Publicidade
fim das aulas

Férias: agora o tempo é para brincar

Para garantir a diversão da garotada, basta um pouco de imaginação
Férias: agora o tempo é para brincar
Parques e segurança: pais devem acompanhar sempre os filhos nos brinquedos (Foto: Franklin de Freitas)

Com o fim da aulas, a melhor coisa para crianças é aproveitar o tempo para brincar. Uma forma de tirar o pequenos de frente a tela do celular ou do video game é mostrar a elas como os crianças brincavam antigamente. A lista de atividades é grande, mas abaixo estão listadas algumas sugestões de como os pais podem passar um tempo divertido  com os seus filhos. Um tempo precioso que certamente deixará saudades e fará parte da memória afetiva dos pequenos e os acompanhará por toda vida. 
Porém os pais devem orientar os filhos sobre a necessidade de saber escolher onde brincar. Nas últimas férias escolares, o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) elaborou algumas dicas aos pais e motoristas para garantir a segurança e boas lembranças dos dias de lazer. Entre as principais dicas estão a de ensinar para as crianças que a rua não é lugar de brincadeiras e que existem outros locais mais seguros para jogar futebol, empinar pipa e andar de bicicleta, como o quintal de casa, os parques, praças e as quadras esportivas, por exemplo. Além disso, pais ou responsáveis não devem deixar as crianças brincarem sozinhas na rua, em locais movimentados, passeios, estacionamentos de carros e entradas de garagens. 


Sugestões de brincadeiras

Telefone sem fio
A expressão “quem conta um conto aumenta um ponto” define mais ou menos o espírito dessa brincadeira telefone sem fio. O primeiro da fila inventa uma frase e conta para o segundo, que repassa para o terceiro e assim por diante. O legal da brincadeira é ver como a mensagem vai chegar a última criança da fila.

Teatro em casa
Cada um escolhe situações para serem interpretadas e inventa um personagem: príncipe, ladrão, monstro, fantasma... Para que as cenas ficarem mais divertidas vale liberar parte do guarda-roupas dos pais a fim de que os pequenos componham um bom figurino e tornem mais reais as histórias. Vale recorrer às roupas de cama, banho e mesa para criar os figurinos mais malucos que puder.

Acampamento
A brincadeira é fácil de ser organizada. É só colocar duas cadeiras frente a frente e estender um lençol por cima delas. Para decorar, aproveite o Natal e use um pisca-pisca. Depois, é só começar a inventar histórias -as de terror são as mais legais!

Que tal pular corda?
Ficar sozinho em casa não é desculpa para não brincar.  Basta uma corda que a brincadeira estará garantida. Se tiver amigos, melhor ainda. O jeito mais simples é descobrir quem consegue dar mais saltos. Os mais experientes podem pular duas cordas ao mesmo tempo ou brincar com uma perna só.

Ciranda
Em roda, logo começa a cantoria.  Vale “Marcha Soldado” ou um “Corre, Cotia” na qual as crianças obedecem o que a letra manda. Geralmente, pais e avós conhecem várias cirandas e podem entrar no círculo e participar da diversão.

Roda, pião
A moda agora é o spinner, que fica girando e girando até cansar. Mas o pião já teve outras formas, como beyblade e o clássico de madeira e ponta de ferro. A ideia é sempre girar por mais tempo.

Par ou ímpar? Papel ou tesoura?
As mãos podem ser o melhor brinquedo. Vários jogos são feitos com elas. Joquempô, par ou ímpar e uni-duni-tê são alguns exemplos. Mas é possível variar. Que tal descobrir como se brinca de adedanha e de “em cima do piano”?

Crie os próprios brinquedos
Ninguém precisa de brinquedos para ter um brinquedo. Com um pouco de imaginação, uma batata pode virar um boneco, uma garrafa PET se transforma em nave espacial e rolos de papel higiênico se tornam binóculos. Aí é só se divertir.

Força no cabo de guerra
Com duas pessoas já é possível brincar. Cada um fica de um lado, segura uma ponta da corda e começa a puxar. Perde quem deixar o objeto escapar primeiro. Se não tiver corda, um lençol enrolado pode fazer a vez e a festa.

Brinque de pegar
Divida os participantes entre pegadores e fugitivos. Se quiser, é possível incrementar as regras com um pique (lugar ou posição em que as pessoas ficam salvas). A brincadeira tem vários nomes: pega-pega, pira, trisca, picula, manja...

No parque
Aqueles que tem a sorte de ter um parquinho por perto precisam apenas cuidar com o sol e não esquecer de pedir para um adulto acompanhá-los para se divertir no balanço ou no escorrega.

DESTAQUES DOS EDITORES