Paranaenses têm bom desempenho no STJD

Os clubes paranaenses tiveram bom desempenho no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em 2009. Segundo estudo do Centro de Tecnologia de Futebol (CTF), o Paraná Clube teve o melhor aproveitamento da Série B no “tapetão”. O Atlético foi o terceiro melhor da primeira divisão. O Coritiba terminou em 12º lugar, mas liderava a lista até a penúltima rodada. A punição pela confusão no Couto Pereira na última rodada derrubou o time.
Para organizar a lista dos melhores departamentos jurídicos do Campeonato Brasileiro, o CTF analisou o número de processos no STJD e o resultado das decisões. O estudo fez uma média considerando o número de absolvições e de punições mínimas (um jogo de suspensão para o jogador, por exemplo).
O Paraná teve 71,87% de média em 16 processos. Foram nove absolvições (56%) e cinco penas mínimas (87%). O clube foi representado no STJD pelos advogados Itamar Cortes e Lucas Pedrozo.
O Atlético, defendido por Domingos Moro no Tribunal, teve 68,75%. Foram 16 processos, nove absolvições e quatro punições mínimas. O Coritiba ficou com 55,87% - 17 processos, oito absolvições e três penas mínimas. O clube foi defendido por Itamar Cortes e Lucas Pedrozo até a penúltima rodada. Para o caso do jogo com o Fluminense, na última rodada, foi contratado o advogado José Mauro Filho, do Rio de Janeiro.
O STJD tem sede do Rio de Janeiro. Pelo estudo, esse fator pouco influenciou nas decisões do Tribunal. Os clubes cariocas tiveram fraco desempenho em 2009 no “tapetão”. O Botafogo foi o 4º colocado (68,41%), o Fluminense, 13º (55,55%) e o Flamengo, 18º (43,75%) na Série A. Na Série B, o Vasco terminou em 6º (56,51%).
Os grandes da capital paulista também não se destacaram no STJD. O São Paulo ficou em 7º lugar (60,71%), o Corinthians em 10º lugar (56,51%) e o Palmeiras em 17º lugar (44,73%).
“Os números mostram que os chamados grandes do Rio e de São Paulo não ficaram entre os primeiros. Então é muito relativa essa questão de força política”, disse o advogado Itamar Cortes, que atua na Justiça Desportiva desde 1994. “Esse bom desempenho do Paraná é uma vitória de todo o clube, de todas as pessoas que participaram desse trabalho”, declarou.