, que estara vivo no coração de todos aqueles que conheceram o querido Renatinho.

    O fim de semana foi do Coxa jogando e encarando a Série B como deve ser feito, com alma e superação, diante de um Remo que veio na busca de um ponto. Valeu o faro do artilheiro Léo Gamalho e o espírito de luta dos comandados de Gustavo Morínigo. Segundona é isso: coração no bico da chuteira.

    Mais tarde fui assistir à seleção. Confesso que se gostasse de filme de terror preferia vê-los. No entanto, para ter uma opinião, resolvi encarar esta missão. Boa transmissão. Teo José é um bom narrador. Enfim, a equipe do SBT é afinada, mas o jogo em si foi realmente um festival de horrores, começando com o semblante do técnico Tite, desesperado. Pois o time que parece uma seleção de natação, ou seja NADA. Se é com essa roupa que vamos para o Catar, então não vejo uma luz para o hexa. Pois esperar algo do Neymar, este apenas bom jogador, firuleiro e marqueteiro, que exaltam tanto, então fica para a próxima.

    No sábado, pela TNT, a equipe de transmissão é boa, mas o narrador grita demais e narra o óbvio. O Athletico entrou ligado em 220 volts. Em oito minutos estava 2 a 0, Terans e Babi. Depois só administrou a avalanche do Fortaleza, sólido na defesa, irregular no meio e fraco no ataque. Foi esse o panorama do primeiro tempo. Veio a etapa final com Fortaleza na pressão até os 15 minutos, depois foi baixando a guarda e o Furacão começou a aparecer mais no ataque e deu alguns sustos na defesa do tricolor. A insistência valeu o gol de honra aos 40 minutos. Depois, na base do "bola pro mato que...", o time de Antonio Oliveira carimbou mais uma e de 24 pontos disputados tem 19 somados, com uma partida a menos. Agora o técnico do Furacão está criando alternativas. É só lembrar que hoje podendo mudar o time até cinco vezes no jogo, trabalha-se com até 20 titulares. É só ter o tato para saber variar o time.

    O Paraná Clube e sua missão: lutar e lutar com as armas que tem. O trio Maurilo, Ageu e Saulo é o menos responsável pala atual situação. Cadê a familia Paranista para ajudar? Ex-presidentes, conselheiros e aqueles que têm sentimento pelo clube? Do jeito que está não se vislumbra nenhuma situação de vitórias. Que possam levar o Tricolor da Vila de volta à Série B. Todos têm o dever de ajudar.

  • Futebol paranaense

    A superação e a afirmação

    Boas, amigos do futebol. O Coritiba, mesmo diante de um elenco mediano, vem fazendo seu papel para o retorno à Série A, simples e objetivo, conquistando as vitórias. O técnico Morínigo consegue dar ao Coxa a estabilidade necessária para evoluir e chegar no fim do ano com a condição de estar na elite em 2022. Resta ao torcedor ajudar mais um pouco para que o clube tenha o equilibrio financeiro e poder manter sua contas em dia, principalmente com o departamento de futebol.

    ATHLETICO
    O Athetico deixou uma dúvida no ultimo domingo ao empatar com a Chapecoense, mas ao ver a escalação de ontem, tenho certeza que o torcedor ficou com aquela famosa pulga atrás da orelha. A desconfiança ficou maior ainda com o gol sofrido a um minuto. O Fluminense mandava no jogo e o Furacão passivo. De repente, o time resolveu ouvir as chamadas do técnico e conseguiu empatar. Veio o segundo tempo e os comandados de António Oliveira deixaram bem claro que escutaram a voz do vestiário e foram donos do jogo. Final: 4 a 1 para o Furacão. Oliveira tem feito bem o trabalho no intervalo e o time corresponde em campo. Manter o foco, pois tem muita bola para rolar até o fim do Brasileirão.

    NOVA LIGA
    Está nascendo a liga nacional de futebol, com os 20 clubes das Séries A e B. Só espero que, dessa vez, os clubes não fiquem apenas no projeto. Os possíveis parceiros já apresentaram suas propostas. Os valores utrapassam a casa do R$ 3 bilhões. Talvez com esse suporte o futebol brasileiro volta a ser grande, tecnicamente falando, pois o momento é de total pobreza. Jogos sofríveis de se assistir e jogadores que não servem nem para jogar a nossa Suburbana. Estamos no fundo do poço e precisamos sair do julgo da dona CBF. O torcedor brasileiro deposita muitas esperanças na criação da liga. Com ela, nosso futebol pode renascer. 

  • hora de variar

    Boas amigos do futebol, iniciamos hoje um blog para comentar o mundo do nosso futebol, e já com uma analise do momento do Athetico, que viveu os 100%, e nos ultimos dois jogos não manteve a sequencia, a derrota com um toque pedagogico para o Bahia serviu para uma reflexão, mas o empate diante da Chapecoense ascendeu a luz amarela, pois os técnicos com a advento do video analisam os seu adversários e já sabem o padrão de jogo, portanto é hora do técnico Antonio Oliveira mudar o sistema tático pelo menos nos jogos na arena da baixada,para enfrentar o Fluminense talvez o três,cinco dois para  manter o ritmo, o importante neste momento é somar pontos pois daqui a pouco os outros times tendem a evoluir e o bicho vai pegar.

    No Coritiba o técnico Gustavo Morínigo parece estar ajustando o time para a realidade da segundona e vem de três boas vitórias e sem a dependencia de Rafinha, mas com a segurança do zagueiro Henrique, resta manter o foco e ter o fortalecimento da diretoria, que tapa um buraco aqui e vê outros dois ali, mas com estabilidade e união o clube deve em breve retomar a sua postura dentro e fora de campo para um retorno ainda mais forte a elite do do futebol brasileiro.

    No Paraná a primeira vitória traz uma certa tranquilidade o problema esta fora de campo com dividas e baixa receita, já passou da hora dos ex-presidentes se apresentarem para ajudar, não com dinheiro mas sim com apoio e a busca de parecerias que possam fortacecer o clube em especial o departamento de futebol, pois o técnico Maurilio e seus auxiliares Ageu e  Saulo estão literalmente fazendo das tripas coração, a torcida jamais abandou o time resta os caciques de ontem se unirem para o apoio hoje.

    Sugestão: O campeonato paranaense de 2021 ainda não terminou, mas por que não pensar em 2022? A formula é simples, dois grupos da seis times elaborados em sorteio,primeiro turno jogos dentro do grupo, segundo turno cruzamento entre os grupos, campeão de cada turno fazem dois jogos com o segundo mando para o time que somou mais pontos, na matemática, cincos rodadas do primeiro turno, seis rodadas no segundo turno, total onze rodadas e mais os dois jogos das finais, com as rodads acontecento só nos finais de samana, fica no ar, por que não esta formula???