Eleições 2022

Pela primeira vez, urna eletrônica será aberta em uma rede social

Por meio dos vídeos será possível descobrir como a urna é montada
Por meio dos vídeos será possível descobrir como a urna é montada (Foto: Abdias Pinheiro/SECOM/TSE)

Pela primeira vez, as urnas eletrônicas serão abertas em uma rede social. A iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Kwai, plataforma de criação e compartilhamento de vídeos curtos, acontece hoje, quando faltará exatamente 100 dias para as eleições 2022.

Serão divulgados cinco vídeos de pouco mais de um minuto cada, nos quais o coordenador de Tecnologia Eleitoral do Tribunal, Rafael Azevedo, abre a urna e explica, com uma linguagem informal e clara, tudo sobre o equipamento que transformou o processo eleitoral brasileiro, trazendo mais segurança e transparência.

Por meio dos vídeos será possível descobrir como a urna é montada, os itens que a integram, a funcionalidade de cada um deles, entre outros aspectos. O Kwai fará ainda uma página especial (H5, conhecida pela sigla em inglês “Hight Five”) sobre essa ação, com link para o novo hot site sobre a urna eletrônica criado pelo TSE.

Com layout moderno, o espaço mostra detalhes do equipamento, destacando que ele é parte de uma forte engrenagem idealizada e desenvolvida para atender à realidade do Brasil. Além disso, reforça que a urna eletrônica está em constante evolução, desde a sua criação há 26 anos.

Segundo o coordenador de Modernização do TSE, Célio Wermelinger, o objetivo da nova página é reunir todas as informações sobre a urna eletrônica em único local, dando visibilidade também às fases que integram o ciclo de vistorias do processo eleitoral, com informações detalhadas de cada uma delas, incluindo fases posteriores à realização das eleições.

Traz ainda uma linha do tempo, com a cronologia dos avanços no equipamento e as características de cada modelo usado pela Justiça Eleitoral até hoje em dia.

Desde 2018, a Justiça Eleitoral atua no combate à disseminação de notícias falsas relacionadas às eleições e à Justiça Eleitoral. Os acordos celebrados com as plataformas digitais integram o Programa de Enfrentamento à Desinformação, lançado em agosto de 2019 e tornado permanente em 2021.