Política em Debate

Publicidade
Eleições 2020

PT tem dois pré-candidatos à prefeitura de Curitiba

Veneri:  escolha, que normalmente é feita com o voto de todos os filiados da legenda, desta vez será através de votação no dia 5 de julho entre os 44 integrantes do Diretório Municipal da sigla
Veneri: escolha, que normalmente é feita com o voto de todos os filiados da legenda, desta vez será através de votação no dia 5 de julho entre os 44 integrantes do Diretório Municipal da sigla (Foto: Orlando Kissner/Alep)

Com o encerramento do prazo para registro de pré-candidaturas à prefeitura de Curitiba, no último sábado (30), o PT terá dois nomes disputando a indicação do partido na Capital. O deputado estadual Tadeu Veneri, e o professor de Direito da Universidade Federal do Paraná, Paulo Opuszka.

A escolha, que normalmente é feita com o voto de todos os filiados da legenda, desta vez será através de votação no dia 5 de julho entre os 44 integrantes do Diretório Municipal da sigla, por causa do coronavírus. O grupo de Veneri defendeu a realização de processo de escolha virtual ampliando a decisão, mas a direção municipal rejeitou a proposta.

Veneri é líder da bancada do PT e presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania, na Assembleia Legislativa. Em 2016, ele concorreu à prefeitura, fazendo 39.758 ou 4,28% dos votos válidos. No mesmo ano, houve o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “ Foi uma campanha dura, mas que valeu a pena pelos temas que conseguimos inserir no debate eleitoral, como a necessidade de regularização fundiária em Curitiba e a mais que urgente tarefa de enfrentar os grandes grupos econômicos, que orientam a gestão de Curitiba, como os que exploram a coleta do lixo, operam o transporte coletivo e controlam a especulação imobiliária”, diz o deputado.

Neste ano, ele afirma estar se dispondo a concorrer novamente para apresentar o projeto de cidade do PT em oposição aos grupos políticos e econômicos que estão no comando do Estado e da cidade. “Estamos nos dispondo a desafiar, mais uma vez, os ‘donos da cidade’, que venceram a eleição em 2016 e, em 2018, para o governo do Estado”, afirmou.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES